expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 18 de novembro de 2012

"O DESÂNIMO" DE MIGUEL SOUSA TAVARES DA GERAÇÃO RASCA – AGORA REFUGIADA NOS ANONYMUS POR RECEIO DE SER ESMAGADA


QUE NOVAS ME TRAZEIS MEU ANJO DA GUERRA?!...

Miguel Macedo pediu à Inspecção-Geral da Administração Interna para averiguar o que se passou com a manifestação dos militares da GNR 3 Mar 2012 - 

"O senhor presidente do Conselho de Administração da RTP contactou-me e informou-me que iria abrir um inquérito, com o qual concordo, e aguardo os resultados desse inquérito sobre o que se passou", declarou Miguel Relvas Nov.22-2'12

É a tal coisa, sua Majestade:  Umas vezes as vítimas são os polícias e os militares, os bombeiros, os jornalistas por se manifestarem, outras o povo anónimo - As manifestações nunca agradam ao Poder de Suas Altezas 



De um modo geral  aprecio as crónicas de Miguel Sousa Tavares, para além da sua faceta de escritor – indiscutivelmente,  um dos bons escritores da actualidade e disso nos deu provas através do extraordinário romance "Equador"  - mas creio que não tem razão quando  (na sua crónica, publicada na última edição do Expresso O desânimo - Expresso.p justifica a repressão policial 

Quando diz” Quase tudo sofre cortes do OE-2013. Quase tudo menos a dotação para as forças policiais, que regista um aumento de 11%. “, nisso tem razão.  Mas não disse que esse aumento vai praticamente para as promoções das altas chefias e que  a raia miúda fica a ver navios. Depois acrescenta: Compreende-se e é merecido, quando se vêem as imagens das repetidas manifestações organizadas em frente à Assembleia da República, defendida pela PSP. Ao defender a Assembleia da invasão dos Anónymus, dos estivadores do Porto de Lisboa, do Otelo e de outros marginais, a PSP não está a defender o governo nem a sua política, mas sim o regime parlamentar. Dá vontade de perguntar aos manifestantes o que fariam se conseguissem ultrapassar as barreiras policiais e entrar dentro do Parlamento? Pegavam-lhe o fogo, como os SA, as tropas de assalto nazi, fizeram  com o Reichstag, abrindo caminho a uma ditadura? - Compreendo-o. O jornal não é seu. Não se pode dizer tudo.Mas meter o Otelo Saraiva de Carvalho no mesmo saco?! -  Simplesmente ofensivo. Talvez havendo mais dez como ele o país não tivesse chegado ao ponto a que chegou.

 MESMO ASSIM - DANDO DE BARATO AS OBSERVAÇÕES DE M.S.T - AINDA SOMOS MAIS PACÍFICOS DE QUE OS GREGOS E QUE OS NUESTROS HERMANOS ESPAHOIS 

POR ISSO, VENHA DAÍ UMA SAUDÁVEL ALELUIA  DOS ESCOMBROS DA VELHA GRÉCIA - BERÇO DA CIVILIZAÇÃO EUROPEIA - PORQUE AQUELA QUE NOS IMPINGEM, POR CÁ- O ORTODOXO DOM POLICARPO PATRIARCA DE LISBOA, AGASTADO COM AS MANIFESTAÇÕES DE RUA - JÁ ESTÁ  DEMASIADO CORRUPTA E GASTA



QUEM NÃO É PELO REGIME É CONTRA O REGIME E INIMIGO DO POVO


Caro Jornalista - Pois é:   pena não ter  referido no contexto, a que atrás me referi,  o que dissera umas linhas atrás, a propósito da subserviência e da politica falhada de  Passos a Merkel: “de que o que está errado não é a estratégia falhada, é ter de reconhecer o falhanço. E os últimos dados mostram que o nosso desemprego juvenil está a chegar aos 40%  – Ora aí está a justificação para os tais jovens Anonymus, a que alude,  se indignarem e reagirem com os meios que têm ao seu alcance – Obviamente, que quem vai a uma manifestação – por se sentir agredido nos seus mais elementares direitos - não vai lá para  dar vivas aos governantes e bater as palmas ao portentíssimo e repressivo aparelho policial que lhes protege as costas das suas malfeitorias e diatribes, perfilando-se  como injuriosa  e desproporcionada provocação a quem ali se dirige para elevar a voz do seu protesto – Ninguém vai a uma manifestação, apenas para ficar contente por se manifestar!


 

Quem se manifesta é porque se sente humilhado, defraudado  e afectado na sua vida pessoal e da sua família! – Ou porque é despejado de sua casa, devido a leis que só protegem a banca e os senhorios; ou porque não tem trabalho e não dispõe de outras  fontes de rendimento, ou porque, mesmo que os arranje, as leis dão ao patronato,  praticamente a mesma liberdade  que no tempo da escravatura – Isto porque, se por um lado, o grande capital resolveu transferir as suas principais empresas para a Índia e China, onde o trabalho é mal pago e não goza de qualquer estatuto de protecção social, provocando, com a sua deslocalização,  o desemprego e a miséria, por outro lado, os próprios governos,  na sua esmagadora maioria liberais - infelizmente, é esta a tendência  do indisfarçável egoísmo dos novos tempos, até porque são eles que controlam os media, para fazerem valer o seu eldorado mundo novo da nova ordem global financeira -  ao invés de protegerem os interesses dos seus países e cidadãos, protegem os de empresários gulosos, sem escrúpulos, insaciáveis. E no que pensam é agilizar as leis de modo a que - os servos - fiquem ao mesmo nível da mão de obra escrava dos orientais.

 Como se não bastasse, permitem ainda que os asiáticos nos invadam com o seu comércio, esmaguem o comércio local e contribuam para o encerramento das nossas fábricas; comprem as nossas melhores empresas. Acha que é simplesmente levantando os punhos ou agitando cartazes que os governantes, insensíveis e surdos aos verdadeiros interesses das maiorias, se incomodam com quem se manifeste?! – Não sou apologista da violência, pelo contrário, mas diga-me lá qual a forma de a sua indignação  poder ser notada?!






Se todos os manifestantes  fossem para junto dos Parlamento  aos gritos e com cartazes, acha que eram essas as imagens que passavam nas televisões?!...De resto, gritaria e insultos, é o prato do dia a dia, entre deputados e já ninguém faz caso  - Não defendo a violência, pelo contrário; não tenho temperamento para exercer esforço físico sobre quem quer que seja –  Prefiro o intelectual, quando se justifica  - Mas não me venham cá com a velha rábula ao estilo das ditaduras que, todos os que pisam o risco, são declarados inimigos do povo: de que, entre as  48 pessoas  feridas nos confrontos frente ao Parlamento, todos tinham que levar pela medida grossa, por entre eles haver  “alguns desordeiros e cadastrados"


Agora, há uma realidade indesmentível: violência gera violência. Será que se justifica que, por causa de um manifestante, mais exaltado ou destemperado, sejam brutalmente espancadas  centenas de pessoas, cujo pecado foi o de estarem no local errado e de quererem continuar a fazer sentir a sua indignação?!.  Diga-me, de que forma se podiam manifestar e serem noticia?! - De resto, notícia, que os media, onde você é também um dos privilegiados, inverte a favor do poder económico e politico, dominante - E a multidão de jovens anónimos, sem emprego, quem os ouve?! - Onde estão as televisões, as rádios e os jornais, ao lado do zé povinho?!..

OS INSUBMISSOS SÃO SEMPRE ROTULADOS DE MARGINAIS E CRIMINOSOS

 

O pirata do Henrique Galvão - imaginem! Até roubou um barco! - Com o nome da virgem "Santa Maria" - Quantas pragas não lhe teria rugado o Cardeal Cerejeira!

PASSSOU-SE DO TEMPO DOS HIPPIES PARA O TEMPO DOS METROSEXUAIS E DOS YUPPIES – TODOS  FILHOS DA BURGUESIA – E OS ANONYMUS O QUE SERÃO?! SERÁ O TAL MOVIMENTO RASCA? – QUE NÃO CONSEGUE DESCOBRIR PERSPECTIVAS DE FUTURO? – É BEM POSSÍVEL.

Como, certamente, se lembrará, no seu tempo de rapaz (mas sobretudo no meu, que sou mais velho) havia o fenómeno  chamado de hippie, hippie ou hippie,  um movimento surgido nas camadas jovens,  que deixava crescer a barba e o cabelo, como forma de libertária e de protesto,  mas pacifista, contra as ficções sociais e a moral burguesa, então reinante – Muitos desses jovens eram filhos de família, de gente que vivia desafogadamente – Pois, não eram os pé descalço, tal como eu fui, que  cedo tinham de começar a trabalhar e não lhe sobrava tempo para essas veleidades, que iam ficar guedelhudos e andar em concertos rokes. 
Agora, temos os metro-sexuais, que arranjam as pestanas e pintam as unhas - Temos depois  os yuppies que em geral possuem formação universitária, gostam de andar engravatados, almoçar e jantar nos melhores restaurantes e de seguir as últimas tendências da moda, geralmente são jovens com razoável situação financeira,  inseridos entre a classe média e a classe alta – Estes jovens não vão às manifestações, porque os papás e as mamãs têm caroço graúdo.

Temos, por fim, os chamados Anonymus, que, na verdade, sendo filhos das famílias que não têm qualquer peso social e que constituem a grande multidão de deserdados da sorte, mal vista e odiada aos olhos do poder constituído, sim, estas multidões não riscam, estão fora dos interesses da burguesia e os seus filhos sentem-se desprotegidos e abandonadas  das empresas, que não lhes dão trabalho (pois a cunha ainda continua a ser o melhor currículo, sobretudo politico), a menos que aceitem submeter-se à mão de obra precária e escrava – Mas é que  nem essa tão pouco está ao seu alcance. 

RUFEM, RUFEM OS TAMBORES - JÁ BASTA  DE SILÊNCIOS  QUE NOS OPRIMEM

Eis, pois, a razão pela qual uma grande parte da nossa juventude, com os pais desempregados, e sem verem nos governantes, qualquer tipo de esperança, se insurge – E, naturalmente, não da forma mais ortodoxa – Pena é não vermos agora, o nosso Presidente Cavaco Silva, a juntar o seu apelo às manifestações da “geração rasca” apelando à necessidade de «um sobressalto cívico», Cavaco adverte que há limites para os sacrifícios  Haverá maior violência ou hipocrisia do que esta?!.

 POTAGENS SEGUINTES DO MÊS DE NOVEMBRO


José Saramago, hoje 90 anos, se São Pedro não o tivesse ....

Nova lei do arrendamento urbano: vai afetar um...

Vale e Azevedo de volta ao Estabelecimento...

Obama reeleito: Bush não votou obama mas....

MÁFIA CHINESA: Quatro militares de GNR .



.... Frases de dois anos de Miguel Relvas no executivo...... DN revela a auditoria que provocou a demissão de Miguel Relvas





Nenhum comentário: