expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

PEDRO ABRUNHOSA- O PROFETA DESCRENTE DOS EVANGELHOS QUE ACREDITA APENAS NAS PROFECIAS DA SUA MÚSICA - FAZ HOJE 50 ANOS DE IDADE



PEDRO ABRUNHOSA COMPLETA HOJE 50 ANOS - A IDADE DO OURO E DA MATURIDADE. O TEMPO CORRE RÁPIDO E NÃO PÁRA NEM ESPERA POR NINGUÉM: MAS HÁ QUE O ENFRENTAR E NÃO O RECEAR. E ELE NÃO O DEVERÁ RECEAR PORQUE É UM CASO RARO NA MÚSICA PORTUGUESA - EM ESTILO, SÓ O VARIAÇÕES PODERIA HOJE COMPETIR COM ELE; EM SONORIDADE VOCAL, NÃO VEJO QUEM O POSSA IMITAR.

Admiro o artista, Pedro Abrunhosa, porque é corajoso e frontal no que pensa e também na sua determinação em afirmar um estilo e uma linguagem própria: pois há muito quem se esforce e não o consiga. Sim, é preciso muito trabalho e transpiração. Porém, de que valerá tudo isso, sem a maravilhosa centelha do talento?!.. Ora , qualidades é coisa que não falta a Pedro Abrunhosa. Estou convencido que ele é o artista completo, multifacetado. Aposto que era capaz de se afirmar noutras áreas das artes: desde as letras, escultura à pintura.Basta querer. De resto, antevejo que, mais tarde, quando se cansar da expressão musical, pela qual optou, ele enveredará pelas artes plásticas. Ou exprimir-se-á em ambas, simultaneamente. Não tenho conhecimento se alguma vez experimentou afirmar-se nessa vertente, mas é minha convicção que o poderá fazer quando quiser - e com pleno êxito.

Pedro Abrunhosa, confessa ser um descrente da Janela do Além, aquela que nos transpõe, não para o fim da vida, mas ao principio de outra existência . Creio, no entanto, que a sua descrença não será tanto nas dúvidas que alimentará. Pois, como qualquer ser humano, certamente que também as terá; que não deixarão de o perturbar, sempre que lhe surja a interrogação: afinal, a vida para que servirá?... Porém, se cada um for bom na profissão que desempenha, for cumpridor da sua missão terrena - e ele tem feito por isso, fazendo dela a sua profecia - já é o bastante para não se perturbar demasiado com a morte, ou seja, sobre o que depois da vida, surgirá.

Constato que as suas composições são ávidas do momento, sôfregas de gozarem os prazeres da vida na plenitude da sua diversidade, acaloradas e insatisfeitas de fruírem "do que ainda não foi feito" - Oh, malditos aqueles que conspurcam e castram de pecado o que é por de mais reconhecido como natural, belo e humano, que é o amor e o sexo (sendo esta até uma das vias que ao invés de embrutecer, agita as veias, as emoções, viriliza, rejuvenesce e espiritualiza), em vez de aceitarem esta generosa dádiva de Deus, inventam fantasmas e tecem diabolizações, pretendendo reverem-se na castidade frustrada e hipócrita dos confessionários. Oh, sim, o que Abrunhosa, toca, canta e compõe, e sem quaisquer tabus ou preconceitos das palavras, não é apenas para agradar aos ouvidos, mas ao corpo e aos corpos, a todos os sentidos, estimulando-os à sua participação e inter-comunhão, ao prolongamento das emoções e sensações, até ao sorvo mais infinitesimal físico e anímico. Desencadeiam vibrações e estados de sensualidade que almejam estenderem-se além dos dias que correm, antecipam acontecimentos, não no sentido de se encaixarem neles, mas no de lhe servirem de resposta - na sensualidade e no amor.

.
HEREGE OU VISIONÁRIO?
Pedro Abrunhosa encarna a paixão e os ardores abrasivos do corpo, entre outras "heresias" - Ao longo dos tempos - e ainda hoje - condenadas e vociferadas por tacanhas mentes, pretensamente iluminadas. Terá sido, creio eu, numa das encarnações anteriores, o sacerdote ímpio e crucificado num dos Tribunais do Santo Ofício, atirado ao suplício de criminosa fogueira, para gáudio da barbárie eufórica e animalesca dos carrascos, da turba fradesca infamante e da plebe que o excomungava, em pleno adro e ao lado da torre de vetusto campanário, enquanto estes repicavam os sinos, como se as suas badaladas estivessem igualmente possessas pelo frenesim da mesma loucura e hidra, sim, vítima de buçal e hedionda incompreensão, em terras dos montes hermínios, por não se resignar aos tabus estabelecidos, ao ceder aos amores incandescente, às tentações irreprimíveis e sofredoras da sua alma, mas proibidas pela repressão contra-natura da Ordem conventual que professava. Felizmente que já lá vão várias reencarnações. A igreja evoluiu alguma coisa.

.
Os tempos vão sendo já bem diferentes. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer...Porém, nunca é demais lembrar a memória de um certo passado...até porque ainda subsistem outros credos onde as práticas não se alteraram..Extremismo Islámico.

Na verdade, Pedro Abrunhosa, embora pegando em temas simples, não enfileira na já tão estafada piroseira nacional. Todavia, mais do que o músico, ele é realmente uma personagem. Podem não se conhecer todas as suas músicas ou composições, mas dificilmente se desconhece o carisma Pedro Abrunhosa. E não creio que seja fruto de um culto fantasista, forçado e artificial; ele compreendeu que tinha de se apresentar e de comunicar à sua maneira. Mesmo que usasse uma máscara, embora ainda continue a ser o capuz de alguns carrascos, não era nada do outro mundo: muitas culturas, que seguem as suas tradições antigas, nas suas danças, cânticos e manifestações pagãs e artísticas, ainda hoje as utilizam, tal como tantos outros artistas as não dispensam nas actuações. As vestes ou adereços são parte intrínseca da comunicação. Também Jesus usava as suas túnicas e os seus turbantes. Ainda hoje a Igreja de Pedro não dispensa os seus paramentos. Também eu os uso, quando me desdobro noutra personalidade, quando vagueio solitário em demanda do mais íntimo e fraterno encontro com a Mãe Natureza.

.

Foi na Festa de Natal dos Hospitais. Já lá vão uns anos. Que Pedro Abrunhosa deu um espectáculo, SEM ÓCULOS . Apresentou-se na televisão e ao público, sem os tais "artifícios". E julgo, até, que, se o voltasse a fazer, não perderia nada com a desnudez visual - Pelo contrário, em vez do misterioso ar do artista domador - passaria a ter o ar do típico artista rebelde mas de olhar meigo, inquieto, mulherengo e galante. Mas, pelos vistos, ele quer agradar a todos quantos admiram as suas canções, não preterindo ninguém e ao mesmo tempo não querendo transparecer a "fraqueza" que sente pelo "sexo fraco" - Mesmo quando tropeça no palco, com uma aparatosa queda , como já sucedeu, ele ergue-se e continua igual a si mesmo - Além disso, acredito que desejará ver muito mais ao perto e o longe, tendo os olhos encobertos pela cortina das lentes foscas dos seus óculos, de que sem eles, fazendo de contas de que não vê o que está vendo.
.






Por três vezes fui um peregrino solitário dos mares e fui preso: - Por três vezes, não neguei o nome de Jesus Cristo, em vão, pelo contrário, não sendo católico, até o evoquei em momentos em que me senti aflito, mesmo assim, numa dessas vezes, além de preso, até fui espancado. E de que crime?...Oh Céus!...Por me aventurar a sulcar as águas equatoriais em frágeis madeiros escavados - e, numa dessas atribuladas viagens, oh Deus, durante tantos dias e tantas noites a fio, enfrentando calmarias e tempestades - Ontem, como hoje, a incompreensão, a injustiça e a intolerância, continuam a ditar as suas leis. Já me apercebi, de que, por via da mesma miopia, Pedro Abrunhosa, acaba por ser solicitado mais vezes, lá fora de que cá dentro.

Agora, sempre que posso - não conformado nem resignado, igualmente levado pelo espírito de uma inabalável insatisfação e curiosidade nos mistérios da vida e da morte e no longínquo Passado Histórico do Homem - vou peregrinando em chão firme e sagrado das minhas raízes. Por isso, e com o pensamento nesses santos lugares, aqui dirijo, a Pedro Abrunhosa, os meus sinceros parabéns, o homenageio, com algumas das suas músicas, a que tomo a liberdade de juntar também algumas das minhas auto-fotografias, com que recordo os passos - uma vezes mais parecidos com as religiões dos ídolos, a fé de Cristo, outras com o meu intrínseco paganismo nos antiquíssimos templos do sol - nas habituais peregrinações por ermos e quebradas dos arredores da minha aldeia, por espaços igualmente marcados pelo granítico da sua invicta cidade, desejando-lhe longa vida, as maiores alegrias e os melhores êxitos na sua carreira profissional - Muitos espectáculos e muitas viagens! Cá dentro e lá fora. E que o Grande Foco o Guie e Ilumine, o livre dos males de inveja, das quedas ou dos tropeções em palco, seja a luz e o protector no seu quotidiano.

PEDRO ABRUNHOSA DIZ QUE DESVALORIZA AS EFEMÉRIDES - SEJA COMO FOR, O ANIVERSÁRIO DO NASCIMENTO SÓ ACONTECE UMA VEZ POR ANO - MESMO QUE NÃO SE FESTEJE, O IMPORTANTE É ESTAR VIVO E VIVER-SE INTENSAMENTE A VIDA.
-------------Pedro Abrunhosa, o contador de histórias, faz hoje 50 anos "Adverso a efemérides, desvaloriza a data, admitindo que ainda tem tudo para fazer, e perspectiva um futuro em que o "animal" de palco será substituído pelo contador de histórias.
Ponto prévio: "Os 50 são iguais a qualquer outra idade. Talvez seja pela pouca importância que dê às efemérides, não há nada de transcendente nem épico a acontecer à minha volta e, portanto, continuo com as mesmas preocupações e anseios que tinha aos 49, aos 39, e até se calhar aos 18"
"Estudou música no Conservatório e fora dele mas, apesar de seis discos publicados ao longo dos últimos 16 anos, ainda há muito quem o conheça só por causa dos óculos, que são a sua imagem de marca. Pedro Abrunhosa faz 5o anos e está mais exigente de que nunca "A minha rebeldia continua cá" declarou à Notícia Sábado

NA SUA MÚSICA ONDE NÃO ENTRA O SOL ILUMINA A LUA.
"Pedro Abrunhosa é um músico que começou a casa pelas fundações, não pelo telhado. Estudou anos a fio no Conservatório e fora dele. Aprendeu com os clássicos, foi músico de jazz, tocou em orquestra mas também em bares manhosos, no metro, na rua. Pedro ama a música, seja ela feita onde for. Tem seis discos de originais e só o último não foi feito com a sua banda de sempre, Bandemónio, porque «quando os músicos dão mais importância a cargos e a estatutos do que à música, quando já não vibram em palco, então está na hora de mudar».

Porque «a cristalização é um perigo» e porque «é bom cortar com o passado». Agora é a vez de Comité Caviar mostrar o que vale. E provar que consegue resistir à forma autocrática e obsessiva que Pedro Abrunhosa tem com o trabalho. É ele quem o diz: «A música não é uma actividade democrática. Há uma construção piramidal, uma hierarquia.» Se é fácil trabalhar com ele? «Não é difícil... mas também não será fácil.»

CLARO QUE NÃO É A IGNORÂNCIA QUE DETÉM A CHAVE DA REVELAÇÃO, DA CLARIVIDÊNCIA OU DOS GRANDES MISTÉRIOS - OBVIAMENTE QUE A SENSIBILIDADE E A INTELIGÊNCIA JAMAIS PODERÁ CONCORDAR QUE SEJAM Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus

"Pedro Abrunhosa é culto, cultíssimo. Tão depressa cita Borges ou Faulkner, como recorda Rembrandt ou Leonardo da Vinci. Tão depressa compara o panorama político actual com outros períodos da História, que conhece bem e com rigor, como indica as teorias de sociólogos, antropólogos, escritores ou músicos que estudou com minúcia e que lhe enriquecem o discurso. Fá-lo naturalmente, sem pretensiosismos bacocos, e insurge-se contra quem busca a fama sem ter o trabalho"

.
(...)
"Mais do que saber o que ainda tem para fazer, que imagino seja muito, gostava de saber o que ainda não fez e gostaria de já ter feito?
Gostava de ter feito mais, grosso modo. Editei o meu primeiro disco aos 33 anos. Na sociedade actual, rápida, veloz, é considerado tarde. Eu acho que não é. Um disco é uma espécie de romance. E só se consegue editar um romance depois de se ter vida. Editar um disco ou um romance ou o que quer que seja antes de se ter vida é imaturo. Mas, claro, agora vejo os meus seis discos de originais e gostava de ter sete ou oito. Admiro o Lobo Antunes por várias razões, mas uma delas é porque edita um livro todos os anos. Só que a verdade é que ele não tem de andar em tournée. E eu ando muito na estrada, faço muitos concertos, ando muitos quilómetros. É tempo que passa.

Por falar em Lobo Antunes, já lhe ligou para que decidam o que vão fazer juntos? [o escritor António Lobo Antunes escreveu a Pedro Abrunhosa sugerindo que trabalhassem juntos de alguma maneira, ainda a descobrir.]
[sorriso] Não... Nós não nos conhecemos pessoalmente. Tenho algum pudor de conhecer pessoalmente as pessoas que admiro muito.

Pudor ou medo de se desiludir?Não, é mesmo respeito. Em 1976 conheci Charlie Chaplin pessoalmente. Lá está, isto faz-me lembrar que tenho 50 anos!

.

Pois, imagino que sim. E conheceu-o como?Foi um encontro incrível no casamento da filha dele, Geraldine, na Suíça, onde eu estava na altura. E esse encontro com Chaplin foi das coisas mais marcantes da minha adolescência. Eu conhecia bem a obra dele, sempre fui um amante de livros e de cinema e nessa altura já tinha uma grande cultura cinematográfica. A primeira pergunta que me fez, depois de eu ter tido a ousadia de o ter abordado, foi qual era, dos seus filmes, o meu favorito. Eu respondi que era O Grande Ditador e ele ficou admirado e pôs-se a conversar comigo. Eu tinha 15 anos na altura. E fiquei ali, sem coisas para lhe dizer. Com o Lobo Antunes é um bocadinho o mesmo. Não sei o que lhe hei-de dizer.

EMBORA DIGA QUE JÁ ESTÁ "CANSADO DE SER O ARAUTO DA OPOSIÇÃO" PEDRO ABRUNHOSA, NÃO DEIXA DE SER UMA CONSCIÊNCIA CRITICA E ATENTA DA VIDA POLITICA E SOCIAL, QUE O RODEIA

"Tenho tentado manter-me um pouco à margem porque, de facto, chegámos a um ponto em que a falta de dignidade é tão grande que fica difícil dizer alguma coisa. A falta de visão dos sucessivos governos, a falta de ambição dos sucessivos governos, a repetição do mesmo paradigma de desenvolvimento dos sucessivos governos, a incompetência dos sucessivos governos, é escandalosa. Nós, portugueses, temos mais-valias inimitáveis: o nosso património cultural, o nosso património edificado, o nosso património contemporâneo e o nosso património humano. A História tem ensinado, ao longo de cinco mil anos, que onde chega a padronização cultural chega a economia. O império chinês consolidou-se através de uma fortíssima identidade cultural. O mesmo fez o Brasil. E Espanha. Não há filme de Hollywood dos anos 1950 que não faça uma referência a Espanha. Nós só teremos voz no panorama internacional se tivermos voz no panorama cultural. E os sucessivos governos têm feito o contrário disso"
SANTOS DA CASA NÃO FAZEM MILAGRES - SOBRETUDO QUANDO VÊM A TERREIRO E SE ASSUMEM COMO DESMANCHA PRAZERES

"Se houvesse jornalismo de investigação na cidade... talvez fosse mais notório. Se sinto na pele? [silêncio] Não vou comentar. [silêncio] Toco mais vezes no Brasil, na Argentina, em Itália do que toco na minha cidade. E quando toco na minha cidade... toco porque sou eu que promovo os meus próprios espectáculos, numa sala que eu ajudei a defender, mas curiosamente são-me recusados espaços para colocar os meus cartazes e há muitos que, depois de colocados, desaparecem. O pior desta cidade é a falta de massa crítica. O pior desta cidade é que perdeu para Famalicão e para Guimarães. O Porto perdeu a vocação de ser a capital do Noroeste peninsular. Poderia ser. Não é por falta de mundo das pessoas que dirigem a câmara."

.

QUEM DIRIA QUE, POR DETRÁS DAQUELES ÓCULOS ESCUROS, POR VEZES SE ESCONDEM LÁGRIMAS QUE TOLDAM OS OLHOS MAS QUE ESTES SE RECUSAM A MOSTRAR..
"O que é que o faz chorar?
A última coisa que me fez chorar foi uma mãe que afogou uma criança numa ribeira em Rio de Mouro [Sintra]. É preciso estar-se numa situação de desespero enquanto mãe para fazer uma coisa dessas. E o filho tinha dois anos... imaginar aqueles segundos é tenebroso. A violência, de uma forma geral, faz-me mal. Mas a violência sobre crianças não me deixa indiferente. Não foi a primeira mãe a afogar um filho num rio, não será a última. Apetecia ter estado lá e dizer: «Dê-mo, que eu tomo conta dele. Depois vai buscá-lo quando puder.» Apetece estar presente nessas alturas. E quantas vezes nós passamos ao lado de situações e viramos a cara. Eu intervenho muitas vezes quando vejo mães na fila do supermercado a bater nos filhos, que estão cansados e a chorar. Tenho de intervir. Não consigo ficar calado.
O que é que diz?Digo que são crianças. E que estão cansadas. E que a mão dói. Eu digo isso no Momento: «uma mão que doeu». Aliás há uma frase que diz qualquer coisa como: a bofetada só magoa da mão de quem se gosta. É por isso que a bofetada de um pai tem uma dupla dor."

.
"A dor da perda do seu irmão Paulo atenua-se com o tempo ou está sempre presente?

Não há pior que a perda de um irmão. Não pode. Só a perda de um filho. Na altura [2001] tratei de tudo sozinho. E foi muito duro. Muito duro. O meu irmão era a pessoa com quem eu tinha aquela relação de irmãos que só os irmãos sabem reconhecer. Era o ser humano mais inteligente que conheci. O meu irmão Paulo... Era mesmo inteligente. Extremamente culto, com uma personalidade marcadíssima, e dávamo-nos como o cão e o gato, à irmão. Mas sempre que havia um momento dramático nas nossas vidas era um ao outro que recorríamos, não era a mais ninguém.
É isso o que mais lhe faz falta, na falta que ele lhe faz?É. Era uma pessoa que apaziguava, um diplomata. Era advogado e tinha uma proximidade com os miseráveis que era absolutamente extraordinária. E, por outro lado, era uma pessoa distintíssima. Perdi-o de repente. Foi tudo muito rápido. De repente vi-me a braços com as últimas palavras dele. O telefone tocou e eu não fui a tempo de o atender. E depois fui a correr para o hospital, mas já era tarde.
Disse-lhe tudo o que queria ter dito?

Nós nunca dizemos tudo. E é essa urgência que está nas minhas músicas. Falo muito mais de morte, de separação e de dor na morte do que de amor e de sexo. As pessoas acham que eu estou a falar disso e não estou. Mas essa é a multiplicidade da leitura artística, que é perfeitamente plausível."

"A música ajuda a exorcizar a dor?Sim. Seguramente. E, curiosamente, ajuda a planificar a proximidade da morte também. Mas sim, no caso concreto do desaparecimento do meu irmão, dediquei-lhe um disco inteiro [Momento] e foi uma forma de exorcizar a dor."

.

"A morte dele mudou a maneira como vê a vida?Eu nunca fui religioso, portanto sempre vi a vida de uma forma prática, digamos assim. Prática mas sempre com a interferência da mão divina do artístico. Acho que encontramos na capacidade criativa e artística o nosso Deus privado. Não mudei a minha perspectiva sobre a efemeridade da vida. Não acredito na vida depois da morte. Acho que morremos e acabamos. Não acredito na reencarnação"


PEDRO ABRUNHOSA O CRENTE NAS VIRTUDES HUMANAS E NA SUA MÚSICA - MAS DELEGA OS MISTÉRIOS DO ALÉM E DE DEUS PARA OS MÍSTICOS E TEÓLOGOS - LÁ TERÁ AS SUAS RAZÕES: A VOZ ANCESTRAL, POR VEZES, AINDA FALA MAIS ALTO QUE A VOZ DOS SACRÁRIOS, ELEVANDO-SE AOS ARES COMO EXPRESSÕES DE HERÉTICOS E VERDADEIROS "BANDEMÓNIOS"

.

"Não acredita em Deus.
É uma ousadia dizer que não acredito em Deus. É uma ousadia demasiado arrogante. Necessitaria de provas para a Sua não existência, atendendo a que Deus existe dentro de tanta gente. E se Deus existe dentro de tanta gente que faz tanto... Também é certo que esse mesmo Deus já deu provas de existir dentro de tanta gente que fez tão mal, ao longo da História. Em nome dos deuses têm sido cometidas as maiores atrocidades, é uma realidade. Mas também em nome dos deuses tenho visto muita bondade. A fé é algo de que eu tenho muita inveja. Muita inveja.
É muito mais fácil viver.Não sei se é mais fácil.
Acreditar que há alguma coisa depois do fim é seguramente muito mais fácil. Sobretudo quando se perdeu um irmão.Sim, talvez. Mas, não sei... eu acredito intrinsecamente na bondade das pessoas. E é suposto que os deuses sejam bons. É suposto que sejam uma desculpa para nós sermos bons. Há antropólogos que afirmam que nós somos intrinsecamente maus e que Deus é uma forma ético-moral de praticarmos o bem. O que é certo é que a fé tem movido e continua a mover multidões de uma forma comovente. Eu não posso deixar de me comover ao ver Fátima.
 Sim?Sim. Acho comovente. É preciso termos a humildade de perceber que à falta de afecto, carinho, amor, Deus é uma permanência de afecto na vida das pessoas. E Deus pode ser uma entidade abstracta, incompleta, intangível, como pode ser aquilo, exactamente. Ser aquilo que preenche o vazio da vida de muita gente. Nesse sentido, o meu respeito pela fé dos outros, seja ela qual for, é imenso. E é por isso que eu, pessoalmente, não posso dizer que Deus não existe, apesar de não acreditar nele. Se há tanta gente que O traz por dentro


"Para terminar, estamos em época de Natal... já sei que não liga a efemérides e não acredita em Deus, mas consegue gostar do Natal?
 Depois da perda de um irmão... é complicado responder a essa pergunta. Eu tive os natais melhores da minha vida. Mas... foram todos com o meu irmão" - Excertos da entrevista publicada, na NOTÍCIAS SÁBADO 258 - Os subtítulos são da responsabilidade do autor deste post. A edição integral poderá ser consultada em:PEDRO ABRUNHOSA - «Estou cansado de ser o arauto da oposição»

.
Luis de Raziel - ao centro - entre duas amáveis irmãs - Saudação com que termino este post.

Nenhum comentário: