expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

ESCALADA VERTICAL DO PICO CÃO GRANDE EM SÃO TOMÉ - TRIBUTO AO BRUNO CARVALHO E AS RECORDAÇÕES DE UMA ILHA MARAVILHOSA E DE UM DESAFIO INESQUECÍVEL-





















"Quando Moisés desceu do Monte Sinai, trazendo nas mãos as duas tábuas do testemunho, sim, quando desceu do Monte, Moisés não sabia que a pele do seu rosto resplandecia, por haver Deus falado com ele. Quando, pois, Abraão e todos os filhos de Israel olharam para Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandecia, pelo que tiveram medo de aproximar-se dele".Êxodo 34:29-30.

"As montanhas e as grutas figuram constantemente nas citações bíblicas. O monte de Salomão eleva-se no monte Moriah, num dos dois cumes da montanha do Sião"(..) "Jesus subiu ao monte Tabor na companhia dos discípulos Pedro, Joaquim e João.(...) "Todas as montanhas chinesas eram habitadas por um génio, o que quer dizer que, desde tempos imemoriais , os camponeses chineses vinham celebrar festas e fazer sacrifícios no cume das montanhas"

.


Lá ao fundo, o abismo: nos últimos 100 ou 50 metros, mais das vezes, as cerradas névoas, davam-nos uma ajudinha: permitindo-nos um isolamento total com a rocha. Porém, quando surgiam as abertas, a visão debaixo dos nossos pés, quase sempre era aquela sensação de espanto e de arrepio.


"
Sempre o homem primitivo procurou pelos deuses nos cumes das montanhas. Lá em cima queria estar mais próximo das suas divindades, lá queria observá-las. assistir à sua chegada e à sua partida para o céu. Lá onde nas planícies não havia montanhas, os nossos antepassados ergueram elevações artificiais. O que seria a Torre de Babel , senão um posto de observação? E também as pirâmides, não seriam apenas degraus que levam para mais perto dos céus?



.

O INÍCIO DA GRANDE AVENTURA FOI EM MEADOS DE 197O - DOIS ANOS SOZINHO, TENDO COMO GUIA, ATÉ AO SOPÉ DO PICO, O SEBASTIÃO DA ALDEIA DOS ANGOLARES, NA PRAIA GRANDE - DEPOIS NA COMPANHIA DOS SANTOMENSES PIRES DOS SANTOS E CONSTANTINO BRAGANÇA

FORAM QUATRO ANOS DE VÁRIAS TENTATIVAS - É QUE SÓ  NOS TRÊS MESES DA GRAVANA, ALI NÃO CHOVIA  - UMA CONQUISTA PALMO A PALMO E COM OS MEIOS MAIS ARTESANAIS - Cada tentativa ao Pico Cão Grande, eram sempre três dias e três noites de escalada vertical - Era o recomeçar de novo pelas mesmas paredes rochosas e escarpadas arestas, apoiar os pés nas mesmas cavilhas e ter por baixo dos olhos, a vertigem do abismo abrupto. E foram dezenas de idas e vindas - de persistentes e perigosas escaladas - Mas o pior eram as noites - as longas noites de 12 horas equatoriais - Quando, não podendo pernoitar no abrigo, ali ficávamos quase dependurados, sob uma escuridão saturada de névoas e de humidade. A ida e o regresso, por uma floresta cerrada e infestada de cobras venenosas - a terrível cobra preta. O Cão Grande, visto da estrada, aparece como que ali à frente dos nossos olhos - de resto, ele vê-se de todo o sul da Ilha - , mas ainda são algumas horas - com o machim sempre abrir caminho


Diz Eric Shinpton. no livro " A Conquista do Evarest": "Ouvia-se, com frequência, a afirmação de que, infelizmente, após a conquista do Evarest, não restaria qualquer ponto da superfície da terra que o homem não tivesse pisado. Nenhum explorador concordou jamais com tal afirmação; e, para um montanhista, ela constitui um disparate" (...) "Parte dos que foram vencidos pertencem ao grupo dos que menos dificuldades oferecem. Muitos, de tantos que restam, exigirão muito mais trabalho e perícia." (...) Há milhares de outros. A grande maioria não tem nome. Nem se lhe conhece a altitude.(...) Alguns deles são bem mais difíceis de qualquer dos gigantes."

 s


O MEU TRIBUTO À CORAGEM DO ALPINISTA BRUNO CARVALHO - A QUEM DEDICO A ESCALADA AO PICO CÃO GRANDE NA ILHA DE SÃO TOMÉ : Não para enaltecer façanhas (porque elas valem o que valem) mas para demonstrar que o alpinismo é um desporto altamente arriscado, só possível de quem ama verdadeiramente a Natureza e com ela gosta de estabelecer os mais profundos laços e desafios , que exige de quem o pratica, um grande espírito de equipa e o mais solidário e fraterno companheirismo - E foi o que, Bruno Carvalho, não terá tido de Garcia e Rosado.

POIS O PIOR QUE PODE ACONTECER A UM ALPINISTA É VER SURGIR A NOITE E FICAR FORA DO SEU ABRIGO, EM LUGAR INSEGURO E ISOLADO, SEM PODER MEXER UM PÉ E EXPOSTO À MERCÊ E ADVERSIDADE DOS ELEMENTOS - ACONTECEU-ME A MIM ... ESTAVA SOZINHO! - FELIZMENTE, LÁ ME MANTIVE TODA A NOITE ABRAÇADO À ROCHA - CERTAMENTE TERÁ SIDO A SITUAÇÃO POR QUE PASSOU BRUNO CARVALHO E QUE LHE TERÁ PROVOCADO A MORTE, DEPOIS DOS SEUS COMPANHEIROS, LHE VOLTAREM AS COSTAS - À SUBIDA E À DESCIDA - O TEREM ABANDONADO À SUA SORTE


.


O Pico Cão Grande - também conhecido por Caué - emerge do coração da floresta virgem Pico do Cão Grande (foto ao lado )- Fica relativamente sobranceiro à linha do equador - onde a queda pluviométrica oscila, entre os 4500 mm a 5000 mm anuais. No período da Gravana, que corresponde aqui ao Verão no Hemisfério Norte, é que chove um pouco menos. E, tal como em toda a ilha, não há praticamente crepúsculo. Logo que o disco solar se esconde no oceano, rapidamente anoitece; o mesmo acontece ao alvorecer; passa-se rapidamente da noite mais espessa à claridade mais radiosa. Quem anda na floresta ou faz uma escalada, já sabe que não se pode descuidar - E eu naquele dia, descuidei-me.


Enquanto me aproximava do exíguo abrigo, uma trovoada tornou repentinamente a parede basáltica de quase seiscentos metros na vertical, numa gigantesca garrafa de vidro - fiquei praticamente pendurado, e, nessa altura, estava sozinho sobre o abismo e fora do lugar de segurança - Foi uma noite horrível! A bem dizer, também não estava só: do fundo do arvoredo, ouviam-se muitos sons.E aquilo que eu, hoje, ainda mais recordo, é o cheiro do musgo húmido e da pedra (aquela pedra parece que ainda tem o cheiro da incandescência dos magmas) e os perfumes inebriantes que vinham lá das copas e da folhagem. Onde os macacos faziam sempre uma enorme algazarra e, quando por lá se passava (com o Sebastião abrir caminho com o machim, a zagaia e as suas matilhas para capturar os porcos bravos) por entre fetos gigantes e lianas, não havia vez alguma que não deparássemos com as temíveis cobras pretas!

A escalada ocupava-nos sempre três dias: houve um dia em que fui apanhado pela noite na floresta. Pois nem sempre o Pires dos Santos, estava disponível. E o Sebastião, levava-me lá mas depois ia-se embora. Comecei andar por um ribeiro abaixo, como um tolo, mas desisti, pois escorregava e caía a cada passo. Queria era fugir aos mosquitos, que os apanhava na cara às mãos cheias. Mas lá os tive que suportar até que amanheceu. Bom , mas lá em cima, onde eu agora estava pendurado, a 400 metros, não havia serpentes venenosas nem mosquitos. Chovia intensamente e havia muita humidade, que quase me sufocava! - E eu, nessa noite, não preguei olho; não dormi um minuto. A fotografia, acima e ao lado da do Pico, foi onde eu assim me aconcheguei: como que abraçado àquele negro penedo e pedindo-lhe protecção. O que me valeu foi que havia uns esporões debaixo dos meus pés que me impediram de escorregar. A rocha estava escorregadia como óleo sobre mármore.


Quando era garoto eu adorava ir para a ladeira do nosso Lavor do Ferro, lá para os lados do Côa e correr por ali abaixo, abrir os braços e ter a sensação de voar. Às tantas da noite, pensei mesmo nisso; nalgumas dessas recordações e apetecia-me ser um homem pássaro, ter asas e voar ou ser o falcão que persegue os papagaios -Mas dei muitos berros.. À índio ou à gabão do mato. Cada ascensão mais difícil conquistada, era encher pulmões e extravasar a alegria! - A macacada no obó da capoeira, dava logo sinal e ficava em alvoroço! - Era uma coisa que eu fazia muitas vezes... De dia e de noite, sobretudo nas minhas escaladas solitárias. De noite era mais para espantar fantasmas ou comunicar com os meus companheiros ermitas. Naquela altura, havia trabalhadores que fugiam das roças(devido aos maus tratos - sobretudo moçambicanos e cabo-verdianos) que se refugiavam no mato - chamavam-lhe os gabões; viviam da caça, que trocavam com outros bens alimentares nas aldeias. Eu imitava o grito deles. E, por vezes, eles correspondiam: dos arredores e do fundo do arvoredo do
Pico do Cão Grande. Oh! sim, mas ali no meio daquela escuridão alagada de chuva, se despegasse os braços da rocha e os abrisse, a queda era fulminante como o chumbo. Mais tarde pedi ao meu grande amigo Pires dos Santos para me tirar ali uma foto. Queria recordar aquela noite que poderia ter sido a última da minha vida - bem pior das 38 que passei sozinho numa canoa ODISSEIAS NOS MARES Pois o problema maior era a tremenda insegurança: não poder apoiar-me e descansar. E a queda aprumo, fatal! - Tudo era escuro e viscoso. Mas eu tinha que zelar pela minha vida: não queria morrer, claro está.



Na imagem ao lado, o Pires dos Santos, na dificílima dobra do cotovelo - Veja-se como a corda se afasta para a perpendicular- Na foto, em cima, subindo os degraus da escada (já além dos 400m), o Constantino Bragança, empreendendo mais um lanço,em que a vida de cada um dependia dos arames que prendiam os 20 metros de cantoneiras ao basalto.


SUBIR APRUMO E SOB O FIO DA NAVALHA

Uma cavilha que nos soltasse das mãos, não mais a víamos O equipamento era rudimentar e todo improvisado. Cada um dispunha de uma verga de ferro de dois metros de comprimento ( das que são usadas no betão da construção civil), recurvada num dos extremos e pontiaguda, com que, por vezes, nos elevávamos para escalar ou transpor faces das rochas ou outros obstáculos onde não nos era possível fixar cavilhas ou estribos de corda. Aliás, era com essas vergas que também fazíamos alguma das cavilhas, mas tudo isso era frágil; até as cordas. Não nos davam muita confiança. O risco era permanente: mas tínhamos que nos habituar a conviver com ele.


Falando, por mim, houve momentos em que cheguei a recear que não ia aguentar: que podia ter alguma câimbra . Eu já as havia tido no degrau de uma escada, de 20 metros, com secções de cantoneiras de 3m em alumínio, que lá montámos, para vencermos uma rocha maciça sem fendas regulares onde não conseguíamos meter uma cavilha. Os degraus eram bocados de cantoneiras muito finas. Com uns arames e uns pedaços do mesmo material, lá a fixamos acima dos quatrocentos metros, presa a uns arbustos. Sim, havia ali sítios onde a humidade favorecia o seu aparecimento. Mas de vez em quando desmembravam-se com as chuvas. Os últimos cinco metros eram inclinados, o que impelia a escada a dessoltar-se a cada instante, sempre que pisávamos esses degraus cimeiros e nos desviávamos da vertical.

Eu preferia a ascensão livre (a verguita a aferroar a pedra), a içar-me e a táctica infalível da agilidade do macaco do óbó a trepar nos troncos e pernadas da luxuriante selva com os seus estridentes e alarmantes gritos de guerra - sim, a ter os dedos das mãos bem fincados e os dos pés(quando descalço), igualmente entranhados nas ranhuras da pedra, tão firmes e maleáveis como as unhas afiadas dos simpáticos beduínos nas suas constantes trepadas e saltos acrobáticos) a ter que me arriscar à maldita e frágil escada . De facto, muitas vezes hesitei; quis subir por ali acima - mas não havia outra alternativa se queríamos vencer este lanço.

A pedra basáltica é tão dura como o ferro e, em vertente vertical, rugosa mas sem fendas contínuas), ainda pior! - Pois não dispúnhamos de meios técnicos para a perfurarmos.. E o raio da escada, ainda por cima, ameaçava resvalar para o precipício ou vergar-se e projectar-nos a todo o instante, como uma catapulta, no espaço; muito para lá da parede vertical do Pico .



Nunca subíamos ao mesmo tempo, receando que desprendesse. Enquanto, um subia, o outro ficava a segurá-la na base. Depois do primeiro subir, este aguardava lá em cima, com uma corda pronta para qualquer emergência. A nossa sorte é que, a partir dali, havia quase sempre nuvens ou nevoeiro e não víamos nada lá para baixo. Mas era sempre uma sensação estranha de abismo e de vazio. Era preciso ter muita serenidade e presença de espírito. Nada de pressas!...Era a nossa vida que estava em risco...

Cada movimento era feito com muita calma. Requisitos que fomos adquirindo com o tempo e à medida que nos íamos adaptando à convivência com as alturas. Porém, só Deus sabe!... O risco era constante e exigia-nos muita agilidade, paciência e um enorme esforço. Os nossos olhos só viam o cume... e parecia-nos sempre tão perto!... Até parecia que nos desafiava: vinde, amigos, a ter comigo! Eu sou a ponte do meio do Mundo entre a Terra e o Céu!... E Deus vos abençoará!... Eu fazia desse desafio um desígnio, uma missão (e também uma bofetada, sem dor, a quem me tinha humilhado ali na Roça) e incuti esse entusiasmo e essa vontade aos meus companheiros.

O Pires dos Santos, trabalhara ali na Ribeira Peixe e sabia o castigo que me haviam dado por eu me ter recusado a tratar os trabalhadores por tu e segundo os velhos hábitos coloniais: mandaram-me com um trabalhador cabo-verdiano (e ele também de castigo) a contar cacaueiros velhos e abandonados, junto à Roça Novo Brasil, numa área que há muito não era cultivada e que estava infestadíssima de serpentes. Não havia dia algum que não tivéssemos de fazer uso do machim para não sermos mordidos.

O CONSTANTINO BRAGANÇA VEIO PARA LISBOA (JÁ NOS TEMOS ENCONTRADO) E, TU, PIRES DOS SANTOS, ONDE TENS ANDADO E COMO TEM SIDO A TUA VIDA?

Nunca mais soube nada de ti, amigo!... Já lá vão muitos anos.. Espero que estejas bem e que recordes como eu as aventuras que partilhámos juntos. E tu sabes quão difícil nos foi transportar as cantoneiras pela floresta e depois puxá-las uma a uma lá para cima. E também quanto nos custou montá-la naquele sítio!... Claro com a preciosa ajuda do teu conterrâneo, Constantino Bragança. Óptimo amigo e companheiro. Acompanhou-nos até à dobra do cotovelo: ali, hesitou; foi pena.

Como te recordarás, houve dois grandes obstáculos: o da primeira escada e um outro (lá junto à crista) em que tivemos que dobrar aquela perigosa saliência!... Meu Deus!... Como conseguimos!... Mas este também não ficava atrás... a escada era realmente muito vulnerável.!... A superfície das travessas magoava. Mas tu ali eras mais ágil do que eu e subias a escada como se estivesses a trepar a uma palmeira.... Lembras-te daquela vez.... quando me viste atrapalhado?!... E tu insistias: Jorge!... Sobe!... Tem calma!... Tem calma! ...Não olhes para baixo!... Olha para mim... Jorge!...Olha para mim!... Mas... dessa vez... não sei como... comecei a tremer a tremer... Um dos meus pés começou a tremer-me cada vez mais... E, enquanto tu não me lanças-te a corda... eu tive que enfiar os braços nos degraus e apertá-los contra o peito. Obrigado, companheiro! ... Lá me vales-te!... Estava a ver que dessa vez não me controlava. Mas, se raras eram as noites ali bem passadas, aquela, de facto ( sim, nesse dia eu estava sozinho) afigurava-se ser de todas a mais dramática. A mente teve que funcionar a duzentos por cento. Impondo ao meu corpo a firmeza e a robustez de uma estátua. Envolto em espessas neblinas, chuva diluviana tropical e densas trevas, era impossível arredar pé. Naturalmente que não passei frio. Estava no Equador. O Ilhéu das Rolas, ficava ao largo, não muito longe, lá para Porto Alegre.

“MAR DO SAL DA VIDA E DAS SEPULTURAS POR ABRIR, MAS SEMPRE PRONTAS"PORQUE ME ACEITASTE NAS TUAS ONDAS SE NASCI MAIS PERTO DOS RIOS E TÃO LONGE DE TI?!


Depois que deixei são Tomé senti-me sempre como que um náufrago e um prisioneiro. num país desconhecido - e, todavia, este , onde estou, é o país onde eu nasci. Só naquela linda ilha equatorial pude conhecer o que era o mais genuíno e verdadeiro prazer da aventura com a natureza. Fui para lá muito jovem - talvez, em parte, isso explique o meu grande afecto por aquelas ilhas. Pese as várias adversidades com que me defrontei com a, então, ainda reinante mentalidade colonial. Mas é de lá, da extensão daqueles mares azuis e do coração ubérrimo daquelas florestas, ricas em variedade e de multicolores luxuriantes, que eu guardo as melhores memórias. A dificílima conquista do Cão Grande, faz parte desse extraordinário acervo. Sim, foi lá: naqueles mares do sul, naquelas longínquas ilhas verdejantes, que eu vivi a emoção da aventura plena. Quer navegando através de mares de bonança e de tempestades. Quer escalando picos nunca dantes escalados. Sim, amo o mar solitário pleno de azul e de luz e a vertigem de trepar pelas mais íngremes escaladas. Creio que não há maior prazer que o da conquista de um pico ou de uma montanha nunca dantes pisada - Eu já tivesse esse privilégio. E foi num tempo em que não havia os meios técnicos que há hoje: tudo era feito quase a pulso e à força da vontade. Os anos passam.... Agora é tempo de começar a dar lugar à memória. Não é que me sinta diminuído ou velho ..mas temos que reconhecer que o tempo não volta atrás - Na vida há um tempo para tudo...



Dedico esta postagem ao valoroso Bruno Carvalho. Não tive o prazer de o conhecer pessoalmente mas conheço o pai, de quem sou amigo. E sei que ele era realmente um verdadeiro amante da natureza. Um perfeccionista na sua vida pessoal e nas escaladas em que se envolvia. É certo que agora está do outro lado . Sim, mas que importa se o seu espírito se mantêm ainda muito vivo! - E não apenas no coração dos pais e irmãos ou no daqueles que o conheceram, mas na atmosfera e na espiritualidade que transparece ou emana no éter, que é, no fundo, o rasto deixado pelos valorosos que tão cedo desta vida partiram.Sabes, Bruno: a tua má sorte foi a falta de companheirismo e de solidariedade que te foi negada; sim, eu tive essa impressão, logo que foi noticiada a tua morte e continua tê-la. Tive-a através dos vídeos e imagens, a que tive oportunidade de ao mesmo tempo poder conhecer a riqueza da tua personalidade e a miséria daqueles que fazem da vaidade , o principal objectivo da conduta das suas aventuras. Constatei que, mesmo sozinho e abandonado pelos teus companheiros, nem assim deixaste de conquistar o cume da montanha do teu lindo sonho. Bravo Bruno! - A morte é que, às vezes, nos prega partidas, quando menos se espera. Mas, deixa lá: os deuses chamam cedo para sua companhia, aqueles que verdadeiramente amam. E eu tenho a certeza que estás em boa companhia.

Além da singela homenagem que te prestamos no Monte dos Tambores, junto aos Templos do Sol, eu também já te dediquei uns singelos poemas. Foi naqueles dias em que sentia profundamente a dor do teu pai. Um grande companheirão e um bom amigo, acredita. Antes de terminar, gostaria de confessar-te uma coisa: tu perdestes o direito à vida terrena, é certo e muito jovem. Mas já vistes qual é o vazio de alguém, que, nesta vida, viva muitos anos e nunca seja capaz de dar sentido à vida? .- E tu deste um nobre exemplo e um extraordinário sentido! Escalaste uma das maiores e mais belas montanhas da Terra! - Mas que extraordinária aventura!.. Quem me dera ter desfrutado dessa oportunidade. Não me importava de não viver mais. No entanto, e para te ser franco, confesso que não sinto uma grande atracção pelas montanhas geladas. Não gosto do frio. Desabituei-me dele em São Tomé: doze anos na Ilha Verde, fizeram-me perder resistências. Claro, que, hoje, em dia, os fatos suportam temperaturas baixíssimas. Mesmo assim (a escalada nocturna) é um tremendo risco: ou essa não teria sido a situação causadora da tua morte?... Sabes: é para onde aponta o meu sexto sentido. 




Estou convicto de que, se não tivesses ficado sozinho (o que te obrigou a enfrentar maiores dificuldades de um lugar que desconhecias completamente: afinal, o Sherpa, foi apenas para servir de companhia ao Garcia. Eu tenho pelo menos essa convicção. Que foi da mais reles hipocrisia e egoísmo. Fez tábua rasa dos mais nobres sentimentos que devem prevalecer na alta montanha - nunca abandonar um amigo, um companheiro. Eu escrevi, numa das reportagens que fiz das minhas próprias escaladas para a revista angolana - Semana Ilustrada - o seguinte: "a maioria dos desportos, quaisquer que sejam, implicam competição. No caso do alpinismo, os princípios são bem diferentes: numa escalada, a segurança de um, depende a do companheiro ou de todos que compõem a expedição. Porque a prática do alpinismo é forçosamente perigosa e todo cuidado que se põe é pouco"

- Estou-me agora a lembrar(era apenas para escrever umas linhas mas vejo que já me estou a espalhar) sim, daquela tarde em que, o Pires dos Santos, uns metros mais acima, grita: "pedra"!!! e eu só tive tempo de encostar a cabeça à rocha, passou-me a arrasar o cabelo: tinha acabado de ultrapassar um cotovelo, e por pouco não me desequilibrei e me fui despedaçar nas copas e nas rochas vulcânicas que existem à volta do pico. Mais das vezes escalávamos de meias para melhor aderência à pedra. Porém, nas partes mais altas e expostas à chuvas e ao vento, devido à permanente erosão, a pedra era laminada e fazia-nos sangrar os pés - - Sim, o alpinismo é algo que se ama - a vertigem é a nossa adrenalina- mas em que não pode haver nenhum tipo de competição. O Pires dos Santos, um santomense, nascido na Vila da Trindade, era mais de que um amigo, era um irmão: e eu chegava a recear muito a vida dele, porque ele era pai. E a filha era ainda uma menina. No caso de João Garcia , ele parece-me que aquilo que mais pretende, é dar nas vistas; é mostrar currículo

Nenhum comentário: