expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Taxistas contra a UBER – ao saque sem fronteiras: depois da invasão de lojas orientais – da bagunça desde o comércio à fruta, à banca, água e eletricidade - aí estão as máfias organizadas, furtando-se aos impostos e às formalidades legais, prontas a engolir o último reduto onde os portugueses poderão assegurar algum trabalho para sustento pessoal e da família

A Internet é hoje um vasto campo aproveitado por manobradores, vigaristas,  sacadores, descarados oportunistas, que facilmente se furtam ao controlo da lei, a  coberto do mais  fácil e  imediato acesso às novas tecnologias  – De vendas e de serviços, que o poder fiscal não controla, em detrimento de quem a cumpre e segue os seus trâmites. Uber, en la mira de la justicia y reguladores de varios países - La Prensa

Obviamente, que os taxistas fazem muito bem em marchar, marchar,  em marcha lenta mas firmes dos seus propósitos e das razões que lhes assistem, contra a ilegalidade, a iniquidade, a desenvergonhada corrupção e cobertura   às negociatas, sem escrúpulos  - Em defender  os seus postos de trabalho, contra a indigência, o egoísmo dos apátridas e corruptos, sem rosto e sem alma,   que permitiram que este país  - onde não é preciso vergar a mola e o lucro é mais fácil – desde as cadeias de hotéis, lojas de comércio e de frutas, a banca, as companhias de água e de eletricidade e por aí adiante  – tais interesses fossem objeto da cobiça  de organizações de incalculável  poder económico, em detrimento do povo português  - Vindas de países ditatoriais ou de outros onde a democracia é mera fachada, já porque nas mãos de castas, que desde sempre foram donos e senhores das suas riquezas – E, que, agora, com as liberdades instauradas pela dita Nova Ordem Global, pelo mais despudorado e selvagem liberalismo, atuam impunemente, estendendo os seus tenebrosos tentáculos à escala planetária

Dizem as noticias – e vimo-lo pela televisão – “Contra a Uber, marchar, marchar, lentamente. Esta manhã, os táxis trocaram a bandeirada pelo protesto, porque estão a perder mercado para um serviço que consideram desleal e ilegal. E acusam o Governo de fazer pouco para fiscalizar essas ilegalidades. As marchas lentas estão programas para Lisboa, Porto e Faro.

Cerca de 6.500 taxistas são esperados esta sexta-feira na manifestação nacional de protesto contra a atividade da Uber em Portugal, que será traduzida em marchas lentas pelas cidades de Lisboa, Porto e Faro. - Excerto de Táxis complicam trânsito: ouça e veja aqui as dificuldades


PORTUGAL UM PAÍS CADA VEZ MAIS À DERIVA E MENOS PORTUGUÊS - 

Portugal um pais cada vez mais à deriva e ao sabor da cobiça estrangeira - Lisboa é um bazar chinês. Em Portugal não há vila que não tenha lojas chinesas – Sim, porque não, mas com conta peso e medida. Favorecer o crédito aos jovens para se poderem estabelecer e evitar que houvesse concorrência desleal com o comércio local – em horários e no fisco. A distribuição da fruta, em Lisboa é dominada por redes de indianos e paquistaneses, que importam a fruta lá de fora, enquanto a nossa fica a apodrecer nos pomares; os antigos quiosques dos jornais, onde era tradicional empregaram-se deficientes, estão nas mãos de orientais – A banca e as grandes empresas, tudo sob controlo lá de fora. Ainda se ao menos fossem apenas de países da CPLP!... Mas vêm de ditaduras ou de países, que nada têm a ver com a nossa cultura. E então quais as oportunidades dadas aos portugueses? – A trabalhar no campo?!... – Se este também está votado ao abandono – Não lhe resta outro remédio senão emigrar - Quando é que teremos governantes que sejam amigos dos seus compatriotas e não se vendam aos milhões do oportunista e guloso estrangeiro? - Que nos dá uma morcela para levar um salpicão - Mas este é também o sinal da Nova Ordem Mundial, que permite o saque, sem fronteiras e à escala planetária




Nenhum comentário: