expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 4 de outubro de 2015

Pintura Chinesa – A maravilhosa e milenar arte chinesa de que me apaixonei - Vinda do tempo em que o ocidente ainda mergulhava na Pré-história - E a profecia que parece cumprir-se – Há 50 anos: “O amarelo é o pilriteiro da raça. Tudo o mais são fluorescências secundárias”. Palavras do escritor francês Louis-Ferdinand – Autor da "Viagem ao Fim da Noite” - Que se preocupava com a expansão chinesa – Mas não vemos porquê: Com o tempo, o génio e o labor tornaram-se perfeitos e essenciais. – É a lei natural das coisas.




"Para os chineses, a arte e a vida são uma só. O belo é sempre considerado em relação ao real. O ideal para o qual o pintor é o homem todo e de todo o universo, ambos garantidos, de acordo com o próprio homem e com a natureza. Por fim, a pintura é a religião dos chineses. - Disse François Cheng , poeta, escritor, filósofo, professor. Chinês. nascido 30 de de Agosto de 1929 na China em Jinan,  naturalizado francês em 1971, numa entrevista, concedida ao L'Express, em  15/10/1998, a que mais adiante ainda me vou referir
 
Selo assinatura do artista e anotações
"Quando falamos
O sonho está ao alcance
Quando estamos em silêncio
O sonho permanece intacto"


 François Cheng 

A PINTURA MAIS BELA E POÉTICA DO MUNDO

(a cor do suporte é mais amarelo, que mostra a imagem)

Tê-lo à frente dos olhos ainda é mais fascinante
Os dois magníficos quadros que aqui reproduzo,  parcial e integralmente, creio que bastante antigos, a tinta e em papel de arroz, não os tenho comigo - estão guardados em casa de pessoa amiga - mas são meus.

O dia em que me apaixonei pela pintura chinesa, deveu-se a um feliz acaso e já vai longe  - Foi na década de 80.

– Foi no dia em que comprei, a um chinês, (residente, até então, em Paris),  e a preço convidativo, quatro magníficos painéis de pintura antiga assinados, com notas ao alto, e o inseparável selo, componente das Antigas Artes – Conheci-o, casualmente, na extinta Pastelaria Colonial, situada à saída do metro dos Anjos. em Lisboa

 Disse-me que queria voltar a Macau (mas fiquei com a ideia que ele era natural da China - até porque num dos quadros, por detrás, está escrito  Beijing) e, que, como muita pena sua, precisava  de desfazer-se dos quadros, propondo-me a sua compra – ´Por detrás de um dos quadros, está escrito Mas, a bem dizer, nem ele nem eu, estávamos ainda conscientes  da sua antiguidade.  Mal mos mostrou, não resisti à sua amável proposta - Fui seduzido pelo seu encanto e nem pensei sequer que poderia estar em presença de  verdadeiras obras primas  – Dos quatro, apenas me restam dois: um estragou-se com a humidade – moro num águas furtavas e, quando me apercebi, estava todo manchado, as tintas corriam sobre o papel de arroz. Outro ofereci-o ao meu amigo Wang, há dois anos – Um chinês radicado, em Lisboa, há vários anos, pessoa muito culta e que, pela admiração e simpatia que me merece, dei-lho em oferta – Os dois que me restam, não tendo condições de os preservar, pois, o papel de arroz absorve facilmente a humidade e, como o desvão do telhado, no Inverno é muito húmido, e,  receando que pudessem também deteriorar-se, estão  guardados em casa de pessoa amiga,  onde os desejo manter, dado serem autênticos tesouros. 

Selo assinatura do artista e anotações
Na minha atividade jornalística, sobretudo durante o período em que trabalhei na extinta Rádio Comercial-RDP, muitos foram os pintores e escultores que entrevistei: nuns casos, fiquei a gostar mais da sua personalidade de que a sua arte, noutros, as duas coisas. Mas, de entre a pintura que mais me impressionou, sem dúvida,  foi a  maravilhosa poesia da pintura chinesa 

“A história da pintura chinesa vai muito para trás no tempo. Há cerca de 4.000 anos, no início do período Neolítico aparecem figuras decorativas e muitos desenhos de animais em cerâmica, são os desenhos mais antigos da China. Mais tarde, em 475-221 aC, durante o período dos Reinos Combatentes, pintura tradicional chinesa já atingiu um elevado nível de qualidade”

Ainda não consegui identificar a data precisa dos quadros de pintura chinesa, de que sou possuidor, porém,  avaliar pela opinião que me foi dada, por especialista,  e ainda pelo que pude depreender através de aprofundada pesquisa de pintura do mesmo género, na Internet, admite-se que a sua antiguidade seja de alguns séculos – Quadros da chamada pintura  tradicional, muito valiosos e de alto contorno artístico, que, qualquer bom colecionador de arte chinesa, que se preze, mas não só, creio que gostaria de ter na sua coleção -  E também  gostaria de os ter pendurados em minha  casa mas não os posso ter  pelas razões atrás expostas .




 CHINA -  O ENCONTRO DE TODOS OS CREDOS  - E QUE EXERCEU GRANDE INFLUÊNCIA EM TODAS AS CULTURAS

"A China é um dos poucos países onde se encontram preenchidas todas as grandes espiritualidades da humanidade: Confucionismo, Taoísmo, Budismo, Islamismo, Cristianismo. Mas o processo de abertura foi muito longa. A primeira reunião, foi com a Índia no século IV, o que o levou a abraçar o budismo: levou oito séculos de digerir. O último encontro decisivo, aquele com o Ocidente no século XIX, foi realizada em condições terríveis para a China, sem confiança ou sinceridade. Em 1925 já, Lu Chin, a grande figura literária chinesa, disse: "Nossa salvação está em diálogo com o outro." Hoje, para a China, o Ocidente não é um apelo exótico, uma necessidade vital".

"De acordo com o projeto do chinês, o universo é regido por um princípio unitário, um sopro (no seu sentido mais nobre, que significa "espírito"). A respiração é a primeira revigorante circular. A matéria é apenas uma espécie de condensação de ar; é o segundo, porque ela se solidifica, é corrupto, é dividido. Dentro do universo, há duas respirações vitais, yin e yang, e o sopro do vácuo mediana que faz com que uma interação entre os dois, como o torvelinho que vem quando você derramar água quente sobre o chá .- Excerto de.«La peinture est la religion des Chinois» - L'Express




ARTE  CHINESA - QUE O GOSTO OCIDENTAL NÃO ENTENDE FACILMENTE - MAS QUE CEDO IMPORTOU

"A arte chinesa é extremamente complexa, e de difícil abordagem. Múltiplas barreiras se levantam entre o Ocidente e o Extremo Oriente: a escrita chinesa, pintura de idéias, constitui o primeiro importante obstáculo; a antiguidade cultural deste povo, a sua evolução num meio fechado e a singularidade de sua psicologia são outros tantos obstáculos; as suas tradicionais formas sociais, os seus costumes mais mágicos que religiosos de aproximação do sagrado, tornam difícil a sua compreensão."


"(…) As primeiras obras de arte chinesa que chegaram ao Ocidente pertenciam à última época da dinastia Ts'ing (1644 - 1912), período de decadência, de influência européia nas oficinas chinesas que então inundaram a Europa de «objetos chineses» vulgares, de porcelanas românticas. de estatuetas rococó, de jarrões de cores berrantes. Esta «arte» chinesa imperou em todas as lareiras dos salões europeus, importada pelas companhias orientais holandesa, francesa e inglesa desde o século XVII. A arte chinesa durante muito tempo só foi conhecida e apreciada através desta nociva caricatura. Foi necessário o trabalho lento dos sinólogos, dos especialistas, colecionadores e peritos, para que o Ocidente conhecesse o verdadeiro rosto desta estética tão particular e complexa" Arte Chinesa:
 
"Artes chinesas estão entre as mais antigas tradições artísticas do mundo. Ao contrário de pintura ocidental, pintura chinesa não é apenas uma representação visual do que o artista vê ou imagina, isso é mais a expressão de um modo de pensar, enfatizando a harmonia entre o homem e o universo, e do dinamismo dessa relação.
A delicadeza da pintura chinesa é tal que a venda dessas obras atingiram volumes recordes hojePeinture traditionnelle chinoise

NÃO SE PREOCUPE QUE O COMÉRCIO CHINÊS  SE ESPALHE  POR TODO O MUNDO - É A LEI NATURAL DAS COISAS

Não há razões para recearmos a expansão das formiguinhas chinesas  - O chineses são, por temperamento, pessoas pacificas e tolerantes, de elevado espírito laborioso e criativo.  As suas lojas estão, matematicamente, espalhadas pelo mundo  inteiro e o próprio Ocidente deslocou as suas fábricas para usar a sua mão de obra e os seus eficientes canais de destruição – Mas isso é a ordem natural das coisas.





 A PROFECIA QUE SE CUMPRE

A propósito, vale a pena aqui recordar as palavras do escritor francês louis-Ferdinand Céline - Nascido em Coubervoie, no Sena, a 22 de Maio de 1894; falecido a 1 de Julho de 1961, em Paris, vítima de um aneurisma. Uma das suas obras mais conhecida é “Viagem ao fim da Noite” Não é autor que eu admire - aliás, o seu comportamento durante a ocupação alemã, é condenado pela história. No entanto, há uma afirmação sua, que surge publicada numa das entrevistas que concedeu, que me parece algo profética ou pelo menos merecedora de alguma reflexão nos tempos actuais. Disse o seguinte: “Vão ter que ver quando as hordas amarelas se lançarem sobre vocês. Digo bem, sobre vocês, os jovens; eu, felizmente, estarei morto” (..) “No mundo amarelo, toda a gente desaparece , antropologicamente. É assim. O amarelo é o pilriteiro da raça. Tudo o mais são fluorescências secundárias. Mas o fundo é amarelo. O branco não é uma cor. O amarelo tem todas as qualidades necessárias para se tornar o rei da Terra. “

Compreendo-o. Ele estava preocupado mas eu nem tanto assim. Não considero que seja um pensamento racista no sentido negro do termo. Até porque não me parece que a humanidade venha a perder muito com isso - Pois, no conjunto das muitas espécies que desaparecem, todos os dias, o desaparecimento de uma raça, será apenas mais um mero episódio a acrescentar a um já vasto leque de perdas Aliás, sublinhe-se que outras vão também surgindo - o processo evolutivo é imparável. A História do Homem, perde, porém, algum colorido antropológico - que vai deixar de ter. Contudo, ganhará no tocante ao reforço das formas de sobrevivência e de enfrentar certos desafios do futuro: como, por exemplo, a escassez de certas matérias primas e dos recursos naturais. Por isso, os chineses e outros povos asiáticos - já, por natureza, herdeiros de uma cultura milenar - serão também a grande civilização do futuro. Só eles poderão levar por diante - e ainda mais longe - a grande jornada evolutiva do ser humano!

É um facto que a China é detentora de uma das mais antigas civilizações da humanidade. Ainda a Europa estava mergulhada na pré-história, já o Oriente, tanto a China como a índia, viviam um período iluminado de descobertas - Ainda Cristo, não tinha divulgado a palavra bíblica, já a China, havia descoberto o papel - A história do seu povo é antiga e admirável!

.É verdade que o intercâmbio, económico e cultural é muito importante para os países ocidentais. Se for conduzido em termos de livre circulação recíproca, acho que o ocidente tem mais a ganhar do que a perder. Só que isso não é bem assim: o ocidente absorve tudo o que a China produz ( o que é bom e o que não presta) e a China absorve unicamente o que lhe interessa! A grande diferença passa justamente por aí.

 COMO EXPLICAR O SUCESSO DO CAPITALISMO COMUNISTA CHINÊS

E, afinal, como explicar o sucesso do regime chinês - que resiste, mesmo após o colapso do comunismo soviético e da queda do muro de Berlim? - Perguntar-se-á: - por ser o expoente de um regime proletário bem sucedido? Obviamente que não; pelo contrário: é fazer, com que cada indivíduo, mais de que simples operário das fábricas, ou campesino, seja ao mesmo tempo um artesão, com um sentido altamente comunitário, tal como as abelhas numa colmeia. Este é, em grande parte, o segredo da vida chinesa. E, a bem dizer, foi também a força motriz que fez com que o homem pudesse sobreviver e evoluir entre as demais espécies ao longo dos tempos e de todas as épocas
............
Na sociedade ocidental, um empregado que é despedido da sua fábrica, do ramo onde trabalhava, dificilmente se defende se não arranjar outro trabalho compatível. Onde estão os sapateiros e oleiros da minha infância, onde estão? Nesse tempo, algum deles passaria fome em qualquer parte onde se encontrasse?!. O mesmo se pode dizer hoje de um bom pintor, de um bom músico,, marceneiro ou bordadeira! - Desde o dia em que se começou a incutir um certo espírito massificador - na cultura, nas artes, na ciência, na procura de emprego -, a civilização ocidental só tem regredido
.......
Claro que um dos factores principais do sucesso do regime chinês, é, naturalmente, a disciplina, o amor pelo trabalho e a família, o espírito empreendedor e de sobrevivência( que, de resto, já vem de longe) e um grande sentido colectivo - este acentuado ainda mais pela revolução chinesa. Enquanto que, um dos grandes males da decadente civilização ocidental, é justamente o egoísmo dominante, o individualismo exacerbado, o capitalismo selvagem, a perda e descaracterização da sua identidade e dos seus valores ancestrais. - Esta, sem dúvida, a causa para que, ao longo da jornada evolutiva da humanidade, muitas civilizações desaparecessem e outras tomassem o seu lugar.
Este é o destino para qual caminham a passos largos: a Europa, as Américas, Austrália, e até mesmo os países africanos que não souberam libertar-se dos malefícios e dos preconceitos - colonizados/colonizadores - E quem vai saber resistir e perdurar é a raça amarela. Esta já se disseminou há muitos séculos por várias partes do mundo e será precisamente a mesma que completará o seu ciclo, impondo-se às demais.


UM LIVRO DE PINTURA CHINESA QUE SE RECOMENDA - Já depois da publicação deste post, tomei conhecimento da publicação do livro “O Pintor no Seu Labirinto: Histórias da Pintura na China” , de autoria de Paulo Maia e Carmo,  pintor, ilustrador, autor de banda desenhada – Ainda não tive oportunidade de comprar o livre, mas depreendo que deverá ser uma obra interessantíssima – leia a entrevista que concedeu ao Jornal On line Ponto Final
Diz, a dado passo,  dos artistas chinesas, o seguinte: “Estes pintores são essencialmente místicos. São pessoas que gostam de caminhar. A pintura ocidental nasce em volta da igreja católica, com a criação de imagens. No princípio foi um pouco complicado, porque havia pessoas que achavam que não se podia fazer. Mas na China antiga, como não existe propriamente uma referência – a montanha em si é um deus, a natureza em si é um deus – o misticismo deles exprime-se nesse amor pela natureza – Excerto de “Por serem tão estranhas essas montanhas” | Ponto Final




Nenhum comentário: