expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 26 de março de 2017

Portugal 3- 0 Hungria – Vitória folgada com fenómeno Ronaldo inspirado e um André Silva endiabrado – Pontapé de bicicleta do artista madeirense, foi a magia mais espetacular da noite – Mesmo não tendo metido golo

Jorge Trabulo Marques - Foto-jornalismo



Portugal 3- 0 Hungria – Vitória folgada com Fenómeno Ronaldo inspirado e um André endiabrado - Até meia hora do jogo da primeira parte, os Húngaros até pareciam assenhorar-se da bola e do campo, se bem que nunca criando dificuldades de perigo do reduto defendido por Rui Patrício, e, como a noite até ia fria e com alguns respigos de chuva, a claque do país do leste, mesmo remetida lá para um recanto do anel superior, até dava ares de querer aquecer e acreditar que a sua equipa poderia pregar alguma partida à equipa das quinas, subindo de tom e fazendo-se ruidosamente ouvir, com vozes e tambores, como que a desejar desfeitear enorme moldura verde-rubro, que se distribuía pelas bancadas e demais anéis do imponente Estádio da luz – Pois, mas, afinal, quem acabou por se silenciar foram mesmo os aguerridos adeptos da seleção húngara, com o golo inaugural, ao 32 minutos de André Silva e, cinco minutos depois, o segundo por Cristiano Ronaldo, que acabaria de selar a contagem na segunda parte com mais um golo de antologia inspirada 


Vitória convincente e tranquila, da campeã europeia, que, depois de um começo não muito brilhante, parece finalmente desejar acertar o passo e fazer jus aos pergaminhos conquistados em Paris, onde bateu a equipa da casa - Quem lidera o grupo A é ainda a equipa suíça, todavia, com esta vitória, está-lhe já na peugada, a menos três pontos mas ainda com vários jogos pela frente e já a distanciar-se a cinco da Húngara . -


AOS 40' MINUTOS, CRISTIANO RONALDO, TENTA O GOLO DE BICICLETA – NÃO CONSEGUIU MAS FOI O ATO MÁGICO DA NOITE   - Imagem acima em destaque.

Eu estava com a máquina mesmo apontada acreditando que Ronaldo ia fazer das suas - Foi bonito ver aquela acrobática bicicleta. Eu não tinha a certeza se havia registado a imagem, pois estou ainda a experimentar um novo equipamento - Mas vejo que fui feliz - Tal como outros grandes planos que logrei afazer a Ronaldo, instantes antes do jogo começar, que editei já em vídeo, quando já todos os fotógrafos tinham debandado.


 ECOS DA IMPRENSA – “Alguém pediu um campeão europeu na Luz? Ronaldo marcou dois e disse presente~

A seleção nacional de Portugal venceu este sábado a congénere da Hungria com três golos sem resposta num jogo a contar para a qualificação do Mundial 2018 disputado no Estádio da Luz. A uma semana do 'clássico' entre Benfica e FC Porto, o avançado portista André Silva inaugurou o marcador frente ao conjunto 'magiar' e abriu caminho para uma vitória tranquila, em que Cristiano Ronaldo voltou a demonstrar porque pertence ao panteão dos 'deuses do futebol'. Alguém pediu um campeão europeu na Luz? Ronaldo marcou dois 


 Sem fazer uma exibição brilhante, Portugal tem conseguido ser eficaz no ataque tendo feito dois golos num espaço de cinco minutos.
com o golo inaugural, aos 32 minutos, de André Silva, a que não tardou l inaugurou o marcador com uma emenda à boca da baliza, aos 37 minutos foi a vez de Cristiano Ronaldo marcar num remate à entrada da área. http://pt.blastingnews.com/futebol/2017/03/portugal-vs-hungria-em-direto-as-19h45-001575589.html




quinta-feira, 23 de março de 2017

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo – Da Holanda dos sanguinários corsários, dos paraísos fiscais à fuga aos impostos, da capital da droga e da prostituição nos coffeeshops, das grandes bebedeiras de cerveja, acusa os países do sul de que “Não se pode gastar dinheiro em mulheres e álcool e depois pedir ajuda" – Até onde vai o descaramento de um hipócrita da grande selvajaria liberal


É mais que notório e sabido, que, dos testas de ferro do despudorado liberalismo mundial, não se podem receber nem lições de  ética nem de moral, porque eles encarnam a imagem mais cínica e descarada das grandes jogadas do capitalismo, desumano, sôfrego e amoral: 

São a imagem personificada dos novos caciques da escravatura dos povos à escala global    - Eis a razão pela qual não é de surpreender que, um tal despudorado e hipócrita, Jeroen Dijsselbloem, Presidente do Eurogrupo (no qual à exceção de Portugal e da Grécia, todos os demais países são liderados  por governos da órbita liberal), venha com acusações, generalizadas,  da mais soez boçalidade, a menos que quisesse referir-se aos partidários da mesma esfera gananciosa, que desbaratam milhões em jogatanas, lautos banquetes, nos prazeres da  devassa, do que lhes der na real gana, que também os há no sul, no Norte e em toda a parte, pois que não os pobres que se poderão dar a esses luxos e deboches

Veio ele acusar, em entrevista, os países da Europa do Sul de terem gasto dinheiro em "mulheres e álcool".

Enquanto social-democrata, considero a solidariedade um valor extremamente importante", disse o ministro. "Mas também temos obrigações. Não se pode gastar todo o dinheiro em mulheres e álcool e, depois, pedir ajuda

Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, afirmou numa entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, segundo cita o El País, que os países do Sul da Europa andaram a gastar o dinheiro em “mulheres e álcool”, declarações que causaram alvoroço.

“O pacto dentro da zona euro baseia-se na confiança. Durante a crise do euro, os países do Norte da Europa mostraram a sua solidariedade com os países em crise. Como social-democrata considero a solidariedade extremamente importante. Mas quem a exige também tem obrigações. Não posso gastar todo o dinheiro que tenho em álcool e mulheres e depois pedir ajuda. Este princípio aplica-se a nível pessoal, local, nacional e inclusive a nível europeu”, disse o atual chefe do Eurogrupo.

ARROGANTE E MAL-CRIADO - "O holandês Jeroen Dijsselbloem não pediu desculpa depois das polémicas declarações a um jornal alemão. O presidente do Eurogrupo foi acusado de imparcialidade e arrogância ao dizer que os países do sul gastam dinheiro em copos e mulheres

JEROEN DIJESELBLOEM – POLITICO HERDEIRO DA VELHA HOLANDA DOS CORSÁRIOS, DA ATUAL CAPITAL DA DROGA E DA PROSTITUIÇÃO, UM DOS PARAÍSOS FISCAIS ATRAENTES

A Inglaterra foi a “rainha” da pirataria colonial e dos  sanguinários corsários. Mas a Holanda não lhe ficou atrás 

“As Companhias majestáticas holandesas, a WIC e a VOC não deixaram de ser empresas de pirataria. Houve também piratas famosos holandeses: Jan Janz (começo do séc. XVII) foi presidente de uma curiosa  “República dos Piratas do Bu Regregue”  na costa norte africana. Roc Braziliano (1630-1673) foi um pirata cruel que odiava espanhóis e atacava a costa brasileira, daí sua alcunha. Jacob Wilckens, a serviço da Companhia das Índias Ocidentais, invadiu Salvador em 1624. 

"Uma das mais importantes invasões, foram as holandesas, os navios das companhias das índias atacaram a Bahia em 1624 e Pernambuco por volta de 1630." - Expresso

E, atualmente, o que é a Holanda tem para oferecer além da cor das tulipas e das bebedeiras de cerva? – Droga e prostituição, muito tolerada e sem inibições

A HOLANDA  - NÃO É SÓ A DO COLORIDO DAS TULIPAS OU DA CERVEJA COR DE LARANJA

Referem observadores que.35% das pessoas que visitam Amsterdam vão aos coffeeshops, que somam 198 estabelecimentos na cidade (dados do IAmsterdam, do final de 2013). Se você andar pelas ruas de regiões que têm a noite movimentada – tanto para turistas, como para holandeses – como Leidseplein, Rembrandtplein e o Red Light District, vai ver jovens ingleses e australianos passeando em busca das diversões prometidas por uma cidade tolerante e liberal.

Com tantos estabelecimentos, dá para encontrar de tudo: do decrépito ao com aparência de café bonitinho. Eles estão por todos os lados da cidade. Para entrar em um, não se esqueça de levar seu passaporte. O documento é analisado na entrada, para evitar visitas indesejadas de menores de idade.
A organização do lugar impressiona: parece uma combinação de café com pub, pessoas sentadas em suas mesas conversando, outras no balcão. Um letreiro indica as ofertas de bebidas: café, cappuccino, latte… Um cardápio exibe itens com várias graduações de THC, a substância psicoativa da droga. No blog Janela Laranja você encontra posts sobre como escolher o que consumir. Read more: http://www.360meridianos.com/2014/01/coffeeshops-amsterdam.html#ixzz4cA5TAty3

Fuga das empresas do PSI-20

19 dos 20 grupos económicos do PSI-20 (o índice da Bolsa de Lisboa) têm a sede em outros países, para auferirem de vantagens fiscais em relação a Portugal. A Holanda é o destino preferido das empresas do PSI-20.

A Holanda é o país preferido dos grupos do PSI-20, porque é um país central na União Europeia, de acesso mais fácil ao crédito e, sobretudo, onde os grupos podem pagar menos impostos. A Holanda tem uma carga fiscal mais baixa e um acesso mais fácil à isenção de mais-valias e de tributação de dividendos. A Holanda tem ainda um regime especial de isenção de dividendos recebidos de empresas com sede fora da União Europeia. Além disso, este país possui acordos com mais de cem países, que permitem que os grupos não paguem impostos simultaneamente nos dois países, quando têm operações noutros países – a chamada dupla tributação. -16 empresas cotadas no PSI-20 têm 31 sociedades registadas em Amesterdão, capital da Holanda. Ainda segundo o jornal Público, os seguintes grupos detém sociedades em Amesterdão: http://www.esquerda.net/dossier/fuga-das-empresas-do-psi-20

Como Bono Vox, Jorge Lemann e outros ricaços fogem dos impostos
Você sempre pensou que Bono Vox, The Edge e o resto do U2 fossem irlandeses. Hoje em dia, no entanto, eles são holandeses. Ao menos é o que declaram à Receita desde que transferiram o domicílio fiscal para Amsterdã, em 2006, depois que o governo de seu país acabou com uma isenção tributária para artistas que ganhassem mais de 250 mil euros anuais – no ano anterior, a banda havia faturado US$ 260 milhões apenas com a turnê Vertigo. Como Bono Vox, Jorge Lemann e outros ricaços fogem dos impostos 

NÃO FOI POR ACASO QUE O MILIONÁRIO DA PATRÃO JERÓNIMO MARTINS, TRANSFERIU A SEDE SOCIAL DA EMPRESA PARA A HOLANDA

O capital maioritário que a família Soares dos Santos detém na Jerónimo Martins, empresa proprietária do Pingo Doce, passaram a ser controlados indiretamente através de uma sociedade na Holanda, país com um regime fiscal muito mais suave. A família Soares dos Santos passou, no último dia de 2011, o controlo dos 56% que detém na Jerónimo Martins para uma sociedade com sede na Holanda. A operação é puramente cosmética, dado que a propriedade da sociedade holandesa também pertence à família Soares dos Santos, e pretende apenas fugir à tributação em Portugal.http://www.esquerda.net/artigo/pingo-doce-passa-pagar-impostos-na-holanda


EM PORTUGAL OS BANQUEIROS LIBERAIS SAFAM-SE TODOS



23/02/2017 O antigo diretor-geral do Fundo Monetário Internacional Rodrigo Rato foi condenado a quatro anos e meio de prisão por apropriação indevida do património de dois bancos espanhóis aos quais presidia entre 2010 e 2012. O ex-ministro da Economia e antigo vice-presidente do governo espanhol foi considerado culpado do crime de peculato, quando dirigia a Caja Madrid e o Bankia, numa altura em que as duas entidades bancárias se encontravam em dificuldades. Ex-patrão do FMI Rodrigo Rato condenado a quatro anos e meio de ...


 NO TEMPO DO EL-DOURADO DE CAVACO – “HAVIA UM PROBLEMA" -  Diz José Marques Vidal - antigo Diretor da PJ - "Era se Portugal avançasse muito com os processos, corria o risco de ter de repor metade do dinheiro a Bruxelas. - Os ingleses não penalizaram os desvios de dinheiro, apenas os fiscalizaram. - Na altura colocavam-se esses problemas, era um crime novo... - Aqui usaram o célebre artigo relativo ao desvio de subsídios, foi uma verdadeira falperra! Em Águeda, por exemplo, houve industriais que construíram piscinas, compraram automóveis e para as fábricas não houve nada! –  Ler mais em:.O sistema da Justiça está roto por todo o lado 

Relatório em Davos mostra que 85 pessoas detêm 46% da riqueza mundial

20/1/2014 1Apenas 85 pessoas no mundo detêm 46% de toda a riqueza produzida no planeta – mesmo percentual de metade da população – segundo um novo relatório, divulgado nesta segunda-feira no Fórum Económico de Davos, na Suíça. O documento realça a incapacidade de políticos e líderes empresariais em deter o crescimento da desigualdade económica.

(...) É impressionante que, em pleno Século XXI, metade da população mundial tenha apenas um pouco mais do que uma elite cujos números permitem tê-los, todos, sentados confortavelmente em um único vagão de um trem. Ampliando-se a desigualdade, cria-se um círculo vicioso no qual a riqueza e o poder concentram-se, cada vez mais, nas mãos de poucos, deixando o resto de nós a lutar por migalhas da mesa superior – disse Winnie Byanuima, diretora executiva do grupo. .Relatório em Davos mostra que 85 pessoas detêm 46% da ..

segunda-feira, 20 de março de 2017

Celebrado hoje, 20 de Março-2017 – O Equinócio da Primavera, num dos Templos do Sol, aldeia de Chás, Foz Coa, numa bela manhã de luz e de intensos perfumes de vastas manchas de brancas das giestas, com poemas do mítico surrealista, poeta e pintor Mário Cesariny e de Manuel Daniel -Figura singular desta região, donde é natural

Por Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Autor da descoberta -  Organizador e coordenador do evento)


O Equinócio da Primavera 2017, ocorreu, hoje, dia 20, às 10h29min.TMG – Instante esse que marcava o início da Primavera no Hemisfério Norte. Os dias vão a partir de agora a ser maiores que as noites, por 92,79 dias até ao próximo Solstício que ocorre no dia 21 de Junho às 05h24min. Nós celebrámo-lo, de uma forma singela mas de profundo significado mistifico astronómico e histórico, momentos depois de se levantar no alto das colinas e ladeiras  do Rio Coa -  do Vale Sagrado - No altar sacrificial da Pedra da cabeleira de Nª Srª 

Havia noticias que diziam que a Primavera ia entrar nebulosa e fria, e até com possibilidades de chuva ou de aguaceiros, poderá ser amanhã ou depois, mas  por estas bandas, ainda não foi hoje 
Mas por acaso até foi  essa a ideia que me turbou o pensamento, ao levantar-me da cama e ao espreitar pela janela, à seis da manhã-  De facto, quando sai de casa e vi a aldeia, imersa em nevoeiro, quase me apeteceu rogar umas pragas à a S. pedro  ou à meteorologia pela partida, que parecia querer despontar-me
Mas, felizmente, que, à medida que me afastava do fundo do povo, por um artigo caminho romano (já sem a acalçada de outros tempos , mas ainda assim, bem convidativo à evocação e a ser palmilhado), sim, à medida que ia caminhando em direção ao maciço das Quebradas e Tambores, constatava que o mesmo se ia dissipando, que a lua, em fase de quarto-minguante, se descobria num céu límpido e sem uma névoa e que, a ocidente, se ia levantando um clarão luminoso, sinal de que o nascer do sol, poderia brindar-nos com a ascensão dos seus esplendorosos raios atravessando a cripta do Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira de Nª Sra, que, o investigador, Adriano Vasco Rodrigues, em meados dos anos 50, classificaria como antigo local de culto ou de sacrifícios – No entanto, sem ainda alguém saber, que, a par dessa função, o enorme penedo, escondia outros mistérios: o de, simultaneamente, se tratar de um verdadeiro calendário solar, tal como outros antigos alinhamentos sagrados, que ainda persistem em vários pontos do globo,  heranças de ancestrais civilizações, que há milénios nos antecederam, sendo o mais famoso o já mítico e monumental círculo de Stonhenge, na Inglaterra.
Quis um feliz caso, que eu pudesse ser o privilegiado dessa fabulosa descoberta, em 2001, tal como a dos monumentos megalíticos que se seguiram, especialmente o da Pedra do Solstício, mercê de continuada investigação, este alinhado com o solstício do Verão, junto do qual, graças a algumas boas vontades, têm decorrido outras celebrações.
 O objetivo destes eventos, não visa  promover qualquer espécie de culto ou de sacrifício, como talvez os povos, que se abrigavam por estas penedias, o terão feito,  mas tão somente o de recuperar, o que,  esses ancestrais costume ou rituais, teriam de mais belo, energético, sagrado e purificador: o estreitamento com as maravilhas concedias pela Mãe-natureza, de que a sociedade atual, tanto se tem divorciado, em favor do supérfluo,  do superficial e do ruidoso




LÁ ESTIVEMOS PARA RECEBER AS ENERGIAS BENFAZEJAS E PURIFICADORAS  DO LENDÁRIO E EGÍPCIO  OLHO DE HORUS  - Não como mero amuleto de tatuagem ou de trazer ao peito, como sucede na atualidade mas vivificantemente coroado de raios de luz e de esplendor




Referem estudiosos que OS EGÍPCIOS utilizavam vários amuletos protetores, tanto em vida quanto em suas múmias. Entre os mais antigos encontra-se o Olho Uedjat que já aparece no Império Antigo (c. 2575 a 2134 a.C.) e é um dos mais comuns em todos os períodos da história egípcia. Ele simbolizava o olho direito do falcão, isto é, de Hórus,  - Pois bem, o mais certo é os egípcios  - berço de uma das mais avançadas  civilizações - terem herdado esse conhecimento de outras civilizações ainda mais rciadas.

VALEU A PENA LEVANTAR CEDINHO 

Levantei-me cedinho para estar, a tempo e horas, no local,  porque o relógio do tempo não pára, e, os antigos calendários solares, não precisam de ser substituídos, mantem-se inalteráveis na sua perene e pétrea  monumentalidade De saco na mão, com o Didjeridu, o equipamento fotográfico, várias túnicas para eventuais visitantes, que as quisessem envergar – Ao contrário da maioria das  celebrações anteriores,   desta vez caminhava sozinho, e, quando me plantei, envergando uma das túnicas, frente ao altar sacrificial do imponente  enigmático bloco granítico,   cada vez mais me  mentalizava de que ia cumprir o programa, sem mais ninguém, mas pouco depois, lá apareciam os mais dedicados participantes e colaboradores habituais: 

António Lourenço, ex-autarca da freguesia, o homem que, ao longo de mais de 30 anos, mudaria, no bom sentido da palavra,  completamente  a face da aldeia, desde o ´saneamento, ao abastecimento de água e de eletricidade, entre tantas outras valiosas obras e melhoramentos. 

– É o atual Presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros voluntários de V. N. de Foz Côa, onde têm desempenhado um excelente trabalho de reconhecido louvor e mérito  – Natural do vizinho concelho de Meda, casou nesta minha aldeia, com a prof. Amélia Lourenço (outra das pessoas voluntariosas a lavar as túnicas ou a prestar-nos a sua colaboração no que for preciso), pois, sim senhor, embora quase sobre a  hora, mas ainda assim a tempo de se associar,  ele  que até já havia cortado algumas silvas no recinto, num dos dias anteriores, ali estava a parar a sua carinha para vir ao meu encontro – Tal como sucederia com outros amigos e colaboradores habituais, que não têm faltado 

O Prof. José Lebreiro, natural de Foz Côa, um dos cofundadores da Foz Côa Friends - Associação e também, um dos seus principais dinamizadores: uma homem de cultura e de sensibilidade, que durante vários anos, ligado à Universidade de Coimbra, um coração magnânimo, voluntarioso e sensível, sempre muito empenhado nas mais diversas questões culturais do concelho – Acompanhá-lo, também o inconfundível José Andrade, uma figura também muito dedicada e voluntariosa, um talentoso fadista, grande animador e conversador – E também uma quase enciclopédia de histórias do que observa e retém a sua memória.  


Poucos mas de espírito muito alegre e participativo – Prevejo, que,  um dia chegará, em que o local será visitado por muita gente: oxalá não em jeito de romaria, como acontece em tudo quanto é demasiado publicitado mas ao mesmo tempo dessacralizado – Certamente, no dia em que, alguma televisão estrangeira, de expressão internacional ou produção cinematográfico, souber dar a devida importância às maravilhas pré-históricas, existentes os Tambores, Quebradas  Mamcheia

 Na qualidade de coordenador e organizador  das várias festividades, já ali juntamos várias centenas de participantes, já ali, levámos até grupos de ballet e promovemos várias manifestações artísticas, já ali se fizeram reportagens televisivas (SIC;TVI e RTP ) em direto e gravadas, nos primeiro eventos, , pois, mas, como se sabe, em Portugal, de um modo geral, a cultura continua a ser um parente pobre – E, como já não é novidade, deixou de interessar. Se calhar, ainda bem: valem mais pouco de muitos e ruidosos – E os momentos, que pude desfrutar com os três amigos, talvez não fosse possível na confusão de muita gente.

No sul, o Verão despede-se para dar entrada ao Outono, cá pela latitude onde nos encontramos, é o Inverno, do nosso descontentamento, que se deseja que seja esquecido, o mais depressa possível, com a chegada  de uma temperatura  mais amena  da estação primaveril – Só por este facto, vale a pena o sacrifício de levantar cedinho da cama – Em poder estar, tal como  estivemos, esta manhã, junto ao altar sacrificial do Santuário da Pedra da Cabeleira de Nª Srª, frente ao majestoso frontispício e aos pés de um dos mais belos monumentos  do género, onde quisemos dar as boas vindas à mais florida e perfumada estação do ano  e, uma vez mais,  desfrutar  do privilégio de  contemplar momentos de raro esplendor solar  e de ancestral matriz  histórica
No Outono, como é o horário do Verão, não custa tanto, mas por esta altura as manhãs, costumam ainda ser  um bocado frescotas e pouco motivadoras para festas ao nascer do sol – A celebração do solstício, como ocorre ao pôr-do-sol, é mais participada  - , Naturalmente, não deixaremos de a organizar.

CELEBRÁMOS O EQUINÓCIO DA PRIMAVERA COM POEMAS DE MÁRIO CESARINY do livro “Primavera Autónoma das Estradas" e de "A Porta do Labirinto" de MANUEL DANIEL -  Tudo começou com a recordação da visita que  Fernando Assis Pacheco, o poeta, jornalista e escritor, aqui fizera um mês antes da sua morte


Celebração do Solstício do Verão

Um dos objetivos destas nossas iniciativas, tem sido também prestarmos homenagem a  poetas e escritores: a ideia surgiu-nos na pedra, a que demos o nome de o Alltar dos Poetas, batizado com esta designação pelo facto de ali ter erguido os braços o poeta , escritor e jornalista, Fernando Assis Pacheco, um mês  antes da sua morte, no regresso a Lisboa, depois de ter ido ao vale do Côa a fazer uma reportagem para a revista Visão - 


Convidei-o a dar ali um asseio para visitar aquele local: nomeadamente a Pedra da Cabeleira e o Castro do Curral da Pedra: - também gostaria de o ter levado ao Castelo Velho, Cova da Moura e fazer uma incursão por outros locais do maciço dos Tambores, onde há muita curiosidade para ver, mas a o fim da tarde desse dia, galopava e ele ainda tinha pela frente uma viagem muito longa. Mesmo assim, ainda deambulou por ali um bocado: ao retomarmos o caminho de regresso, sugeri-lhe para se despedir com um breve ritual, subindo para uma pedra, que parecia mesmo talhada para altar e ali prenunciar umas palavrinhas, que eu lhe transmitira, voltando-se ao mesmo tempo para todos os quadrantes: assim fez, partindo dali radiante e entusiasmado pelos agradáveis e reconfortantes mementos que ali passou – Mas, pelos vistos, naquele dia, o gesto acabaria pro ser premonitório, dado ter falecido um mês depois.


Em sua homenagem, e em sua memória, a pedra passou a ter um significado especial  - Precisamente, no mesmo dia em que tomei conhecimento da sua morte, gravaria as iniciais do seu nome, entre um pequeno triangulo – Pois tem sido, nessa pedra - especialmente na celebração do solstício do Verão,  - que  se têm recordado e prestado várias homenagens  - No entanto, também o fazemos na Pedra da Cabeleira de Nª Sra ou mesmo em ambos os locais, se o homenageado for vivo e estiver presente: - Entre outras figuras, foi o caso do poeta, Manuel Daniel, na pose da fotografia, com que aqui recordamos a sua presença – Por razões de saúde – particularmente da sua vista – tem podido ali voltar – Mas nós achamos que continua a ser merecedor da nossa distinção – Eis, pois, a razão pela qual, de vez em quando, ali gostamos de ler alguns do seus belos poemas, tal como hoje sucedeu, simultaneamente  com a leitura de alguns poema de Mário Cesariny, a que me referi noi post anterior.

MULTIFACETADA – ADVOGADO, POETA, ESCRITOR, DRAMATURGO E O HOMEM AO SERVIÇO DA CAUSA PÚBLICA

  Manuel Daniel, natural de Meda, figura bem conhecida e muito estimada no seu  concelho e de Vila Nova de Foz Côa, onde se fixou desde 1971, aliás, em toda a nossa região, é um amigo das celebrações dos Templos do Sol - Por várias vezes, nos deu a sua preciosa colaboração. E, quando não pode participar (por razões de saúde) há-de arranjar forma de nos estimular com as suas amistosas palavras, que muito lhe agradecemos 

Advogado, escritor, poeta, dramaturgo,  estudioso, um homem de cultura, tendo dedicado muitos anos da sua vida  à função pública e à  vida autárquica.  A par de vários livros de poesia, colaborações de artigos e poemas na imprensa regional e nacional, bem  como em jornais brasileiros,  prefácios e a coordenação em várias obras, é também autor de 40 peças de teatro, nomeadamente para crianças, 20 das quais ainda inéditas. Muitos dos seus poemas foram lidos por Carmem Dolores e Manuel Lereno, aos microfones da extinta Emissora Nacional, em “ Música e Sonho”,  de autoria de Miguel Trigueiros – Considerado, na época, o programa radiofónico mais prestigiado  - Mesmo assim objeto de exame censório, tal como atestam os arquivos.
Mas não menos relevantes são as letras que vêm a ser musicadas e gravadas  em discos e cassetes -   Interpretadas por  Ramiro Marques, em EP nas canções   “Amor de Mãe” e “Amor de Pai”, pela Imavox, em 1974 – E, também, anos mais tarde, as letras para um “Missa da Paz” e coletâneas temáticas sobre “Natal e Avós” E, com  música de Carlos Pedro, as “Bolas de Sabão”, “Ciganos”, “Silêncio” e outros poemas.

