expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Maria da Luz de Deus Ramos - Neta do poeta João de Deus, que me deu o grato prazer de conceder uma entrevista e de me oferecer o Livro “Campo de Flores”, com a sua dedicatória - Casa Museu João de Deus destaca Pessoa e Maria da Luz de Deus Ramos em Julho e Agosto


RETRIBUIÇÃO  -
Jorge Trabulo Marques - Jornalista, fotógrafo e investigador

JOÃO DE DEUS - ORAÇÃO

Olha por ela tu, dos céus que habitas,
Do mundo oh Criador!
Ampara o lírio delicado e frágil,
Ampara a débil flor!

Do manto que te envolve e donde pendem
Sóis sem conto, dos céus,
Ela baixou à terra, estrela tua,
Anjo dos anjos teus.

Exalaste-a do seio à terra ingrata
Num suspiro de amor:
Ou na terra a protege, ou sobre nuvens
 Volva a teu seio, Senhor!

Não permitas que a dor seus lábios murche,
 Senhor, que és Deus e Pai!
Senhor, a cujo hálito vacila
O mundo, e o cedro cai.

Ah nunca os olhos seus lágrimas turvem
De acerba ansiedade,
Nunca, Senhor, por til que em sóis te firmas
Dos céus na imensidade.

Se o raio que as nuvens sobre nós disparam
Veloz rasgando os ares
À voz tua, bom Deus, lá vai sumir-se
 Nas entranhas dos mares;

Se à flor, filha do Sol, que à luz só vive,
 A luz mandas, oh Deus!
E saudoso no Céu, na glória esperas,
Bom Pai, os filhos teus;

Do mundo oh Criador, que o mundo abranges
Dentro em tua clemência,
Ampara o lírio delicado e frágil,
Protege a inocência !

IN -  CAMPO DE FLORES 



AO NASCER DO SOL DO EQUINÓCIO DA PRIMAVERA 2019 - NO SANTUÁRIO RUPESTRE DA PEDRA DA CABELEIRA DE NªSRª 

VAMOS LER ALGUNS DO SEUS BELOS POEMAS - DÊ-NOS O PRAZER DA SUA PRESENÇA - EM TROCA CONTEMPLARÁ O BRILHO SOLAR NUM DOS MAIS MARAVILHOSOS CALENDÁRIOS PRÉ-HISTÓRICOS
 


 







Casa Museu João de Deus destaca Pessoa e Maria da Luz de Deus Ramos em Julho e Agosto

A Casa Museu João de Deus prossegue com a sua programação regular durante o mês de Julho e Agosto, apresentando, também, uma exposição do artista plástico Luís Liberato e continuando a dar destaque à obra de Fernando Pessoa e a Maria da Luz Deus Ramos.

A dinamização de um ciclo comemorativo sobre Fernando Pessoa, exposição documental “Nós, os de Orpheu”, continuará disponível para visita do público até dia 16 de Julho, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

A homenagem a Maria da Luz de Deus Ramos, neta do poeta e pedagogo João de Deus, integrada na atividade “Cultura e Pedagogia” continuará patente até dia 26 de Julho, através da exposição “Maria da Luz de Deus Ramos 1 vida 1 obra – excertos biográficos”.

Esta mostra pretende enaltecer e destacar esta personalidade ligada à região do Algarve, ao concelho de Silves e à freguesia SB Messines – terra Natal do seu avô – destacando e relembrando o seu importante papel na criação dos lugares de memória do pedagogo (com destaque para o monumento escultório de Raúl Xavier, o Jardim Escola João de Deus e a Casa-Museu).

Esta atividade integra as comemorações do centenário do nascimento de Maria da Luz de Deus Ramos, referência no panorama nacional da educação pré-escolar.



Por último e no âmbito das artes plásticas, terá lugar, no dia 01 de Agosto, a abertura da exposição “Sopro Vital” de Luís Liberato, pelas 18h30, na Casa Museu João de Deus. Esta exposição baseia-se em registos de memórias com a contemporaneidade de técnicas mistas, deixando ao espetador a visualização do imaginário.

Estas atividades são dirigidas ao público em geral.

Mais informações sobre a programação poderão ser recolhidas junto da Casa Museu ou através do telefone 282 440 892 ou do email casamuseu.joaodeus@cm-silves.pt.




BIOGRAFIA - João de Deus nasceu em São Bartolomeu de Messines em 8 de Março de 1830, filho de Isabel Gertrudes Martins e de Pedro José dos Ramos, modestos proprietários dali naturais e residentes. O pai, também comerciante, era conhecido entre os seus patrícios por Pedro Malgovernado, não que merecesse o cognome pelo mau governo da sua casa, mas pela facilidade em satisfazer as vontades dos filhos, com os quais gastava mais do que podia.[2]

O seminário e os anos de Coimbra

João de Deus era o quarto de catorze irmãos, não lhe permitindo a situação sócio-económica da família aspirar a uma carreira universitária. Estudou latim na sua terra natal e ingressou no Seminário de Coimbra, então o único caminho para prosseguir estudos aberto aos menos abonados. Em 1850, aos 19 anos de idade, não tendo vocação para a vida eclesiástica, ingressou na Universidade de Coimbra como estudante de Direito.[1]

Preferindo as belas artes à ciência do direito, envolvido na vida boémia coimbrã, teve na universidade um percurso académico conturbado, com diversas interrupções e reprovações por faltas. Apenas se formou dez anos depois de ter ingressado, em 13 de Julho de 1859, e mesmo assim por instâncias e ameaças dos seus condiscípulos, entre os quais se incluía a melhor intelectualidade da época.

Logo no ano de ingresso na universidade revelou o seus dotes líricos, escrevendo versos que circularam manuscritos no meio académico e com os quais obtinha modestos rendimentos que ajudavam na sua parca subsistência. De 1851 conhece-se o poema Pomba e a elegia Oração, a qual foi a sua primeira obra publicada, tendo saído a público na Revista Académica em 1855, tendo merecido imediata aclamação pública.[1] – Prossegue em https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_de_Deus_de_Nogueira_Ramos


Nenhum comentário: