expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Champions: Sporting 0 – Barcelona 1 – Lionel Messi não brilha nem faz golos mas saiu dos balneários muito beijocado, feliz e mui “guapo”


Jorge Trabulo Marques - Jornalista e foto-jornalista




Champions: Sporting 0 – Barcelona 1 –  As últimas fotos de Lionel Messi ao deixar os balneários do Estádio de Alvalade - Registos únicos desses momentos, na  noite em que a fúria dos Leões, fazem meças, taco a Taco, com os catalães, lhe fazem abaixar os ímpetos da crista levantada, como costumam apresentar-se, graças a notável desempenho dos discípulos de Jesus  mas perdem com o infeliz autogolo de Sebastian Coates, aos 49 minutos.






SPORTING 0 – BARÇA 1 - DESFILE DE IMAGENS DE UMA NOITE DE QUASE PERFEITA SINFOMIA LEONINA  - E AS FOTOS INÉDITAS QUE PROVOCARAM  LARGOS SORRISOS A MESSI 



A bem dizer, azar dos azares: Messi, que não passou cartão aos holofotes das câmaras de televisão, perante as quais desfilou sisudo, indiferente  e circunspeto, aos olhos de um batalhão de  repórteres que ansiavam ouvir da boca do ídolo, algumas palavras   no entanto, nem por isso  deixou de sorrir, contente e feliz, mui enamorado quando, já na fase terminal do corredor, cai nos braços em beijocas e rasgados sorrisos, de  um restrito grupo constituído, talvez pela esposa,  familiares, amigas, admiradoras e admiradores  e aficionados  do clube catalão, que, tal a surpresa, mal terão tido tempo, nos escassos instantes, de fazer os registos para a posteridade - Só que a teleobjectiva do repórter, que já ali ali estava próxima, logrou furar o cerco e fixar o inesperado e feliz episódio, quando Lionel Messi, juntando a felicidade do rosto ao de um embevecido e  amoroso  rosto feminino se fotografavam num telemóvel 

Logrando, assim, o famoso craque, despedir-se  do mesmo Estádio, onde, o principal rival do argentino pelas bolas de ouro, Lionel Andrés Messi, nativo  de  Rosário, , 24 de junho de 1987, sim, .o madeirense, Cristiano Ronaldo dos Santos Aveironascido no Funchal,em 5 de Fev, de 1985, foi catapultado para a mais brilhante constelação do estrelato do futebol internacional, depois de ter passado pelo Andorinha e Nacional.
Azar dos azares, principal rival do argentino, Lionel Andrés Messi, nativo  de  Rosário, na Argentina, 24 de junho de 1987.


Embora a derrota tenha mais o sabor de vitória de que a expressão que o resultado ditou, com a perda de três pontos que remeteram o Sporting  para a terceira posição do grupo D, com a mesma pontuação da Juventus, que venceu o Olympiacos por 2-0, além de ter perdido a a oportunidade de ter encaixado alguns avultados e preciosos cobres na dita liga milionária,  se bem que azarada, nem por isso foi sentida pelas claques leoninas, como dececionante ou humilhante, que é o que geralmente se espera da mestria de  uma das equipas mais caras do futebol mundial

– Bem pelo contrário, pese o facto da bem afinada orquestra de  virtuosos, em posições de quem sabe como avançar, driblar ou recuar, fazer incursões  bem sucedidas pelo centro ou pelos laterais do relvado,  com a magia de um Leonel Messi e de outros magos, tais como, Iniesta e Suárez, Alba, Sergi Roberto, Untili,  dir-se-ia que a estratégia do maestro da turma verde e branco, até logrou saber opor-se, com realismo e brilho, tanto na defesa como no miolo do campo e no ataque:  quer por Rui Patrício, com as extraordinárias qualidades que lhe são reconhecidas, Coates (salvo o azarado auto-golo), Coentrão, Bruno Fernandes, Acuna, William Carvalho,  Rodrigo Battaglia, Jérémy Mathieu, Gelson Martins, Doumbia, Piccinni, William Carvalho,  Bruno Fernandes e um Bas Dost, que deveria era ter entrado logo no arranque inicial, já que o talento do Holandês é sempre uma mais valia-decisiva em qualquer área do campo,

CRÓNICA DO BLOGUE “SPORTING  ATÉ MORRER”

“Uma 1ªparte onde o Sporting teve poucas hipóteses de criar perigo para a baliza do Barcelona mas onde também é verdade que os espanhóis não foram aquela equipa demolidora que todos esperávamos, Messi praticamente não se viu a isso muito se deveu a acção de Battaglia que fez um jogo enorme!

Pena a lesão de Doumbia que retira ao Sporting a possibilidade de aproveitar a velocidade para poder “furar” a defesa Blaugrana!

É verdade que o Barcelona teve mais posse de bola mas foi mesmo só nesse aspecto que foi superior ao Sporting!

Uma 1ªparte muito positiva e sem temores mas com uma clara e esperada dificuldade em criar lances de perigo para a baliza do Sporting!

Perante uma 1ªparte sem oportunidades claras de golo aceita-se o empate ao intervalo!
Arbitragem tendenciosa e sem critério equilibrado, cartão amarelo a Gelson exagerado e poucos minutos depois é Suarez que tem uma entrada perigosa e claramente a merecer a amostragem do amarelo e o árbitro deixa o cartão no bolso!

O Barcelona acaba por chegar ao golo num axar de de Coates e acaba a 2ªparte por ter apenas duas oportunidade de golo e uma para cada lado!

Depois do golo dos espanhóis existe uma clara grande penalidade a favor do Sporting num lance onde Bas Dost é agarrado dentro da área!
O árbitro continuou a limitar os jogadores do Sporting com a amostragem de cartões amarelos por tudo e por nada!
O Sporting dentro das suas possibilidades e daquilo que é capaz mostrou hoje que tem capacidade para discutir a passagem à fase seguinte deste grupo mesmo com a deslocação a Itália ao terreno da Juventus!

Um Barcelona que neste jogo pouco ou nada fez em Alvalade para sair de Lisboa com os três pontos, num jogo onde o Sporting teve poucas possibilidades de vencer mas também é verdade que o Barcelona nada fez de superior para sair de Lisboa como vencedor, tem a sorte do lance do golo e depois tem uma grande oportunidade e o Sporting outra como já referimos!
Estamos dentro da luta e agora tentar ir buscar pontos ao terreno da Juventus!
Nada a apontar à equipa que muito correu e lutou e nada a apontar também a Jorge Jesus!

Dignificámos o futebol português! Sporting 0 - Barcelona 1...Injusto com arbitragem "inteligente"!

 




sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Equinócio do Outono - Celebrado hoje no altar sacrificial de Calendário Solar Pré-histórico

Este é um dos templos solares do  fabuloso “Stonhenge Português” – Uma das maravilhas do património histórico da Humanidade  -  Recebemos -  hoje o primeiro dia do Outono, à semelhança do que já vem sendo tradicional nos Templos do Sol, numa manhã claríssima e brilhante, com a participação de um pequeno grupo de amigos, em cerimónia simples mas prenhe de esplendor e de significado – Nomeadamente, António Pimentel Lourenço; José Maurício Lebreiro;   José Andrade, Manuel Luzio, Miguel Sá Menezes, eu próprio, coordenador do evento e autor da descoberta dos alinhamentos sagrados existentes na área. 




Momentos da Celebração do Equinócio do Outono, hoje, dia 22, às 08.00 da manhã, frente ao altar sacrificial da Pedra de Cabeleira de Nossa Sra, arredores da aldeia de Chãs, Maciço dos Tambores, no concelho de Vila Nova de Foz Côa - Numa cerimónia simples, mas prenhe de esplendor e magia,  precisamente no momento em que a graciosa gruta em forma semicircular era atravessada pelos raios solares do nascer do sol.


Com poemas de José Augusto Margarido, poeta nado e criado nestas terras,  e um outro do antigo Egipto, evocando o Olho de Hós, de autoria do faraó Faró Akhenaton –


Aqui lhe deixamos a imagem de uma das mais surpreendentes maravilhas herdadas das antigas civilizações do megalitismo, dos raríssimos calendários solares, que ainda persistem da pré-história – 

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Tradicional Celebração do Equinócio do Outono, 08.00 – 08.30 – dia 22 de Setembro, 2017 – Frente ao altar sacrificial do Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira, Chãs, V. N. de Foz Côa, com poemas de José Augusto Margarido : nado e criado nestas terras do Côa e do Douro, em que. “Tal como o Sol lá de cima nos espreita, também nós espreitamos para ver o nosso Rio Douro. sereno e calmo – Diz o poeta à evocação das suas raízes – Mas desta vez é o sol que nos ilumina, em pleno, com os seus raios, esplendorosos e divinos, atravessando o mais enigmático pórtico pré-histórico



Jorge Trabulo Marques - Autor da descobertas e dinamizador dos eventos - 
Post atualizado com video da celebração
VIDEO REGISTADO HOJE MESMO  - ÁS OITO HORAS DA MANHÃ,  MARAVILHA DAS MARAVILHAS DA PRÉ-HISTÓRIA




Saudamos hoje o primeiro dia do Outono, à semelhança do que já vem sendo tradicional nos Templos do Sol, numa manhã claríssima e brilhante, com a participação de um pequeno grupo de amigos, em cerimónia simples mas prenhe de esplendor e de significado – Nomeadamente, António Pimentel Lourenço; José Maurício Lebreiro;   José Andrade, Manuel Luzio, Miguel Sá Menezes, eu próprio, coordenador do evento e autor da descoberta dos alinhamentos sagrados existentes na área.  




Momentos da Celebração do Equinócio do Outono, hoje, dia 22, às 08.00 da manhã, frente ao altar sacrificial da Pedra de Cabeleira de Nossa Sra, arredores da aldeia de Chãs, Maciço dos Tambores, no concelho de Vila Nova de Foz Côa - Numa cerimónia simples, mas prenhe de esplendor e magia,  precisamente no momento em que a graciosa gruta em forma semicircular era atravessada pelos raios solares do nascer do sol.


Com poemas de José Augusto Margarido, poeta nado e criado nestas terras,  e um outro do antigo Egipto, evocando o Olho de Hós, de autoria do faraó Faró Akhenaton

 Aqui lhe deixamos a imagem de uma das mais surpreendentes maravilhas herdadas das antigas civilizações do megalitismo, dos raríssimos calendários solares, que ainda persistem da pré-história





De que vale a vida se não a soubermos viver /De que vale o mundo se não o soubermos entender/ De que vale estarmos sós se não conseguirmos pensar/ Para que serve a vida se alguém não a conseguir aproveitar /Vamos seguir em frente, no mundo da descoberta, dar valor a tudo... / Sem olhar p´ra trás, ter ambição, quem for capaz... J. Augusto Margarido - 01.06.2017

ESTE ERA O NOSSO CONVITE -  NÃO NOS ENGANAMOS NO QUE AQUI DISSEMOS, DE VÉSPERA: 

Venha, pois, descobrir e viver momentos de rara beleza e de esplendor!  Partilhar connosco da alegria e do brilho de um espetáculo solar de sublime transcendência, que a leitura de uns belos versos vêm ainda mais sublimar  - 

Podendo desfrutar de uma imagem  verdadeiramente invulgar aos olhos rendidos e pasmados de quem queira gozar do privilégio de se postar frente ao eixo do monumental megálito, assistindo  e vendo abrir-se através de uma graciosa câmara, em forma de uma surpreendente pupila ocular, rasgada de poente a nascente, a que no antigo Egipto chamavam de Olho de Horus,  o piscar faiscante de um feixe  de  luminosos raios solares, como se de repente, algo de um outro mundo,  lhe  pudesse ofertar  o mais belo cristal ou manjar dos deuseses.

Sim, de poder desfrutar da plena consciência de estar perante a revelação da mais  fabulosa visão, de um verdadeiro hino à Natureza! – à Terra, aos Céus, ao Cosmos!  Num  local mágico, pleno de história e de misticismo, dos poucos lugares da terra onde a beleza e o esplendor solar se podem repetir à mesma hora e durante os mesmos momentos, com a mesma imagem contemplativa de há vários milénios pelos povos que habitaram a área.

O Equinócio do Outono - momento em que a Terra é iluminada pelo Sol de igual forma no hemisfério sul como no hemisfério norte - , vai ser celebrado, no próxima Sexta-feira,  dia 22, , entre as 08.00 e as 08.30 da manhã, frente ao antigo portal do santuário rupestre, da Pedra da Cabeleira de Nossa Sra.

Se as condições atmosféricas o permitirem, os participantes "poderão ali viver momentos de raro esplendor, alegria e misticismo, tal como, em tempos idos, os antepassados, que ali se fixaram, os teriam vivido, quando ali celebravam e saudavam os seus  ídolos. Num local Sagrado de cura, cruzado pelas energias  bem-fazejas terrestres, que os homens da era da pedra lascada edificaram, cultuaram e veneravam com o seus ritos ancestrais  -  40º 59´ 39.94" N - 7º 10´ 35-46" W

O referido templo sacrificial,  que parece desafiar as leis do equilibro e da  gravidade, tal a acentuada inclinação e aparente frágil base de apoio,  ergue-se alpendrado sobre uma enorme laje que descai em forma de altar -  Destacando-se, silenciosa e majestosamente, no requebro do alto de um vasto maciço rochoso, conhecido pelos penhascos dos Tambores na  vertente  granítica do fértil e maravilhoso vale da Ribeira da Centeeira. A mesma linha de água que, depois de correr de sul para  Norte  e penetrar  a leste no  apertado e íngreme canhão   das ladeiras dos picos, vai desaguar ao Côa, junto à foz da qual se situam um dos mais belos núcleos das gravuras paleolíticas do Vale Sagrado



O monumental calendário solar, quando observado da retaguarda, configura  a insólita imagem  de   um gigantesco crânio pronto a ser decepado, como que, evocando, certamente, bárbaros ritos ancestrais - , abrindo-se, todavia, em forma de auspicioso leque, no seu frontispício  voltado a poente,   atravessado, na sua base, por uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento,  iluminada pelo seu eixo no momento em que o Sol  começa a elevar-se por detrás do recinto amuralhado, como que assinalando, astronómica e matemáticamente,  o primeiro dia dos dois ciclos das estações do ano,  os equinócios do Outono e da Primavera. 


Numa cerimónia simples, mas prenhe de esplendor e magia, às 08.00 da manhã, precisamente no momento em que a graciosa gruta em forma semicircular é atravessada pelos raios solares do nascer do sol. Num espetáculo, verdadeiramente deslumbrante a quem tem o privilégio de o contempla

Desta vez, sem qualquer presença musical, senão a de uns escassos sons aborígenes de um velho  Didgeridoo, com o qual se abrirá e encerrará a evocativa cerimónia ancestral, porém, mesmo assim, contámos que magicamente abrilhantada, quer pelo espetacular fenómeno  solar, quer pelo brilho  dos momentos poéticos proporcionados pela leitura dos  magníficos versos de  autoria de José Augusto Margarido, um condimento  especial de poesia, assinalando, como já é costume nas nossas tradicionais celebrações, um acontecimento astronómico em mais o inicio de  um ciclo das  quatro estações do ano . este com o particular significado de se associar à plenitude da maturação dos frutos e das suas colheitas - E à qual irá sucedendo, dia após dia, o tempo de uma certa nostalgia ou romantismo outonal, como que marcado pela matiz colorida  das aguarelas  que as folhas dos choupos e das videiras, especialmente, irão revelando com o seu amarelecimento  e a sua queda.


EQUINÓCIO DE OUTONO - Especialmente escrito para este dia

O Outono Chegou
É a mudança de estação
É quando os dias são iguais.
Vamos celebrar!...
Dar as boas-vindas
Em sua homenagem
Ao equinócio de Outono
Por aquilo que plantamos
Pelos frutos que colhemos
Vamos celebrar!...
As folhas secas, avermelhadas,
Caem das árvores
Ficam despidas
Neste Outono abençoado
Vamos celebrar!...
E que esta nova fase
Que hoje se inicia
Seja repleta de amor
Repleta de alegria!...


José Augusto Margarido - 22.09.2017



TENHO PRESSA DE VIVER



Tenho pressa de viver mais um dia
Ver a luz do sol 
Ver a luz do dia
Olhar em frente
Caminhar
Refletir...
Tenho pressa de viver a correr
Sem parar
Quero ver-te
Agarrar-te
Apertar-te
Abraçar-te...
Tenho pressa de voar contigo
Vem ter comigo
Vem-me abraçar
Vamos voar
Atravessar as nuvens
Ver as estrelas
Ver o luar...
Tenho pressa... Vem depressa!...

J.A.Margarido - 26.07.2017


Venha pois conhecer e contemplar a réplica da imagem e o poder energético do símbolo mais antigo da civilização egípcia, que os homens da pré-história ali terão ido buscar às suas raízes ancestrais mais longínquas - Lugar místico e lendário já conhecido pelo "Stonhenge Português"


Partilhe, connosco, a celebração do Equinócio do Outono, com belos poemas de José Augusto Margarido, poeta, pintor e fotógrafo, um foscoense de extraordinário talento artístico– Um dinâmico interveniente cultural, fundador e cofundador de várias associações culturais nas terras que o viram nascer e, também, um apaixonado viajante e retratista de costumes, espaços e gentes das mais diferentes paragens, desde a Europa à África, além do observador e critico atento.

JOSÉ AUGUSTO MARGARIDO - 


José Augusto Margarido 
Imagem de um dos seus poemas
Natural de Vila Nova de Foz Côa. Residente em Macedo de Cavaleiros desde 1977.
Frequentou a Escola Profissional Agrícola D. Dinis - Paiã, anterior Escola Prática de Agricultura D. Dinis – Paiã. Foi funcionário entre outros organismos tb no Instituto Nacional de Estatística e depois do serviço militar no quadro do actual Instituto da Água como Técnico Agrícola nos empreendimentos hidroagrícolas.




Numa das cerimónias do equinócio do Outono, com os  Hare Krishna


Aos 17 anos de idade fez as suas  primeiras quadras. Desde essa altura – diz: fui apenas alimentando a ideia de um dia me iniciar na poesia. Comecei em 2011. Em 2015 decidi publicar no Facebook os meus poemas e tb os meus desenhos a lápis e carvão e tb fotografia. Tenho mais de 50 poemas escritos que foram publicados no Face e outros tantos desenhos.e mais de mil fotos.


Gravura - símbolo solar - No interior da Pedra da Cabeleira

Continuo a fazer poesia e desenhar. Tenciono expor quando tiver uma oportunidade.
 Fundei uma Associação com o nome de Sociedade de Expansão Cultural legalizada no notário, onde me mantive durante cerca de 3 ou 4 anos com actividades culturais,. Saraus recreativos e outros; bem como o espaço à leitura através de uma mini biblioteca.





Fiz parte de uma Associação de Pais. Colaborei na Rádio local Onda Livre na questão de publicidade durante mais de 3 anos. Gosto de Viajar no País e no estrangeiro. Espanha, França (Paris), Alemanha, Escócia, Áustria (Salzburgo). Conheci Moçambique durante dois anos como militar. Gosto de comentar no Facebook, publicar poesia e desenho e tb música. A minha próxima ambição é a pintura.
José Augusto Margarido – 15.09.2017





sábado, 9 de setembro de 2017

Celebração do Equinócio do Outono 22 de Setembro, 2017 – às 08.00 no interior do recinto amuralhado e frente ao gracioso pórtico do monumental Templo Rupestre da Pedra da Cabeleira, aldeia de Chãs, Vila Nova de Foz Côa

Vem aí o Equinócio do Outono – dia 22 às 08.00 H - Vamos saudá-lo nos Templos do Sol - Monte dos Tambores – aldeia de Chãs – Vila Nova de Foz Côa - Venha partilhar connosco da alegria e brilho do mesmo esplendor - Num local Sagrado de cura, cruzado pelas energias  bem-fazejas terrestres, que os homens da era da pedra lascada edificaram, cultuaram e veneravam com o seus ritos ancestrais
Pedra do Sol Cabeleira de Nª Srª 40º 59´ 39.94" N - 7º 10´ 35-46" W



Venha celebrar o Equinócio do Outono, 22 de Setembro 2017, na nossa já tradicional festividade aos ciclos da Mãe-Natureza, em perfeita comunhão com a beleza e amplitude dos espaços envolventes, das poderosas energias revitalizadoras  do maciço do recinto do sagrado local,   junto ao majestoso pórtico numa das mais surpreendentes maravilhas da Pré-história, no sopé do altar sacrificial do Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira, arredores da aldeia de Chãs, Monte dos Tambores, Vila Nova de Foz Côa

Numa cerimónia simples, mas prenhe de esplendor e magia, às 08.00 da manhã, precisamente no momento em que a graciosa gruta em forma semicircular é atravessada pelos raios solares do nascer do sol. Num espetáculo, verdadeiramente deslumbrante a quem tem o privilégio de o contemplar.



NA VIDA DE CADA SER HUMANO HÁ SEMPRE UM CAIR DA FOLHA NUM QUALQUER OUTONO 








Já se vindimam as  uvas do vinho generoso, é tempo da completa maturação dos frutos e das colheitas e também das folhas  começarem a despirem-se  das videiras e das árvores,  em mil matizes de coloridas e mágicas aguarelas - Vamos celebrar o primeiro dia do Outono, na Sexta-feira, dia 22, ao nascer do sol, a partir das oito horas da manhã - De uma forma singela, com alguns momentos de poesia e de encantamento, tendo como esplendor os raios solares a atravessarem a graciosa gruta do frontispício de um antiquíssimo Santuário Rupestre, que o povo batizou  da Pedra da Cabeleira de Nª Senhora    

Fica situado no Monte dos Tambores, numa zona castreja, sobranceira ao maravilhoso Vale da Ribeira da Centeeira, arredores da aldeia de Chãs, do Concelho de Vila Nova de Foz Côa






Segundo informações dos observatórios astronómicos, o equinócio de outono em 2017 verifica-se em Portugal a 22 de setembro, exatamente às 20h02. Esta é a hora oficial para o início do outono.
O que é o Equinócio de Outono?



Ó Vós Divindades de Todos os Tempos!
Ó Divindades dos Sagrados Ritmos e da Fonte da Vida! Olhai-me
A Luz que Brilha nas Minhas Mãos é a Luz da Vossa Luz!
Nenhuma Barreira me Separa entre Mim e o Universo!
Habito o Olho de Deus!
Sou a Ínfima Partícula da Inteligência Universal!
Sou, Convosco, o Todo!
Ninguém Imobiliza o Meu Querer!
Tu, Ó Grande Artífice! 



Grande é o Teu Poder e Maior Ainda o Teu Esplendor!
Eis-me.... / Sou o Ente Solitário no Meio da Enorme Solidão!
Mas Sou Forte, Porque, Evocando-Vos, Estou Com o Universo Inteiro! Eis-me Sob a Luz da Vossa Divina Luz!
Nenhum mal de inveja, Nenhum espírito maligno, enguiço algum,
Jamais me Atingirá!
O Céu Abre-se-me e Um Luminoso Eflúvio,
Uma Reconfortante Emanação de Luz e de Energia
Desce de Vós Até Mim! Purifica-me, Vitaliza a Minha Alma!
Escuda-me, como Muralha Invisível,
de Todas as Ameaças, Reais ou Imaginárias!
Grande Divindade Benfeitora e Benfazeja!
Sou A Ponte Que Me Liga a Vós!
Sou o Centro do Círculo do Foco Que em Mim Projectais!
Sou a Sombra Iluminada da Vossa Luz.
A Centelha de Todos os Vossos Astros!
Escutai as Minhas Palavras,
Para Que eu Possa Escutar Também o Eco Vosso Verbo
e Fundir-me a Vós!

De Jorge Trabulo Marques - Peregrino da Luz.

Este o local do Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira - Cuja gruta é atravessada pelo sol às 08.00 do próximo dia 22


O céu noturno de setembro em 2017

Todos os planetas visíveis a olho nu podem ser observados no céu noturno de setembro de 2017
Mercúrio será visível ao crepúsculo matutino na constelação de Leão. Encontra-se na direção Nordeste.  A sua magnitude no inicio do mês varia de 0,3 a -1,5. Consulte aqui toda a informação sobre a “Observação de Mercúrio” e sobre a “Visibilidade de Mercúrio em 2017”.
Vénus será visível ao amanhecer na constelação de Caranguejo, movendo-se depois para a constelação de Leão. Encontra-se na direção Nordeste. A sua magnitude ao longo do mês varia de -3,8 a -3,7.
Marte será visível ao amanhecer na constelação de Leão. Encontra-se na direção Nordeste. A sua magnitude ao longo do mês é de 1,8.
Júpiter será visível ao anoitecer na constelação de Virgem. Encontra-se na direção Sudoeste.  A sua magnitude ao longo do mês varia de -1,8 a -1,7.
Saturno será visível de noite na constelação de Ofiúco. Encontra-se na direção Sudeste. A sua magnitude ao longo do mês varia de 0,4 a 0,5.


Em Junho, noutro dos calendários pré-históricos, celebrámos o Solstício do Verão 




 Registo de véspera  - Ao nascer do Sol, em  Stnohenge - Ao pôr do Sol - Nos Tambores








“Estavam à entrada  do Templo do Senhor, entre o pórtico e o altar, cerca de 25 homens de costas para o Templo do Senhor, com os rostos para o oriente; eles adoravam o sol virados para oriente” Ezequiel 8.16