expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 6 de julho de 2012

CHINA GARANTE COMPRAR DÍVIDA PÚBLICA - PAULO PORTAS E VITOR GASPAR FORAM PROMETER AOS CHINESES MAIS UMAS EMPRESAS PÚBLICAS A TROCO DA COMPRA DE TÍTULOS DA ´DÍVIDA PORTUGUESA

Isso ainda não foi dito publicamente mas é o que transparece - O balanço da visita à China por dois membros do governo  - e  a promessa de Passos Coelho, também não tardar - é das tais coisas que não se faz  de um dia para o outro. Além de que há segredos de Estado que não são para espalhar aos quatro ventos. Mas está mais  de comprovado, que , quer o governo dos angolanos, quer o dos chineses, são os parceiros de excelência e de referência para a coligação CDS/PSD


Passos Coelho recusa  pedir alargamento do prazo do programa de ajustamento financeiro. Ele entende que o mais importante é cumprir com os prazos impostos pelo capitalismo de Ângela Merkel. Mesmo que o país fique de tanga e descalço, ao menos assim, nunca perde o nome de Portugal. Daí ter enviado uma embaixada diplomática económica à China. 

O Primeiro-Ministro,  vai de mandar  os ministros, Paulo Portas e Vitor Gaspar (mais o charme de António Mexia) a ter com os infatigáveis chineses, lá onde todos se assemelham uns aos outros e ao movimento das abelhas ou a formigas, para que  nos comprem  a dívida portuguesa a troco do melhor que ainda tivermos em saldo. E, naturalmente, o que chinês quer é  ir tendo a possibilidade de (em vez de estender um tapete de veludo ao governo português) lhe ir dando uma banana madura para que ele próprio, depois de a comer, acabe por escorregar na própria casca e, a esperteza milenar chinesa,  ainda se fique depois a rir.

Mas essa comédia não é o que, por ora,  preocupa os nossos governantes. O que é preciso é, no fim do ano, ir junto da grande dama do ultra-liberalismo selvagem e dizer-lhe: "A senhora não acha que o Primeiro-Ministro Português  foi um  bom aluno?!..  Daí  a razão do vice-presidente do grupo parlamentar do PSD Miguel Frasquilho (que certamente não devia estar lá muito bem informado sobre as estratégias e  negócios secretos delineados por  Miguel Relva, lá pelo Oriente, num tempo em que ele, mais mal-amado de que bem-amado no Partido, se torna ainda mais autortário), sim, ter vindo  defender que a 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu) devia flexibilizar os prazos do ajustamento financeiro de Portugal, concedendo mais dois anos para o cumprimento das metas fixadas e financiamento adicional. - Mas, pelos vistos, até ao fim do ano (ao que tudo indica, chinês assegurando o crédito)  não vai ser preciso hipotecar-nos a outros glutões, porque,  ao menos, os novos donos da EDP, sempre sabem sorrir.  E assim vai este pobre país: cada vez mais envelhecido e endividado, em vias de perder a classe média e esta se transformar (juntando-se  aos deserdados, já existentes) numa vasta multidão de pobres e esfomeados.



Nenhum comentário: