expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Terras Raras: "ouro ou petróleo do século XXI "- Existem em Chãs - Indispensáveis para telemóveis, computadores portáteis e foguetões - Estudo realizado em 1952, por J.M. Cotelo Neiva e F.L. Faria, chamava à atenção da sua importância- "A guerra das terras raras, já começou" - As dos Templos do Sol, são pacíficas




FOZ CÔA TEM O MELHOR DE TUDO: GRAVURAS RUPESTRES ÚNICAS NO MUNDO, TERRAS RARAS - POIO A MAIOR EXPLORAÇÃO  DA EUROPA, AMÊNDOAS, VINHO AZEITE DE SABORES E CORES INEGUALÁVEIS - E TEMPLOS DO SOL!






CELEBRAÇÃO DO SOLSTÍCIO DO VERÃO - Vamos celebrar o Solstício, no dia 21 de Junho, não falte - Com o tradicional cortejo celta, a presença dos gaiteiros Grupo Lua Nova de Mogadouro – Tencionamos também homenagear na Pedra dos Poetas: Adriano Vasco Rodrigues,. Manuel Pires Daniel e  Hamilton Tavares - À noite, os comes e bebes tradicionais (sardinhada) da Noite Sanoaninha, no adro da igreja - Apoios da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa e Junta de Freguesia de Chãs - Contamos ainda com a presença dos nossos habituais amigos galegos - E, também, de outros amigos do astro luzente, vindos de outras paragens.


ENTRETANTO - NÃO PERCA  Nos dias 24, 25 e 26 de Maio, Vila Nova de Foz Côa acolhe a 2ª edição do Festival do Vinho do Douro Superior - No certame vão estar presentes mais de 60 produtores daquela sub-região do Douro, representando seis concelhos vinícolas (Vila Nova de Foz Côa, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Figueira de Castelo Rodrigo, São João da Pesqueira, Carrazeda de Ansiães e Mêda), somando mais de 200 marcas de vinhos expostas e servidas. ..Vila Nova de Foz Côa dedica certame aos Vinhos do Douro Superior....Festival de Vinho do Douro Superior em Foz Côa - Renascença





Foz Côa tem a maior exploração e reserva de pedra do poio da Europa e, pelos vistos, enormes potencialidade das chamadas  terras raras, em Chãs, Murça e Freixo de Numão - Os estudos foram elaborados em 1952, por J.M. Cotelo, Professor da Universidade de Coimbra e F. Limpo de Faria, Engenheiro do Serviço de Fomento Mineiro - a que nos referimos mais adiante.






  Quem diria que, nos rochedos onde se situam os Templos do Sol e áreas adjacentes, poderiam existir minerais, tão ou mais importantes que o ouro ou o petróleo – De resto, a sua exploração, nomeadamente na China, responsável por 97% da produção mundial, dadas as restrições impostas à sua exportação, constituem tema premente, de acesa polémica e discussão, na atualidade – Isto pelo fato das   chamadas “terras raras” serem fundamentais na fabricação de produtos com tecnologia de ponta, tais como “ iPhones e outros telefones celulares, iPads, computadores, televisores,  em materiais de alta resistência usados em motores de aviões e cápsulas de foguetões, etc. 

ESTADOS UNIDOS JÁ PENSAM EXPLORAR AS TERRAS RARAS NA LUA

À falta de alternativas, os americanos já encaram, seriamente, a possibilidade de as trazerem da lua - "Os EUA começaram a procurar metais de terras raras na Lua por meio das sondas espaciais GRAIL-A e GRAIL-B que foram colocadas em órbita pela NASA. Segundo programa do voo, os dois aparelhos irão girar simultaneamente à volta da Lua, investigando a sua estrutura geológica.  EUA procuram metais de terras raras na Lua

EXPLORAR, NÃO AGREDIR  MAS PRESERVAR


As agressões à mãe-natureza são frequentes - A China, argumenta a defesa do meio-ambiente. Não é crível que seja essa a sua preocupação. Basta ver o que se passa nos rios (mortos e desfigurados) e cidades., irrespiráveis. 
E o pior que poderia suceder a um dos mais selvagens e bem preservados afloramentos graniticos da pensínsula ibérica, se fosse devassado à semelhança das pedreiras. .Claro que é possível conjugar as duas coisas, assim queira a vontade e a sensibilidade humana. Tanto mais que a exploração deste minério, cinge-se a pequenos filões. Ainda há por lá vestigios das minas de vulfrámio, passam praticamente despercebidos. 




Em todo o caso, é um aspeto a não descurar - Pois, o que se tem visto é que,  onde existem explorações mineiras, nestas, salvo raras exceções, cometem-se  as mais desprezíveis agressões à natureza e à sua harmonia. É o que se está a ver com uma pedreira, recentemente  aberta, entre o termo de Chãs e Santa Comba. Vedada por arame farpado, mais parecendo um campo de concentração - Onde se vêm enormes blocos de granito e  profundas crateras a céu aberto, entre possantes máquinas, sem, todavia, ali existir uma tabuleta a assinalar quem é o empreiteiro e o respetivo licenciamento - Pelo que pudemos constatar, em terrenos comprados por uma pechincha, fazendo crer que iam destinar-se a mera exploração de avestruzes - Claro, com a cabeça enterrada na areia. É de louvar a exploração dos recursos minerais - E temos alguns bons exemplos em Foz Côa. Mas que se respeite, minamente o meio-ambiente e que tragam também beneficios para as comunidades, onde são explorados - Afinal, quem lá trabalha?!...


ROCHAS ERUPTIVAS DAS CHÃS (VILA NOVA DE FOZ CÔA) E SEU INTERESSSE PARA A PROSPECÇÃO DE MINERAIS DE TERRAS RARAS


O estudo de 11 páginas, documentado com várias fotografias a preto e branco e alguns gráficos foi elaborado, em 1952, por J.M.Cotelo Neiva e F.Limpo de Faria, em 1952, sob o título: Rochas eruptivas das Châs (Vila Nova de Foz Côa) e o seu interesse- para a prospecção de minerais de terras raras.


Dado o seu caráter, iminentemente científico, citaremos apenas a parte introdutória e as conclusões- O citado estudo começa por referir que os "Trabalhos de campo, que desde há alguns anos vimos efectuando de colaboração com o engenheiro Norberto Múrias de Queiróz, para o estudo de jazigos de sulfuretos do Norte de Portugal, levaram-nos à região das Chãs. no concelho de Vila Nova de Foz Côa, distrito da Guarda.


A cerca de 12 quilómetros a Sul-Sudoeste de Vila Nova de Foz Côa há uma pequena estrada  que cruza com a estrada nacional próximo à Quinta dos Areais e leva à povoação de Chãs.


Esta estrada corta, próximo à estrada nacional, o contacto do xisto  com o granito porfiróide de duas micas e, a meio para Chãs, o contacto do granito com o sienito biotitico. Esta rocha ainda se observa junto à povoação.


O estudo prossegue, fazendo detalhada análise  às diversas rochas investigadas, de que nos abstemos de transcrever, pois não é esta a intenção desta postagem, mas chamar atenção da sua importância na atualidade - E, no fundo, dar eco às suas conclusões, que recomendam uma investigação ainda mais aprofundada - Pois, o citado trabalho de 11 páginas  a4, termina por dizer, justamente o seguinte: Impõe-se o estudo cuidado desta região pelo interesse que as terras raras e os minerais radioativos oferecem como recursos energéticos.



 3. Rochas Eruptivas das Chãs (Vila Nova de Foz Côa) e seu Interesse para a Prospecção de Minerais das Terras Raras. -J. M. Cotelo Neiva ; F. Limpo de Faria )
resumo: A two-mica-porphyritic-granite, alkaline orthosic granite I. 4. 1.3 of engadinitic chemism, is found in Chãs (Vila Nova de Foz Côa). A biotite-syenite II 5.2.3, of opdalitic chemism, and with natronsyenitic affinity, outcrops in this rock. Crossing the biotite-siyenite there is a syenite-pegmatite I (II). 5. (1) 2. (2) 3 of a possible plagioclase granitic chemism but with great affinities with nordmarkitic-pulaskitic and natronsyenitic magmas.
The rocks of syenitic composition present radio-active allanite and sphene which may also be radio-active. We can logically admit that monazite occurs in these rocks. The study of this region is very interesting due to the appearance of minerals of rare earths.

 “Sabemos que no subsolo deste concelho se exploram com êxito, desde a pré-história, procurando o chumbo, o ouro, o estanho e algum ferro. A mina de chumbo dos areais, de Longroiva, é citada por Plínio. Também nesta freguesia há estanho. (...) A riqueza mineira da região foi atractivo para vários povos. A idade do bronze e a do ferro estão aqui marcadas com nitidez. Durante a última guerra mundial, extraiu-se, intensamente, o volfrâmio, particularmente no Picarrão em Longoiva. Prospecções da Junta de Energia Nuclear, revelaram a presença de urânio no concelho" -In "Terras da Meda, Natureza, Cultura e Património, de Adriano Vasco Rodrigues - De referir que a aldeia de Chãs, pertenceu a Longroiva, até 1888. E que as minas dos Areais, dividem o termo de Chãs, com o de Longoiva


"ROCHAS ERUPTIVAS  DE ENTRE MURÇA E FREIXO DE NUMÃO E A OCORRÊNCIA DE MINERAIS DAS TERRAS RARAS"




Curiosamente, Freixo de Numão e Murça - freguesias do Concelho de V.N. de Foz Côa, onde existem importantes vestígios do calcolítico ao Romano, que o arqueólogo Sá Coixão, trouxe à luz  - foram igualmente motivo de estudo pelos mesmos investigadores, publicado em 1952 - Temos connosco também a fotocópia, mas vamos apenas transcrever algumas das linhas introdutórias.

"A estrada que de Freixo de Numão vai para Murça (distrito da Guarda) atravessa um afloramento de granito porfiroide de duas micas no qual se encontram encraves homogéneos de grandes dimensões.
Tivemos ocasião de colher amostras relativamente frescas destas rochas, que nos permitiram o seu estudo e o reconhecimento  de minerais de terras raras"  - Este estudo, de 8 páginas,  é igualmente documentado com vários gráficos e fotografas a preto e branco




O TEMPOS SÃO OUTROS  - MAS A IMPORTÂNCIA DOS MINERAIS É INTEMPORAL


Era ainda criança mas jamais me esqueço da exploração do volfrâmio e do chumbo nas minas situadas no termo da minha aldeia - Quer nas Trecadas - minas de chumbo - quer nos Tambores - creio que do volfrâmio. Era uma autêntica loucura. Ainda revejo as mulheres com as peneiras na lavagem do minério e o trágico acidente, junto ao Castelo Velho, do irmão do sr. António Baltazar, natural de Santa Comba, nos seus gritos lancinantes, entalado debaixo de uma enorme pedra. E depois a ser levado numa padiola até aos areais. O único carro, que então existia, era o da Quinta da Veiga. Mas o proprietário da Quinta, recusou-se a levá-lo ao hospital de Foz Côa, alegando que o sujava com o sangue.


Foi transportado numa besta, porém, quando lá chegou, já estava morto, era tarde demais. Lembro-me, também, do meu pai e outras pessoas da minha aldeia, a carregarem os cavalos e machos para levar o minério  para além  Douro. Todo esse tempo, já lá vai. Os tempos agora são outros mas a importância dos recursos minerais, para fins pacíficos, dada a sua utilização nas chamadas novas tecnologias, impõe-se cada vez mais - E, Portugal, não pode desperdiça-los.


PORTUGAL APOSTADO NA EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS MINERAIS

 De resto, também parece ser esse o desejo dos  governantes - Depois, de tantos desapontamentos, valham-nos, ao menos, essa iniciativa, tal como, de resto, já foi referido pelo jornal Expresso.


“No espaço de cinco dias o Governo anunciou dois mega investimentos no setor mineiro. Um em Montemor-o-Novo, no Alentejo e outro em Torre de Moncorvo, Trás-os-Montes. São mais de €2 mil milhões de investimento que vão gerar milhares de empregos (algumas centenas qualificados), criar novas infraestruturas e impulsionar de forma significativa a exportações portuguesas.
Mas há mais: no próximo dia 2 de novembro, serão assinados outros sete contratos de concessão mineira para outros tantos investimentos, entre o Estado português e um grupo de investidores, sobretudo estrangeiros. Expresso - 2011-10-28 20:Sabe de que é feita a riqueza de Portugal? (fotogaleria) - Expresso.pt


OS ANTEPASSADOS CONHECIAM O PODER CURATIVO E ENERGÉTICO DAS ROCHAS E DOS SÍTIOS MAIS BEM EXPOSTOS – E NELES ERGUERAM OS SEUS SANTUÁRIOS


. É conhecido, desde há muitos séculos, não apenas  o emprego das plantas medicinais, como também o maravilhoso uso  terapêutico  das pedras e cristais de cura, pelos seus surpreendentes benefícios  de harmonização e cura, no que também é definido como  medicina energética.


Sim, não terá sido por acaso que, os homens do neolítico, mesmo anteriores à era do ferro e do cobre, do calcolítico, ali se abrigaram, elegeram as rochosas ladeiras e penhascos do planalto de Chás, como verdadeiros santuários. Erguendo os seus calendários solares, em recintos ou em sítios privilegiados, autênticos locais de cura, de benfazejas influências energéticas - É que, se a emissão dos  gases radioativos, provenientes das rochas radioativas, que ali existem, poderão ser nefastas, , nomeadamente no interior de casas de granito, através do radão, quando não devidamente arejadas, o mesmo poderá não suceder ao ar livre – São as tais benfazejas  influências telúricas  


Tal como apontam vários estudos, A radioatividade pode ser nociva ao organismo humano, dependendo da intensidade ou da duração da exposição. Esse perigo já é bem conhecido. Mas o fenômeno também pode trazer importantes benefícios. Entre as aplicações pacíficas da energia nuclear estão, hoje, várias práticas médicas (como o tratamento do câncer e o diagnóstico de doenças) e pesquisas científicas (na bioquímica, na agricultura, na ecologia), além da produção de energia elétrica.Radiação e Radioatividade  


AMEAÇA AMARELA NÃO É FICÇÃO


Enquanto o gigante chinês expande livremente o seu mercado, praticamente sem restrições e, os demais países do resto do mundo, parecem enfeitiçados pelo chamado “milagre bíblico chinês": “crescei, reproduzi-vos e multiplicai-vos” – Reproduzindo-se e multiplicando-se,  no interior das suas fronteiras, com a mesma facilidade que os coelhos numa  boa coelheira - , permitindo, assim, que a chamada invasão amarela, sem armas nem bandoleiras, não conheça nem limites nem restrições, o mesmo não sucede no que diz respeito ao controlo dos recursos. chineses para o exterior.


“Reguladores chineses anunciaram recentemente a quota de terras raras e derivados que o país poderá exportar neste ano.Para o primeiro semestre de 2013, o Ministério do Comércio diz que vai permitir que um pouco mais de 15.500 toneladas desse material deixem o país. Isso equivale a apenas um pouco mais da metade do volume exportado em 2012. A quota será dividida entre os 24 produtores chineses credenciados pelo Ministério do Comércio do país. China Estabelece Cotas para Exportação de Terras Raras | 


DE QUE PODERÃO VALER AS QUEIXAS, SE QUEM DÁ AS CARTAS, TEM O PODER ARBITRÁRIO DE FAZER O QUE QUER E   BEM LHE APETECE –  ERA O QUE FALTAVA:

China quer ajudar Europa a ultrapassar crise da dívida 



Era mais de que previsível que isto viesse a suceder: Europa e América, hipotecados   em dívidas ao gigante amarelo,  abrem completamente os braços , a toda a sorte de artigos e produtos chineses – As principais fábricas, foram instalar-se lá, deixando atrás de si legiões de desempregados e os cofres hipotecados à exportações orientais – Agora constata-se que, eles, os chineses, são cautelosos no tocante às suas matérias primas e recursos: gostam de se apropriar dos alheios, desde as pescas ao minerais e vegetais, é o que estão  a fazer em Angola e noutros países africanos, mas são extremamente comedidos e parcos no que  toca á gestão das suas reservas.


“Estados Unidos, União Europeia e Japão apresentaram uma queixa na Organização Mundial do Comércio contra a China por causa de suas restrições em relação a exportação de minerais conhecidos como terras raras. EUA, Japão e UE abrem processo contra China por monopólio d


O JAPÃO NÃO ENCARA O MAR APENAS COMO AMEAÇA DE TSUNAMIS – MAS COMO IMPORTANTE FONTE DE RECURSOS MINERAIS


O Japão vai lançar uma investigação sobre o seu leito marinho no Pacífico, na esperança de encontrar depósitos de terras raras suficientes para fornecer as suas indústrias tecnológicas e reduzir a sua dependência da China.Japão procura terras raras para fornecer indústria tecnológica


AS GUERRAS PELA POSSE E DOMÍNIO DOS RECURSOS MINERAIS, SEMPRE EXISTIRAM – AS DAS TERRAS RARAS AINDA MAL COMEÇARAM


No planeta Terra, infelizmente nunca faltaram conflitos e guerras, através dos tempos – Na atualidade, há dois tipos de guerras, as da armas e a económica – Para já não falar das guerras santas de cariz religioso. No fundo, ambas estão interligadas – Só que, umas, aparentemente são mais pacíficas, outras, no entanto, vão ao extremo do desvario e da loucura, que é o que está sucedendo, nalguns pontos do globo, nomeadamente, na Síria, Iraque, Afeganistão, medio oriente.


Entretanto, há uma outra guerra em curso, aparentemente ainda pacífica, mas que já provoca algumas agitações – Refiro-me “à guerra pelas terras raras”  “Uma das primeiras escaramuças acaba de ocorrer entre a China e o Japão. No dia 21 de setembro, a alfândega nipônica constatou que os contentores que chegam regularmente da China não haviam sido descarregados em portos japoneses.A guerra pelas terras raras - economia - versaoimpressa - Estadão



.

Nenhum comentário: