expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Sporting 1- Boavista 0 – Leões somaram três pontos com um golo de penalti por Bas Dost e já podem respirar uma semana de alívio pela 32ª jornada para defrontar o Portimonense – Vitória magra mas preciosa para não perder de vista o Benfica e o F.C.Porto e até sonhar com o título.



Jorge Trabulo Marques - Foto-jornalismo  - Colaboração especial FootballDream

LEÕES VENCEM O BOAVISTA E NÃO PERDEM DE VISTA MAIS UM TÍTULO


Jorge Jesus, na conferência de imprensa do final do jogo com o F.C do Porto, disse que nos penaltis não há lotaria, que esta é do totoloto,  mas do aperfeiçoamento nos treinos para saber marcá-los. E, de facto,  mais uma vez isso foi magistralmente demonstrado  no jogo que a sua equipa disputou, com o Boavista, neste último domingo, quando, aos 26’, o holandês, Bas Dost, após acariciar a bola por entre as mãos por alguns momentos, a foi colocar no relvado e no ponto exato da marca das grandes penalidades, para sancionar uma palmada de Robson, que fez desviar a trajetória de um cruzamento de Bruno Fernandes. 





A infração até foi bem visível e foi esta também a impressão que tivemos quando, junto ao relvado, fazíamos a nossa reportagem fotográfica – Não  captámos o lance porque optamos por voltar a objetiva para   a baliza para onde se dirigia a bola mas vimos perfeitamente o toque da mão a dar-lhe um oportuno  rumo diferente  – Pese os assobios e as vozes de “penalti”, que se fizerem imediatamente ouvir vindos da bancada leonina fronteira, o jogo prosseguiu, como se nada houvesse  a penalizar – Porém, inesperadamente, momentos depois e na sequência de uma certa confusão gerada próximo da  baliza de Rui Patrício, quando se esperava que o árbitro, ao dirigir-se para a equipa do vídeo-árbitro para desfazer dúvidas de eventual falta naquele reduto, eis que depois de volve em sentido contrário e sanciona o penalti contra o Boavista. Marcado, instantes depois, ao soar do apito, num fulgurante chuto a fuzilar a capoeira  confiada a  Wagner, que, diga-se, em abono da verdade, além de excelente guarda-redes, parece ser também um bom orientador do jogo.

O arqueiro boavisteiro fez defesas que levavam pontaria de golo e mostrou que tem presença inteligente e destacada nas hostes axadrezadas, conjunto desportivo este que  revelou, realmente, ser possuidor  de um plantel de nível artístico superior, quer em termos de estatura física, onde o porte atlético da maioria é notório e se harmoniza, como se fossem escolhidos a fita métrica, bem como a nível de defesa e de ataque, fazendo jogo para dificultar a vida ao adversário e ganhar. 

Não foi este o desfecho do jogo mas, certamente, que, por entre o ruído e o entusiasmo das claques leoninas, que enchiam o imponente Estádio de Alvalade  e dos olhares atentos e apreensivos da  equipa técnica leonina,  nem por isso, os boavisteiros,  terão deixado de fazer pairar o fantasma do empate no reduto das redes de Rui Patrício e, por consequência, de levar o  credo na boca à inquietude de quem achava que a vitória por um golo só dá margem de descanso no apito final, sim, respiro de alivio esse que acabaria por suceder após a incerteza de um prolongamento de 4 minutos, que chegou a parecer eternizar-se, não obstante não ter protagonizado momentos de perigo para qualquer das balizas. 


Com este desfecho, o Sporting. com cinco vitórias consecutivas na 1ª liga,  parece ir de vento em popa  para defrontar o Benfica no seu relvado e prosseguir o sonho até ao  termo do campeonato - Até porque, soma 74  pontos, com mais três de que o Braga e a três do Benfica, que entretanto ocupa o topo da tabela, enquanto o FCPorto não disputar o jogo com o Vitória de Setúbal, que está marcado para esta segunda-feira no Dragão.

De realçar a extraordinária  exibição de Gelson Martins e Bas Dost: sem dúvida: é um duplo prazer vê-lo jogar e fotografar:  são eles que geralmente me proporcionam as melhores imagens. – Claro que na equipa há também outras notáveis vedetas mas estas quer-me parecer que são verdadeiramente excepcionais.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

TAÇA DE PORTUGAL - SPORTING AFASTOU O F.C DO PORTO NA LOTARIA DOS PENALTIS E VAI DISPUTAR A FINAL DA TAÇA DE PORTUGAL NO JAMOR COM O DESPORTIVO DAS AVE


Jorge Trabulo Marques - Foto-jornalismo - FootballDream - (há ainda videos por editar) 
TAÇA DE PORTUGAL - SPORTING E DESPORTIVO DAS AVES VÃO DISPUTAR A FINAL, NO JAMOR,  EM 20 DE MAIO  - À EQUIPA AZUL E BRANCA, FALTOU O QUASE – Do poeta Mário Sá Carneiro: “Um pouco mais de sol – eu era brasa,/Um pouco mais de azul/ eu era além./Para atingir, faltou-me um golpe de asa”Se ao menos eu permanecesse aquém” 

Rescaldo Sporting – Porto, em Alvalade – Jorge Jesus, sem papas na língua: “Aquela história de que as penalidades é uma lotaria, lotaria é o totobola…Para chegarmos aqui é porque soubemos!... E hoje voltámos a ser  melhores que o Porto!... Dez penalidades!.. Todas lá dentro!.. Isto tem alguma sorte?!... Tem! A sorte trabalhas, conquista-se. Mas também tem muito treino, durante vários períodos do ano



Repetiu-se o desfecho da “roleta russa”, que, em Janeiro passado,  penalizou os  Dragões,  em Braga, para a Taça da Liga  - Com a diferença, que, da outra vez, houve vários penaltis falhados  e outros defendidos: agora tudo ficou decidido ao cabo da marcação das cinco penalidades, com  o falhanço  inicial do  central espanhol portista Marcano, que, em vez de enfiar a bola dentro da baliza, a fez acertar no post esquerdo e desviar e tomar outro rumo



Desta vez a estrelinha da sorte brilhou a Jorge Jesus e ofuscou-se à equipa dirigida por Sérgio Conceição  nos minutos finais do encontro: um golo do defesa-central uruguaio Sebastian Coates, aos 84 minutos, desfez a vantagem da vitória alcançada pelo F.C. do Porto no seu estádio, permitindo à equipa leonina igualar a eliminatória e disputar o desempate no prolongamento – Não tendo havido golos, nos 30 minutos seguintes, divididos em duas partes, a decisão coube à habitual lotaria dos penaltis, que foi favorável à constelação verde e branca, que fez a festa no seu espaço planetário, em apoteótico delírio, dentro e fora do relvado.  .