 O HOMEM PERANTE O UNIVERSO

“No fundo, com tudo isto, nós queremos interrogar o Universo para saber quem somos e o que fazemos aqui. Em todo este esforço à volta da contemplação do sol, do fenómeno da vida e dos movimentos dos astros, em tudo isto há uma interrogação latente: que é o homem que se está a perguntar a si mesmo, quem é ele e o que faz sobre a terra. Queremos saber através destas celebrações, ainda que o não pensemos, a nossa total identidade"  - Palavas de do poeta  Manuel Pires Daniel, pronunciadas na celebração do solstício do Verão, em 2011

OBRIGADO PELO SEU CALOROSO POEMA E POR ESTAS SUAS PALAVRAS AMIGAS.

"Nos dias de Equinócio ou de Solstício, tenho sempre uma lembrança especial da sua pessoa, pelo exemplo que resuma do seu esforço no sentido de valorizar o observatório milenar que descobriu e vai revelando persistentemente no Santuário Rupestre dos Tambores, nas Chãs.

Lamento não possuir capacidade visual para poder acompanhar as suas iniciativas, e não deixo de me sentir reconhecido pelo trabalho que vem desenvolvendo por um importante valor histórico das nossas terras.

A HOMENAGEM A MÁRIO CESARINY -  FOI TAMBÉM O TRIBUTO A UM BOM AMIGO

Jorge Trabulo Marques - Mário Cesariny

Tive oportunidade de ser amigo de Mário Cesariny de Vasconcelos, de ter partilhado com ele variadíssimos e inesquecíveis momentos de agradável convívio; daí o duplo prazer, quer pela admiração da sua personagem como da sua obra, com que, juntamente com o poeta Manuel Daniel,  associámos a  poesia de ambos à celebração do Equinócio da Primavera

"Passados dez anos, sobre a sua morte - "é uma voz que ainda ecoa" e o seu surrealismo uma revolta que ainda não perdeu o sentido”  - Entre os amigos mais chegados, a sua presença continua tão forte quanto antes. Como naqueles tempos passados em redor de uma mesa de café a falar de literatura, de política, de arte, de tudo. Sempre certeiro, Cesariny chegava e com uma palavra era capaz de mudar a temperatura de uma sala, sobretudo de pensar fora da caixa porque ele nunca soube o que era estar dentro dela.

Isso — essa ânsia de liberdade noutro Portugal — trouxe-lhe muitos problemas, mas também fez com que se tornasse autor de uma das obras mais importantes do modernismo português. E não só literário, mas também pictórico. Porque a poesia e a pintura andaram sempre de mãos dadas com Cesariny — faziam parte dele. E assim diz quem o conheceu” - .Diz num interessante artigo, Rita Cipriano, publicado no Observador – Do qual extraímos este breve exerto.


Em Junho, noutro dos calendários pré-históricos, celebrámos o Solstício do Verão 



 Registo de véspera  - Ao nascer do Sol, em  Stnohenge - Ao pôr do Sol - Nos Tambores


De cor e salteado, é o tema da exposição, recentemente inaugurada no Centro Cultural de Belém (CCB), que vai estar ali patente um ano para recuar aos dez anos que passaram sobre a morte de um dos maiores experimentalistas do surrealismo português, desde a pintura à poesia e à música, mas também à sua singular maneira de ser  - Que é justamente o que mais me apraz recordar dos variadíssimos momentos em que tive o prazer de  conviver com o autor do Corpo Visível; Manual de PrestidigitaçãoPena Capital Primavera Autónoma das Estradas, O Virgem NegraMãos na Água a Cabeça no Mar; A alma e o mundo;
Nobilíssima Visão; Um Auto para Jerusalém, entre outros títulos poéticos

A importante exposição, composta por um acervo  de 30 obras de sua autoria, cedidas da coleção da  Fundação Cupertino de Miranda, a instituição mais representativa do surrealismo português

No próximo dia 25, no dia Mundial da Poesia, vai ter um destaque especial, com uma série de evocações do autor, incluindo a estreia mundial de uma composição de Christopher Bochmann feita a partir dos seus versos e uma maratona de leituras "por diferentes personalidades". A instalação vídeo Poema Colagem – Homenagem a Mário Cesariny, o documentário de Miguel Gonçalves Mendes sobre o artista, Autografia, que recentemente regressou às salas em versão restaurada, e uma conversa sobre o artista também integram o tributo, de entrada gratuita.- Refere o Jornal Público, Um ano para lembrar os dez que já passámos sem Mário Cesariny , que, na opinião do organizador da exposição, José Manuel dos Santos, director cultural da Fundação EDP, Mário de Cesariny está sempre a ser descoberto e que, por isso, continua vivíssimo": "

Mário Cesariny era único em tudo, inimitável e inigualável – A personalidade dos santos e os heróis não é  fácil de compreender pelo comum dos mortais, porém, Cesariny nem era uma coisa nem outra – Mas assumidamente  espontâneo e natural,  excecional e conscientemente artista, deliberadamente libertário,  contestatário à ditadura salazarista, corajosa e desinibidamente homossexual. Nunca se coligou a qualquer partido senão a dar expressão aos ideais do manifesto surrealista André Breton,   um dos seus mestres da Académie de la Grande Chaumière, em Paris, “cuja influência o levaria a participar na criação, no mesmo ano, do Grupo Surrealista de Lisboa, juntamente com figuras como António Pedro, José Augusto França, Cândido Costa Pinto, Vespeira, João Moniz Pereira e Alexandre O´Neill, que reuniam na Pastelaria Mexicana. Este grupo surgiu como forma de protesto libertário contra o regime salazarista e contra o neo-realismo”

Não se importando, pois, de estar-se nas tintas, de fazer tábua rasa das ficções sociais burguesas e dos seus hipócritas bons costumes, tendo chegado a ser preso e perseguido, quer em Portugal, quer mesmo na conservadora Inglaterra, com humilhantes apresentações e interrogatórios por não abdicar  da sua liberdade do pensamento das suas ideias,   sensibilidade artística e genuína humana e maneira de ser

CESARINY ADMIRAVA O ESPÍRITO AVENTUREIRO DAS MINHAS ARRISCADAS TRAVESSIAS EM FRÁGEIS PIROGAS E EU ADMIRAVA-O POR SER UM POETA DE CORPO E ESPÍRITO INTEIRO - http://www.odisseiasnosmares.com/2012/10/28-dia-grandes-vagas-alterosas-entravam.html

E também apreciava os meus apontamentos insólitos de reportagens e entrevistas na extinta Rádio Comercial RDP - Um dia haveria de ser ele a substituir o repórter com a empregada de Natália Correia, deslindando segredos, de almoços e jantares, no lendário Botequim e em sua casa e outras revelações  - Quem haveria de imaginar tão inesperado acaso!


Mário Cesariny – Diálogo surrealista, 1991  - com a criada cabo-verdiana, da poetiza Natália Correia, em noite das marchas de Santo António, sobre ratos e ratazanas que comem mãozinha de criancinhas e outras surpreendes revelações  - Em memórias de um repórter -  Ao lado do poeta e pintor, e na mira do apontamento espontâneo de reportagens para Rádio Comercial, quando questionava algumas das pessoas que assistiam ao desfile, eis que surge o diálogo mais inesperado e insólito, que ali poderia esperar.

Tenho no meu vasto arquivo de repórter da rádio, muitos registos da sua voz: quer de algumas tertúlias poéticas onde participou, quer   de quando nos cruzávamos nalgumas das ruas ou espaços que ele mais frequentava: - pois, além das entrevistas às mais diferentes personalidades, uma parte dos meus trabalhos  eram baseados em registos de rua e casuais, de coisas do arco da velha, em direto ou gravados, de todo o tipo; desde assassinos, a prostituíras, rufias, drogados, marginais, gente conhecida ou anónima, dava-me gosto ir ao encontro do palpitar do coração da cidade, fosse de dia ou de noite. Hoje,  a rádio,  dispersa-se em mil frequentes, já não dispõe dos grandes auditórios dos anos de oiro da rádio, os seus realizadores imitam-se e repetem-se, como gira-discos e só servem para enfastiar o ouvinte com carradas de anúncios, música barulhenta e enfadonhas conversas da treta.


Mário Cesariny, conhecendo bem as minhas andanças,   sabendo que, no saco do repórter, havia sempre um gravador pronto a  premir a tecla para acionar o movimento da cassete de gravação,  por vezes, era ele mesmo, que  quando nos cruzávamos,  se o apanhasse em  pleno desvario poético, me perguntava: “Olá Jorge!... Trazes aí contigo a maquineta?”... – Claro que, mal descobria o seu perfil, à distância, era o gesto de que imediatamente me preparava para tomar: – E, sem mais delongas,  ali estava o poema, acabado de criar, vertido como se naquele momento lhe estivesse a jorrar da mais  cristalina fonte e da encosta  do mais sublime ou auspicioso  monte.

Ele concedia-me esse privilégio, não porque estivesse a pensar na forma de promover os seus versos, visto essa questão há muito estar ultrapassada, pois, a bem dizer,  Cesariny, quando nasceu, já devia vir  com o rótulo dos predestinados, além de que também não precisava de correr atrás da imprensa, nem o desejava nem era esse o seu gosto.  Fazia-o, por um lado,  porque me considerava seu amigo, e, por outro, porque, sendo também uma pessoa afável, simpática e dialogante - que gostava de dizer os seus poemas, como se cada verso lhe saísse do mais fundo das suas emoções ou cogitações, e não mercê de meras construções imaginativas de quem é muito letrado e até sabe fazer umas versalhadazecas  umas rimas ou coisas parecidas,  engraçadas ou intelectuais, que, mais das vezes ninguém entende – mas sobretudo, porque esse gesto também era surrealista, uma insólita forma de expressão artística.

Nesse aspeto, ele não fazia concessões – Sim, o gosto  de  surpreender e ser-se surpreendido, um ato poético,  artístico e espontâneo,  por aquilo que fazia e criava – Cesariny era avesso às entrevistas combinadas mas adepto e apaixonado do diálogo informal e espontâneo. E até sucedia, por vezes, que, ao cruzar-me com ele na rua, ao perguntar-lhe se  me podia dizer alguns versos para o meu gravador, me respondia: “desculpa, Jorge; mas neste momento não ando com versos na cabeça, não posso perder tempo contigo:

- Não vês, além aquele magala, tão jeitoso! …Vou ver se o engato!”…Agora não posso falar contigo…  E lá ia à sua vida…De cabeça erguida, de quem não deve, não teme; enfiado na sua gabardine… Qual andorinha apeada, mais parecendo levitar de que andar.


Conheci-o, casualmente, pela primeira vez, nos finais dos anos 70, numa discoteca Gay, no Príncipe Real, denominada Rokambole, próximo da  Faculdade de Ciências– Tinha ali ido fazer uma reportagem para a Rádio Comercial sobre a estreia de um espetáculo de travesti, e, enquanto assistia às hilariantes pantominas  dos atores, quis um feliz caso que estivesse sentado no mesmo sofá ao seu lado: às tantas, e,  como nestes ambientes informais e descontraídos, quando as pessoas estão sentadas lado a lado, o diálogo geralmente acontece, sou eu que, lhe lanço esta pergunta:

  Por caso, o Sr. não é poeta? -  Ele sorri e responde que sim, mas não disse mais nada nem eu insisti – Isto pelo facto de ter observado,   na sua maneira de falar, simples, espontânea, no relacionamento  com outra pessoa, da sua idade, sentada do seu lado direito (mais tarde vim a saber que era o pintor Francisco Relógio)  com a qual de vez em quando iam trocando umas palavras, porém,  sem qualquer tipo de afetação na voz ou nos gestos, ao contrário  de outras pessoas, que por ali conviviam e se divertiam, Porém, como é sabido, no rosto dos espíritos iluminados, o silêncio também fala. E eu quando andava em reportagem, olhava as pessoas, com olhos de ver, procurava eventuais motivos de curiosidade para apresentar no programa em que participava – Pois, tal como me confessara, mais tarde, o pintor, Carlos Botelho, em sua casa: vocês,  repórteres, devem ter muito que trabalhar para alimentar uma bocarra, tão grande, como é a da rádio – Sim, no tempo em que fazer rádio, não era só no estúdio mas ir ao encontro das pessoas e dos acontecimentos.

 A mesma dificuldade  me reconheceria também, António Ramos Rosa, outro grande poeta, que, depois de o ter visitado numa enfermaria de um hospital, pela primeira vez,  me receberia muitas vezes em sua casa, tendo, a partir de certa altura, não apenas tido o  prazer de conviver com ele e com a sua esposa, Agripina Costa Marques,  mas também para lhe registar algum poema, acabado de criar ou mesmo de levar o  original para minha casa para lho depois lho entregar em letra de forma: pois, houve uma altura, na sua vida, em que, devido a problemas de saúde, escrevia com alguma dificuldade, com gatafunhos, quase indecifráveis e, mesmo o que batia à máquina de escrever, necessitava de melhor apresentação: os versos saiam-lhe espontaneamente, até de uma simples palavra, que eu próprio pronunciasse,,  a sua poesia era de emoções, que faziam pensar mas dir-se-ia que não era pensada mas sim vertida de uma mente, fermentada e fecundada de múltiplos e profundos pensamentos,  talvez mesmo em permanente estado de ebulição ou delírio . Bom, mas neste momento, eu estou agora a lembrar a memória de Mário Cesariny

 Referindo-me aquele silêncio de Cesriny quando lhe perguntara se não era poeta,  àquela ausência de resposta à sua identificação, na verdade, tal episódio, deixou-me, de algum modo intrigado, pelo que fiquei sempre com aquela curiosidade em saber quem era  aquela figura franzina, graciosa e fantasiosa, mas ao mesmo tempo com expressão muito concentrada e  enigmática, com um rosto ascético de intelectual e de sonhador, que de vez em quando apertava os dedos alongados entre umas mãos finas de mulher ou de artista  mas que correspondia com afabilidade e simpatia  a quem se lhe dirigisse ou com quem falasse.  Sorrindo com frequência, mesmo quando depois se refugiava num ar mais ´serio.  Expressão esta que só depois lhe reconheceria, claramente. 


Jorge Trabulo Marques - Mário Cesariny
 Sim, só mais tarde, é, que, ao  ver a sua fotografia estampada num jornal, a propósito da sua poesia, pude associar  aquela figura franzina e misteriosa à do poeta Mário Cesariny – 

Naquela altura, eu conhecia mal os poetas e escritores portugueses de vista, uma vez ter passado 12 anos fora de Portugal. Por isso, quando,  um dia, ao fim da tarde,  ao  cruzar-me com ele à saída do metro nos Restauradores  -  donde pretendia caminhar  até lá cima ao Marquês de Pombal e dali dirigir-me à Rádio Comercial-RDP, na mira de registar alguns apontamentos de reportagem  (naquele tempo ainda trabalhava a recibo verde), é que não resisti a cumprimenta-lo, dizendo-lhe: “Já sei que é o poeta Mário Cesariny!- Ele corresponde-me com um amável sorriso, com uma pergunta: então e onde vai?... Vou para a Rádio Comercial!” – Falámos uns breves momentos, dizendo-lhe que um dia gostaria de lhe gravar alguns poemas e de conversar consigo. E, na verdade, muitas haveriam de ser as vezes que nos encontramos; em cafés ou numa das esplanadas dos restauradores, onde também gostava de se sentar, sim, em variadíssimas circunstâncias, tendo mesmo chegado a convidar-me a visitar a sua oficina e a conhecer as suas irmãs, em sua casa.

Naturalmente que não o posso esquecer: aquele rosto que   infundia uma natural empatia, porque, na sua maneira de ser, que lhe era genuína e inata,  naquela sua expressão de vagabundo sorridente e incorrigível  - misto de fina sensibilidade, ironia, cultura e afabilidade, não morava a hipocrisia  - -

 Em Cesariny,  tanto no poeta como no pintor,  não havia fingimento ou artificialismos imaginativos  mas espontaneidade, uma constante ânsia de revelação, um profundo sentimento de liberdade, de espírito de descoberta de fantasia ou do insólito,  de transgressão à vulgaridade, tal como as crianças olham as estrelas, estendendo a mão para lhe tocar, também em Cesariny havia como que o desejo de as poder alcançar, buscando e amando os aspetos mais sedutores, contrastantes  e misteriosos da vida, tanto nas criaturas humanas como no ambiente que o rodeava.

No dia seguinte à sua morte, ainda sob a emoção da sua partida para a eternidade, não resisti a escrever uns verso de invocação e já de saudade, que publiquei num poste de outro dos meus sites, em Templos do Sol, do qual aqui transcrevo esta passagem, a que dei o título de 

 Os poetas não morrem! – E   Cesariny é um deles!... Ler em os poetas não morrem... mário cesariny - é um deles!