expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 8 de novembro de 2015

Carlos Paredes – Entrevista 1987 – “Não sou um homem da noite… Eu não toco para ganhar a vida… Toco quando sinto vontade de tocar!... Quando isso me dá prazer!...

Texto, entrevista e fotos (exceto as de Carlos Paredes) de Jorge Trabulo Marques - Jornalista - O Virtuoso da Guitarra Portuguesa - Uma entre outras das grandes figuras nacionais,que faz parte das minhas memórias, que eu tive a honra e o prazer de entrevistar

Carlos Paredes –  Entrevista 1987 – “Não sou um homem da noite… Eu não toco para ganhar a vida… Toco quando sinto vontade de tocar!... Quando isso me dá prazer!...
Entrevista, com Carlos Paredes, que eu fiz para a RDP – Rádio Comercial, ocorreu em 1987, no ano em que ele foi distinguido pela RDP, Antena 1. pelo seu álbum “Espelho de Som” – Naquela atura, ainda tinha à sua frente, mais 17 anos de vida – Pois, nasceu em Coimbra, 16 de Fevereiro de 1925 e faleceu em Lisboa, 23 de Julho de 2004



Na verdade, falar da guitarra portuguesa é associá-la ao virtuosismo de Carlos Paredes – Considerado “um dos principais responsáveis pela divulgação e popularidade da guitarra portuguesa e grande compositor   Carlos Paredes é um guitarrista que para além das influências dos seus antepassados - pai, avô, e tio, tendo sido o pai, Artur Paredes, o grande mestre da guitarra de Coimbra - mantém um estilo coimbrão, a sua guitarra é de Coimbra, e própria afinação era do Fado de Coimbra. A sua vida em Lisboa marcou-o e inspirou-lhe muitos dos seus temas e composições. Ficou conhecido como O mestre da guitarra portuguesa ou O homem dos mil dedos


“Eu não toco para ganhar a vida… Toco quando sinto vontade de tocar!... Quando isso me dá prazer!...” – Declarou-me, em entrevista, da qual pude recuperar (do meu arquivo) algumas passagens, que tenho a honra e o prazer de aqui recordar, como singela homenagem à sua memória. 

  VIDEO DA ENTREVISTA 



JTM – Carlos Paredes, é distinguido pela RDP, Antena 1, pelo seu trabalho. “Espelho de  sons”, como ponto mais alto da sua carreira – O prémio reflete, realmente, o momento mais alto da sua carreira, até hoje, ou houve, de facto, outros trabalhos que lhe deram muito prazer?

Carlos Paredes- Sim, fiz outros  trabalhos que me deram prazer mas a guitarra é um instrumento que está em constante evolução; de maneira que amanhã, não será o que é hoje. O próprio instrumento, em si, vai sugerindo ideias novas.
JTM - A sua busca, parte de pequenas coisas: especialmente da nossa cidade: a cidade de Lisboa, é um motivo de inspiração?
Carlos Paredes -  Sim. As cidades, para um músico popular, são sempre um dos motivos fundamentais de inspiração… Normalmente, a guitarra portuguesa, chamada guitarra inglesa, outrora, no século X VIII, é um instrumento ligado à vida urbana .Em Portugal, há um estilo de guitarra, que foi inspirado na cidade de Lisboa, como há  um outro estilo que foi inspirado na cidade de Coimbra.

JTM – E a sua guitarra, é sobretudo…

Carlos Paredes – Embora eu tenha nascido em Coimbra e embora a minha escola seja a do meu pai, que foi um dos criadores da chamada Escola de Coimbra da guitarra portuguesa -, apesar disso, eu, que vivi a minha infância aqui em Lisboa, sinto-me mais atraído pelos motivos lisboetas

JTM - E os motivos?... Os bairros!....A nossa gente!..
Carlos Paredes –  Sobretudo, as pessoas, o movimento das ruas!... E a presença do Tejo!,,, Como em Coimbra, a presença do Mondego!... Como em Paris, a presença do Sena!... São também motivos de inspiração.

JTM – Carlos Paredes é mais um homem da noite! … ou do dia!... Quais os momentos de maior inspiração?..
Carlos Paredes – Não sou um homem da noite: o chamado homem da noite, corresponde a uma modo de vida que obriga a estará acordado de noite…  É o caso dos atores; dos artistas de casas noturnas: eu não sou propriamente isso; eu sou um cidadão, funcionário público!... Faço a minha vida no emprego!

JTM – Mas, tocar: gosta mais de tocar à noite ou…
Carlos Paredes – Não. Isso depende muito… Eu não toco para ganhar a vida… Toco quando sinto vontade de tocar!... Quando isso me dá prazer!... E, nesse caso, eu não tenho que escolher horas…
JTM – As horas do dia não o influenciam…
Carlos Paredes – Quer dizer: o dia dá à cidade uma fisionomia, a noite dá-lhe outra…De maneira, que, certamente à noite, nós encontramos sugestões diferentes das que encontramos durante o dia… Mas, de uma maneira geral, no meu caso, não obedece a uma escolha determinada…

JTM - É, digamos, mais um trabalho baseado na espontaneidade!...
Carlos Paredes – Sim, pela espontaneidade… Vai-se fazendo música…

Carlos Paredes, tinha em preparação um novo álbum – que só, em 1989, dois anos depois, acabaria por ser editado – Quando o entrevistei, ainda não tinha nome mas viria a chamar-se “Asas sobre o Mundo”

JTM – O seu próximo trabalho, naturalmente que o tem em preparação?..
Carlos Paredes- Sim, está  em preparação… Espero no principio do ano, ter um novo disco, cá fora,,

JTM – Como é que vai chamar-se o novo disco?
Carlos Paredes: Ainda não escolhi o título!.. Ainda não escolhi o título…
JTM – Primeiro faz o trabalho e depois….
Carlos Paredes… Sim… estou a reunir as músicas até conseguir um motivo que consiga ligar todos esses motivos




Filho do famoso compositor e guitarrista, mestre Artur Paredes, neto e bisneto de guitarristas, Gonçalo Paredes e António Paredes começou a estudar guitarra  portuguesa aos quatro anos com o seu pai, embora a mãe preferisse que o filho se dedicasse ao piano; frequenta o Liceu Passos Manuel, começando também a ter aulas de violino na Academia dos Amadores de Música Na sua última entrevista, recorda: "Em pequeno, a minha mãe, coitadita, arranjou-me duas professoras  de violino  e piano   Eram senhoras muito cultas a quem devo a cultura musical que tenho".
Em 1934, a família muda-se para Lisboa, o pai era funcionário do BNU e vem transferido para a capital. Abandona a aprendizagem do violino para se dedicar, sob a orientação do pai, completamente à guitarra. Carlos Paredes fala com saudades   desses tempos: "Neste anos, creio que inventei muita coisa. Criei uma forma de tocar muito própria que é diferente da do meu pai e do meu avô".


Carlos Paredes inicia em 1949 uma colaboração regular num programa de Artur Paredes na Emissora Nacional e termina os estudos secundários num colégio particular. Não chega a concluir o curso liceal e inscreve-se nas aulas de canto da Juventude Musical Portuguesa, tornando-se, em 1949, funcionário administrativo do Hospital de S. José   Em 1958, é preso pela PIDE por fazer oposição a Salazar, é acusado de pertencer ao Partido Comunista Português, do qual era de facto militante, sendo libertado no final de 1959 e expulso da função pública, na sequência de julgamento. Durante este tempo andava de um lado para o outro da cela fingindo tocar música, o que levou os companheiros de prisão a pensar que estaria louco - de facto, o que ele estava a fazer, era compor músicas, na sua cabeça. Quando voltou para o local onde trabalhava no Hospital, uma das ex-colegas, Rosa Semião, recorda-se da mágoa   do guitarrista devido à denúncia de que foi alvo: «Para ele foi uma traição, ter sido denunciado por um colega de trabalho do hospital. E contudo, mais tarde, ao cruzar-se com um dos homens que o denunciou, não deixou de o cumprimentar, revelando uma enorme capacidade de perdoar!» – Excerto de Carlos Paredes – Wikipédia

Carlos Paredes casou por duas vezes, a primeira com Ana Maria Napoleăo Franco Paredes, em 1960, e a segunda com Cecília de Melo.
Carlos Paredes nunca rejeitou a influência que recebeu, tanto da música popular portuguesa como do próprio fado de Coimbra. A renovação e reinvenção da sonoridade da guitarra portuguesa que fez, resultou duma geração de 60 revitalizada por novos conceitos sócio-culturais, onde floresciam as vozes de José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Luiz Goes e António Bernardino, bem como a poesia de Manuel Alegre, a guitarra de António Portugal e as violas de Rui Pato e Luis Filipe, em suma, toda uma geraçăo coimbrã que, preservando a riqueza etnomusical que a antecedia, revolucionou a guitarra por dentro e cantou valores que a projectariam inevitavelmente no futuro. Museu do Fado - Personalidades - Carlos Paredes




Nenhum comentário: