expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 22 de junho de 2018

José Júlio – Na ordenha, ao fim do dia - “Toda a Vida Fui Pastor “ - O último Pastor das Quebradas, Mão-Cheia e Maciço dos Tambores, aldeia de Chãs, V.N. de Foz Côa – Está em idade de se reformar, mesmo assim lá vai apascentando ainda as suas ovelhinhas, de sol a sol, sem direito a descanso ou a férias, em todos os dias da semana

ESTAMOS AINDA A EDITAR O VIDEO 





O pastor José  Júlio, filho de pastor, nunca conheceu outra vida que não fosse andar atrás ou à frente do seu gado  - Uma via dura, de muitas  canseiras, subindo e descendo encostas ou ladeiras rochosas – Um rosto popular, simpático, generoso e amigo, com o qual me cruze, sempre que regresso à aldeia, onde ambos nascemos e crescemos – Nomeadamente, quando me dirijo aos  Templos do Sol, no alto da Mão-Cheia, Tambores ou Quebradas e deixo o fundo do povo e vou a pé pelo antigo caminho romano, passando ao lado do velho Pombal, onde tem o seu cabanal e um bardo ao ar livre – O registo, em vídeo, que aqui lhe mostramos, quando ele procedia à ordenha das suas ovelhinhas, foi feito o ano passado, mas continuo atual – Não deixe de o ouvir.


Nos tempos que correm, os pastores vão rareando – Poucas pessoas escolhem a vida de pastor  - Porém, tal tal como é reconhecido, “a  pastorícia é uma antiquíssima actividade humana. As culturas hebraica, grega, romana, cristã e árabe integraram nos seus escritos sagrados e profanos muitas referências ao pastoreio de gado, particularmente de ovelhas, bem como aludem a tarefas direta ou indiretamente a ele ligadas, como o aproveitamento do leite, da carne, da lã e da pele.

Os Hebreus foram um povo nómada, povo de pastores que praticava a transumância com rebanhos de milhares de cabeças. Diversos episódios bíblicos nos dão notícia da pastorícia, bem como do uso de ovelhas e cordeiros para fins sacrificiais, numa terra, Canaã, que é considerada, terra de que mana o leite e o mel”
“No Génesis diz-se: Abraão era muito rico em rebanhos (...). Lot que acompanhava Abraão, possuía, igualmente, ovelhas (...). Houve questões entre os pastores dos rebanhos de Abraão e os pastores dos rebanhos de Lot (Génesis, 13).

Também no Génesis se relata, no sacrifício de Isaac: Erguendo Abraão os olhos, viu, então, atrás dele um carneiro preso pelos chifres a um silvado. Foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto, em substituição do filho (Génesis, 22).

Ainda no Génesis, o episódio do encontro de Jacob com Raquel, retrata um mundo de pastores: Jacob perguntou aos pastores: De onde sois meus irmãos? Responderam: Somos de Harran. Ele disse-lhes: Conheceis Labão, filho de Nahor?. Responderam: Conhecemos. Disse-lhes ele: E está de boa saúde? Responderam: Está de boa saúde, e ali vem Raquel, sua filha, com o rebanho. Ele disse: Ainda é dia claro, é cedo para recolher os rebanhos; dai de beber às ovelhas e voltai com elas a pastar. Responderam: Não podemos, enquanto todos os rebanhos não estiverem reunidos. Então, afasta-se a pedra da boca do poço, e damos de beber ao gado (Génesis, 29)."

Toda a vida fui pastor
Toda a vida guardei gado.
Tenho uma nódoa no peito
De me encostar ao cajado.

De me encostar ao cajado
De me encostar ao bordão.
Tenho uma nódoa no peito
Ao lado do coração.

Na serra o que mais se sente
São saudades do amor.
E o leite é branco para a gente
Só é negro para o pastor.

O meu amor é pastor
É pastor e guarda ovelhas.
Tem uma casa na serra
Coberta com poucas telhas.

         (Cantar da Beira Interior) - Cantado pelo rancho
 do rancho de Videmonte.


EM CRIANÇA TAMBÉM FUI PASTOR NA QUINTA QUE LHE MOSTRO E, MAIS ACIMA, FAZIA IMAGENS DO BARRO QUE HAVIA ALI À BEIRA DA ESTRADA, SIM, DE Nº SRAª DE FÁTIMA E DEPOIS PUNHA-ME A REZAR À FRENTE DAS MESMAS, COM ELAS EMPINADAS NAS FRAGAS, ESPERANDO QUE A VERDADEIRA Nª SRAª ME APARECESSES - Nunca ali me apareceu mas julgo que no alto mar, quando andei por ali perdido 38 dias, tive uma espantosa visão sobrenatural... A propósito da entrevista que fiz ao pastor José Júlio, que está também a ser muito bem acolhida pelos meus amigos santomenses, o qual, aliás, já por várias vezes, o entrevistei, tendo comigo um registo sonoro de há 30 anos, que, num deste dias, conto editar -

Vou hoje aqui mostrar a velha quinta onde também fui pastor - - E, como naquela altura, acreditava muito em milagres de Fátima, fazia imagens de barro e punha-me à frente delas a rezar esperando que Nª Srºa também me aparecesse. Hoje tenho lá o meu santuário numa certa gruta dos penhascos, mas é de "OXALÁ" Jesus Cristo, que veio do Brasil - .Naquela altura, não andava a guardar as ovelhas, como o pastor José Rebaldo, quando os meus pais eram caseiros na Quinta do Muro, um antigo castro transformado numa casa de campo, alcandorada sobre o aprazível vale da Ribeira Centeeira, mas ia-lhe levar a marmita do almoço, subindo as íngremes encostas rochosas do Tambores - Um pouco mais abaixo e ao lado, morava o meu Tio Joaquim Trabulo, irmão de minha mãe e a minha tia, que eram caseiros da quinta do médico do Salazar, onde este ia almoçar quando ia passear para o Alto Douro e Trás-os montes - Ainda me lembro de o ter visto, num enorme carrão, na então estrada real, hoje conhecida pela EN 105, esperando um cabaz de fruta da minha Tia Diolinda - Aqui lhe deixo mais uma entrevista que fiz ao pastor José Júlio e outras histórias http://www.vida-e-tempos.com/2013/12/sexual-mushroom-dos-tambores-na-lista.html





Nenhum comentário: