expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

MÁRIO SOARES - UM PREDESTINADO... O Além de que lhe venho falar, não é de um lugar determinado, não é de um outro mundo....é tão somente daquele mundo que está para além da nossa compreensão e das nossas percepções vulgares


Por Luís de Raziell 

COMUNICAÇÃO EPISTOLAR SUPRANORMAL COM MÁRIO SOARES  - Durante alguns anos escrevi várias cartas a diversas personalidades da vida portuguesa, e até à Irmã Lúcia, já editada neste site, exceptuando a esta figura,  todas enviadas sob o pseudónimo místico de Luís de Raziell  - 

Nuns casos enviei, noutros, simplesmente, acabaram por figurar no arquivo das minhas elucubrações do foro mediúnico e espírita.- Alguns excertos foram editados neste site, mas remetidos para  arquivo, sem visibilidade pública, aguardando oportunidade de serem trazidos à luz, com a data que foram editados, quando se achar oportuno. - E assim tem sido 



Actualização - Video editado no Youtube no dia  05/01/2017

Mário Soares e as suas reencarnações 06/12/2008  - http://www.vida-e-tempos.com/2008/12/mario-soares-e-as-suas-reencarnacoes.html Carta de um vidente a um Visionário  - Editada em 15-11-08 – mas por enquanto não visível publicamente  http://www.vida-e-tempos.com/2008/11/mario-soares-1-carta-de-um-vidente-um.html 26/12/2008 - Mário Soares  - A Simbologia de um Império http://www.vida-e-tempos.com/2008/12/mario-soares-simbologia-de-um-imperio.html

NESTE POST - EXCERTOS DE DUAS CARTAS






Exmo. Senhor
Dr. Mário Soares
Ilústre Filho de Portugal,
Grande cidadão do Mundo

 Distinto Sagitário:

Sei que se define como um não crente em matéria do Além. No entanto é meu convencimento que, nestas coisas do incognoscível, não deverá ser, nem o radical céptico, nem, muito menos, o agnóstico puro....
....Comparo-o àquele navegante que, vogando com o seu barquinho na tranquilidade  do vasto estuário de um rio, às tantas se lembre de perguntar, embora sabendo  que o barco vai com um rumo certo: afinal, onde está a linha que me separa das duas margens?!...




Não leve a mal esta minha ousadia em foro íntimo, mas é minha convicção que o Sr. Dr. Mário Soares, enquanto puro sangue jupiteriano ( e ainda devido a outras influências enriquecedoras de vidas anteriores),embora não sendo um homem religioso, no sentido tradicional do termo, é-o, contudo,  no da seriedade e no sentido de missão – O homem que não deixa de interrogar-se  sobre as grandes dúvidas e questões que mais se levantam aos espíritos sensíveis e evoluídos, nomeadamente acerca das origens da vida  e dos grandes mistérios do Universo. O homem de profundas convicções idealistas,  que não esmorece ante as maiores dificuldades e perigos!  – Enfrenta  as batalhas, os pleitos, de rosto erguido! – Vai em frente! Qual cavaleiro vindo das brumas que, ao rasgar-se-lhe o horizonte em luz, em claridade, vai até onde a última centelha espreita e o ilumina! Não se detém na vã contemplação de inúteis devaneios, reflecte e discorre, como poucos, utilizando, a par da  sua inteligência superior, as imensas capacidades do inconsciente, do instinto e do sonho...  Desde a política aos grandes temas da vida, nada escapa à sua apurada sensibilidade! – Tem o condão da eloquência dos grande sábios  e a visão dos profetas iluminados!

Sim, V. Exa. é o cidadão das grandes causas da sua pátria e do mundo! É o enviado, o predestinado à Terra, ao solo e ao Mar Português! – Às  suas gentes e ao seu futuro! –  Estou certo que a  História assim o haverá de recordar!

Claro que não lhe estou a dizer nada de novo, pois, dessa missão profética,
creio, desde há muito se deu conta. Postura, no entanto, que jamais dela terá feito gala, antes a assumindo  com a humildade, a simplicidade dos grandes espíritos.

Sem dúvida, pelo que me é dado interpretar, logo, desde jovem, ao sacrificar a promissora carreira de advogado, teve o luminoso discernimento, a fina percepção  de que uma voz superior o chamava,  o instigava, que era imperioso avançar, sem demora, sem perda de tempo!... A pátria agonizava! O país não podia continuar adiado!...


 Sei que  se define  como um  céptico em matéria da fenomenologia da vidência. - Bom, talvez de um cepticismo, algo relativo... Pois é meu convencimento que O Dr. Mário Soares, enquanto puro sangue jupiteriano, e embora não sendo um  homem religioso, no sentido tradicional do termo, é-o, creio eu, segundo um prisma muito pessoal: ou seja, penso que, neste domínio, não deixará de interrogar-se a si próprio sobre as grandes dúvidas que mais se levantam, nomeadamente aos espíritos sensíveis e evoluídos, acerca das Origens da Vida e dos Grandes Mistérios do Universo. E, fazendo-o, dificilmente poderá ser tomado como um duro céptico. 
Por isso, eu atrevo-me mesmo a dizer que, o fará até com a profundidade e reflexão de um verdadeiro eleito, à semelhança do que faz com outras questões, em que se tem notabilizado.


Como sabe, a política, é norteada por ideais, mas é também a arte de convencer... onde nem tudo o que luz é ouro... Porém, no seu caso, além de um inveterado apaixonado pela política no bom sentido da palavra, tem o condão da eloquência dos grandes sábios e a visão dos profetas iluminados - Qual Patriarca Vivo, do Século!  Que, ao invés de procurar catequizar e amolecer as almas, se esforça  por iluminá-las, libertá-las  do obscurantismo, do domínio opressivo de ditadores e seus algozes!...E o que é isto, senão contribuir para a saúde física, mental e espiritual do Homem do Nosso Tempo?!...

         
 Na verdade, e tal como diz o bom povo, Mário Soares é fixe!  É um Homem de Grau Superior, um Enviado, um Predestinado à Terra e ao Mar Português. Às suas Gentes e ao seu Futuro!
 Estou convencido que, dessa missão profética, há muito se deu conta. Postura que jamais dela fez gala, sobranceira honraria, antes a assumindo com a humildade, a humanidade e a simplicidade  dos grandes espíritos.



A Vida é Sagrada - Pede Missão e Sentido..
Sem dúvida, logo de muito jovem, o Dr. Mário Soares, sacrificou uma promissora carreira - a de brilhante advogado - porque,  desde então, teve o luminoso discernimento, a fina percepção de que UMA VOZ  SUPERIOR O CHAMAVA, O INSTIGAVA , que  era IMPERIOSO AVANÇAR, SEM DEMORA e  SEM MAIS PERDA TEMPO!... -  O PAÍS NÃO PODIA  CONTINUAR  ADIADO!---
         
Na verdade, ESPÍRITOS, DESTE NÍVEL, POR TÃO RAROS, são portadores de graças muito especiais. Os Deuses, as Grandes Divindades Espirituais,  em geral, protegem-nos e confiam-lhes  Altíssimas Missões Proféticas, tornando-os em viajantes perpétuos... E só depois, de cumprida a pesada herança, o alto sacrifício, os levam para juntos do seu sagrado altar - É o que se pode dizer um amor, só correspondido, depois de elevado ao mais alto martírio ou degrau de perfeição, e de nada mais haver a expiar!
                                           *****
Por mim, não tenho dúvidas -  V. Exa. é dos raros espíritos iluminados, com capacidades que não são facilmente  aferíveis e  explicáveis através da filosofia tradicional e da lógica científica, e muito menos, compreendidos, na sua plena extensão, pelo senso comum!...
        
  Não gostaria de  tornar-me  demasiado extenso,  especialmente para quem o tempo é tão precioso, mas, se  o não conseguir, aqui lhe rogo a bondade da sua paciência - Isto é, caso entenda merecer-me com a sua atenção!

 Com efeito, é  minha convicção que  V.Exa. é um PURO VIDENTE!  Poderá  soletrar o significado dessa palavra, com todas as letras, que não erra!.. . - Ah, sim! se V.Exa. contasse, em pormenor, as  vezes que já conseguiu fintar os adversários!... - Que dotes de vidência e de telepatia, em potência, não teria para nos contar!!..

Umas vezes, antecipando, antevendo, a queda de alguns tiranos, e, nisso, conquistando coragem, fruindo intimamente, o prazer da vitória que tardava!... Noutras, infelizmente,  prevendo e sentido o travo amargo de quem cedo vai partir, enfim, pressentindo e sofrendo, na carne, no sangue e no espírito, e serodiamente, o desgosto da morte de velhos amigos e companheiros de lutas e de ideais, que as doenças e outras vicissitudes da vida, condenavam a um desenlace prematuro....


oh,se o tempo pudesse parar como parou este supremo instante .


 Sem dúvida, presságios assombrosos  que., em momento de estranha e inexplicável inquietude, de subtis vibrações, lhe assolaram o peito e o coração em incontáveis ardores de angústia e apreensão - Qual eco de trovão! Qual  pesadelo, ou fulminar de relâmpago que, em cerrado mar de trevas, estonteia e  perturba os espíritos mais estóicos!...
 Meu Caro Amigo!  Que livro mais misterioso e  fantástico, não publicaria, se a tanto se propusesse!!... Fale-nos, pois, dessa singular mundividência, não desista! Junte-nos essa importante experiência à  transmitida nas valiosas obras que já publicou!
                                        

Não lhe venho anunciar maus augúrios ou qualquer género de  adivinhações, pelo contrário:  a Hora é Alta, Transcendente! Luminoso é também o Mistério, que, estando em zénite astral, mais o  ilumina - e se revela... No entanto, se é das pessoas que gosta de fixar o olhar num calendário; não deixe de ter em conta que o nº 7 é na sua vida e dos seus um número com significado cósmico e cabalístico.
        Tal como diz o livro do sábio Eclesiastes, “Todas as coisas sob os céus têm o seu tempo. Na vida há um tempo para tudo”.
Talvez , por isso, seja chegada a altura de dar curso a outros apelos, de dar satisfação outros superiores desejos, há muito adiados...

Na vida não há acasos...
Mas há muitos caminhos ... E há que saber seguir por um deles...








Pois bem, reportando-me  à modesta pessoa que lhe escreve estas despretensiosas  linhas, sim, definir-me-ei, sem vaidade, e sem qualquer pretensão especial, como alguém que é sensível às vibrações do mundo espiritual. Digamos, impressionável a um certo campo de subtis energias que  rodeiam, afectam e emanam do corpo físico

Na realidade, o Além não é um local determinado; o Além é o outro lado da nossa própria sombra, que não vemos, mas que podemos pressentir e até percepcionar, desde que bem atentos - Sim, é a outra margem da vida, a sua invisível imagem. Em suma, a vibrátil essência  física e espiritual, que, em bandas de energia fina e subtil, campeia à nossa volta através de finíssima filigrana de obscuros mas poderosos canais, com os quais o médium pode  comunicar  ou interceptar as mais surpreendentes e inesperadas mensagens
          
         A bem dizer, todo o ser humano é portador de qualidades mediúnicas, telepáticas  e premonitórias, em maior ou menor grau de desenvolvimento,  podendo, pois, ser  um potencial vidente à sua maneira. . Possui em sua mente verdadeiras capacidades adormecidas, ecos ou vozes latentes que, quando despertadas,  o poderão guindar ao nível das grandes entidades espirituais, a um puro estado de iluminação e transcendência.  Porém, a educação que hoje recebe, desde o ensino elementar ao superior, tende mais a substimar esses poderes  do que a criar-lhes condições de estímulo. 

O que acontece é que, a maioria das pessoas, não se dá conta de tais faculdades, passa ao lado das suas mais subtis capacidades ou percepções. Na actual sociedade, dita da comunicação, mas simultaneamente varrida por uma enorme vaga de descrença e de vazio, ao mesmo tempo que ouve anda desatenta, é fortemente influenciada por ideias e pensamentos alheios. Tende a prestar mais atenção  à gritaria, ao espectáculo, ao que mais  lhe é veiculado pelos jornais, rádios e televisões ou a dar seguimento à rigidez dos conceitos doutrinários das suas religiões, do que ser levada a reflectir por ela própria – Passando ao lado das superiores faculdades  que possuiu ou que poderia desenvolver  - sim, se, ao mesmo tempo que ouvisse, fosse levada também a  reflectir ou a meditar um pouco mais. 


No entanto, por outro lado, há também que saudar o facto de, no mundo actual, ao mesmo tempo em que nele se desencadeia um quase caótico movimento de transformações, haver como que o despertar de muitas vozes e consciências para algumas das consequências, que daí poderão resultar,  tais como: a corrida ao armamento, a poluição e outras ameaças que no futuro penderão provocar  profundas alterações climáticas a nível planetário, por via desse desenfreado desenvolvimento – Uma dessas vozes, um desses paladinos que não se tem cansado  de erguer a sua voz, onde quer que se encontre, tem  sido o Dr. Mário Soares – Por tudo isso, e pela sua coragem, creia,  muito o admiro!

Segue o teu caminho, tão leve como a melodia que te envolve..
Eu sei que o Dr. Mário Soares não precisa dos meus conselhos. Nem tão pouco é esta a minha intenção. Pois eu é que aprenderia ainda muito mais com os seus ensinamentos e com a sua experiência. Porém, permita-me que, ao mesmo tempo em que me estou a dirigir a si,  vá deixando que os meus pensamentos discorram e se explanem livremente.

Sim, é  pois, importante estarmos atentos: não só a nível do  mundo em que vivemos, do mundo que nos rodeia, mas especialmente connosco próprios: pois é na consciência de cada um de nós  que  tudo começa! O destino da Humanidade é indissociável do pensamento de cada ser humano. Somos como que um elo de uma cadeia imensa! Não pode haver harmonia nesse eleo se algum ou muitos desses elos fraquejarem.

É bom ouvirmos os ecos que nos soam à mente; escutarmos as quase sumidas e vibráteis vozes que os nossos próprios ouvidos poderão captar; aprender a alargar o leque de consciência desperta; desembutir a intuição; alertar o subconsciente adormecido; controlar a corrente de consciência; aperfeiçoar a sensibilidade; dirigir a  atenção da forma  mais adequada, harmoniosa e equilibrada, através da meditação transcendental ou da auto-hipnose.  

Por mais ingénuos e incongruentes que nos pareçam os rituais dos povos das florestas da Nova Guiné, Amazónia, da África ou de outras partes do mundo, tais manifestações e experiências ancestrais  continuam a ser um manancial importantíssimo de alegorias, plenas de saberes e prenhes da herança mais pura

Nas pedra há uma linguagem que espera que a escutemos
Ser médium, não é um fim em si mesmo, mas tão só um modo de estar lucidamente desperto, vigilante, a todos os quadrantes da vida - Aos da vida aparente, real e física, e aos do lado espiritual e tangível - Muito menos, na minha perspectiva, será o ente que, exclusivamente,  ouve e comunica com o espírito dos mortos. 

Contrariamente ao que  hipotéticos médiuns apregoam, nenhum dos espíritos, não incorporados, que vaguei ou repouse nos escaninhos do Além, ousa responder a qualquer apelo explicito, seja ele de quem for. A  mente do médium é que deverá estar suficientemente aberta e receptiva a toda e qualquer vibração subtil. Deixar que o seu cérebro flua livremente e colocar-se perante este ou aquele ente espiritual, não como quem chama por alguém, mas como quem pensa e se  concentra profundamente nesse alguém - Tal qual como se apenas estivesse vendo a sua própria sombra, ouvindo a sua débil voz, ou, quanto muito, lobrigando o turvado perfil da sua imagem. É o bastante. Qualquer outro esforço se lhe revelará inútil.

Foto Expresso

Se o ente espiritual entender que deve comunicar, fá-lo-á segundo seu livre arbítrio. Quando se diz , nas auto-denominadas sessões espíritas, que os espíritos, que ali são chamados,  fazem mexer cadeiras e mesas, é pura fantasia. Pelo contrário, os espíritos manifestam-se sob o maior recolhimento e no mais absoluto secretismo e silêncio - Não perante grupos de pessoas,  mas a sós - Como entes individuais, só se revelam a um único interlocutor. E mais das vezes quando menos se espera. Eu respondo  pela minha própria experiência. Sei que muitos desses contactos ocorrem quando as pessoas estão muito enfermas, são acolhidas por acidentes ou doenças graves. E pressentem que a morte corporal cada vez mais do seu espírito se aproxima para ambos se  despedirem e cada um tomar o seu próprio caminho. Sim, e também se desenrolam junto de  pessoas que vivem situações limite – situações de sobrevivência extrema. 

Pessoalmente já conheci a da sobrevivência extrema. Já experimentei a grande solidão marítima e o naufrágio – mais de que uma vez. E, numa dessas vezes, 38 longos e penosos dias à deriva. Mas, depois dessas experiências-limite, que vivi, eu próprio tenho procurado outras situações em terra, que me predispusessem a encetar tais comunicações. Não foram muitas as vezes em que fui contactado mas as suficientes para ter plena percepção de como o fenómeno de vidência é complexo e se manifesta.
       

Mário Soares - No Vale Sagrado

A minha experiência, diz-me que o verdadeiro médium, querendo estabelecer um diálogo extra-sensorial,  deverá colocar-se  perante o chamado mundo desconhecido, tal como o navegador da Internet - abrir o seu portal e aguardar que o misterioso computador universal ou dos espíritos, lhe franqueei a janela.... Para isso, necessita da maior disponibilidade, da máxima descrição, do maior silêncio, repouso, absoluta concentração - Se possível, e estando preparado para esse efeito, deverá recorrer ao processo da auto-sugestão e da auto-hipnose, por forma a que nada o perturbe, a que logre um sono leve, muito próximo do estado de vigília, devendo procurar a posição corporal que melhor lhe proporcione essa concentração, a total abstracção e o mais completo relaxamento.
.     
É convicção dos grandes médiuns, que “os seres espirituais estão muitas vezes tão interessados em estabelecer relações connosco como nós com eles. Eles podem desempenhar várias funções e tomar várias formas.”  Sim, perfilho dessa mesma opinião. Umas vezes, para  orientar a nossa própria conduta e fazer-nos companhia, outras, para inspirar-nos na nossa criatividade. Enfim, proporcionando-nos esclarecimento, informação ou até contribuindo para nos ajudar a tomar algumas importantes decisões.
                    
Mas, cautela, nem todos os contactos são passíveis de serem positivos; alguns poderão ser mesmo nefastos, indesejáveis. Porém, em geral, desde que nos saibamos sintonizar-nos e darmo-nos  desse mundo sensível e tridimensional, as vantagens superarão os riscos. - Por exemplo, a meditação, a Yoga, é uma das vias de se aperfeiçoarem as comunicações com esse mundo. E, até, o tipo de alimentos. O peixe, a carne branca, os vegetais, o limão, a laranja, e frutos tropicais, ananás e a papaia, são tidos como  alimentos vibratórios por excelência. Pelo contrário, a carne vermelha, é um alimento pouco vibracional; reduz o metabolismo e inibe as capacidades de percepção espiritual. Por outro lado, é muito benéfica a ingestão de água e alguns períodos de jejum ocasional - designadamente para se preparar o campo à meditação e ao contacto espiritual. Outros instrumentos, tal como  o pêndulo, a numeralogia e o torot e até o uso de poções de certas flores e plantas, poderão igualmente  contribuir para enriquecer e proporcionar  um certo campo magnético favorável. Porém, um dos importantes requisitos, é a escolha do local; pois a casa pode até nem ser o sítio mais apropriado.
                              
Foto de Luiz de Carvalho
Eu próprio, desde há vários anos, tenho procurado, para os meus devaneios espirituais, um dos lugares mais ermos e místicos, nos arredores da minha aldeia. É para onde me dirijo com regular frequência, sempre que posso.  Não apenas com esse propósito, mas para me interrogar (tenho-o o feito através de várias maneiras, inclusivamente através de arte)sobre alguns dos mistérios do lugar e da sua relação privilegiada com o cosmos,   
 Sem dúvida, quem olhar de perto aquela paisagem, sente imediatamente que está longe da terra, ausente em qualquer remota paragem fora deste mundo

.

A VIDA É FEITA DE ACASOS MAS NÃO ACASOS QUE NÃO TENHAM A SUA RAZÃO DE SER... CALCULO QUE NÃO LHE VENHO FALAR DE COISAS QUE NÃO SAIBA OU DE QUE JÁ NÃO TENHA OUVIDO FALAR... PORQUE O DR. MÁRIO SOARES É DOS RAROS ESPÍRITOS ILUMINADOS QUE NÃO PENSA POR PENSAR NEM OLHA POR OLHAR... A ÚNICA DIFERENÇA É QUE TALVEZ LHAS VENHA DIZER DE MANEIRA DIFERENTE DO HABITUAL.

A Um Espírito Altamente Superior...
.
Esta é a segunda carta que escrevi, sob pseudónimo, para enviar ao Dr. Mário Soares, mas que acabaria por não o fazer, por ser demasiado longa - De resto, o mesmo aconteceria com outras mais cartas que posteriormente viria escrever.

Lisboa, 24 de Janeiro de 2002

Exmo. Senhor
Dr. Mário Soares
Deputado Português no Parlamento Europeu, Ilustre Filho de Portugal
E Grande Cidadão do Mundo

Quando receber esta minha carta, que vai ser extensa, decerto que exclamará, ou pelos menos vai ter  razões para o fazer: “O quê! Eu ler uma carta, tão extensa! Como?! Se  eu mal tenho tempo para escrever os meus textos e ler os meus livros!”  Pois bem, não duvido; mas, se não puder, paciência, eu pelo menos não posso deixar de lhe escrever o muito que sinto que tenho para lhe dizer (...)

De facto, não me é difícil imaginar que V.Exa tem uma vida muito ocupada. Porém, se a não puder ler, paciência - Peço-lhe que aceite as minhas desculpas pela ousadia, ou abuso de liberdade, mas, creia, sinceramente, algo me impele a dirigir-me a V.Exa., o que faço, de modo epistolar e muito respeitoso, pela segunda vez, pelas razões que adiante lhe explicarei.
A primeira carta que lhe escrevi, foi em 27 de Março de 2001, através da qual lhe anunciava algumas previsões, algo sombrias, que viriam a confirmar-se, infelizmente, conforme poderá depreender, ao referi-lhe textualmente o seguinte: “penso que o ano 2001, (ironia das ironias, o tão badalado e o tão profetizado Ano da Odisseia do Espaço), vai ser, certamente, um ano para esquecer - o ano de todas as odisseias “ - E foi! - Com avultadas perdas de vidas e consequências devastadoras a nível económico e psicológico à escala mundial, ocorrência cujas imagens televisivas ainda hoje estarão bem presentes na memória de muita gente. E da qual conto voltar vir a referir-me com pormenorizada reflexão.

.
Distinto Português, Notável Cidadão do Mundo:

Existir é não saber que se vive 
Para quem tão empenhado vive na defesa da causa pública, e fazendo da política um verdadeiro sacerdócio em prol dos mais nobres ideários, aparentemente pouco tempo de lazer lhe sobrará para grandes devaneios, pelo que, vir falar-lhe de mediunidade e de outras coisas no género, talvez seja demasiada ousadia da minha parte. Além de que, é já conhecida a sua reserva intelectual para com estas questões de índole metafísica. De resto, também eu o sou em relação à vaga de charlatanismo e desenfreada especulação que campeia neste domínio. No entanto, como não me considero incluído no rol desse tipo de pessoas, e, muito embora sabendo à partida da fraca credibilidade de que estas coisas gozam, designadamente junto dos meios científicos e por parte dos espíritos mais cépticos, mesmo assim, tomei a liberdade de lhe escrever esta carta, ciente de que não me levará a mal a ousadia

..










De resto, sendo V.Exa. um cidadão do mundo, no melhor sentido do termo, tal juízo só por si me tranquiliza, já que o considero, não apenas como o cidadão que pugna em benefício do seu país e da humanidade, mas também aquele que se preocupa em aprofundar e acumular múltiplos conhecimentos e a interpretação dos mais diversos saberes. É assim que procedem todos os espíritos norteados por nobres desígnios.
E foi assim que pensou também o grande poeta e filósofo alemão, Novalis. Para quem “o homem perfeito deve viver, por assim dizer, em diversos lugares e em vários homens, simultaneamente”, reconhecendo que ao homem “é necessário que lhe estejam constantemente presentes múltiplos acontecimentos e num círculo o mais vasto. Assim, se forma, então, a verdadeira e geradora presença de espírito - que faz do homem um verdadeiro cidadão do mundo e o estimula e o fortalece em cada momento da sua vida, através das mais benéficas associações e o coloca na clara disposição de uma actividade lúcida.”

.

Sim, creia, o Além de que lhe venho falar, não é de um lugar determinado, não é de um outro mundo, que se encontre abaixo da terra ou no alto dos céus ou mesmo que se situe paralelamente ao nosso, não é o mítico e fabulado mundo dos espíritos: é tão somente daquele mundo que está para além da nossa compreensão e das nossas percepções vulgares - Pois, quer o chamado mundo invisível, quer o que nele é tido como visível, interpenetram-se. Mais do que possa parecer, estamos mais ligados ao mundo invisível do que ao chamado mundo da matéria e do real. Por exemplo, se olharmos para a aparência de uma pessoa, à primeira vista, o que é que retemos? Obviamente, esta ou aquela particularidade do seu aspecto físico. Mas, pergunto: haverá alguém que olhando, com olhos de ver, e, numa segunda observação, não lhe descubra, algo mais do que meros sinais físicos? Pois bem, no fundo, é justamente o que eu procuro percepcionar: ou seja, o outro lado das pessoas, da vida, das coisas - Mas, não só. Há em mim também um objectivo bem determinado, como aliás, existe em todos os espíritos inquietos e inconformados, e creio também em V.Exa: o permanente desejo de saber quem somos, donde vimos e para onde vamos?.. – O de questionar os intrigantes mistérios da origem da vida, que portas se poderão abrir para além da morte – que passagem se poderá escancarar para irmos ao encontro da existência ou não de Deus.

Esta é, sem duvida, a grande interrogação que me persegue: - ir em demanda de uma resposta - Que é, no fundo, a mesma que buscam todos os espíritos sensíveis, aqueles que não se rendem à tal triste realidade de serem felizes, apenas porque sentem que vivem e esperam tranquilamente a morte. Ou, como dizia Pessoa: “Triste de quem é feliz! / Vive porque a vida dura. / Nada na alma lhe diz / Mais do que a lição da raiz - / Ter por vida a sepultura.” – Claro que não! O mistério da vida é demasiado maravilhoso, para finar-se na sepultura.... Se uma maravilha termina, é porque uma outra maravilha principia... Se há um mundo infinito, é porque há uma vida infinita.... A sua inter-relação é interminável... E não consiste apenas no aparente fenómeno da reprodução da espécie... É algo mais vasto e inexplicável...
.
Feito o esclarecimento, permita-me, então, que lhe diga, com toda a sinceridade: sim, assumo-me como médium e vidente - Talvez esta definição soe a bruxo, a charlatão, mas também não encontro outra senão aquela – Obviamente que não falo com os mortos, mas ouço ou vejo coisas que os vivos já pronunciaram ou fizeram enquanto não chegou a sua hora. Além disso, através de sonhos premonitórios, ou através de súbitas visões em plena vigília, vejo factos e acontecimentos, ainda não ocorridos, tal como outros, há muito, volvidos, aparentemente esquecidos na poeira do tempo. Vejo, por vezes, tudo à minha volta, tal qual como se estivesse debruçado sobre uma imensa janela, que me tivesse sido subitamente escancarada, para toda a parte, para o infinito, sem barreiras de espaço, de fronteiras ou de tempo.

E, a propósito, vou-lhe contar um episódio relacionado com o seu filho João - Sim, o que lhe vou descrever, ocorreu-me na década de oitenta, e, pelos vistos, teve algo de premonitório. Há pormenores que já me escapam, ainda assim, tenho bem presente a visão que então me ocorreu. Subsistem imagens, que ainda as retenho, muito nítidas na minha memória – Sim , numa certa noite, acordei em sobressalto –E por causa de um estranho sonho! Em que vi o seu filho João, num deserto, algures em Angola, envolvido por remoinhos amarelos e vermelhos de areia, enlameado em óleo e poeira, esfarrapado, sangrando na cabeça e na face, contorcendo-se de horríveis dores do corpo, muito aflito. Porém, curiosamente, nunca o vi prostrado, desfalecido, vi-o sempre muito lúcido, extremamente consciente do seu estado e da sua precariedade. À volta, descobria-se um grande descampado, troncos ressequidos e nus, e, por perto, até se descobria uma toalha de água. Porém, era água a que ninguém podia chegar - pelo que, por esse motivo, grande era o suplício, uma vez que todos davam sinais (os sobreviventes) de, além de se contorcerem de horríveis dores, estarem mortificados por horrível sede! Visto que, a imagem que emergia, daquela imensa toalha, era tão só a visão de um horrível brilho estranho, terrivelmente próximo, mas ao mesmo tempo, inatingível, como se fosse a estranha miragem de um vasto deserto! Por outro lado, o único sítio que estava nitidamente iluminado, era o sítio onde ele se encontrava a aeronave destroçada, parecendo estar iluminado por uma luz muito clara, muito branca, que, de tão esquisita, nem parecia ser luz do dia, nem da prateada luz da Lua - Era estranhamente alvacenta e ao mesmo tempo penúmbrea, própria de uma atmosfera onde pairava a tragédia!.. De tal maneira tudo aquilo me impressionou, que, logo a seguir, acordei em sobressalto, custando-me a acreditar que tudo aquilo não passasse apenas de um horrível pesadelo.
.
Na manhã do dia seguinte, desabafei com pessoa minha amiga, no local de trabalho, a quem contei o dito sonho, e a quem disse, preocupado: Não sei onde é que o Dr. João Soares andará, mas tenho a impressão de que algo de arriscado ou de grave, se terá passado ou se vai passar com a sua vida. Dois dias depois, os media noticiavam que tinha ficado gravemente ferido na queda de um helicóptero, no Sul de Angola. Quando ouvi a notícia na rádio, imediatamente associei a dita notícia ao tal esquisito sonho, e, creia, o meu pensamento foi o de me dirigir a Deus para que o protegesse e lhe concedesse as melhoras de que carecia. Felizmente, Deus esteve sempre a seu lado.. Apesar da gravidade do acidente, a sua estrelinha, iluminou-o – - E, oxalá, assim o conduza pela vida fora, por bons caminhos e a degraus cada vez mais elevados na sua carreira - Até porque, quem, em prol da paz, a sua vida pôs em tão sério risco, efectivamente, é merecedor de que o futuro o premeie à altura de um grande sonho... E sendo, ainda jovem, o importante é que nunca perca de vista a linha do horizonte. Aliás, ele, João Soares, é um Homem de Elevados e Nobres Objectivos!
.
Noutro passo desta minha carta, espero contar-lhe outras das minhas premonições e experiências - De que julgo ter tido já vários testemunhos. Ou seja, numa área ainda algo envolta por uma densa neblina para muita gente - Porém, dia virá, estou certo, em que muito desse espesso véu se dissipará, proporcionando ao homem possibilidades incomensuráveis, até agora ignoradas, no alargamento das suas percepções extra-sensoriais e de um leque mais vasto na compreensão e no uso da sua própria linguagem.

A minha profissão, todavia, nada tem a ver com estas faculdades, a que me refiro, que não desejo ver misturadas publicamente. Daí esta minha carta ir assinada sob pseudónimo e com morada ilegível e fictícia, que é como eu tenho procedido com as demais cartas que já enviei a outras personagens Faço-o, pois, recolhido e silencioso, sob o o signo do mais estrito anonimato e descrição. Nunca pretendi nem pretendo tirar qualquer proveito, seja a que pretexto for. Aliás, como poderia eu aproveitar-me? de uma coisa que só se me revela, praticamente, quando menos o espero ou através de um pensamento que parte em demanda de uma espécie de mar desconhecido, quase da mesma maneira que um barco à deriva na imensidão do oceano!... – Se bem que estando certo de que exista um farol iluminado ou um qualquer porto de acolhimento, algures, em qualquer ponto oculto do horizonte! É um condão; uma faculdade, algo anormal e para o qual concorrem factores e acasos, alheios à própria vontade, ao querer humano, que escapam ao meu controlo e à minha própria compreensão, pelo que, ao revelarem-se-me, o que me resta, é tão só deixar discorrer a mente e tentar decifrar e teorizar tudo aquilo que à mesma aflorar, sob profunda reflexão ou por livre afloramento espontâneo -

Tenho exercido uma outra actividade, e publicamente, na qual julgo que fui sempre respeitado. Não gostaria , pois, de associar as duas coisas. Por isso, se tiver a bondade me ler, desde já lhe agradeço a gentileza da sua compreensão. – Mesmo não tendo a certeza que vai ter tempo de o fazer - No entanto, mesmo assim, não dou por perdido o meu tempo. E, muito embora, crente de o que acabo de lhe escrever é ainda muito pouco para o muito que penso que tenho para lhe revelar. Contudo, creia,, é realmente inexplicável a sensação de me estar a dirigir a um espírito altamente elevado e generoso - Não me vê, não me ouve; nem eu falo com ele nem ele responde a qualquer das minhas questões. Mas há um elo qualquer que se estabelece Subsiste a reconfortante propensão que caracteriza os espíritos esclarecidos ou reflexivos, que os leva (mesmo quando não têm um interlocutor à sua frente) a aproximarem-se de outras fontes de comunicação no espaço invisível. E, neste caso, dirigindo-me a alguém a quem Deus concedeu a graça para o cumprimento de uma missão única, profética, especial. Não duvido! 
V. Exa consubstancia a génese, a essência, a quem, num período histórico da vida nacional, particularmente conturbado e difícil (quer antes, quer depois da revolução de Abril), coube a espinhosa missão de ser o verdadeiro salvador da pátria portuguesa - intervenção sem a qual, tudo seria bem diferente: e para o pior! Felizmente, a derrocada não se consumou - muito embora o abismo estivesse à beira disso acontecer . Isto porque, no horizonte, então densamente ensombrado, reapareceu, na hora exacta, no momento certo, um espírito providencial, de elevada craveira, de seu nome Mário Soares.

Pela sua impagável dádiva, oxalá todas as divindades o abençoem, lhe proporcionem ainda muitos e frutuosos anos de vida, que o seu belo exemplo frutifique, nunca tenha sido em vão!
No entanto, atente bem nestas minha palavras amigas! Cuidado com as tentações de ir mais além do que o destino lhe reservou! – Já lho disse na minha anterior carta que há um tempo para tudo. E o seu tempo agora é do quem se prepara para colher tranquilamente alguns dos frutos das muitas árvores que plantou e vai ao celeiro da sua memória dar a conhecer à comunidade, em que viveu, o muito da riquíssima experiência que acumulou ao longo de uma vida de luta e até do pesado sacrifício no cárcere e de ter sido forçado ao exílio.

.

Chegado ao fim desta minha carta – e por ser tão longa - , se calhar o mais certo é não lha enviar e opte por por continuar a escrever-lhe, tendo-o apenas como uma admirável referência através desta singular expressão, de carácter eminentemente espiritual e epistolar.
Mas, para já, o momento é o de lhe desejar que as sagradas bênçãos astrais o abençoem e o protejam de todo o mal de inveja e de tudo o que não seja para o seu bem!
Grande Foco, Força Criadora, Vida do Universo,
Luís de Raziel – Vidente Vara de Deus.


Mário Soares – Wikipédia

Mário Soares - ANTIGOS PRESIDENTES:

Mário Soares - Infopédia

O Portal da História - Discurso do mês: Mário Soares

Fundação Mário Soares | Mário Soares

«Não acredito na eternidade. O que fica de mim é um rodapé num

Nenhum comentário: