expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 7 de março de 2014

Manifestação de Policias transformaram Palácio de São Bento – Numa Assembleia de Capacetes e de empurrões - Houve quem envergasse a fatiota do império romano – Mas nem assim logrou transpor a muralha pretoriana - Tvs não tiveram mãos a medir e houve cineastas que aproveitaram as imagens para um futuro policial - Sempre é mais barato e é real



Não vamos aqui  tomar  posição política, não é esse o propósito deste site (essa é uma questão que diz respeito aos sindicatos policiais, governo e oposição), mas deixar  algumas das imagens, acompanhadas de  breves comentários,  que  - segundo o que veio a público  - terão feito história nos anais das manifestações policiais. 

Não por ser a primeira manifestação policial, pois, em todos os governos, tem havido manifestações deste género: desde os célebres “secos e molhados” na Praça de Comércio, no Governo de Cavaco Silva, Secos e molhados foi o 25 de abril dos polícias - aos Cerca de mil polícias entregam bonés a José Sócratesà manifestação de Novembro, que  culminou com a invasão até às portas do Palácio de São Bento, mas pelo número de manifestantes envolvidos.

A barrarem os manifestantes,  um contingente de peso – Por ventura, terá sido o dia em que os ladrões e outros prevaricadores, em Lisboa e noutras cidades dos país, tiveram mais liberdade - Salvo as operações de Stop - Dizem que houve muitos efetivos mobilizados para não engrossarem a coluna dos descontentes. Pois, além de um forte dispositivo de segurança, de polícias a oporem-se contra polícias, refere a revista Visão que  “Cerca de 15 mil elementos das forças e serviços de segurança em protesto contra os cortes salariais marcharam rumo à Assembleia da República, gerando um longo braço de ferro, na tentativa de subir a escadaria do Parlamento Polícias organizam maior manifestação de sempre em Portugal   v
Só o tempo o dirá se terá sido melhor impedir que os manifestantes subissem a escadaria de São Bento e extravasarem a adrenalina acumulada do seu descontentamento, ao invés do charme dado aos dirigentes sindicalistas que foram recebidos  por Assunção Esteves – Pareceu-nos que, mesmo com este gesto,  certamente que vai ser difícil diluir a frustração que no final se estampava em muitos rostos. 
Invadir ou não invadir, talvez, não seja este o aspeto mais importante, mas o de um  grave aviso: ou seja, de que, se as forças policiais contestam um Governo, de forma tão expressiva e  o Governo não pode confiar na suas forças policias, então em quem pode confiar?! – Esta é realmente uma questão que não pode ser negligenciada. -Manifestação de polícias tem eco no Governo, diz PSD  Espera-se bem que sim

O PROBLEMA NÃO SE RESOLVE EM TER-SE TRAVADO QUE OS POLICIAIS SE ACERCASSEM DA PORTA PRINCIPAL DA A.R. E REPETISSEM A PROEZA DE NOVEMBRO – ESSE SIMBOLISMO, NÃO É O MAIS IMPORTANTE


Dizem as notícias que O ministro da Administração Interna deu ordens claras ao director nacional da PSP para travar qualquer tentativa de invasão das escadarias da Assembleia da República (AR), durante a manifestação que juntou ontem mais de 15 mil polícias em Lisboa” – Governo deu ordem para resistir a invasão  Só não subimos porque não queremos


De algum modo, tais intentos foram travados. Houve rápida e eficaz intervenção sem uso  ao bastão. E de uma forma até muito escalonada - sob estratégia e controlo, milimetricamente calculado. Com hostes a descerem a escadaria ou a posicionarem-se em vários pontos, em sucessivas surtidas e barricadas, como que obedecendo à voz de um comando tele-comandado, enquanto nos manifestantes, imperavam hesitações e também se estampava algum medo - Até porque já havia exemplos de algumas detenções.   

Se era essa a principal intenção de travar o acesso ao átrio principal, dir-se-ia que foi conseguido com êxito. As forças policiais que barricavam o acesso pela escadaria e jardins laterais, estavam demasiado entrincheiradas para permitir que as “hostes romanas (sim, pois não faltou quem se servisse dessa imperial simbologia), pudessem romper a muralha pretoriana, de capacetes e viseiras, e, uns metros mais acima, alguns cães de trela na mão a latir, impacientes por entrar em ação.    Vimos essas imagens e chegamos a recear o pior. Mas ainda bem que prevaleceu o bom senso de não se ter atingido, tal extremismo, talvez em boa parte devido aos constantes apelos que se faziam ouvir pelos megafones, por parte dos organizadores da manifestação.

OS RICOS MAIS RICOS E OS POBRES MAIS POBRES - ENQUANTO HOUVER ESTA DISPARIDADE DE CONTRATES, DIFICILMENTE PODERÁ HAVER PROGRESSO E BEM-ESTAR SOCIAL E ATÉ PAZ POLICIAL.
.


Todavia, independentemente, do facto de a invasão apenas ter ficado pelo derrube de cancelas e ter irrompido até   meio da escadaria, não cremos que esse tenha sido o dado mais relevante, mas o de que, algo vai mal no atual regime democrático – Pelos vistos, já ninguém confia em ninguém – Onde não há pão, todos ralham e  ninguém tem razão. Compreende-se que o Governo exija que as dificuldades sejam repartidas - Como assim?!..Políticos, diplomatas e juízes ficam de fora dos cortes  ..........CGD e TAP não fizeram cortes salariais previstos .....O mau é que continua haver pão, e do melhor, para uma certa classe endinheirada, que não para de aumentar a sua riqueza, enquanto o  grosso da população, tem que apertar o cinto Milionários portugueses estão cada vez mais ricos -

EM MATÉRIA DE DISTRIBUIÇÃO DE SACRIFÍCIOS - OS MESMOS DE SEMPRE,  FICAM DE FORA... E SERÃO AS MINORAIS ENDINHEIRADAS, QUE ELEGEM GOVERNOS?!



Diziam os manifestantes que  há dinheiro para pagar ao BPN e ao BANIF e não há para  os salários -Estado enterra mais 510 milhões de euros no buraco do BPN  Este exemplo não tem sido dado - Bem pelo contrário - Senão veja-se o que sucedeu com a fuga de Jerónimo Martins para a Holanda Passos compreende decisão da Jerónimo Martins -  Mas houve vozes, mesmo do partido do Governo que tiveram outra posição -  “Marcelo Rebelo de Sousa criticou o primeiro-ministro por ter dito que compreendia a decisão da Jerónimo Martins de transferir o seu capital para a Holanda. O professor diz que Passos Coelho abriu caminho a milhares de outras empresas a fazer o mesmo e que esse não é o rumo para o país. “Marcelo Rebelo de Sousa criticou na TVI a decisão da Jerónimo Martins, dona dos supermercados Pingo Doce, de vender a totalidade do capital que detinha à sua subsidiária holandesa Marcelo: "Soares dos Santos deu ideia que não acredita no País 

É POR ISSO QUE OS MILIONÁRIOS NÃO PARAM DE ENGORDAR – E  SE O EXEMPLO NÃO VEM DE CIMA,  O          QUE SE ESPERA? - Fogem ao fisco e a contas com a justiça, há sempre uma alma caridosa abençoá-los..Condenação a Jardim Gonçalves prescreve

"Três nomes voltaram a fazer parte desta lista: a maior fortuna é de Américo Amorim (na foto, à esq.) que ocupa a 267ª posição. O empresário que controla a Corticeira Amorim e o maior accionista da Galp Energia, tem uma fortuna avaliada em cerca de 7,3 mil milhões de euros. Segue-se Alexandre Soares dos Santos (centro), ex-presidente do conselho de administração da Jerónimo Martins. É o 609º mais rico do mundo (cerca de 3,8 mil milhões de euros). Finalmente, o presidente do conselho de administração da Sonae, Belmiro de Azevedo (à dir.). É o 687º homem mais rico do mundo (3,4 mil milhões de euros Américo Amorim e Belmiro de Azevedo sobem na lista dos mais .

HOUVE TAMBÉM LUGAR A CONFRATERNIZAÇÃO E QUEM APROVEITASSE A MANIFESTAÇÃO PARA TOMAR UMAS IMAGENS PARA UM FUTURO POLICIAL 

As televisões não tiveram mãos a medir - Pois não há melhor espetáculo que um "um bom policial" . E até os cineastas, não perderam a ocasião de tomarem algumas imagens para uma futura fita.  Pensando que faziam parte de algum canal de televisão estrangeiro - tal a equipa que rodeava a câmara -, fomos perguntar; nada disso: antes de nos responderem, pediram-nos silêncio: "estamos a gravar para um futuro filme!"


Não se pense, contudo,  que só houve gritos de ordem ou protestos de revolta - Houve também lugar a excelentes momentos de camaradagem e de confraternização: 

Vindos de todos os pontos dos país, os policiais, concentrados  junto ao Parque Eduardo VII, com a estátua do Marquês, a testemunhar o acontecimento, aproveitaram o tempo de espera para relançar velhas amizades,  entre  novos e antigos camaradas do mesmo ofício - Solidários nos propósitos mas ao mesmo tempo, aproveitando para estreitar velhas amizades e recordar as espinhosas e arriscadas missões em prol da grei e da lei.

Diz Daniel Oliveira, no Expresso – que os “Polícias brincam com o nosso dinheiro” – Opinando que “Só tempo o dirá se terá sido melhor impedir que os manifestantes subissem a escadaria de São Bento e extravasarem a adrenalina acumulada do seu descontentamento, ao invés do charme dado aos dirigentes sindicalistas que foram recebidos  por Assunção Esteves – Pareceu-nos que, mesmo com este gesto,  certamente que vai ser difícil diluir a frustração que no final se estava em muitos rostos – Excerto . Polícias brincam com o nosso dinheiro

Nenhum comentário: