expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 31 de março de 2014

25 de Abril 40ª aniversário: com romances: “Os Memoráveis”, de Lídia Jorge; “Nas Bocas do Mundo”, de Joaquim Vieira; «A Porta para a Liberdade», de Pedro Prostes da Fonseca, sobre a evasão do Forte de Peniche, de Álvaro Cunhal – Além de vários espetáculos, conferências e debates



Assim vão 40 anos depois do 25 de Abril:  Portugal, ensombrado por uma grave e profunda crise económica e social, exigindo-lhe o reembolso dos milhões que foram canalizados pela CEE, mas desbaratados por sucessivos malabarismos corruptos, agora sob o controlo de uma inaceitável e agressiva intervenção externa, semeando o desemprego e  colocando em risco a nossa própria soberania e independência.



40º Aniversário da Revolução de Abril  (1974- 2014) já começou a ser assinalado com diversas iniciativas, desde lançamentos de livros, debates, conferências, exposições e espetáculos, em vários pontos do país. Não significa, porém, que venha a ser (esteja a ser) a informação mais privilegiada dos media, as razões são conhecidas. Antes do 25 de Abril, havia a censura, agora existe outra, sob o rótulo de democrata e pluralista - Salazar, que saiba, não era dono de jornais, agora temos, familiares do nosso  Presidente da República, que detêm um autêntico arsenal de rádios e jornais – e dos mais importantes. Um observador atento, sabe do que falo. Aliás, tal como reconhece, Fernando Lima um dos seus polémicos assessores,   “a informação não domesticada é ameaça para governantes, explicando que a mediatização afecta o trabalho de quem está no poder, acentuando a necessidade do controlo do fluxo noticioso por parte dos governante”

Há ainda quem cante Abril, talvez mais por uma profunda saudade e desilusão (ou o fado português, não é isso mesmo?) de que com o coração em festa numa bem cimentada e próspera esperança no futuro

Alguns políticos quiseram dar-lhe outro rumo diferente mas também, esses,  os mais bem intencionados, há muito foram atropelados, tal como os militares mais ousados. Pois não são eles que detêm o poder ou o controlo dos media e as cumplicidades com o poder judicial e económico .

“O que é memorável não é o que ficou enterrado no passado; memorável é o que do passado se recolhe e se pode projetar no futuro”. Lídia Jorge

COMEMORAR ABRIL OU RESTAURAR O 1º DE DEZEMBRO E REINVENTAR OUTRA REVOLUÇÃO?




Do que resta do 25 de Abril, afinal o que mudou?!.. O que temos que mereça ainda ser digno de ser festejado?!... – Talvez seja preferível  reabilitar o  1º de dezembro, cujo feriado já foi excomungado. Sim, temos níveis de desemprego e de pobreza, como nunca tivemos. . A hipocrisia da classe política dominante a vender os bens públicos e a promover leis, que servem unicamente o poder económico. É um facto que, muitas das empresas que vieram a ser privatizadas, até estavam, sobretudo, nas mãos do ingleses e alemães. Sim, mas era no tempo em que o capitalismo fascista – pelo menos na Europa - ainda tinha algum pudor social. O de hoje perdeu completamente a vergonha e tornou-se mais desumano, egoísta e agressivo com os tentáculos a nível global.

JÁ LÁ VAI O TEMPO QUE O CAPITALISMO PERDEU A SUA MÁSCARA

"A expansão económica do pós-Segunda Guerra Mundial, também conhecida como o boom econômico pós-guerra ou Era de Ouro do capitalismo, foi um período de prosperidade económica em meados do século XX, que ocorreu principalmente em países ocidentais após o final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, e durou até início de 1970.

Ela terminou com o colapso dos acordos de Bretton Woods em 1971, a crise do petróleo de 1973, e o “crash” da bolsa em 1973-1974, o que levou à recessão da década de 1970. (…Expansão econômica do pós-Segunda Guerra 


“OS MEMORÁVEIS” do 25 de Abril

Tal o pesadelo e a hipocrisia que nos assola, que há quem a não aguente e não veja outra forma de expor o seu desabafo, senão através de um romance: -   É, de certo modo,  o caso de “Os Memoráveis”, o  mais recente livro de Lídia Jorge - Não se aguenta indefinidamente a hipocrisia. E ela está durando demasiado . Está testando a nossa resistência, a resistência da gente jovem”, declarou ao Jornal   PÚBLICO Frisando que, “O que é memorável não é o que ficou enterrado no passado; memorável é o que do passado se recolhe e se pode projetar no futuro”

Até porque a liberdade expressão, também ela já foi pervertida sob diversas formas – Pois está visto que o liberalismo prospera mais nas democracias burguesas  que nas ditaduras – Mas até nestas, parece já não haver  salvação  possível –Veja-se o que se passa com o capitalismo da ditadura chinesa: estende-se pelo mundo inteiro e nem quer saber se há respeito ou não pelos direitos humanos fundamentais.

  Em democracia, é o que se vê...Nos EUA, dois partidos dividem o poder, para fazerem de contas que são democratas, mas qual deles o mais diferente do outro?!.. Tal como noutras chamadas democracias, a mesma  farsa:  quem controla os media é o poder económico, que, por vezes até nos deixa falar ao mesmo tempo que nos vai indo ao bolso, reforçando as suas leis inócuas, injustas, promovendo a  especulação e a exploração

LÍDIA JORGE E O RECEIO DE SER TRITURADA PELA AVALANCHE  DA MESMA DESILUSÃO E ENXURRADA – APESAR DE TUDO AVANÇA COM O SEU LIVRO, CONFIANTE DE QUE ATRAVÉS DELE SEJA  HASTEADA A BANDEIRA DA ESPERANÇA

A democracia burguesa tem destas coisas: - permite falar pra desopilar. Embora o mais importante seja para quem parte e reparte. Aliviadas as tensões, há que acumular outras, e assim, sucessivamente, para não estoirar e perturbar o sistema institucional vigente. O 25 de Abril é outro  desses escapes, beneficiando mais o poder instituído de que revolucionando-o e prespetivando o futuro.

Lídia Jorge, na entrevista concedida ao PÚBLICO,  reconhece que “É impossível não imaginar  essa espécie de colagem, que me desgosta. Mas por outro lado este romance foi escrito em sintonia com o tempo. O facto de eu perceber que muita gente estava a questionar as mesmas coisas que eu deu-me uma espécie de humildade. Não me importo que o meu livro vá  numa espécie de enxurrada de acontecimentos. Porque esta é uma forma de fazer uma homenagem  a uma coisa que eu admiro muito, uma espécie de rasgão no tempo que aconteceu um dia , no passado. E que ainda hoje continua a ser misterioso, questionável , nós ainda vamos buscar lá uma semente de grande esperança. Eu queria espetar uma bandeira de esperança ao escrever este livro. Donde a terceira e a última parte dele"

ACREDITANDO UMA NOVA CANÇÃO

“Escrevi este livro sem circunstância literária. Escrevi-o empurrada por uma espécie de necessidade  de responder a um livro que escrevi há muitos anos, O Dia dos Prodígios. Ao longo destes anos, aprendi a olhar para aquilo que era uma esperança sem limites com outro olhar. Achei que poderia escrever sobre isto, sobre o correr do tempo, o que o tempo faz à esperança e como uma esperança pode desencadear outra. Sobre quando nós pensamos que a esperança está morrendo  e ela desencadeia respostas novas. Escrevi-o com a ideia de que pode haver uma nova canção  no mundo, embora também já tenha dito que este livro foi empurrado pela minha tristeza  pelo que está acontecer ao país

A crise económica? -  Sim, a crise económica. Mas que não se confundam as duas coisas. Uma é o sentimento que me empurrou até ao livro

VENCIDOS PELO LADO MENOR DA DEMOCRACIA

(…) “Em Os Memoráveis há o balanço da promessa. Há também algo em comum. Nos dois romances há uma tentativa de retrato do povo. E o retrato é muito semelhante . Se algo não mudou  está nessa base antropológica  e cultural funda  que é um contraste muito grande  entre a força de sonhar  e a debilidade do agir, organizar e concretizar . Aquilo que as figuras de O Dia dos Prodígios diziam há 30  e muitos ano, estas figuras demonstram.  Os próprios interpretes daquele dia exilaram-se na democracia . Deixaram-se vencer por lados menores da democracia" - Excertos da entrevista concedida a Andréia Azevedo Soares, Ipsion, jornal PÚBLICO, 28-03-2014.



LÍDIA JORGE – ENTRE AS GRANDES FIGURAS MUNDIAIS DA ATUALIDADE
Conheço o seu percurso desde o lançamento do seu primeiro livro. Admiro a sua obra e a sua personalidade. Tenho-a por uma boa amiga – Aliás, quem leia os seus livros ou com ela prive a primeira vez, dificilmente esquece a simpatia, a finura e a sensibilidade amistosa e cordial do seu carácter.   

“Lídia Jorge foi considerada uma das “10 grandes vozes da literatura estrangeira” pela revista francesa Le Magazine Littéraire , ao lado da britânica Zadie Smith, do norte-americano Richard Powers, do Nobel chinês Mo Yan, da canadiana Alice Munro, do Nobel turco Orhan Pamuk, da norte-americana Laura Kasischke, do espanhol Enrique Vila-Matas, do norte-americano John Irving e do islandês Arnaldur Indridason
Romancista e contista portuguesa. Nasceu em 1946, no Algarve. Viveu os anos mais conturbados da Guerra Colonial em África. Foi membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social. É professora do ensino secundário e publica regularmente artigos na imprensa. O tema da mulher e da sua solidão é uma preocupação central da obra de Lídia Jorge, como, por exemplo, em Notícia da Cidade Silvestre (1984) e A Costa dos Murmúrios (1988). O Dia dos Prodígios (1979), outro romance de relevo, encerra uma grande capacidade inventiva, retratando o marasmo e a desadaptação de uma pequena aldeia algarvia. O Vento Assobiando nas Gruas (2002) é mais um romance da autora e aborda a relação entre uma mulher branca com um homem africano e o seu comportamento perante uma sociedade de contrastes. Este seu livro venceu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores em 2003 Lídia Jorge - WOOK – Mais informação em Lídia Jorge - Infopédia e Lídia Jorge – Wikipédia

Lídia Jorge lança hoje 'Memoráveis'….Geral - ESPECIAL LÍDIA JORGE - Lídia Jorge. "Os ventos da história são superiores ao perdão dos homens"

OUTROS LIVROS NA ESTEIRA DE ABRIL - QUE VALE A PENA LER PARA MELHOR COMPREENSÃO HISTÓRICA: “A Porta da Liberdade” e "Nas Bocas do Mundo"
«A Porta para a Liberdade», de Pedro Prostes da Fonseca, apresenta factos inéditos sobre a evasão do Forte de Peniche, protagonizada por Álvaro Cunhal e mais nove homens. A edição é da Matéria Prima.

Muito se tem escrito sobre a já lendária fuga de Álvaro Cunhal  do Forte de Peniche – E também já aqui nos referimos sobre um dos soldados da GNR que conheceu o dirigente do PCP naquele presidium e que admitiu ter trocado com o seu colega, no dia em que estava prevista a fuga.




O Forte de Peniche era tido como uma das prisões de mais alta segurança do Estado Novo. Mas há pormenores que ainda se desconhecem, referia eu neste site, no passado dia 10 de Novembro – Nomeadamente, em relação ao soldado da GNR envolvido 

"COLABOREI, SEM SABER, NA FUGA DE CUNHAL" Mas confessa que não se sentiu traído mas pena dos problemas e represálias que sofreu a família do seu colega.

A fuga de Álvaro Cunhal do forte de Caxias, ficou pois a dever-se, em grande parte, ao soldado da GNR, José  Alves, que estava de sentinela àquela hora – Mas não era, José Alves, que nesse dia devia estar de serviço mas o soldado Profesto, natural da minha aldeia - Chãs, freguesia do Concelho de Vila Nova de Foz Côa - Pormenores em  Revelações inéditas da fugaÁlvaro Cunhal  - Entretanto, tendo voltado a questioná-lo sobre o mesmo assunto, Profesto, prefere o silêncio.

Pelos vistos, nem tudo ainda foi revelado – Tal o secretismo envolvido na preparação e na fuga, que, pelo que se depreende, factos houve que  ficaram apenas na mente dos seus intervenientes – Todavia,  para um bom jornalista, que goste de investigar até ao discreto dos pormenores, não há mistérios  indecifráveis – É o que se conclui da leitura do excelente livro de Pedro Prostes da Fonseca -  Acerca do  que ocorreu, naquele já distante 3 de Janeiro de 1960, em que  dez homens, entre os quais, Álvaro Cunhal, se evadiram do Forte de Peniche.
Considerada, até hoje,  uma das mais importantes e espectaculares fugas  do Portugal salazarista, só foi possível graças a um homem, Jorge Alves. Soldado da GNR.





"Jorge Alves era um homem simples, sem filiação política, mas cansado de um Portugal amordaçado e revoltado com a hierarquia militar à qual pertencia. Em A Porta para a Liberdade, o jornalista Pedro Prostes da Fonseca conta-nos a história do soldado cujo acto mudou a história do Partido Comunista Português (PCP) e, por arrasto, da luta antifascista.
.....

OPINIÃO " A obra narra a preparação e a fuga, bem como o que aconteceu depois a Jorge Alves, que viu a sua vida mudar de um modo radical e definitivo, como se compreende. E suporta-se nos testemunhos deixados pelo guarda e pelos seus familiares. Tal como os comunistas que fugiram nessa noite, Jorge Alves, com o apoio da máquina do PCP, veio a exilar-se na Roménia, nunca mais regressando a Portugal e vindo a falecer seis anos antes da Revolução de 25 de Abril. Jorge Alves acabou mesmo por se divorciar da sua esposa ainda antes deste acontecimento histórico. - Excerto de  Farol da Nossa Terra – A TÔMBOLA DA HISTÓRIA



Também conheço pessoalmente  Pedro Prostes da Fonseca, cujo talento literário muito admiro, como jornalista, escritor  e como pessoa. Foi dos  estudiosos que já se deslocou aos Templos do Sol, na minha aldeia, com a esposa e filhos, para um artigo no semanário Sol – Além disso, a ele fico também a dever um dos artigos mais interessantes,  que até hoje se  publicaram, acerca das minhas odisseias nos mares do Golfo da Guiné, na revista Tabú, deste semanário.


“Pedro Prostes da Fonseca, nasceu em Lisboa em 1962 e iniciou-se no jornalismo na Agência Lusa, depois de cinco anos como documentalista. De 1998 até hoje passou, como efectivo, pela Ferreira & Bento (editor da revista Vela & Náutica), Grupo Impala (director das revistas Casa & Campo e Nova Gente em Férias), Jornal 24Horas (coordenador), Jornal Meios e Publicidade (chefe de redacção), revista Arquitectura e Vida (chefe de redacção) e semanário SOL (coordenador). Como colaborador, publicou artigos no semanário O Golo, nas revistas Sábado, Superjovem e Arquitectura & Construção e no semanário Expresso. Em 1999 fundou a empresa Culturmedia, vocacionada para projectos culturais e editoriais no domínio das autarquias, e no ano seguinte publicou o seu primeiro livro para crianças - "Histórias dos 4 Cantinhos", pela editora Paulinas.- In Pedro Prostes da Foncesa - IM Magazine - O melhor que se faz no mundo para um mundo melhor




«Nas Bocas do Mundo – O 25 de Abril e o PREC na Imprensa Internacional», por Joaquim Vieira e Reto Monico -  Foi lançado no primeiro dia da primavera, com apresentação de Vasco Lourenço.

Depois  do lançamento da obra biográfica de Álvaro Cunhal, o Homem e o Mito, a que tive o prazer de assistir  e me referir neste site  Álvaro Cunhal - O Homem e O Mitobiografia ilustrada de Joaquim Viera , de novo a surpreender-nos com o lançamento de mais um importante trabalho de investigação – Desta feita acerca  do que  escreveu a imprensa estrangeira “durante um período de 19 meses, entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de Novembro de 1975, Portugal ocupou primeiras páginas de jornais, capas de todo o mundo, com uma intensidade que nunca antes ocorrera na sua história”. «Nas Bocas do Mundo



 


Joaquim Vieira nasceu em Leiria, em 1951. Jornalista, ensaísta e documentarista, foi membro da direção de vários órgãos de informação (Expresso, RTP, Grande Reportagem). Assinou a série em 10 volumes Portugal Século XX - Crónica em Imagens e dirigiu uma coleção de 18 fotobiografias (de que escreveu os volumes sobre Salazar, Marcelo Caetano, Almada Negreiros e Benoliel) e Crónica de Ouro do Futebol Português (cinco volumes) e ainda A Nossa Telefonia - 75 anos de Rádio Pública em Portugal. Coautor de Mataram o Rei! - O Regicídio na Imprensa Internacional, República em Portugal! - O 5 de Outubro visto pela Imprensa Internacional e Os Meus 35 Anos com Salazar, escreveu Jornalismo Contemporâneo - Os Media entre a Era Gutenberg e o Paradigma Digital , Mocidade Portuguesa - Homens para um Estado Novo, A Governanta e Só um Milagre nos Salva. Os seus mais recentes documentários intitularam-se Maior que o Pensamento e Os Mitos da República. O seu trabalho foi reconhecido com diversos galardões. Tem dois filhos, nascidos em 1997 e 2004”.




domingo, 30 de março de 2014

Sporting ainda pode sonhar mas o Guimarães não merecia ser derrotado – Rojo o grande herói do jogo no único momento em que o Estádio de Alvalade vibrou.


Texto e fotos - Jorge Trabulo Marques - Jornalista


Benfica que se cuide mas vai ser dificil: há um Sporting de Alvalade, com garras de leão, que está com olho fixo na Águia da Luz - Pelo menos na esteira da sua sombra. Mas não basta, o Benfica é, indubitavelmente,  a equipa mais bem apetrechada da atualidade. Obviamente que o Sporting tem de se aprimorar melhor de que no jogo com o Vitória de Guimarães. A  bem dizer, os homens do Minho não mereciam ser derrotados. Marco Rojo foi o herói do jogo. 

E Fredy Monteiro, também podia ter sido outro herói  mas o árbitro optou por anular o golo e foi mal anulado – Em todo o caso, à equipa vimaranense faltou alguma sorte – O batalhão de repórteres fotográficos colocou-se com as objetivas apontadas por detrás da baliza do Douglas na mira de que fossem os avançados do Sporting a fazerem estragos ao minhotos mas a verdade é que  o jogo desenrolava-se do lado oposto. - Estou de acordo com Luís Mateus da TVI ao dizer, na sua crónica, que  o Vitória Guimarães merecia mais. A forma como controlou o jogo, o adversário e até foi capaz de acabar por cima na partida justificavam um ponto como prémio. A felicidade desta vez caiu para o lado dos leões, que se mantêm firmes no seu caminho de jogo a jogo manter a pressão para os rivais. Desta vez, não houve Slimani. Houve Rojo e um ressalto traiçoeiro. E chegou! Sporting-V. Guimarães, 1-0 (crónica)

SEM CHUVA, SEM FRIO E SEM CALOR

O Sábado amanheceu cinzento, frio e chuvoso mas a tarde pôs-se bonita. Eram 19.30 quando subia  a rampa que dá acesso ao relvado do Sporting e deparo com um Estádio bem emoldurado pela sua massa   associativa. Enquanto na bancada reservada aos adeptos do  Guimarães, a representação era, de facto, expressivamente minoritária mas nem por isso menos entusiasta.  Atmosfera, francamente agradável, com um tempo ameno. Tudo indicava que os holofotes de Alvalade não iam ser turvados pela já saturante chuva e frio. Pelas bancadas,  sobretudo do sector da Juventude leonina, agitavam-se estandartes, troavam bombos, ouvia-se o ambiente ruidoso e animado do costume. Era das tais noites em que aparentavam mais certezas de que expectativas. Pairava como que a convicção de que o Sporting ia continuar na senda das vitórias. De tal modo, que até, Bruno de Carvalho, fazia o jeito ao pé, com a maior das descontrações e ao bom estilo!, numa das muitas bolas, que por ali havia, enquanto os jogadores iam desentorpecendo os músculos pelo relvado. 

Na verdade, tudo parecia conjugar-se a mais uma noite de glória sportinguista. Aparentemente assim aconteceu – Diz o DN que  Leões conseguem segundo melhor registo de sempre à 25.ª jornada, após um triunfo suado, mas que nem o golo mal anulado a Fredy Montero impediu. Marcos Rojo garantiu o triunfo. Melhor Sporting da década aproxima-se da Champions


PELOS VISTOS, O CAMPEONATO 2013-2014. PARECE FICAR POR LISBOA - ENQUANTO A TAÇA AINDA NÃO SE SABE...

Ainda há muito jogo pela frente, o Porto está a melhorar a sua atuação e vai, com certeza, apurá-la ainda mais, todavia, os anteriores tropeções, afastaram-no demasiado da primeira linha. Claro que há a Taça de Portugal, que vai certamente proporcionar a maior enchente da época no Estádio da Luz, em que os portistas partem em vantagem – Este é que vai ser o grande jogo aferidor. Com nítidos reflexos na restante temporada. Jesus tem dito que a sua maior preocupação é o campeonato, supondo que tinha uma coisa e outra garantidas, pois é,  mas no futebol nunca pode haver certezas absolutas, além de que todos os troféus são importantes – E qual o treinador ou jogador que não o reconhece? – Bom, e vou-me ficar por estas linhas, o bastante para acompanhar algumas imagens fotográficas, visto que, o cometário futebolístico, não é a minha especialidade.

quarta-feira, 26 de março de 2014

Taça de Portugal - Porto e Benfica, hoje à noite no Estádio do Dragão a pensar no caminho do Jamor – Só uma das equipas poderá aspirar o troféu – – Em 76 anos só se encontraram 8 vezes na final, sete vencidas pelo Benfica – Veja duas imagens históricas. Este ano o sorteio voltou a impedir que o vermelho e o azul colorissem a final. mas antecipassem dois grandes jogos



1957-58 - Porto 1- Benfica 0

Porventura, em atmosfera  fria, pouco primaveril, o jogo de logo à noite  vai ser, com certeza, escaldante. Há velhas rivalidades à flor da pele e ambas as equipas querem impor os seus pergaminhos e dar alegrias às suas claques. Mas a grande noite, espera-se que seja o jogo da segunda mão, na Luz.





O Benfica procura reconquistar a Taça que perdeu de vista há quase nove anos e atingir o 25º titulo. O Porto gostaria de voltar a assegurar o troféu que conquistou três anos seguidos, há duas épocas e somar os 17 troféus.  Em 76 anos apenas se encontram 8 vezes numa final, sete das quais vencidas pelos benfiquistas – 1952-53  Benfica; 1957-58  Porto; 1963-64 Benfica; 1979-80 – Benfica; 1980-81 –Benfica 1982- 83; – Benfica;1984 -85  - Benfica; 2003 – 2004 – Benfica - Editamos aqui duas  dessas imagens históricas publicadas pela extinta revista FLAMA, da única final que o Porto venceu, em 1957-5,que fomos buscar aos nossos arquivos.

Contrariamente ao que se passa com o Campeonato Nacional,  nem sempre as equipas  dos três grandes clubes portugueses logram chegar a uma final da Taça de Portugal e conquistar o título –Mais uma vez o sorteio ditou o afastamento de uma delas nas meias finais




2003- 2004 - Benfica 2  Porto 1



O QUE SE DIZ SOBRE O JOGO – PORTO - BENFICA - HOJE À NOITE

PÚBLICO - O árbitro madeirense Marco Ferreira foi designado para dirigir o jogo entre o FC Porto e o Benfica, da primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal, anunciou nesta segunda-feira a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), em comunicado. Marco Ferreira arbitra FC Porto-Benfica para aTaça de Portugal

RECORD - Tal como na época 2010/11, FC Porto e Benfica defrontam-se em duas mãos para discutir a presença na final do Jamor e, tal como há quatro anos, o estádio do Dragão será o palco do primeiro jogo da eliminatória, mas ambas as equipas reeditam o embate em condições muito diferentes.

Em 2010/11, o FC Porto, orientado por André Villas-Boas, recebia o Benfica em primeiro no campeonato e com uma vantagem de 11 pontos sobre os encarnados de Jorge Jesus - eram segundos, mas com um jogo a menos. A contribuir para essa margem estava uma moralizadora vitória por goleada (5-0) ao Benfica no estádio do Dragão. FC Porto-Benfica em duelo a lembrar "meias" de 2010/11



Segundo os dados históricos “A Taça de Portugal é uma competição de futebol portuguesa organizada pela Federação Portuguesa de Futebol e disputada pelos clubes da Primeira Liga, Segunda Liga, Campeonato Nacional de Seniores e alguns dos campeonatos distritais, em 2013–14. O torneio é realizado desde 1938 e utiliza o sistema de eliminatórias, com algumas fases a serem disputadas com ida e volta. O atual detentor do troféu é o Vitória de Guimarães, que venceu na final da Taça de Portugal de 2012–13 o Benfica por 2–1. É no entanto o mesmo Benfica o maior vencedor da competição, com 24 troféus ganhos.



Fotos de arquivo do autor deste site - Jorge Trabulo Marques  - Jornalista




 "A primeira competição com o estatuto de "Taça" foi criada em 1912, denominada Taça do Império (não confundir com Taça Império, que foi um troféu para a abertura do Estádio Nacional disputada entre o vencedor da Primeira Divisão e o vencedor da Taça de Portugal), que também teve o nome de Taça de Portugal na altura. Esta competição não-oficial, organizada pelo Sport Clube Império, tinha o intuito de participarem todos os clubes de Portugal. Porém, a prova só foi disputada três vezes, de 1912 a 1918, tendo o Benfica ganho todas as edições.1 Em 1922, criou-se o Campeonato de Portugal, competição oficial disputada todas as épocas com todos os clubes a participarem na primeira ronda do torneio. Os vencedores desta competição eram considerados os campeões da modalidade em Portugal, antes da criação da Primeira Divisão. Com a criação dessa mesma prova, a Primeira Divisão passou a ser a competição mais importante do país, e o Campeonato de Portugal foi substituído pela atual Taça de Portugal. O Sporting e o FC Porto são os maiores vencedores do Campeonato de Portugal, com quatro títulos ganhos, com o Belenenses ostentando três conquistas, ao contrário da Taça de Portugal, competição na qual o Benfica é o que tem mais triunfos, com 24 taças ganhas. Taça de Portugal 

ACTUALIZAÇÃO

DEPOIS DO JOGO – DN - O FC Porto impôs, nesta quarta-feira, a primeira derrota em quase meio ano ao Benfica, ao vencer o "clássico" no Dragão por 1-0, adiantando-se nas meias-finais da Taça de Portugal, rumo ao Jamor. A vantagem tangencial acaba por saber a pouco aos tricampeões nacionais, que chegaram a ameaçar "arrumar" com o Benfica logo na primeira mão, mas foram incapazes de aumentar a vantagem e ainda viram Fabiano segurar o 'magro' 1-0. FC Porto derrota Benfica e leva vantagem mínima à Luz

A BOLA O FC Porto venceu esta noite o Benfica, por 1-0, na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal. Jackson Martínez, aos seis minutos, fez o único golo da partidaFC Porto vence Benfica (1-0) - abola.pt


TVI -24 - Luisão: Três cortes providenciais numa fase em que o Benfica correu sérios riscos de perder em definitivo o controlo da eliminatória.. TP: FC Porto-Benfica, 1-0 (destaques das águias)

terça-feira, 25 de março de 2014

Lisboa – Capital deprimida onde só floresce o que é oriental – Desde o pequeno comércio à EDP – O país despovoa-se e os portugueses são uma espécie em vias de extinção – Sentem-se estrangeiros na terra onde nasceram! - O liberalismo económico é global e apátrida. 40 anos pós o 25 de Abril, em muitos aspetos, pior que na ditadura de Salazar - Ou então seguimos a doutrina de Belmiro “Quando o povo tem fome, tem direito a roubar"



SE BATÊSSEMOS NO FUNDO E VOLTÁSSEMOS À SUPERFÍCIE - O PIOR É QUE ENTRETANTO O PAIS NÃO PÁRA DE SE AFUNDAR ENQUANTO ESTIVERMOS AMARRADOS AOS DITAMES DO EURO..

Enquanto não nos libertamos do jugo alemão e do euro não há volta a dar - Unicamente favorece a economia alemã e empobrece os países mais pobres e periféricos - Não é possível termos uma moeda forte se somos um país pobre. Alemanha lucra com a crise europeia ao poupar quase 41 milhões em juros 





Soldados  da Associação  Humanitária dos Bombeiros da Cruz de Malta, uma vez por outra, vão ali a fazer o seu peditório . Além das ciganas romenas, que habitualmente se sentam à porta - mas também já se veem poucas  por ali, pois já terão visto que não é dos sítios mais propícios à esmola.





A vendedeira da  fruta, à esquerda, é a Fernanda - Natural da Horta, concelho de Foz Côa - Perdeu o marido, com um filho nos braços mas nunca desistiu de lutar - Uma autêntica heroína. Levanta-se cedíssimo para ir buscar a fruta na sua carrinha, raramente goza férias. Sabe Deus o que calvário que ela agora leva para apurar uns tostões. Já foi tempo... Agora, mal dá para o combustível. 


PARA ONDE VAI ESTE PAÍS:



















Os tradicionais mercados nas vilas e cidades, têm funcionado como autênticos barómetros da vida económica e social – Não é por acaso, que os políticos os escolhem para fazer a sua propaganda em tempo de eleições – Mas será que ainda há coragem de passar por alguns desses espaços, tão despovoados, hoje, se encontram?!... 

Veja-se, por exemplo, o que sucede com o antigo Mercado de Arroios,  situado em pleno coração de Lisboa  - À noite, junto aos seus portões, serve de abrigo aos sem-abrigo. Durante o dia, nas horas em que está aberto, encontra-se  praticamente às moscas. – Embora sendo poucos, horas há em que há mais comerciantes de que clientes – Dos 20 talhos existentes, apenas abrem dois. A maioria das bancas estão vazias – Este é apenas um dos espelhos do que vai pelo resto da capital. Em contra-partida, não há vila ou cidade onde não prosperem as lojas orientais.


De facto, não é preciso ir à província para ver o que vai pelo resto do país. Lojas e lojas fechadas. Em muitas das ruas, vêm-se, nas janelas, tabuletas anunciando o arrendamento mas ficam às moscas, porque a nova lei do arrendamento urbano despejou milhares de famílias, por via da absoluta liberdade dada a senhorios gananciosos .Governo facilita despejo do inquilino com nova lei das rendas Nova lei de arrendamento abre a porta ao despejo de 100



Em grande parte das  nossas aldeias, desde há vários anos que não nasce uma criança – As que têm ainda alguns habitantes, não tarda a  transformarem-se em meras quintas.  Muitas das quais, atualmente, não passam de um casario despovoado. Não se lhe descobre, vivalma. Noutras, a grande maioria, mal se vê uma criança ou um jovem: senão algumas pessoas da terceira idade – Mais delas acolhidas nos lares. Apenas em Agosto, por altura do regresso a férias dos emigrantes, é que a vida ali parece dar o ar de sua graça – Realmente, por este andar, se não aparecer por aí uma espécie de Dom Afonso Henriques, não tarda que os portugueses, além de serem uma minoria, se sintam estrangeiros no seu próprio país.
Só quem ande muito distraído é que não se dá conta de que, os portugueses estão em vias de extinção – E o mais grave de tudo isto é que não se deve apenas ao facto da baixa natalidade mas da ausência de políticas que sirvam o interesse geral. O nosso primeiro-ministro veio agora dizer-nos que querer reduzir as desigualdades e injustiças, afirmando que "doravante" será possível "olhar para as políticas sociais" com um alcance que o "contexto de emergência" dos últimos três anos não permitiu” –  Passos diz querer reduzir desigualdades e injustiças - 

Bom, mas nunca é tarde demais se as palavras corresponderem aos atos . O mau é que, entretanto, já houve muito quem - para não se suicidar ou ter de roubar - decidisse abandonar o seu país.

Estamos em pré-campanha eleitoral e fica muito bem dizer estas coisas.  Quer então dizer-nos que até agora apenas se pensou em enfiar milhões nos bancos agiotas e falidos e aceitar, como inevitável, a compreensão da fuga aos impostos daqueles que mais contribuíram para o encerramento de milhares de lojas –Passos compreende decisão da Jerónimo Martins  -


Estado injecta 1100 milhões de euros na recapitalização  do Banif.BCP, BPI e Caixa recebem 6600 milhões do Estado


QUAL É O POLITICO QUE PENSA MAIS NO PAÍS DE QUE NO SEU PARTIDO E NOS AMIGOS?

No país da democracia, onde estão os governos que  não pensem apenas em favorecer as suas clientelas partidárias e os grandes grupos económicos?!. À esquerda, quem não partilhar da 

mesma ideologia, é considerado fascista. À direita, a  mesma intolerância.

Desde o 25 de Abril, até hoje, e já vão quase 40 anos, em vez de se caminhar para o bem-estar e progresso social, pelo contrário, regride-se: ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres.



PÚBLICO- de Hoje:Agravamento da pobreza

"Onde parece não haver duas leituras possíveis" - diz o PÚBLICO   "é na evolução da pobreza. A taxa de risco de pobreza em Portugal – que mede o número de pessoas que vivem com menos de 60% do rendimento mediano em Portugal – aumentou em 2012 para 18,7%, ou seja, afectava quase dois milhões de portugueses, segundo os dados recolhidos pelo INE. Esta é a taxa mais elevada desde 2005 e representa uma subida face aos 17,9% de 2011. Diferença entre muito ricos e muito pobres continuou a subir - Há, todavia, quem tenha outra leitura ""O país empobreceu menos do que parece" - Economia -DN

Sem dúvida,  embora tendo sido preso pela PIDE; concordo que a situação do grosso da população portuguesa, é bem mais grave de que no tempo do botas. Havia censura e hoje quem são os donos da media?!.. Dos principais rádios, dos jornais e televisões?!...  Lá vem uma uma vez por outra a cereja no bolo mas a fatia de leão é de quem a parte e reparte. ( Proença de Carvalho lidera administração da Controlinveste 27,5% nas mãos do grupo de Joaquim Oliveira, com a entrada do empresário angolano António Mosquito (27,5%), com Luís Montez a deter 15% e com os bancos BCP e o BES a deter 15% cada um.).

Não é por acaso que a extrema-direita ganha terreno em França e se se  estende, lado a lado, com a ideologia liberal a nível global. 

Noutro tempo, arrendava-se uma casa para toda a vida e a preço acessível, hoje, só a prazo e quem é que o pode fazer?!... Quem é que pode pensar em casar, sabendo que não tem garantias nenhumas nem de emprego nem de proteção à família?! – Com leis  que apenas privilegiam os senhorios, os especuladores e oportunistas, o  patronato, os banqueiros e os poderosos! - É a tal coisa: com todo o acerto, e oportunisticamente, bem diz o banqueiro  Ulrich: "Se os sem-abrigo aguentam porque é que nós não aguentamos? ..

Tribunal decreta prescrição de todas as condenações do Banco de Portugal a Jardim Gonçalves…..Tribunal absolve Oliveira e Costa e Dias Loureiro -Oliveira Costa pede perdão de 8 mil milhões de dívidas 


PORTUGUESES "SOMOS UMA ESPÉCIE EM VIAS DE EXTINÇÃO" DN - CENTENAS DE ALDEIAS JÁ NÃO PASSAM DE UM CASARIO FANTASMAL!

Deparo hoje com o título de um artigo do Diário de Notícias, cuja frase ando com ela a matutar há já algum tempo, desejoso de a trazer para vida-e-tempos – Tenho hesitado, pois não quero transformar este site num pleito político, correndo o risco de alguma incompreensão. Mas este site é também um pouco do passado e do presente. Sim, dizer-se que “somos uma espécie em vias de extinção”, não é novidade alguma – Diz o Professor universitário que coordena o grupo de trabalho sobre questões de natalidade defende que o País, com a atual quebra demográfica, não tem "qualquer hipótese de subsistência".

"Joaquim Azevedo, coordenador do grupo de trabalho designado pelo Governo para estudar questões demográficas - em particular a natalidade -, afirmou esta terça-feira, nas jornadas parlamentares do PSD, em Viseu,que Portugal "é completamente insustentável", assinalando que "antes do fim do século, o País terá sete milhões" de habitantes, maioritariamente idosos.

"O País não tem qualquer hipótese de subsistência. Não podemos olhar para isto com indiferença, é a cultura portuguesa que está em jogo. Somos quase uma espécie em vias de extinção", Joaquim Azevedo assinalou, por isso, a "perda de 150 portugueses por dia", pelo que defendeu na conferência desta manhã que terá de se intervir no domínio do emprego, com apoios aos pais, às empresas e incentivos ao trabalho parcial e ainda no sector da educação, mais concretamente através da revisão dos custos para crianças dos zero aos três anos. Joaquim Azevedo "Somos uma espécie em vias de extinção"

HÁ QUE IR ALÉM DAS MERAS INTENÇÕES E CONHECER O PAÍS REAL

 Diz o PÚBLICO que  “As escolas do 1.º ciclo vão receber menos 40 mil estudantes até 2018. A quebra da natalidade está a acentuar os seus efeitos sobre a população estudantil e os reflexos vão ser particularmente intensos nos próximos anos no primeiro nível do ensino obrigatório.

A quebra do número de inscritos é transversal a todo o país, mas atinge sobretudo o Alentejo, o Norte e o Centro. Primeiro ciclo perde 40 mil estudantes em sete anos. Ao menos que se entendam nesse pacto e que vá além das meras intenções PSD apela a consenso para Pacto para a Natalidade

Como os bancos lucram com a fome do mundoBanqueiros glutões adoram dívida portuguesa - Expresso.pt


COMO SE JÁ NÃO BASTASSEM OS 20 ANOS PARA  PAGARMOS A DÍVIDA. – ESTAMOS CONDENADOS A DESAPARECER.


OU ENTÃO SEGUIMOS OS ENSINAMENTOS DE UM DOS HOMENS MAIS RICOS  E BEM SUCEDIDOS DE PORTUGAL "Quando o povo tem fome, tem direito a roubar"

Dizia Belmiro de Azevedo, do Governo de José Sócrates "Prometer e não cumprir é pecado",O patrão da Sonae, que discorda do aumento de impostos previsto no plano de austeridade aprovado pelo Governo, alerta que o Executivo "está a brincar com o fogo" porque "o povo quando tem fome tem o direito de roubar" "Quando o povo tem fome, tem direito a roubar" 

ALGUMA VEZ?!... COM JUROS PELA HORA DA MORTE?!...

 "O país tem uma dívida que corresponde a "120% de tudo o que produz num ano", ou seja, do Produto Interno Bruto (PIB), o que "quer dizer que demoraremos 20 anos a pagar a nossa dívida se não tivermos défice em ano nenhum" Portugal deverá demorar 20 anos a pagar a dívida - JN

 "Portugal está num "alerta super vermelho" em matéria de novos nascimentos. "Vamos ter de trabalhar pelo menos 20 anos se quisermos inverter a tendência. Mas primeiro temos de [a] estabilizar", disse Joaquim Azevedo"  Queda de natalidade deixa Portugal em "alerta super vermelho"

Obviamente, há quem já acautelasse o futuro da sua tribo familiar com a compra de um emblemático património público, pelo preço de Maria Mijona e não queira agora ouvir falar de perdão da dívida, com alegação  de que tal pedido assustaria os investidores - ou os sacadores? – Como se esse facto constituísse  uma novidade ou heresia Ou não foi o "Milagre económico alemão teve ajuda de perdão de dívida"  dos demais países europeus?!

 ABRIL SEMPRE?!... COMO ASSIM?!... COMEMORAR O 25 DE ABRIL OU LUTAR POR OUTRO BEM DIFERENTE?

O programa promete. Estão previstos mais  uns quantos foguetórios para comemorar o 25 de Abril – Comemorar o quê?... Ainda se fosse como em Espanha, ao menos lá, quando se sai à rua, é mesmo em jeito de luta: Sob o lema "Pão, trabalho e teto para todos", os manifestantes, procedentes de diferentes pontos de Espanha, formaram seis colunas, que confluíram na zona de Atocha, de onde iniciaram uma marcha até à praça de Colombo, entre palavras de ordem como "Sim, é possível", "liberdade" ou "os banqueiros que paguem a crise". Manifestação em Madrid regista 101 feridos. Mas a estas noticias não pega a media portuguesa, talvez receosa que o contagio se espalhe

Vejam só – E para quê?!

Concertos, 'videomapping' e fogo-de-artifício no Terreiro do Paço vão ser os "pontos altos" de três meses das comemorações dos 40 anos do 25 de Abril promovidas pela Câmara de Lisboa, destacou hoje a vereadora da cultura.

Na noite de 24 de abril, a partir das 21h30, as fachadas do Terreiro do Paço vão ser as telas de uma projeção de vídeo ('videomapping') alusiva aos principais momentos que conduziram à Revolução dos Cravos, usando filmes de realizadores e artistas plásticos nacionais que evocam momentos e figuras25 de Abril em Lisboa: Terreiro do Paço recebecomemorações dos 40 anos.