expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

HERMAN JOSÉ - E A MINHA SOLIDARIEDADE A UM GRANDE HUMORISTA PORTUGUÊS

.......










....

















Por vezes interrogo-me se este país - o nosso - merece alguns dos seus maiores. É que há por aí tanta inveja e espíritos mesquinhos!!... - O caso o Herman José é também disso bastante ilustrativo. Pois quem é que não se recorda da perfídia que tentaram lançar sobre o nome e a pessoa de um dos mais populares humoristas portugueses? - E, veja-se a desfaçatez! com o apoio descarado daqueles que ele tanto dinheiro fez ganhar!... Sim, digamos que o espírito mercenário, esse, não conhece fronteiras, não tem rosto, nem olha a meios, sempre que pode encher ainda mais o saco!



 (excertos de uma longa missiva que então dirigi a Herman José).
Não sei se se lembrará da minha carta - pois, como deve receber muita correspondência, talvez lhe seja difícil lê-la ou lembrar-se de toda. Mas, seja como for, aqui vão alguns extractos da forma como, então, decidi manifestar-lhe a minha solidariedade.
:
(....) Lisboa, 17 de Junho de 2003

Exmo.Senhor
Herman José
Herman Zap-Produções Ld.
D. Pedro V - 56
1250 - 094 Lisboa

Exmo. Senhor:

(.....)

....Numa noite em que, no fundo do seu coração, chorava em silêncio a pesada dor do falecimento do seu querido pai .Mesmo assim, ó homem corajoso! Ó artista inigualável! Ó grandioso espírito da arte! Mesmo lutando contra todos os ventos e marés, contra todas as contingências, soube sorrir à desgraça, virar as costas ao infortúnio e não desmerecer a confiança do público que assistia ao seu espectáculo!


Porém, enquanto na perda de um ente querido, há uma dor, um sofrimento, que, apesar de poder ser bem fundo e imenso, cada um pode ir sofrendo em silêncio, junto dos seus familiares e amigos, no entanto, talvez mais grave do que isso (afinal, algo natural da própria vida, cuja fatalidade para a qual todos devemos estar preparados, e cujo sofrimento, o decurso do tempo ajudará a esquecer), sim, mais afrontoso de que essa fatalidade, são as injustiças, as arbitrariedades humanas - Pois, além de poderem liquidar, de um instante para o outro, todo o esforço de uma vida, todo o mérito de uma carreira conquistada a pulso, poderão deixar feridas para sempre, impossíveis de sarar.

Contudo, sendo, o Herman, uma pessoa de coragem, estou seguro que, embora sentindo a dor de tão vil insídia, com a ajuda de Deus há-de, com toda a certeza, ultrapassar o infame ultraje a que, os media, sem escrúpulos, o atiraram - E, por conseguinte, serenamente aguardar que, um dia, se faça justiça, e no local apropriado Mas, até lá, não deixe ( e julgo que é o que já deu mostras de não permitir) que um tal género de abutres o triturem.

(......)A minha preocupação, é, porém, a demora da Justiça, e a sua justa eficácia. Pois não basta que se confie na Justiça, é necessário que os seus trâmites e as suas decisões não se arrastem indefinidamente.


(...) Bom, e vou terminar com a seguinte revelação, numa espécie de abrir um pouco o véu sobre a autoria de quem lhe escreve esta já longa carta, na simples qualidade de seu admirador e cidadão. Pois bem, conquanto não seja uma pessoa do seu núcleo de amigos, nem com a qual tão pouco se relacione, pois desde há muito tempo que não tenho o prazer de o cumprimentar ( sim, talvez há mais de uma quinzena de anos), todavia, julgo que não sou uma pessoa desconhecida da sua memória - É verdade, parece que ainda foi ontem, e afinal, quão velozmente correm os anos! Se não imagina quem lhe escreve, não se preocupe, pois também não é essa a minha intenção(...)

Mas, já agora, veja se se lembra daquela vez que falei consigo à porta do Casino Estoril, de gravador na mão, quando saía de um espectáculo onde participara - E sabe, a que propósito?... Até parece que a História dos Dias, de algum modo, se repete... Sim, pelo facto de um dos seus programas, e, penso que também o seu nome, haver sido censurado e varrido da televisão onde trabalhava (.....) Tais declarações, que me concedeu, foram manchete, no dia seguinte, se não estou em erro, na Capital.

Pelo que então depreendi, face a tão inqualificável acto censório, julgo que o Herman José, nessa altura, passara por um momento de algum desconforto e perturbação na sua carreira. Oxalá, pois, que o momento que agora atravessa, não se assemelhe, nem ao do tão deplorável acto censório, nem seja a tentativa de que, alguém, ruído de inveja, lhe queira destruir a carreira.

Neste pequeno país, onde já se pagam até assassinatos por encomenda - Oh, sim! Se a minha vidência pudesse dizer aquilo que presente!… Tudo é possível!.... E, oxalá, em relação à sua pessoa, ao menos as coisas nunca cheguem a esse ponto. Mas, deixe que lhe diga: quando alguém deseja, seriamente, mal a outro, nem sei qual das soluções a menos criminosa: se a vinda daquele que envereda pela via da calúnia e pretende matar aos bocadinhos, ou se do que mata cruelmente, e de uma só vez. Porém, Deus nos livre de qualquer destes actos criminosos. E, pessoalmente, só rogo a Deus que o proteja e que a Sua divina protecção se estenda a todas as pessoas de bem.


(…)Amigo e Senhor:
Sendo como é uma pessoa inteligente e sensível, calculo que seja duro o momento que atravessa. Pela morte do seu querido pai e por esta infâmia. Não o demonstrou perante aquele público do Coliseu, e fez muito bem.

Em frente,  a mesma coragem de sempre! Cara levantada, sorriso nos lábios! Use a arma do humor e destrua-os a todos, desarme-os das perfídias com essa arma inigualável. Mas, também, ao mesmo tempo, muita atenção, não propriamente com os inimigos, porque, esses, são invisíveis e quando mordem, mordem pela calada, mas sobretudo a certos pseudo-amigos que, enquanto lhe estão a dar-lhe uma palmada nos ombros ou a estender uma das mãos, talvez já estejam com a outra - tal como o beijo de judas - , a ver onde o poderão apunhalar pelas costas.
(....)



3 comentários:

Luis matos disse...

parabens é isso mesmo! concordo inteiramente ! mas o herman ter passado tudo o que ja lhe tentaram fazer sem nunca desistir e perder o sorriso mostra bem o que ele é:

o MAIOR HUMORISTA DE TODOS ....O MESTRE DOS MESTRES!

Marta disse...

apoiado ! Portugal é pródigo em sufocar os seus grandes talentos... se o Herman pudesse ter ido jogar para o Manchester...

Luis Matos disse...

É VERDADE ...escolheu dar pão a este povo faminto que o cospe para cima de si... enfim.... em 3 palavras: POR TU GAL!