expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 22 de julho de 2018

William-Adolphe Bouguereau- -30-11 - 1825 – 19-08-1905 – Um dos maiores gênios da história das artes plásticas – Pelo virtuosismo académico e artístico da sua arte, aqui o recordamos como um dos belos e dignos filhos dos Templos do Sol - Cujo génio suscitou azedos ódios e invejas por espíritos mesquinhos e menores

Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador 

Na anterior postagem falei do pintor irlandês  - Hoje vou dedicar este espaço a  Adolphe Bouguereau William, professor e pintor acadêmico francês, nascido em  La Rochelle, a 30 de novembro de 1825 e falecido na mesma comuna de Bordéus, em 19 de agosto de 1905. Cedo tendo manifestado um especial talento para as artes,  graças ao treinamento artístico que recebeu “ em uma das mais prestigiadas escolas de arte de seu tempo, a Escola de Belas Artes de Paris, onde veio a ser mais tarde professor muito requisitado, ensinando também na Academia Julian. Sua carreira floresceu no período áureo do academismo, sistema de ensino do qual foi um ardente defensor e do qual foi um dos mais típicos representantes”.
ENTREVISTEI OS PRINCIPAIS PINTORES PORTUGUESES – MAS NÃO SÓ…

Na minha vida de jornalista, creio ter sido um dos profissionais da CS que mais  atenção, a nível da entrevista e da reportagem , mais tempo dedicou às artes e letras: quer com escritores, poetas, quer com pintores, compositores, maestros e cantores  – Nacionais e estrangeiros.  Além de tantas outras  entrevistas  às mais diferentes personalidades da vida política, diplomática, social e económica – Isto para não falar dos registos feitos a  gente anónima, prostitutas, criminosos, etc. etc    - Muitas horas perdidas e sérios riscos de vida corridos, nomeadamente em S. Tomé, onde fui forçado a escapar-me numa canoa para a Nigéria, depois de barbaramente espancado por colonos enfurecidos, que não aceitavam os novos ventos da história que conduziam  à  libertação e independência dos povos subjugados e oprimidos pelo domínio ditatorial colonialista.

É sabido  que o ciúme e a inveja cega ou tolda  os espíritos mesquinhos: “As obras e carreira de Mozart foram difamadas e quase arruinadas por Salieri, Rembrandt foi alvo de desprezo absoluto por seus colegas artistas e pelo mundo da arte durante o fim de sua vida e por mais de 100 anos após sua morte e foi denegrido e seu trabalho virtualmente banido do mundo da arte ... só para ser redescoberto por Sir Joshua Reynolds na década de 1790”.


Bouguereau é também outro dos exemplos, que o mal de inveja não poupou. Na atualidade, são abundantes e elogiosas as referências, por estudiosos e especialistas das suas obras e da sua vida .Todavia,  é dito que, “no século passado, a sua reputação e as suas realizações incomparáveis ​​sofreram um assalto difamatório, desonesto, implacável e sistemático de imensas proporções. Seu nome foi retirado da maioria dos textos históricos e, quando incluído, foi apenas para cegamente, degradar e menosprezar ele e seu trabalho. No entanto, como veremos, foi ele quem, sozinho, abriu as academias francesas para as mulheres, e foi ele quem foi sem dúvida o maior pintor da figura humana em toda a história da arte. Suas figuras ganham vida como nenhum artista anterior jamais alcançou ou desde então. Ele não era apenas o melhor de sempre na pintura da anatomia humana, mais importante, ele captava as nuances tenras e sutis da personalidade e do humor. Bouguereau captou as próprias almas e espíritos de seus súditos como Rembrandt . Dizem que Rembrandt capturou a alma da idade. Bouguereau capturou a alma da juventude.

 

Considerando seu nível consumado de habilidade e habilidade, e o fato de que a grande preponderância de suas obras é em tamanho natural, é um dos maiores corpos de trabalho já produzidos por qualquer artista.Acrescente a isso o fato de que metade dessas pinturas são grandes obras-primas, e temos a imagem de um artista que pertence como Michelangelo , Rembrandt e Caravaggio , nas primeiras posições de apenas um punhado de mestres em toda a história da arte ocidental. ARC / Biography of William Bouguereau - Art Renewal Center

 

“Sua pintura se caracteriza pelo perfeito domínio da forma e da técnica, com um acabamento de alta qualidade, obtendo efeitos de grande realismo. Em termos de estilo, fez parte da corrente eclética que dominou a segunda metade do século XIX, mesclando elementos do neoclassicismo e do romantismo em uma abordagem naturalista com boa dose de idealismo. Deixou obra vasta, centrada nos temas mitológicos, alegóricos, históricos e religiosos; nos retratos, nos nus e nas imagens de jovens camponesas.

Acumulou fortuna e granjeou fama internacional em vida, recebendo inúmeros prêmios e condecorações — como o Prêmio de Roma e a Ordem Nacional da Legião de Honra — mas no final de sua carreira começou a ser desacreditado pelos pré-modernistas. A partir do início do século XX, logo após sua morte, sua obra foi rapidamente esquecida, chegando a ser considerada de todo vazia e artificial, e um modelo de tudo o que a arte não deveria ser, mas na década de 1970 começou a ser novamente apreciada, e hoje é considerado um dos grandes pintores do século XIX. No entanto, ainda existe bastante resistência ao seu trabalho, permanecendo a polêmica em seu redor” – Excerto de . https://pt.wikipedia.org/wiki/William-Adolphe_Bouguereau




William Bouguereau Biografia por Damien Bartoli com Fred Ross
Por um período que se estendeu aproximadamente desde o início da Primeira Guerra Mundial até a década de 1980, o número de pessoas na América e na Europa - especialmente na França - que já foram expostas ao nome de William Bouguereau, era de fato raro. Menos ainda foram aqueles que, movidos pela curiosidade, tiveram a oportunidade de ver uma única fotografia de sua pintura, quanto mais a coisa real. 
Apenas minúsculas imagens em preto e branco oferecidas em dicionários antigos ou livros de referência de arte podem ser encontradas. E para as escassas pinturas em coleções públicas francesas, nenhuma foi exibida. Em vez disso, eles foram enrolados ou armazenados sem cuidado ou manutenção; jogado de lado, desordenado, com outras pinturas acadêmicas igualmente desprezadas. Acabaram modificando-se no purgatório dos museus provinciais, onde somente os "autorizados" podiam vê-los, enquanto "oficiais" não cooperativos não permitiriam qualquer exame cuidadoso. 

É triste notar que pouco esforço foi feito para lançar mais luz sobre a vida e obra de Bouguereau. Apenas o admirável catálogo da exposição Bouguereau 1984/85, organizado pelo Museu de Belas Artes de Montreal, permite uma abordagem séria do assunto, e devemos uma dívida de gratidão por isso a Louise d'Argencourt e o falecido Mark Steven Walker, e os três museus envolvidos que tornaram isso possível. 



E, no entanto, Bouguereau foi um dos artistas mais admirados, ouvidos e invejados no final do século XIX; tanto por seus colegas quanto pelo público que se reunia a cada ano no Salão para admirar as imagens que de alguma forma "faziam" o evento e que eram frequentemente reproduzidas na primeira página das revistas. Milhões de suas reproduções foram compradas avidamente para as casas daqueles que não podiam pagar por pinturas. No geral, eram as pinturas mais caras e seus clientes eram os mais ricos da sociedade - os americanos em sua maioria - que precisavam esperar muitos meses, até anos, antes de finalmente poderem pôr as mãos numa única pintura do Mestre. E isso, apesar de sua produção prolífica de mais de 800 obras.
Fora de algumas comissões muito raras em sua juventude, Bouguereau sempre se recusou a ser ditado em relação ao seu assunto e pode-se verdadeiramente dizer que ele só pintou o que lhe agradou, incluindo os numerosos retratos, que representam outro aspecto interessante de sua obra. 
Tendo ocupado os cargos de presidente de numerosos conselhos, sociedades e instituições importantes, foi coroado com inúmeros elogios, honras e condecorações. Bouguereau foi uma das personalidades mais reconhecidas do século XIX. Mais importante, todos eles foram altamente merecidos, pois ele também foi, sem dúvida, um dos maiores pintores de todos os tempos. Ele conseguiu graças ao seu gênio e à força de seu trabalho duro incansável e mestria técnica inigualável - isso no próprio período em que a apreciação do desenho e da modelagem estavam em seu auge nas artes visuais. Ele trabalhou na tradição eminente transmitida por Raphael , Poussin e Ingres , mantendo e sintetizando sua arte, mas usando seu próprio senso pictórico e destreza singular, que tornam suas pinturas imediatamente reconhecíveis. Levantando-se às seis horas, ele se instalava em seu estúdio e ficava lá sem se mexer até o anoitecer, apaziguando sua fome do meio-dia com ovos e sua sede com um copo de água. Ele recebeu convidados, ele fumou, ele conversou, ele brincou; mas ele não parou - ele nunca parou. Assim que a luz se tornou insuficiente para a pintura, ele trabalhou em sua volumosa correspondência, e finalmente; deixando sua imaginação vagar, ele procurava por novos temas, desenhava novas composições à luz da lâmpada, parando apenas quando o cansaço tirava o melhor dele.

Com uma imagem ao mesmo tempo extraordinária, fantasiosa e sublime, ele frequentemente evocava um universo etéreo de beleza transcendente - um reino ideal e cintilante do qual a fealdade, a pobreza e o pessimismo eram para sempre proibidos. Estas obras ele equilibrou por aqueles que lembram os mais afortunados na sociedade para cuidar dos jovens, os pobres e os sofredores. As alturas inigualáveis ​​de suas realizações artísticas eram lendárias; ainda assim ele nunca ficou satisfeito com seu trabalho. Sua busca pela perfeição levou-o implacavelmente, como se possessão, a corrigir e aperfeiçoar infinitamente suas técnicas, métodos e visões. Assim que chegou a uma nova altura celeste de maestria poética e técnica, Sísifo começaria de novo sua ascensão no século XIX, enquanto continuava forçando o pesado fardo de seus ideais artísticos. 
Sua escolha de temas e seu estilo único pegou rapidamente e ele se tornou o sumo sacerdote de seguidores de discípulos e imitadores - alguns dos quais nunca tiveram acesso aos seus ensinamentos, como; Zuber-Buhler ou Meyer von Bremen . Pois, além de seu impulso criativo, ele tinha uma paixão pelo ensino e era um professor tipo messias sem igual. Neste campo, ele não se preocupou com a escassa remuneração que recebeu em comparação com os altos preços de suas pinturas. Ao longo de sua vida, Bouguereau defendeu o exemplo dos antigos mestres e a perseverança no trabalho, permitindo que seus alunos, no entanto, expressassem sua própria individualidade livremente, tanto quanto seu mestre, Picot , lhe permitira.
Alguns alunos, no entanto, causaram problemas. O mais famoso deles foi Matisse, que rapidamente abandonou o estúdio de Bouguereau. Desde o início, o mestre benevolente tentou encorajar Matisse, mas logo levantou as mãos, exasperado, notando a fraqueza do jovem: "Você precisa aprender a perspectiva", ele disse: "Mas primeiro, você precisa saber como segurar um lápis. Você nunca saberá desenhar. "
Sobre o tema do ensino, devemos acrescentar que, graças às suas idéias inovadoras e, sem dúvida, por causa de seu amor pelo pintor americano, Elizabeth Gardner, ele foi um dos campeões da integração das mulheres, não apenas nos ateliês. mas também nos cursos oficiais de arte. É em grande parte devido à sua convicção militante de que devemos a abertura às mulheres, primeiro em seu próprio ateliê, e depois na célebre Academia Julian, e finalmente, no École Beaux-Arts Atelier .

Ao mesmo tempo em que era admirado e invejado, foi também muito contestado por um grupo crescente de pintores e escritores da nova geração que se consideravam "progressistas" e que acreditavam que a rebelião contra os valores tradicionais da pintura, como defendida pela Académie, era toda a sua "razão de ser". Os caminhos mais fáceis de pintar para os quais eles procuravam seriam sua passagem para a fama e a fortuna. Explorando a "novidade", como um fim em si mesmo, eles se fizeram passar por campeões de progresso que surgiram aparentemente em toda parte na agitada e instável Europa do começo do século XX.
Bouguereau e seus colegas do Salon e do Instituto da França foram rapidamente rotulados como reacionários em face desse crescente culto ao novo, encontrado primeiro no impressionismo e pós-impressionismo, mas que logo tomaria um rumo muito mais sombrio e destrutivo. E foi assim que, pouco a pouco, apesar de sua popularidade junto ao público, os pintores mais célebres da Academia - Bouguereau, Gérôme , Cabanel , Meissonier , Léon Bonnat , Lefebvre - viram-se na lista negra de um grupo de artistas jovens apoiados por um a imprensa cooperativa e a fabulosa riqueza herdada de alguns "altos sacerdotes" patronos desta "avante garde", que estavam à beira de monopolizar, por sua vez, os cargos oficiais - na Beaux-Arts, na profissão docente, e na curadoria posições dos principais museus.
Com essa implacável tempestade de críticas, Bouguereau permaneceu imperturbável, procurando serenamente sua busca pela beleza absoluta. Criador de um deslumbrante mundo de sonhos e fantasia, ele continuou a viver cercado de virgens, amantes, arquétipos idealizados, sujeitos de uma mitologia banhada pelo sol que foram sua paixão e companheiros de longa data. Ele os infundiu com vida em uma paleta viva e os vestiu em uma sinfonia de cores delicadas e tons harmoniosos e luz. Ele estava seguindo seu trabalho com o fervor de um motivado, obstinadamente fiel à sua estética, bem como à sua inspiração, e nunca se preocupou com escarnecedores ou detratores. Ele nunca sentiu a necessidade de defender aquilo que, evidentemente, não precisava de defesa. Ficou para os outros, 6 gerações depois, descobrir, analisar e expor as mentiras, distorções e falácias que foram usadas para derrubar ele e seus irmãos.
Muitos desses detratores chegaram a ponto de difamar Bouguereau. Eles espalharam os rumores mais baixos e mais difamatórios. Apesar de uma montanha de evidências anedóticas em contrário, ele foi acusado de mesquinhez: "Cada vez que tenho que mijar", eles alegaram que ele havia dito: "Custa-me dez francos". O fato é que, durante toda a sua vida, Bouguereau passou um tempo considerável organizando vendas de caridade para beneficiar seus colegas necessitados. Além disso, dedicaria generosamente um dia por semana como voluntário administrativo da fundação de caridade Baron Taylor antes de se tornar seu presidente. Porque ele ignorou as críticas, e porque ele nunca se gabou, alegações poderiam criar raízes sem negação. Assim, seu altruísmo era desconhecido para a maioria das pessoas. 

Pintura a óleo, com assinatura,  indicada na imagem seguinte: Original  de Bougereau ou discípulo?.

Coleção particular
Também foi dito dele que ele era um devasso e só estava feliz pintando nus femininos. Certamente, Bouguereau realmente amava as mulheres, mas, novamente, essa calúnia não resiste ao exame e o nu representa menos de 10% de sua obra. É particularmente hipócrita ouvir esse tipo de conversa perpetrada em um dia e idade em que é provável que se veja consideravelmente pior no horário nobre da televisão e falada pelas mesmas pessoas que enalteceriam as virtudes da sexualidade explícita nos trabalhos de Mapplethorpe ou Francis Bacon. - Excerto de

ARC / Biography of William Bouguereau - Art Renewal Center