expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Álvaro Cunhal - O Homem e O Mito, biografia ilustrada de Joaquim Vieira – Odete Santos, convidada com Fernando Rosas, ateou o debate no lançamento do livro no El Corte Inglês: “Foi pena eu não ter acabado de ler o livro antes de eu dizer que sim;nao teria vindo.” – Cunhal polémico em vida, vai continuar a dar que falar a dois dias do centenário do nascimento e 8 anos após a morte





Por Jorge Trabulo Marques, Jornalista – Também autor do site http://www.odisseiasnosmares.com


Odete Santos, natural de Pega, concelho de Guarda é uma beiroa de gema e tem de ser interpretada tal como ela é - Sincera, exuberante, polémica, teatral, apaixonada, frontal  e corajosa dos seus princípios ideológicos - De outro modo, recusaria o convite. Não o recusou, porque ela gosta de dizer o que tem a dizer, e, tal como o toureiro, vai às lides a enfrentar  a faena à sua maneira.  

E pensamos que foi desse modo que Odete Santos ali foi ouvida. Com atenção mas com humor, ninguém se escandalizou. Pois não faltou quem a tomasse a serio e também sorrisse.  Por isso, ninguém se sentiu ofendido ou levou a mal as suas críticas. Pois julgamos que  ninguém devia estar à espera que ali  fosse  elogiar o livro. É que, Álvaro Cunhal, se, em vida, era  respeitado e admirado, depois da sua morte,  passou a ser idolatrado. Se alguém questionar os seus dogmas, logo o seus fiéis lhe saltam em cima.





 "Se a mistificação se pode avaliar pelo seu funeral, então o de Álvaro Cunhal, em 15 de Junho de 2005, mostrou a dimensão do mito que era. A magnitude do seu enterro só foi comparável, em Portugal, com o de outros políticos – António Salazar e Francisco Sá Carneiro -, e também eles transformados em mitos, embora se situassem em distintos (até opostos) territórios ideológicos”- Estas as palavras introdutórias de Álvaro Cunhal o Homem e o Mito, por Joaquim Vieira - Obra lançada ontem e que promete vender e polemizar.


instantâneo por nós captado de reprodução de entrevista na RTP

 ODETE SANTOS DISSE QUE NÃO IA REPRESENTAR A LINHA OFICIAL DO PARTIDO MAS PARECE QUE FOI MESMO ESSA  A POSIÇÃO ASSUMIDA






"Foi pena eu não ter acabado de ler o livro antes de eu dizer que sim (…)Perante este livro eu tenho que ter uma opinião negativa do Dr. Álvaro Cunhal. Preferia não ter vindo” - Álvaro Cunhal deu que falar em vida. E vai continuar a dar que falar, depois de morto, Gerou paixões e ódios. A camaradas ou a adversários, ninguém lhe ficava indiferente. E o mesmo se passa com os artigos ou livros que se escrevam acerca do histórico dirigente do Partido Comunista Português – É o que se prevê, venha a suceder  com a mais recente biografia ilustrada e documentada, de autoria de Joaquim Vieira, Editora Objectiva, a avaliar pela reação de Odete Santos, convidada para o debate da sessão do lançamento de autógrafos, que decorreu no auditório do El Corte Inglês, ontem ao fim da tarde, que tinha como convidados especiais, a ex-deputada comunista e de Fernando Rosas, historiador co-fundador e ex-deputado  do Bloco de Esquerda 



"Se ainda houvesse União Soviética, muitas coisas não estariam a passar-se no mundo – Disse Odete Santos. Lá isso é verdade. Não era o Sol da Terra mas servia de travão à hegemonia americana. A China  passou de socialismo comunista a ultra capitalismo do Estado. As ditaduras árabes transformaram-se em primaveras da desordem, do roubo e da destruição. E as ditas democracias ocidentais, deram lugar à mais gananciosa e selvática ordem global liberal! 

Fernando Rosas diz que, Joaquim Vieira, nesta biografia de Álvaro Cunhal, o Homem e o Mito, mostra-nos um homem complexo (naturalmente com as opiniões do autor) mostra-nos o homem político, o dirigente partidário e comenta os seus tempos de direção; mostra-nos o homem nos seus afetos, mesmo nalguns pontos da sua privacidade que ele tem zelosamente guardados; dá-nos flashes do seu relacionamento pessoal;  do chefe partidário na vitória e na derrota;  do homem na força do seu poder, como dirigente partidário; na sua criação e evolução  artística - Um percurso biográfico que é praticamente indistinto do Partido Comunista Português





ÁLVARO CUNHAL ENGANOU-SE AO PROFETIZAR QUE TODOS OS CAMINHOS IAM DAR AO SOCIALISMO - NADA DISSO:  AO LIBERALISMO SELVAGEM



A obra contou com a colaboração documental do arquivo do PC,mas talvez por não se tratar de uma biografia oficial, num Partido que, de algum modo, ainda não perdeu a sua ortodoxia, a única personagem destacada  que de viu na sala, foi Odete Santos – Declarou que não vinha em nome do Partido mas não hesitou em assumir, talvez a mesma posição crítica, que fará o núcleo do comité central:


Não se trata de correr atrás da utopia (…) Os Homens podem transformar em realidade sonhos milenários (…) Na época actual, todos os caminhos do progresso social acabarão por conduzir ao socialismo” – Esta citação de Álvaro Cunhal, está destacada como legenda de uma fotografia do lendário líder do PCP, logo no começo do livro e foi a que mais agradou a Odete Santos, que leu no final da sua intervenção – Mas entrou logo a matar:


O livro está muito bem apresentado documentalmente: vê-se aí o contribuo importante que o Partido Comunista deu para fazer o livro. Nada há a dizer acerca disso. Nem eu trago nenhum recado do Partido sobre o Álvaro Cunhal. (…) mas foi pena eu não ter acabado de ler o livro antes de eu dizer que sim, porque eu tinha dito que não vinha cá. Porque, depois de  eu ler  o livro qual é a opinião que eu faço de Álvaro Cunhal?..(…)  tinha de fazer uma opinião negativa. Porque, o Álvaro Cunhal é apresentado aqui como uma pessoa sectária, como uma pessoa que manobra nos bastidores, como uma pessoa vingativa, que diz mal do Dr. Mário Soares, porque tem inveja dele. Como uma pessoa, que até em Moscovo viveu num prédio de luxo  (…) e até tinha um automóvel à sua disposição! - Escândalo não é?! Desculpe lá!

OBRA BIOGRÁFICA À ALTURA DO MITO? 

Com tantos documentos e tantas imagens, tão graficamente apresentadas, vê-se que é um livro  que vai vender bem - Cunhal sabia exercer o seu fascínio através da palavra e da imagem. Depois do 25 de Abril, quando as sobrancelhas lhe começaram a ficar mais ramalhudas e a cabeleira ao jeito da crina de "cavalo branco", como alguns o chegaram a classificar, mas antes da velhice começar a mostrar os seus sinais, a imagem de Cunhal era de um autêntico Galã. O livro mostra que o homem, realmente, tinha o magnetismo dos mais admiráveis  nativos do signo escorpião. Daí que, o  preço, mesmo um pouco acima dos 20 euros, conquanto não seja acessível a muitas bolsas, vai vender bem.

Odete Santos, alegou que " preferia não ter vindo de ter que fazer um grande sacrifício. E é muito mal fazer sacrifícios nestas coisas da cultura” –No entanto, vai haver muito quem faça o seu sacrifício - Claro que, cada leitor irá  fazer o seu juízo - Até para os olhos daqueles que apenas viam virtudes em Álvaro Cunhal, mesmo estes, estamos certos que acabarão por perdoar ao autor ter dito dito que ele não era nenhum santo, que também tinha as suas virtudes e os seus defeitos, como qualquer ser humano.   
 BIOGRAFIA, INDUBITAVELMENTE,  BEM DOCUMENTADA E ORGANIZADA  COM EXCELENTES TEXTOS

(...) Obra profusamente ilustrada e documentada, esta biografia traça um retrato tão imparcial quanto apaixonante de Álvaro Cunhal, desde o berço burguês à liderança comunista. (...) Este livro procura ir ao encontro da figura para lá dessa visão mítica, desvendando o eterno praticante da ortodoxia do pensamento, o defensor do seu partido como objeto sagrado, o líder dividido entre o impulso revolucionário e o racionalismo institucional ou o protagonista de uma turbulenta vida sentimental que sempre preferiu manter oculta. – Mais pormenores  em http://www.wook.pt/ficha/alvaro-cunhal-o-homem-e-o-mito/a/id/15263416


Joaquim Vieira nasceu em Leiria, em 1951. Jornalista, ensaísta e documentarista, foi membro da direção de vários órgãos de informação (Expresso, RTP, Grande Reportagem).Autor de várias obras – pormenores em http://www.wook.pt/authors/detail/id/2365059


Nenhum comentário: