expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

HERMAN JOSÉ - E A MINHA SOLIDARIEDADE A UM GRANDE HUMORISTA PORTUGUÊS

.......










....

















Por vezes interrogo-me se este país - o nosso - merece alguns dos seus maiores. É que há por aí tanta inveja e espíritos mesquinhos!!... - O caso o Herman José é também disso bastante ilustrativo. Pois quem é que não se recorda da perfídia que tentaram lançar sobre o nome e a pessoa de um dos mais populares humoristas portugueses? - E, veja-se a desfaçatez! com o apoio descarado daqueles que ele tanto dinheiro fez ganhar!... Sim, digamos que o espírito mercenário, esse, não conhece fronteiras, não tem rosto, nem olha a meios, sempre que pode encher ainda mais o saco!



 (excertos de uma longa missiva que então dirigi a Herman José).
Não sei se se lembrará da minha carta - pois, como deve receber muita correspondência, talvez lhe seja difícil lê-la ou lembrar-se de toda. Mas, seja como for, aqui vão alguns extractos da forma como, então, decidi manifestar-lhe a minha solidariedade.
:
(....) Lisboa, 17 de Junho de 2003

Exmo.Senhor
Herman José
Herman Zap-Produções Ld.
D. Pedro V - 56
1250 - 094 Lisboa

Exmo. Senhor:

(.....)

....Numa noite em que, no fundo do seu coração, chorava em silêncio a pesada dor do falecimento do seu querido pai .Mesmo assim, ó homem corajoso! Ó artista inigualável! Ó grandioso espírito da arte! Mesmo lutando contra todos os ventos e marés, contra todas as contingências, soube sorrir à desgraça, virar as costas ao infortúnio e não desmerecer a confiança do público que assistia ao seu espectáculo!


Porém, enquanto na perda de um ente querido, há uma dor, um sofrimento, que, apesar de poder ser bem fundo e imenso, cada um pode ir sofrendo em silêncio, junto dos seus familiares e amigos, no entanto, talvez mais grave do que isso (afinal, algo natural da própria vida, cuja fatalidade para a qual todos devemos estar preparados, e cujo sofrimento, o decurso do tempo ajudará a esquecer), sim, mais afrontoso de que essa fatalidade, são as injustiças, as arbitrariedades humanas - Pois, além de poderem liquidar, de um instante para o outro, todo o esforço de uma vida, todo o mérito de uma carreira conquistada a pulso, poderão deixar feridas para sempre, impossíveis de sarar.

Contudo, sendo, o Herman, uma pessoa de coragem, estou seguro que, embora sentindo a dor de tão vil insídia, com a ajuda de Deus há-de, com toda a certeza, ultrapassar o infame ultraje a que, os media, sem escrúpulos, o atiraram - E, por conseguinte, serenamente aguardar que, um dia, se faça justiça, e no local apropriado Mas, até lá, não deixe ( e julgo que é o que já deu mostras de não permitir) que um tal género de abutres o triturem.

(......)A minha preocupação, é, porém, a demora da Justiça, e a sua justa eficácia. Pois não basta que se confie na Justiça, é necessário que os seus trâmites e as suas decisões não se arrastem indefinidamente.


(...) Bom, e vou terminar com a seguinte revelação, numa espécie de abrir um pouco o véu sobre a autoria de quem lhe escreve esta já longa carta, na simples qualidade de seu admirador e cidadão. Pois bem, conquanto não seja uma pessoa do seu núcleo de amigos, nem com a qual tão pouco se relacione, pois desde há muito tempo que não tenho o prazer de o cumprimentar ( sim, talvez há mais de uma quinzena de anos), todavia, julgo que não sou uma pessoa desconhecida da sua memória - É verdade, parece que ainda foi ontem, e afinal, quão velozmente correm os anos! Se não imagina quem lhe escreve, não se preocupe, pois também não é essa a minha intenção(...)

Mas, já agora, veja se se lembra daquela vez que falei consigo à porta do Casino Estoril, de gravador na mão, quando saía de um espectáculo onde participara - E sabe, a que propósito?... Até parece que a História dos Dias, de algum modo, se repete... Sim, pelo facto de um dos seus programas, e, penso que também o seu nome, haver sido censurado e varrido da televisão onde trabalhava (.....) Tais declarações, que me concedeu, foram manchete, no dia seguinte, se não estou em erro, na Capital.

Pelo que então depreendi, face a tão inqualificável acto censório, julgo que o Herman José, nessa altura, passara por um momento de algum desconforto e perturbação na sua carreira. Oxalá, pois, que o momento que agora atravessa, não se assemelhe, nem ao do tão deplorável acto censório, nem seja a tentativa de que, alguém, ruído de inveja, lhe queira destruir a carreira.

Neste pequeno país, onde já se pagam até assassinatos por encomenda - Oh, sim! Se a minha vidência pudesse dizer aquilo que presente!… Tudo é possível!.... E, oxalá, em relação à sua pessoa, ao menos as coisas nunca cheguem a esse ponto. Mas, deixe que lhe diga: quando alguém deseja, seriamente, mal a outro, nem sei qual das soluções a menos criminosa: se a vinda daquele que envereda pela via da calúnia e pretende matar aos bocadinhos, ou se do que mata cruelmente, e de uma só vez. Porém, Deus nos livre de qualquer destes actos criminosos. E, pessoalmente, só rogo a Deus que o proteja e que a Sua divina protecção se estenda a todas as pessoas de bem.


(…)Amigo e Senhor:
Sendo como é uma pessoa inteligente e sensível, calculo que seja duro o momento que atravessa. Pela morte do seu querido pai e por esta infâmia. Não o demonstrou perante aquele público do Coliseu, e fez muito bem.

Em frente,  a mesma coragem de sempre! Cara levantada, sorriso nos lábios! Use a arma do humor e destrua-os a todos, desarme-os das perfídias com essa arma inigualável. Mas, também, ao mesmo tempo, muita atenção, não propriamente com os inimigos, porque, esses, são invisíveis e quando mordem, mordem pela calada, mas sobretudo a certos pseudo-amigos que, enquanto lhe estão a dar-lhe uma palmada nos ombros ou a estender uma das mãos, talvez já estejam com a outra - tal como o beijo de judas - , a ver onde o poderão apunhalar pelas costas.
(....)



JOSÉ MOURINHO TEM QUE LIVRAR-SE DE UMA CERTA CORRENTE NEGATIVA À SUA VOLTA







Fotos de Luís de Raziel





Há horas menos felizes mas há que manter
sempre a esperança, o saber e a firmeza














Do alto onde me encontro e mergulhado como estou,
sinto esquecer toda a alegria e toda a dor
como se estes instantes fossem a imagem natural
do espaço e do tempo




Caro José:
Conheço o seu blogue mas não era por aí que eu queria comunicar consigo. É um facto que no futebol nada pode ser dado como certo ou adquirido. No futebol tudo pode acontecer - E era justamente isso que eu quis sublinhar nessa minha mensagem. “Claro que o futebol, embora se jogue no relvado, é um terreno muito movediço - Pois a bola é redonda e pode ir para os pontos mais inesperados - Nem sempre a melhor equipa é a mais beneficiada ou a que sai vencedora “ - Este era o ponto crucial do que eu lhe pretendia transmitir. Pois não espere que alguma vez use a linguagem do totobola: perde; ganha ou empata. Isso é o estilo dos vendedores da banha da cobra, dos charlatães. Pois, como sabe, para as pessoas inteligentes meia palavra basta. É mais ou menos nessa linha (ou com metáforas) que eu prefiro dirigir-me.

Eu sei que está encontrando uma certa resistência interna e externa. A nível interno (passiva), por alguns jogadores que não estão na sua melhor forma e também não se esforçam por tê-la; e também activa por parte de alguns inimigos do actual Presidente do Milão, que nem o desejam a si nem o suportam a ele - e também afectos ao seu antecessor. Por outro, lado, existe a corrente negativa que vem de alguma imprensa - mas muito especialmente a onda de ódio que paira no ar por parte dos seus adversários e contra si. É realmente demolidora: se não desse tanto nas vistas, deixá-lo-iam em paz. Mas o que é se há-de fazer se essa é a sua intrínseca maneira de ser? faz parte da sua personalidade?!… Mudar de atitude?….Evitar a polémica e ser mais discreto?!… Duvido que resultasse. Pois, enquanto aí estiver, não tem outra saída senão resistir e enfrentá-los! - Não perdendo a confiança e continuando acreditar nas suas capacidades. Pois, conforme lhe disse na minha mensagem, as vitórias constroem-se com suor e lágrimas. Ou seja, nem sempre se pode ganhar; o importante é que se ganhe mais vezes do que se perca. E que as derrotas não comprometam nunca as vitórias.

.

Mas, já agora, e muito modestamente, queria deixar-lhe aqui a minha sugestão: se é crente, reforce também a sua fé de modo a que o ódio e o mal de inveja de que é alvo possa ser extirpado - Se ainda tem a pedrinha que lhe dei no Estádio do Dragão, leve-a consigo e aperta-a bem numa mão e na outra durante os jogos - Esse é um acumulador energético, altamente positivo, capaz de o livrar em boa parte dessa corrente negativa.

Bom, mas vamos ser positivos. Pois é exactamente com este estado de espírito que se poderão quebrar e vencer quaisquer resistências, amarras ou dificuldades. Conforme disse na mensagem que a seguir reproduzo. É certo que vejo um certo ambiente confuso e de batalha mas creio que, no final, há-de erguer uma grande bandeira. Não lhe vou dizer qual estou antevendo - pois não é esta a razão das minhas palavras. Estou longe; mas por minha parte ( e dentro do possível) tudo farei para lhe desejar boa sorte! - Por forma a que erga no alto do mastro e no cimo das tais ameias do castelo que lhe falei, todas as bandeiras que deseja. Mas isso não depende de mim; depende do José. - Como sabe, nós somos considerados do terceiro mundo e, por isso, quando um portuga começa a destacar-se, não faltam ódios a querer tolher-lhe o caminho. Mas há que resistir e lutar - O pior que lhe poderia acontecer - nem era tanto conquistar títulos - mas soçobrar a meio da jornada. Isso é o que os seus adversários (aliás, inimigos creio ser o termo mais adequado) mais desejariam. Por conseguinte, ter bem presente no pensamento: Acreditar! Acreditar! E deixar que os cães ladrem - Os deuses protegem os audazes e gostam de os ter ao seu lado. Vamos a isso, José! Com saber, coragem, confiança e determinação, faça sempre por não Os desmerecer. Que, pelo menos, uma grande bandeira , no final, haverá de erguer!
Luís de Raziel

-

Date: 2008/11/26
Subject: Mister José Mourinho - Venho desejar-lhe boa sorte
To: thespecialone@setanta.com, info@intermilan.ca

Caro José Mourinho:

Estive dentro do relvado na inauguração oficial do Estádio do Dragão, em 16 de Novembro de 2004 - Fiz fotografias e ofereci-lhe uma pedrinha mágica - Foi antes de começar o jogo com o Barcelona - Ao passar junto à cabine, instantes antes do desafio começar - Disse-lhe: pegue lá esta recordação e guarde-a bem guardada - Boa sorte!. - Espero que a tenha guardado - É o amuleto da sorte

Eu recordo esse episódio no blogue que há pouco pouco tempo editei - 

Não tenho bem a certeza se esta mensagem lhe chega às mãos. Mas faço votos para que a possa ler. Pois gostaria de o serenar. Vejo que está sendo alvo de um certo fogo cruzado e pressinto que ande algo nervoso e inquieto - Aquela postura que lhe apontam como sendo de arrogante em meu ver é mais uma postura de defesa e de combate. Porque me parece uma pessoa de grande sensibilidade e muito trabalhadora. O seu êxito assenta num porfiado esforço e não é obra o acaso. É bom treinar uma equipa com bons jogadores. Porém, de nada serve se não houver sabedoria e inteligência para os orientar. Mourinho é um excelente líder e conhecedor da psicologia humana, conseguindo incutir confiança e determinação. É claro que, no meio da manada, há sempre uma ou umas quantas ovelhas tresmalhadas que não aceitam ser domadas - E cuja condução exige cuidados de mestre. Mourinho entende isso e procura levá-los pelo bom caminho..

Estou longe e não sigo com atenção o que se passa por aí nos campos de futebol. E, para lhe ser franco, embora goste de futebol, não é o tema que mais me preencha o tempo. Mas também não preciso, pois eu vejo as coisas através de ecos que me soam à mente. Em certos momentos recebo-os como se fossem flashes bastante iluminados. Mas também nem sempre isso acontece: pois, estas coisas de vidência, não é a mesma coisa que ir à torneira e beber um copo de água. è também algo nato

Claro que o futebol, embora se jogue no relvado, é um terreno muito movediço - Pois a bola é redonda e pode ir para os pontos mais inesperados - Nem sempre a melhor equipa é a mais beneficiada ou a que sai vencedora. Mas é um facto que a vitória se constrói com muito suor e lágrimas. E Mourinho edifica as suas vitórias como quem constrói pedra a pedra um castelo. Sim, tem pela frente mais um novo castelo - Agora erguido numa alta colina. Mas vejo em torno dele um certo ambiente confuso e de batalha. Mas também o vejo a erguer, por fim, lá bem no alto, sobre o muro de uma das ameias, uma grande bandeira. É uma delas! Mas desejo-lhe do fundo do coração e vou torcer para que não lhe escape nenhuma.

Luís de Raziel

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

JORGE NUNO PINTO DA COSTA - ESPÍRITO DEDICADO, SENSÍVEL E CULTO - NINGUÉM COMO ELE JÁ DEU TANTAS GLÓRIAS AO DESPORTO NACIONAL













.
Por Luis de Raziel











Antes de usar as novas tecnologias, optava pela via epistolar .- Dirigi cartas a várias personalidades, entre as quais a Jorge Nuno Pinto da Costa - Não creio que as tenha lido - Foram sempre muito extensas e, por isso, dificilmente as poderia ler.

Porém, como já tive oportunidade de referir, esse não era para mim o aspecto essencial: o importante é que eu as tenha escrito e dirigido - E mesmo que não lhas mandasse - como mais das vezes aconteceu - eu sentisse o natural apelo de escrevê-las. Este era, sem dúvida, para mim, o dado mais relevante







.

Jorge Luís de Raziel Dezembro, 19 de 2002
Vidente Vara de Deus

Exmo.Senhor
Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa
Presidente do Futebol Clube do Porto
Estimado e Mui Digno Presidente:

Espero tenha gostado das pedrinhas que lhe enviei na minha anterior carta, tal como também estou confiante de que, através das mesmas, haja recebido as vibrações mais positivas, por forma a alcançar os objectivos a que, tão denodadamente, e com total entrega da sua própria vida, de há muito vem prosseguindo, em prol do Futebol Clube do Porto.

Sobre a espantosa descoberta que lhe anunciei ( de um magnífico templo (...) que descobri num ermo da minha aldeia, e cujas fotos tive o prazer de lhas enviar, contrariamente ao que lhe prometi, ainda não é desta vez que lhe vou revelar mais pormenores, mas um pouca lá mais para diante, e ainda antes da Primavera, pelas razões que então lhe explicarei.

V.Exa é a primeira personalidade a quem eu faço uma tal revelação. Às outras , a quem tenciono também transmitir-lhe a boa nova, por enquanto, essas, nem sequer imaginam - terão que aguardar.

Como terá verificado, tenho-lhe escrito sempre sob pseudónimo, sob o mais completo anonimato, nunca publicamente, pois entendo que só assim, deste modo discreto, em completo segredo, poderei corresponder a um profundo e instintivo apelo ou místico condão, a que sou impelido a pronunciar-me, reconhecendo emergir de um outro tipo de personalidade, que me habita, que não aquele pelo qual sou conhecido, e até em actividade pública. Pois tenho receio de que, a não ser assim, l se me quebre, porventura, um certo pendor, ao brilho do qual tenho sentido a presença de Deus, e sido impelido( iluminado) a escrever laudas e laudas, no meu computador, que vou guardando, em silêncio, na sua quase totalidade.. Porém, e como preciso de alguém a quem me dirigir(mas alguém muito especial), nesta minha comunhão com Deus e certos espíritos superiores, sim, e a alguém cujo nome ou figura me ocorra, geralmente faço-o sempre de forma epistolar, escrevendo espontaneamente, sem fim à vista, pelo que, a bem dizer, nunca sei antecipadamente, como começo e onde termino.














Já por três vezes tive o prazer de o fotografar: duas das quais na presença de um batalhão de fotógrafos no Estádio Jamor, para aonde me desloquei expressamente, não só para fotografar a equipa do Futebol Clube do Porto, mas também para a livrar de eventuais quebrantos - Sim, por isso, nessas duas vezes, me plantei junto a uma das balizas, no interior do estádio, socorrendo-me do poder anímico e cabalístico de dois fascinantes goguinhos, trazidos expressamente de ermos lugares, abençoados, da minha aldeia, para com eles poder erradicar possíveis maus olhados e qualquer tipo de enguiçada, ao bom desempenho da nossa briosa equipa, do Futebol Clube do Porto.


Na outra oportunidade em que o fotografei, foi num conhecido restaurante, algures na área do grande Porto, onde jantava com pessoas amigas, visivelmente bem disposto, quando, inesperadamente, umas simpáticas fãs do brioso Clube, irrompendo de suas cadeiras, não resistiram à tentação de ir cumprimentar e pedir um autógrafo ao seu querido Presidente - Essas fotos, embora bonitas pela sua espontaneidade, e beleza dos rostos que se juntavam ao correspondido sorriso, não lhas mandei, na altura, por recear que me viesse a reconhecer, pois o único fotógrafo que ali estava era eu, e eu calculo que o Sr. Presidente, seja uma pessoa de boa memória visual. - Por isso, embora me tendo visto ali, a fotografá-lo, presumo que nem sequer pôde imaginar que, quem ali estava, era também para, uma vez mais, e enquanto médium, desejar-lhe muita saúde, muita coragem, longa vida e muita sorte no seu combate!

Aliás, são os mesmos votos, que, uma vez mais, gostaria de lhe expressar, certo de que um novo ano, aí está!!.... Pleno de confiança para um Presidente, cauteloso e previdente, mas ao mesmo tempo, sem descurar do horizonte os inevitáveis imprevistos, riscos e incertezas. Claro que, havendo determinação, e clarividente visão de propósitos, tudo é possível de alcançar... Até o cume das montanhas mais altas da cordilheira do Himalaia, é escalável!

De certo, já reconheceu que, os adversários mais directos do Futebol Clube do Porto, pelos vistos, têm vindo a denotar enormes fragilidades e fraquezas, muito aquém dos ânimos e do estado de espírito que animam as hostes da briosa equipa, que, por mérito próprio, ocupa já o lugar cimeiro na tabela do campeonato - E, digo-lhe, essa tão badalada contratação do espanhol para o Benfica, está ferida de morte, quase à nascença, pois vai redundar noutro fiasco - Isto porque, embora esse treinador tenha os seus méritos, ele, naquela casa, não se vai safar.


Porém, nada de foguetes, antes da festa, muito cuidado, com a enguiçada e outros tentáculos, excessivamente terrenos, e muito bem organizados, que se movem sub-reptíciamente, como ouriços cacheiros, mas com pérfida eficácia, pelo que, em meu entender, a restante fase do campeonato, infelizmente, vai ser recheada de casos, ciladas, lesões, conluios e más arbitragens, em detrimento do bom futebol - ou, antes, do engenho, da arte e do empenho dos atletas.

Mas será que, Deus, dorme?!...Estou em crer que não... Sim, vejo: Vejo, sob um céu muito claro e luminoso, um extenso mar azul a perder-se-me de vista, perdendo-se até a um infinito de um claro e esbatido horizonte, no entanto, para cá daquela fímbria e esbatida linha, vejo também o recorte de uma linda praia orlada de brilhante e branca espuma, em que a luz do sol se reflecte em oiro e prata pelo dourado e branco areal, sorrindo em mil sorrisos com as tranquilas e luzidias ondas! - E, no alto de uma pequena ilha, em frente, a escassas milhas, e onde há um singular farol, vejo também, juntinho a esse marítimo farol, duas maravilhosas ninfas, loucas de alegria, abrindo os braços ao vento, ébrias de enlevo, e, por vezes, até ensaiando alguns pequenos passos de etérea dança, ao som de um vago rumor que vem dos confins do oceano, vagido místico e celestial, pelo que, assim, alegres e muito contentes, vão erguendo, ao mesmo tempo, numa das mãos, alvacenta taça de um precioso néctar, que ora bebem, ora erguem em honra aos céus! E cantam, cantam belos hinos! e até, às vezes, pousando a sua taça, agitam bandeiras azuis e brancas, e, com a concha das suas delicadas mãos, gritam hosanas a Deus! - Eis o meu sonho, que tive, recentemente, e que lhe venho descrever, quase em vésperas de festejar mais um aniversário - O qual espero, e desejo, seja passado com muita alegria, e também vivido com a graça de um feliz Natal.

Um dia conto falar-lhe do seu signo, que, embora, sob o ponto de vista e a leitura da actual astrologia, seja considerado como estando no primeiro decanato da constelação de Capricórnio, tal era há 2OOO anos, que foi quando nasceu a astrologia; agora já é mais influenciado pela de Aquário, uma vez que, devido a um certo atraso no movimento aparente do sol, ao fim de 2160 anos, passa a ser influenciado pela constelação seguinte. Mas, como, na actualidade, o estudo tem sido feito, imaginando que, em Aquário, se esteja perante Capricórnio, no fundo, o estudo vem dar ao mesmo - Mas, em parte, não será bem assim. - Este assunto, ficará, pois, para outra oportunidade.
Jorge Luís de Raziel

"
















.



































À excepção da imagem com o troféu, todas as fototos reproduzidas pertencem
são do
autor deste site -