expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Rui Rio arrasa governo de incapacidade para resolver a inércia - Um dos poucos social-democratas que não cometeria as graves asneiras deste governo e defende uma troika para as câmaras endividadas.


SE RUI RIO FOSSE PRIMEIRO-MINISTRO O PAÍS NÃO TERIA CHEGADO AO ESTADO DE PENÚRIA E DESGRAÇA A QUE CHEGOU COM O ACTUAL GOVERNO


"Rui Rio arrasa governo de incapacidade para resolver a inércia" - É o título que hoje vem no alto da 1º página do JN . Não o li mas subscrevo integralmente a expressão - Sem dúvida, Rui Rio é dos que tem o sotaque do Norte mas não dos que falam com o cérebro no estômago, antes  dos que  expressam o que sentem . Não o enquadro no rol dos dos fala-baratos. Ideologicamente, estou bastante à esquerda dele mas admiro-lhe muitas das  facetas. A frontalidade de quem não faz rodeios para ir directamente aos assuntos.


 Na sua personalidade, descobrem-se princípios da social-democracia do PPD de  Sá Carneiro. Liberdade à iniciativa privada mas sem todavia renegar o interesse da comunidade. Essa filosofia está ainda presente em vários autarcas do PSD, zelosos pelos municípios que os elegeram. Que não gostam de trair o seus eleitores.   - Felizmente,  esses bons exemplos, ainda subsistem a nível das autarquias, em todos os partidos. Enquanto, a nível das suas direcções - e sobretudo no actual governo - não se lhe descobre um assomo de ética em prol do interesse colectivo - Sobretudo a parelha constituída por  Passos Coelho e Miguel Relvas -  Paulo Portas, é de outro partido. Sobre o perfil da sua personagem, nada vou dizer; acho que o mesmo já ficou suficientemente demonstrado no governo que aparelhou com Durão Barroso - Mas, pronto, cada partido tem os líderes que merece.

 De facto, julgo que não podia haver pior namoro para os portugueses, que a dupla  (como a unha pró dedo) destes habilidosos artistas, Passos e Relvas,  amigos e conhecidos de velhos forais, a que veio juntar-se o tal especialista em programas submarinos. Daí que se pergunte: o que é possível esperar de um primeiro-ministro que diz “Que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal” Não terá ele querido dizer que se lixem os portugueses, as eleições não me interessam, mas a agenda das privatizações,  pois, quando se completarem,  certamente saberá que  já não será o seu governo que vai ter que dar a cara aos portugueses - Ou, então, que dizer de um Miguel Relvas, ministro dos assuntos parlamentares que não dá outra esperança aos jovens senão o caminho da emigração, que afirma sentir-se muito orgulhoso pelos portugueses que emigram! - E esta! - Considerando  “extremamente positivo” a emigração de jovens qualificados - Ainda se reconhecesse que a imigração é positiva, a que recebemos. Pois, sendo Portugal um país envelhecido, onde a desertificação galopa a passos largos nas aldeias, a mão-de-obra é sempre bem vinda - Se tivesse dito isso, vá que não vá! Agora apontar aos nossos jovens, como única via de salvação e de futuro, o estrangeiro?!..Caramba!...  Mas que raio de ideologia ou ficção se encaixou na caco  deste palavroso artista? Ele que nunca deixou de ter um pé no hemiciclo   de São Bento e outro nas administrações dos seus amigos angolanos, que, no fiim de contas, é para onde ele descaradamente continua a trabalhar

Face às duvidosa seriedade e competência das cabeças que dominam as cúpulas dos actuais altos dirigentes do PSD - e nomeadamente no governo -  não tenho a menor dúvida, que, se Rui Rio fosse primeiro-ministro (não quis, porque é dos que gosta de honrar e de ser fiel ao compromisso de quem o elegeu) - sim, se fosse primeiro-ministro, com certeza que teria havido uma governação completamente diferente da ruinosa e desastrada a que temos vindo assistir:  Executada, sem a menor ética e sem ponta de escrúpulos. Totalmente virada de costas, até  ao seu próprio eleitoral. Não se descortina no actual governo o menor laivo de social-democracia, senão, simplesmente,  o do oportunismo descarado,   obsessivo e profiado, em prol de interesses de minorias  e de obscuros esquemas.

RUI RIO DEFENDE UMA TROIKA PARA AS CÂMARAS ENDIVIDADAS - SE ISSO TIVESSE ACONTECIDO, TALVEZ NÃO ESTIVÉSSEMOS AMARRADOS À TRÓIKA DA SENHORA MERKEL QUE SÓ NOS AFRONTA E  NOS ACABARÁ POR  ESMAGAR E SUGAR OS OSSOS ATÉ AO TUTANO

O social democrata Rui Rio é de opinião que, “Quando uma câmara está excessivamente endividada, quem vier depois a ganhar eleições não tem margem para tomar qualquer decisão política. As câmaras endividadas não deviam ter eleições, mas sim uma comissão administrativa para a gestão corrente, até estarem equilibradas” - Excelente ideia - Se essas câmaras, como a de Gaia, fossem geridas por uma comissão de técnicos competentes, em vez de políticos que apenas visam agradar às suas clientelas partidárias, não haja a menor dúvida que o país não chegaria ao desastre financeiro a que chegou

 Rui Rio culpa de «opções políticas completamente erradas» (nisso tem toda a razão) de ministros, primeiros ministros e presidentes de câmara que gastaram «dinheiro dos impostos das pessoas no seu benefício político», nomeadamente para ganhar eleições.

 A QUE PONTO CHEGOU ESTE PAÍS

Diz o Jornal de Notícias que "As vacinas não comparticipadas pelo Estado estão a ser cada vez menos compradas pelos pais. Os pediatras alertam para o perigo de parar planos de vacinação já iniciados, mas as famílias estão sem dinheiro. Há também casos de mães sem posses que dão leite de vacas a bebés com menos de um ano, ou acrescentam mais água às fórmulas de leite em pó.Pais não têm dinheiro para vacinar os filhos

Nenhum comentário: