expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 12 de maio de 2015

Entrevista a Roberto Carlos, três anos depois do Canecão, caracterizado de palhaço: "Isso para mim era uma coisa nova!... Nunca havia-me caracterizado num palco" – Confessou-nos em 1982, num breve diálogo no aeroporto de Lisboa, momentos de regressar ao Brasil




– Ele está de volta! - Roberto Carlos vai atuar em Portugal, nos dias 14 e 16 de Maio, em concertos no Meo Arena, Lisboa, e no Multiusos de Gondomar, Porto Roberto Carlos com dois concertos em Portugal em maio


Já lá vão 32 anos, que Roberto Carlos, fazia os seus primeiros espetáculos ao vivo em Portugal.   Anteriormente,  já tinha atuado nos estúdios  da RTP e no Casino Estoril, mas os grandes concertos ao ar livre, só depois do 25 de Abril é que começariam a ganhar expressão – Três anos depois de um grande concerto no Canecão, aí estava entre nós, o artista mais popular da musica brasileira. E, como a popularidade também tem os seus ossos de oficio, pois dessas contrariedades,   não se livrou, quer o artista, quer  a sua equipa de produção..


Foi um autêntico voo das carteiras - Na digressão que Roberto Carlos fez a Portugal, em 1982 – a Lisboa, Portimão e Porto – além de falhas de vária ordem da   organização promotora dos espetáculos, que deixava tudo para a última hora, ainda por cima a equipa técnica, de Roberto Técnica, foi aliviada das carteiras, em dinheiro e  documentos. – Declarações de Robinson  Paraíso, para a Rádio Comercial, momentos antes do embarque no aeroporto de Lisboa. a que nos referimos em postagem anterior.  

REGRESSO TRANQUILO – Ao contrário da chegada

O regresso de Roberto Carlos, ao Brasil, após a sua digressão a Portugal, acompanhado por sua mãe e equipa técnica, dir-se-ia ter sido muito tranquilo. Contrariamente à confusão que se gerou com à sua chegada,  com imenso público a esperá-lo, além de um  batalhão de repórteres. 

A partida  passou despercebida à imprensa. Porém, quis um feliz acaso que soubéssemos que, Roberto Carlos, estava no aeroporto de Lisboa, prestes a embarcar. E, mal soubemos, de imediato procurámos ir ao seu encontro para lhe pedirmos uma entrevista para o programa “Hora Ora!”, da então  Rádio Comercial-RDP, que gentilmente nos concedeu, após o que também tivemos oportunidade de entrevistarmos Lady Laura e registarmos umas breves declarações da equipa técnica, que parecia não partir muito satisfeita, tendo-nos confessado, o chefe de produção, "A chegada foi muito tumultuada pela falta de organização inclusive, nossa fomos roubados. Eu fui roubado em todos os documentos e todo o dinheiro que tinha em meu poder. Aproximadamente uns 1800 dólares, mais 23 mil escudos. E o meu colega foi roubado nos documentos: os documentos aparceiram, o dinheiro é que não (… ) Mas, enfim, tudo bateu certo” - Disse-nos Robinson Paraíso


  

DIGRESSÃO “MUITO BOA”!... MARAVILHOSA!... ESTOU FELIZ COM TUDO!” 
   

"A vida é a minha musa inspiradora” – Recordando a entrevista que  Roberto Carlos, me concedeu, em 1992, no aeroporto de Lisboa e pouco depois de ter entrevistado sua mãe, Lady Laura,  momentos antes de  regressar ao Brasil, após a sua digressão a Portugal - Confessando-se “muito feliz pelos shows que deu em Lisboa, no Porto e no Algarve”  e pela receção que lhe foi proporcionada “ Inquirido, entre outras questões, se se tinha sentido bem ao representar o papel de palhaço, num espetáculo do Canecão, respondeu que para ele “era uma coisa nova, eu nunca havia-me  caracterizado de qualquer coisa no palco e eu queria ter a certeza que sabia fazer bem aquele número.”

JTM – Prestes a partir – a alguns minutos antes da sua partida: que tal a sua partida pro cá?
RC – Muito boa! Maravilhosa! Estou muito feliz com tudo! Com o Show de Lisboa! Do Algarve! Do Porto!...Tudo correu maravilhoso!... Os portugueses  me receberem bem! Em todas as partes!... Como sempre!.. os portugueses, são sempre assim…
(…) JTM -Projetos futuros..
RC – Projetos futuros! Voltar a Portugal!... O mais breve possível…. Agora chegou no Brasil: vou terminar as músicas do próximo disco… Gravo em Setembro e, em Dezembro, temos um novo disco.
JTM – Projetos futuros?...
RC – Projetos futuros! Voltar a Portugal!... O mais breve possível…. Agora chegou no Brasil: vou terminara as músicas do próximo disco… Gravo em Setembro e, em Dezembro, temos um novo disco. 

FÉRIAS, SÓ NO CARNAVAL



JTM – Quanto a férias: pensa gozar férias aonde?...
RC – Ferias, em Fevereiro, na época do carnaval….
JTM – Na época do carnal porquê?.... Entretanto, ainda há muito trabalho…
RC – Porque é  uma boa oportunidade, aproveitar o carnaval e tirar férias!.... (sorrindo) Ou irar férias e aproveitar o carnaval!... Uma coisa combina com a outra!...
JTM – Até lá o Roberto Carlos ainda vai dar as suas passeatas!... Sabemos que, Roberto Carlos, gosta muito do mar! …. Que é um apaixonado pelo mar!..
RC - Ah, sim! Claro, claro… cada vez que eu posso dou uma fugidinha no mar, a pescar!...

RASGADO ELOGIO  ÀS MULHERES PORTUGUESAS – de quem se pode inspirar e qualquer lugar e em qualquer hora.



JTM – Quanto á mulher Portuguesa:  que é que achou?
RC – O que é que achei, não!... O que é que eu acho!... As mulheres portuguesas são maravilhosas! São bonitas!.. São carinhosas!...
JTM  -  O  facto de ter vindo a Portugal, tê-lo-á inspirado para alguma composição, digamos?
RC – e acho que sempre há um motivo para gente fazer uma nova canção. Volvendo e observando a vida…. Digo sempre que a vida é a minha musa inspiradora mais importante... Na vida a gente tira todos os temas. E, logicamente, andando pelo mundo, andado por Portugal e voltando ao Brasil, há sempre alguma coisa  de ver…

JTM – Roberto Carlos cria mais de noite ou em qualquer altura?
RC – Em qualquer hora e em qualquer lugar… É imprevisível!... Porque, num avião ou simplesmente num carro ou em casa…Enfim, em qualquer lugar.

JTM – E até num calhambeque!...
RC – (sorrindo) … Sim, e até num calhambeque

O DIA EM QUE TEVE DE  SE MAQUILHAR DE PALHAÇO  --.”Isso para mim era uma coisa nova!
.
Pelos vistos, uma experiência para o artista, muito interessante, mas que, tal como nos confessou,  foi antecipadamente bem  preparada para não cair no ridículo gratuito..  E da qual então muito se falou – E ainda hoje se fala – Diz-se que “ A idéia do rei-palhaço foi de Ronaldo Bôscoli, que, inspirando-se numa capa de disco de Frank Sinatra (em que este estava trajado de palhaço) apresentou a proposta ao amigo, Miéle, que tinha consciência de que, caso aquilo não desse certo, seria o fim de suas carreiras. Roberto não aceitou de imediato a proposta, ficando de pensar melhor no assunto. Nesse processo de convencimento do artista, os produtores ganharam uma aliada importante: a mãe de Roberto Carlos, dona Laura. Ela se revelou profundamente comovida com a ideia de o filho se maquiar de palhaço em cena e defendeu isso em casa. "Desde criança, fui fascinada por palhaços. Era a minha fantasia preferida quando menina", justifica. Embora forte, esse apoio não garantia por si só que o cantor se deixaria convencer – Excerto de . O Meu Coração É Como Um Palco - 'Show do Palhaço'

Mas eis o que nos confessou, sobre o assunto:

JTM – É verdade que você um dia teve que se maquilhar de palhaço… E exatamente num período difícil da sua vida!...
RC - Não tive que fazer isso!... Eu fiz isso porque foi um número que eu me propus fazer num show do Canecão. Um show de há 3 anos atrás. … E coincidiu que eu havia-me separado da minha ex-mulher, Alice.. E então… Mas não tinha nada uma coisa a ver com a outra.

JTM – Diga lá: gostou… gostou de representar esse papel?... Acho que receou um pouco…
RC – Não… Isso para mim era uma coisa nova!... Nunca havia-me caracterizado num palco!.. Nunca  havia-me caracterizado de qualquer coisa no palco!... Então para mim foi uma experiência nova!... E eu queria ter a certeza que ia fazer bem aquele número!.. Então eu ensaie aquele número durante um mês. Porém, eu só decidi fazer o número, mesmo… uma semana antes do show.

JTM – E que tal foi o espetáculo?
RC - Muito bom
Por fim, Roberto Carlos, teve ainda a amabilidade de dirigir umas amáveis palavras  aos ouvintes do Hora Ora! – que constam no vídeo




O QUE DIZ DE ROBERTO CARLOS – UM ANTIGO PROFISSIONAL DE RÁDIO E TELEVISÃO

Luís Pereira de Sousa, que era então jornalista da RTP e realizador e apresentador do programa Hora Ora!, programas em que participávamos, confessando-se, também, grande admirador das canções e do percurso de Roberto Carlos, num depoimento escrito expressamente para este apontamento, recorda-nos o que então se dizia:

"Piroso, meloso, foleiro, ídolo das “criadas de servir” etc, etc, era assim que apelidavam o jovem que viria a ser o Rei incontestado da canção em todo o Mundo da língua portuguesa e que soma centenas de milhões de admiradores que o acompanham com particular carinho desde há 5 décadas.


Foi então que eu também jovem locutor nos Clube Radiofónico dos Emissores Associados de Lisboa e mais tarde na Rádio Comercial, como muitos mais, recebi então, por indução  os mesmos pretensiosos epítetos.


Curiosamente Roberto foi adaptando a sua idade  às coisas da juventude, (rock) depois à reflexão e ao sentimento (romântico) que se tornaram marcas identificadoras como um Goya ou um Picasso.  



Há mais de 30 anos numa das primeiras idas ao Brasil assisti no Canecão ao espetáculo Emoções onde o Rei contracenava em filme com ele próprio e outros grandes interpretes numa linguagem até aí difícil e inovadora. Inesquecível a sua presença num palco onde com um rigor milimétrico falava, confidenciava, cantava, interagia com subtileza e bom gosto.



E como diria um sociólogo que observasse este fenómeno de popularidade, é bem um caso identificado como macro e microssociológico, porque Roberto que tanto a agradou a tantos também desagradou a muitos mas há que reconhecer que a uns e outros ele tocou em dado momento das suas vidas levando – os a escuta - lo e a sensibilizar – se e a descobrir em si uma emoção. É esta a tarefa de qualquer comunicador mas Robertos são raros, por isso preciosos.


 Só os sem coração não se emocionam com uma canção. Mas esses afinal não existem porque há sempre um dia em que o homem se apaixona por algo ou alguém.

Cada homem gostaria de cantar assim à sua amada e cada amada gostaria de ouvir assim o seu amado.


E basta a alusão a essa letra ou melodia para nos aproximarmos. É o favor que Roberto faz a todos nós.

Nenhum comentário: