expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 14 de agosto de 2011

JOSÉ MANUEL OSÓRIO - O FADISTA QUE MAIS TEMPO RESISTIU AO TRÁGICO FADO DA SIDA - APAGOU-SE A CORAGEM E AO AMOR PELO FADO E PELA VIDA





Afinal, os homens que amam o fado e a vida, também partem - mas deixam saudades. José Manuel Osório, o doente com sida mais antigo de Portugal, faleceu em Lisboa aos 64 anos. A primeira vez que o conheci foi na Brasileira do Chiado, quando trabalhava para uma estação de rádio. Era a sua zona de eleição dos convívios e do engate. Falei com ele fugazmente. Embora simpático, pareceu-me um pouco esquivo. Fiquei com a impressão que já andava absorvido por outras preocupações. Creio que nessa altura já devia saber que tinha contraído a doença - Eu desconhecia porém esse facto. Mas não tardaria, ele próprio, a vir para os jornais e televisões a assumir e a expor frontalmente a luta em que se havia envolvido: e, pelos vistos, com toda a sua coragem e determinação. Mostrando que, os doentes da SIDA, não eram os tuberculosos ou leprosos, dos quais se devia fugir, como o diabo da cruz. Ele foi, de facto, um dos mais belos exemplos de frontalidade e de coragem - E, curiosamente, sempre com aquele ar de gaiato ou de rapaz amarotado . Ninguém diria que trazia trazia consigo um tão penoso fardo ou calvário, uma tão pesada cruz, que tão cedo começara por carregar - E não merecia esse duro sofrimento. Mas é assim o fado dos eleitos: são prendados na sua sensibilidade - e ele fora um deles - um artista multifacetado: investigador de fado, fadista e produtor de espectáculos - Mas não se livram de arrostar com as mais pesadas adversidades ou contrariedades da vida. Até que um dia se lhe apaga o coração e se cerram as pálpebras, e cedem ao destino que lhes havia sido traçado quando abriram os olhos à luz do dia. Paz à sua alma e que o seu espírito - no além da fronteira terrena - não se canse de continuar a ser o mesmo incansável andarilho







Eis o que disse dele o DN: "Estava infectado com VIH/sida há mais de 27 anos. Este ano foi distinguido com o Prémio Amália Rodrigues Ensaio/Divulgação, tendo coordenado as coleções discográficas "Fados da Alvorada" e "Fados do Fado". o especialista em fado era também membro da direcção da Liga Portuguesa Contra a Sida...
Em entrevista ao DN, há dois anos, recordou os tempos em que se começou a falar desta doença. Tempos de discriminação e desconhecimento. Mas a família e amigos sempre o apoiaram desde o início.
Em mais de duas décadas, presenciou mudanças e melhorias no tratamento que o vieram beneficiar e lhe prolongaram a vida.
Nessa altura admitia que os doentes ainda eram olhados com desconfiança pela sociedade, talvez uma das mudanças mais difíceis que marcam esta doença infecciosa. O pai do jornalista Luís Osório morreu aos 64 anos, ultrapassando largamente a fasquia que um dia colocou, que era viver pelo menos até aos 50.
Mais informação sobre o seu passado, poderá ser consultada em: -

José Manuel Osório - Infopédia

Nenhum comentário: