expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Mário Cesariny – A foto inédita do poeta surrealista da rebeldia e da insubmissão (que abominava as grilhetas sociais, morais, sexuais, ideológicas) autor da “Pena Capital” no dia em que foi protestar empunhando um cartaz no hole do antigo Cine-Teatro Éden, de Lisboa, contra “necrofilia do poder” que se preparava para o entregar ao Grupo Amorim e fazer ali um hotel – Protesto atual e numa altura em que passam 7 anos sobre a sua morte












       
Esta é também a minha singela homenagem - Com a publicação de uma foto inédita de um protesto insólito de Mário Cesariny e a recordação de um poema escrito na  madrugada seguinte à noite  da sua partida - Editado em 2008 noutro site, na qualidade de Luis de Raziel  -  Ou só Pessoa podia ter os seus heterónimos? 



"A NECROFILIA DO PODER VEM APLAUDIR A PRÓXIMA DESTRUIÇÃO DO MAIOR  E MELHOR APETRECHADO TEATRO QUE SE CONSTRUIU EM PORTUGAL  - Protesta Mário Cesariny


1989 - Nesse dia, decorria o lançamento do livro  as IlhasSophia de Mello Breyner Andresen– Mas, Mário Cesariny , quis aproveitar o concorrido evento para se insurgir contra a "necrofilia do poder"  - Sim, que se preparava para o entregar ao Grupo Amorim e ali  fazer um hotel.  - Era de tal modo o aperto, no 1º piso, que, não podendo fazer o apontamento para a Rádio Comercial (mas sobretudo pelo facto da autora do “Nome das Coisas”, não dar mostras de  grande disposição  para entrevistas), resolvi descer – Nisto, ao chegar ao fundo das escadas, deparo com o poeta e meu grande amigo Cesariny, ostentando um cartaz por entre as  duas mãos, sem contudo esboçar  uma palavra, o qual  ao ver-me, sorri e  pergunta-me: “tens aí a maquineta?”...Sim, porque já não era a primeira vez que,  encontrando-me às desoras da noite pelos Restauradores, ao vir da minha estação de rádio, me fazia a mesma pergunta para me debitar o poema que lhe vinha cabeça, acabado de brotar e não se perder - Ainda possuo uma cassete com um desses maravilhosos versos, como que arrancados do fundo de uma avenida imersa por uma neblina fria e densa de Inverno.  A que eu prontamente respondo: “Tenho duas! O gravador e a máquina fotográfica”   -

Porém, antes de me aproximar para lhe ouvir de viva voz a as razões pelas quais ali se plantara com aquele cartaz, faço-lhe uma fotografia, passando a máquina fotográfica a um amigo, que viera comigo para assistir ao  referido lançamento e me fotografa de microfone empunhado.

 Entretanto, o poeta deu-se por satisfeito – Até porque, um zeloso funcionário, barafustando e tomando-o como louco, se apressara a correr para a rua a chamar um polícia. – E o agente, só não lhe pegou pelo braço, por me ver com o microfone apontado para ele. Claro, não voltei a subir as escadas – Tinha o dia ganho – Havia repórteres que entretanto continuavam a subir e a descer as escadas mas nenhum lhe prestou  atenção – Tal como outras pessoas que ali se encontravam.  tanto mais que era um protesto, vistoso mas ao mesmo tempo silencioso. Ele não ia às televisões, procurava passar despercebido nos seus “engates”, na intimidade da sua vida pessoal de poeta  e não desejava que fosse incomodado. Naquela altura, ainda não era reconhecido pelo grande público e, nomeadamente,  por aquela  gente (dos media) que só ia atrás de quem aparecia frequentemente na RTP 

DE FACTO, AQUELE FOI O DIA DO FUNERAL DA MAIS EMBLEMÁTICA SALA DE TEATRO LISBOETA
"A origem do Cine-Teatro Eden, situado na zona nobre dos Restauradores, remonta a 1902 quando Albert Beauvelet, um comerciante de automóveis, alugou as antigas cocheiras do Palácio Foz. (..) No entanto, o Éden iria decair com o passar do tempo para no último dia de 1989 transmitir o derradeiro filme: "Os Deuses devem estar loucos II".

Após ter sido adquirido pelo Grupo Amorim, este edifício transformou-se no Hotel Éden, albergando a Virgin Megastore (quem não se lembra da inauguração com a presença das Spice Girls?) que iria encerrar as portas pouco tempo depois. Logo a seguir, este espaço seria ocupado pela Loja do Cidadão, mantendo essa função actualmente. Eden: o "gigante" dos Restauradores… Cassiano Branco 



Homenagem igualmente prestada pelo autor deste site, com fotos pessoais ao poeta e pintor, auto-retratos nas personagens de Luis de Raziel e de Peregrino da Luz , bem assim a reprodução de um poema escrito na madrugada seguinte à morte de Mario Cesariny






















Foto registada em  2005





.












OS
 MÚSICOS E OS POETAS NÃO MORREM,
MESMO QUANDO CHEGADA A HORA,
A MORTE LHES FECHA OS OLHOS.

Cesariny já não faz parte dos vivos.
Morreu ontem ás 5, 30 da manhã, em sua casa!
Ainda o estou a ver…
Quando à mesma hora desceu a avenida da Liberdade
Em madrugada fria de Dezembro.






Madrugada já perdida
No silêncio do tempo.
Esquecida na memória dos dias.
Boina na cabeça.
Grossa gabardina de gola alta, cingida ao corpo,
Cascol escuro enrolado ao pescoço.
Defendiam –no da frieza húmida da noite.
Andar calmo e discreto.
Não de alguém que por ali deambulasse, sem destino
Ou por ali derivasse, sem propósito, nem rumo definidos.






Antes de o reconhecer, pelo mesmo passeio que sigo,
Evolui vulto que mal se destaca na névoa, tingida a
oiro turvo pela luz escassa, que a luz pública
mal divisa e distingue.
Estranho e dormente é também o silêncio
que só de vez em quando, é interrompido
por escassos carros que vão passando.
eles mesmos, lembrando, por vezes,
vagarosas silhuetas, difusas,
vindas de largas ruas
de alguma cidade fantasma!



Mas o que vejo é Cesariny,
nítido e inconfundível, na figura,
no andar seguro e tranquilo, no sorriso maroto
de uma inocência nunca perdida,
que a idade parece ter preservado intacta..


Aí está ele! Cabeça levantada. Olhar em frente,
Olhando, horizontalmente, à linha mal iluminada do passeio.
Estilo de ave a quem ninguém impede o voo
de animal selvagem, sem rédeas nem freio.
No passo certo carrega o saber para onde vai,
a indiferença ao caminho, a ausência de embaraço inoportuno,
como quem não trás nada sobre os ombros, o incomode:
nem peso em que vá derreado nem a própria gravidade..













.




Vetustos edifícios da antiga avenida,
árvores nuas, descarnadas,
imergem no nevoeiro que tudo ofusca.
Ambiente monótono, estranho! sem vivalma
nas horas de abandonar bares e discotecas, nem partidas
para outras aventuras na vertigem do cio.
A espessa atmosfera, transfiguração em espiral contínua,
confunde e disfarça - Mesmo sem o convite,
persistem o belo e o mistério.













Já lá vão uns anos – mais de vinte ! –
Oh Meu Cesariny! Como o tempo corre?
Como a vida foge! - E, todavia,
até parece que foi ontem! - Um repórter de rádio,
pequeno gravador na mão, atrás do imprevisto,
do inesperado, vagueando na solidão da noite húmida e fria,
quase despovoada de vida e de luz, na mira de algo
que valesse uma noite perdida! - E, um poeta, ateado pelo fogo
e a rebeldia dos seus mais cruéis demónios, fidelíssimos amantes
de inspiração altíssima nas horas mais solitárias e incandescentes,
tocado pelos deuses de Olimpo: Hermes, Apolo e Dionísios
- de quem era ao mesmo tempo enteado e dilecto mensageiro,
atraído pelas tentações e volúpias de uns e outros,
qual viajante solitário em busca de “ palavras
e nocturnas palavras gemidos,
palavras que nos sobem ilegíveis À boca
Palavras diamantes palavras nunca escritas
Palavras impossíveis de escrever”..


















Oh, sim, o inseparável apaixonado “dos braços dos amantes”
que “escrevem muito alto” 
Muito além do azul onde oxidados morrem”
O insólito sonâmbulo que vai peregrinando, sem âncora
e sem bússola, de olhos fechados, mas com um grande à-vontade
de quem já trata por tu as avenidas, ruas e os mais discretos becos,
esventrando, por instinto nato, os seus mais recônditos recantos,
fazendo deles o centro do mundo,
e que, tão depressa neles é visto e aparece
aureolado com o brilho de uma estátua em jardim iluminado,
como, imediatamente, se transfigura e funde
ou, mesmo, como súbita névoa que ao pousar
se dilui na atmosfera e no ar desaparece!

.



















Vale a pena, pois, rever os passos de tão singular figura!
Passeando-se, com a subtileza de um mago,
ou com a altiva nobreza de um Príncipe encantado,
por lugares proibidos – devassando
os escombros das “sombras
que têm exaustiva vida própria”.
Indiferente às aparências, ao escárnio severo,
alheio aos múltiplos perigos e maledicências
que, nas horas mortas, no pico das horas
mais furtivas e silenciosas,
poderão reaparecer ou ressurgir
quando menos se espera: no dobrar de cada esquina
ou num passo mais em falso ou descuidado! Desafiando
convenções sociais, a censura alheia,
não se importando “de ser visto
na companhia de gente
altamente suspeita!”

.









Meu Caro Cesariny:
Como sabe, na vida há um tempo para tudo:
Há-o para o amor, a sensualidade, a poesia - para tudo
há o tempo que o homem quiser fazer enquanto for vivo.
E, também, após a morte! – há um tempo para o repouso absoluto!
- Este agora é o seu tempo! O do indomável guerreiro
ter também o justo descanso! – O do luminoso poeta ,
ao descer, lentamente, à Terra, que o criou,
subir, em espírito e, talvez também, em corpo inteiro,
imediatamente ao Céu!
















E, quanto a mim, amigo:
o meu tempo, pelo menos, por agora,
a estas tardias horas da madrugada,
em que a memória de novo me faz recuar
àquela fria noite de Dezembro,
é a de um longo momento de sentida emoção:
- tão só para recordar o belo poema,
os lindos versos, ditos palavra a palavra,
que tive o privilégio de gravar,
tal qual acabavam de ser criados,
por um inesperado poeta que, ali,
imerso em nevoeiro e névoa, quase irreal,
os dizia, com a mesma expressão
sublime e sagrada de quem diz uma oração!
(jtm)
Lisboa, 27 de Novembro de 2006


Lembra-te

Lembra-te 
que todos os momentos 
que nos coroaram 
todas as estradas 
radiosas que abrimos 
irão achando sem fim 
seu ansioso lugar 
seu botão de florir 
o horizonte 
e que dessa procura 
extenuante e precisa 
não teremos sinal 
senão o de saber 
que irá por onde fomos 
um para o outro 
vividos 

Mário Cesariny, in "Pena Capital"

Nenhum comentário: