expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

segunda-feira, 18 de março de 2019

CELEBRAÇÃO DO EQUINÓCIO DA PRIMAVERA. 20 DE MARÇO, 07 HORAS . AO NASCER DO SOL, ALDEIA DE CHÃS - FOZ CÔA - Com poemas de David Mourão Ferreira, Amália Rodrigues, Alda Graça Espírito Santo, Teixeira de Pascoais, Manuel Daniel entre outros poetas. Partilhe da alegria e do encantamento de uma das mais majestosas maravilhas da pré-história - Venha conhecer a esplendorosa réplica e o poder energético do OLHO DE HÓRUS - o mais antigo símbolo da civilização egípcia - Lugar místico e lendário já conhecido pelo "Stonhenge Português"

Jorge Trabulo Marques. Autor da descoberta e cordenador do evento




NASCER DO SOL NA PEDRA NO SANTUÁRIO RUPESTRE DA PEDRA DE Nª SRª da  CABELEIRA, ASSINALA  A ENTRADA DA PRIMAVERA 
Equinócio da Primavera 2019

Ocorre no dia 20 de março às 21:58 horas[1]. Este instante marca o início da Primavera no Hemisfério Norte. Esta estação prolonga-se por 92,789 dias até ao próximo Solstício que ocorre no dia 21 de junho às 16:54 horas. Os instantes estão referenciados à hora legal.

Os equinócios ocorrem duas vezes por ano, na primavera e no outono, nas datas em que o dia e a noite têm igual duração. A partir daqui até ao início do outono, o comprimento do dia começa a ser cada vez maior e as noites mais curtas, devido ao Sol percorrer um arco mais longo e mais alto no céu todos os dias, atingindo uma altura máxima no início do Solstício de Verão. É exatamente o oposto no Hemisfério Sul, onde o dia 20 de março marca o início do Equinócio de Outono. http://oal.ul.pt/equinocio-da-primavera-2019/





VENHA PARTILHAR OS MAIS ESPLENDOROSOS MOMENTOS DE POESIA E DE ENCANTAMENTO  - Com a leitura de poemas   de David Mourão Ferreira, Amália Rodrigues, Alda Graça Espírito Santo, Teixeira de Pascoais, Manuel Daniel entre outros poetas

O enorme penedo está orientado no sentido nascente-poente e possui uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento, que é iluminada no seu eixo no momento em que o Sol se ergue no horizonte, proporcionando uma imagem invulgar

A observação do alinhamento solar decorre, entre as 07.00 e 07.30, no lugar de Quebradas-Tambores, num rochoso planalto sobre o Vale da Ribeira de Piscos, em cujo curso se situam alguns dos principais núcleos de gravuras rupestres classificados como Património da Humanidade. Oportunidade excelente para celebrar o primeiro dia da estação mais  desejada e florida do ano e principiar bem um santo dia. Num local agreste mas encantador - Longe do habitual bulício urbano, em perfeita comunhão com a Natureza e com os olhos postos numa das mais esplendorosas imagens solares

Quis um feliz caso, que eu pudesse ser o privilegiado dessa fabulosa descoberta, em 2001, tal como a dos monumentos megalíticos que se seguiram, especialmente o da Pedra do Solstício, mercê de continuada investigação, este alinhado com o solstício do Verão, junto do qual, graças a algumas boas vontades, têm decorrido outras celebrações.

 O objetivo destes eventos, não visa  promover qualquer espécie de culto ou de sacrifício, como talvez os povos, que se abrigavam por estas penedias, o terão feito,  mas tão somente o de recuperar, o que,  esses ancestrais costume ou rituais, teriam de mais belo, energético, sagrado e purificador: o estreitamento com as maravilhas concedias pela Mãe-natureza, de que a sociedade atual, tanto se tem divorciado, em favor do supérfluo,  do superficial e do ruidoso

Deus deu-me a graça de me revelar o maravilhoso segredo que esta e outras pedras guardavam, em 2001 e 2002, esquecido na poeira dos milénios  – Além da Pedra do Solstício, alinhada com o pôr-do-sol no primeiro dia do Verão, existe também a  Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora, que o povo da minha adeia, há muito conhece: o que desconhecia é que, além de santuário, era também um calendário solar pré-histórico   - 

A pedra fica situada no Maciço dos Tambores-Mancheia, no perímetro do Parque Arqueológico do Vale do Côa, arredores da aldeia de Chãs, concelho de Vila Nova de Foz Côa 

Este enorme megálito com 4, 5 metros de altura e sensivelmente o mesmo de comprimento, é atravessado pelos raios solares do nascer do dia e está alinhado com os Equinócios da Primavera e do Outono  O fenómeno pode ser observado no próximo dia 20, instantes depois da sete horas da manhã

Venha, pois, descobrir e viver momentos de rara beleza e de esplendor!  Partilhar connosco da alegria e do brilho de um espetáculo solar de sublime transcendência, que a leitura de uns belos versos vêm ainda mais sublimar  - 
Podendo desfrutar de uma imagem  verdadeiramente invulgar aos olhos rendidos e pasmados de quem queira gozar do privilégio de se postar frente ao eixo do monumental megálito, assistindo  e vendo abrir-se através de uma graciosa câmara, em forma de uma surpreendente pupila ocular, rasgada de poente a nascente, a que no antigo Egipto chamavam de Olho de Hórus,  o piscar faiscante de um feixe  de  luminosos raios solares, como se de repente, algo de um outro mundo,  lhe  pudesse ofertar  o mais belo cristal ou manjar dos deuses
ESTA É OUTRA MARAVILHA EXISTENTE NAQUELA ÁREA – ALINHADA COM O PÔR-DO-SOL NO SOLSTÍCIO O VERÃO





u
Na verdade, sítios há que são uma tentação, um verdadeiro centro de emanações e de eflúvios, propensos ao deleite, ao esquecimento e à sublimação. Muitas destes espaços graníticos, são um permanente convite, áurea unção e arroubamento aos sentidos. 

Aparentemente, mais lembra terra de ninguém, parda e vazia paisagem de um qualquer pedaço lunar, porém, estou certo que não haverá alguém que, ao pisar o milenar musgo ressequido destas  cinzentas  fragas, ao inebriar-se com os seus bálsamos, subtis fragrâncias, e volvendo o olhar em torno dos vastos  horizontes que se  rasgam  por largos espaços, fique indiferente ao telúrico pulsar, à cósmica configuração e  representação divina, que ressalta em cada fraguedo ou ermo penhasco 



" O Nascimento" - Teixeira de Pascoaes

Aí vem a estrela! Aí vem, sobre a montanha, 

Rompendo a sombra etérea do crepúsculo! 

A paisagem tornou-se mais estranha, 

Mais cheia de silêncio e de mistério! 

Dormem ainda as árvores e os homens, 

E dorme, em alto ramo, a cotovia… 

E, se ergue já seu canto, é porque sonha 

julga ver, sonhando, a luz do dia! 


E, pelos negros píncaros, a estrela 
É divino sorriso alumiante. 
Oh, que esplendor! Que formosura aquela! 
É lírio de oiro aberto! É rosa a arder! 

Aí vem a estrela! Aí vem, sobre a montanha, 
Tão virginal, tão nova, que parece 
Sair das mãos de Deus, a vez primeira! 

E como, sobre os montes, resplandece! 

Persegue-a o sol amado... No oriente, 
Alastra um nimbo anímico de luz. 
E a antiga dor das trevas, suavemente, 
Ondula, em transparência e palidez.





Aí vem a estrela, alumiando a serra! 

E os olhos encantados dos pastores 

Voltam-se para a estrela... E cá na terra 

Há mágoas e penumbras, a fugir... 



Como ela voa, cintilando e rindo 

Aos penhascos agrestes e desnudos! 

E os pastores, atentos, vão seguindo 
A direcção etérea do seu voo... 

E a quimérica estrela deslumbrante 
Parou sobre a capela, onde a Saudade 
Agasalhava o Deus recém-nascido, 
Com seu manto de amor e claridade. 
E, amparando-o nos braços, lhe estendia 
Os seios maternais. A criancinha 
Mamava. E a Saudade lhe sorria, 
Num enlevo, num êxtase sagrado. 

A primavera, errante no Marão, 
Veio cobrir de lírios e de rosas 
O berço do Menino. E veio o outono, 
E vieram ermas sombras dolorosas. 
Logo, o outono rezou a sua prece 

Excerto  - Teixeira de Nascoaes 



ABENÇOADA LUZ QUE ME ILUMINAS E TRANSFORMAS



"Quem és tu! Quem és tu, ó minha Alma?

«Não te conheço, não! E todavia,
Vejo teu lindo rosto, e sinto bem
A minha dôr beijar tua alegria!
Se és luz, dissipa a nuvem que te veste!
Toma presença humana, ao pé de mim!
Antes fosses um tronco ou rocha agreste
Do que essa Fórma animica e ilusoria!»

E ela então: «Se entendeste a minha voz,
É porque sou vivente creatura...
E é perfeito signal de que eu existo
O teu amor por mim, essa ternura.
Não sabes quem eu sou? Mas para quê
Desejas tu saber! Mais vale amar!
É luz crucificada a luz que vê...

E saberás um dia quem eu sou.»

Teixeira de Pascoaes 


“Quem és tu? Quem és tu, ó minha alma?
Não te conheço, não. E, todavia,
Vejo a tua figura, e sinto bem
A minha dor a beijar a tua alegria!

Se és luz, dissipa a nuvem que te veste!
Toma presença e vida, ao  pé de mim!
Antes fosses um tronco ou rocha agreste
Do que essa forma anímica e ilusória…”

Teixeira de Pascoaes - In Marânus




Teixeira de Pascoaes produziu a partir da experiência existencial da saudade - presente de forma vaga e imprecisa nos seus primeiros textos em verso - uma reflexão, a que subjaz o princípio fundamental de que o ser manifesta uma condição saudosa. Do Ser ao ser, processa-se uma verdadeira queda ontológica, uma cisão existencial, manifestando o mundo, na sua condição decaída, um "pathos universal". Da condição saudosa de ser resulta pois uma condição dolorosa do mesmo ser. Dor de privação, dor de saudade, consciência da finitude, de imperfeição, de insuficiência ôntica.
A experiência da dor pelo homem saudoso, é simultaneamente individual e universal. Por ela o homem–poeta entende o mundo como "uma eterna recordação", percebendo a realidade como evocadora de uma outra realidade mais real que aquela.

A condição dramática da existência manifesta-se assim numa permanente tensão entre Ser e existir. O homem existe num primeiro nível de dignidade ontológica, partilhando pelo corpo o mundo da matéria, e vive pelo espírito. A vida é pois uma eterna aspiração à ultrapassagem da realidade material. A alienação é a situação que resulta da impossibilidade de o homem ser, verdadeiramente. Dividido entre assumir-se como puro espírito ou pura matéria, o homem não é nem pode ser verdadeiramente, oscilando eternamente entre uma e outra condição.
 Excerto de http://cvc.instituto-camoes.pt/filosofia/1910a.html


domingo, 17 de março de 2019

"Foz Côa, é uma alegoria etnográfica com flores de amêndoa": Vizinhos espanhóis encantados com a capital de dois património da humanidade - Imprensa destacou o a edição XXXVIII, do desfile etnográfico da amendoeira em flor, com muitas imagens e a amenidade do clima: com tempo decente da mais bela nascente nas encostas do Douro - Ao mesmo tempo que, Portugal, Espanha e França uniram-se no Museu do Côa, num protocolo conjunto com o objetivo de criar um "itinerário europeu robusto" dedicado à arte rupestre de sítios tão distritos como Altamira, Lascaux, Vale Côa e Siega Verde. - Há que não esquercer a recupeção da via férrea Pocinho a Barca D´Alva - O Conselho Provincial de Salamanca, que já anunciou a intenção de recuperar o troço ferroviário entre Fregeneda e Vegateron com ligação a Barca D’Alva.

JORGE TRABULO MARQQUES - JORNALISTA E INVESTIGADOR

O primaveril mês de Março,  tem sido um mês fértil de sol e chuvas e ainda não chegou o Abril com as suas águas de mil . Bom era que, num interior profundo, deprimido com a desertificação e  a falta de braços e de incentivos para a lavoura, sim, sendo esta ainda a principal base da sobrevivência da nossa região,  pudesse ser beneficiada de outras alternativas. 

Seja como for, há que saudar os eventos municipais e as iniciativas do Governo para dar outra dinâmica a estas terras.  - Criado em Foz Côa novo roteiro transfronteiriço robusto para arte rupestre europeia - A Caoital de dois patrimõnios - É destaque na imprensa espanholla

Foto de JTM
Recentemente foi assinado um protocolo, que, tal como foi noticiado pela RTP  serve para abrir o diálogo sobre arte rupestre, entre os poderes políticos dos três países envolvidos nesta ação. Ao mesmo tempo, pretendemos que os técnicos que trabalham na arte rupestre de Portugal, Espanha e França possam partilhar conhecimentos e experiências para se ganhar escala a nível europeu, no sentido de criar um verdadeiro itinerário cultural europeu robusto", disse à Lusa o presidente da Fundação Côa Parque, Bruno Navarro.
A ideia, agora firmada, servirá, de acordo com as partes envolvidas, para atrair cada vez mais turistas a cada uns dos sítios arqueológicos e captar fundos europeus.
(...) ".Estamos a falar de três regiões europeias como a Cantábria (Espanha), a Dordonha (França) e o Vale do Côa (Espanha e Portugal), que têm muito em comum, como a sua classificação e reconhecimento por parte da UNESCO, ou a sua raiz agrícola, onde o património pode servir de porta de entrada para uma cooperação, não só cultural, mas também turística e económica", frisou o responsável pelo Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa.
Agora, o trabalho a desenvolver nestes três sítios arqueológicos da arte rupestre, passará para a esfera transfronteiriça, num programa já aprovado por Portugal e Espanha, ao qual França se junta agora.
Do lado espanhol, o diretor geral do Património Cultural de Castela e Leão, Enrique Saiz, destacou à Lusa que há boas experiências que no respeita ao trabalho transfronteiriço, como é caso da cooperação do Parque Arqueológico do Vale do Côa e o Sítio Arqueológico de Siega Verde, que é o único sítio de arte classificado pela UNESCO em território raiano.https://www.rtp.pt/noticias/cultura/criado-em-foz-coa-novo-roteiro-transfronteirico-robusto-para-arte-rupestre-europeia_n1134905?fbclid=IwAR06ABcGT_3Qi5ppxOxOvLrV_JnL69rQm1HfztzELalLGP5z8H7jDP8mpN8
 Foz Côa, uma alegoria etnográfica com flores de amêndoa - Dizem os nuestros irmanos, no jornal  -Foz Côa, una alegoría etnográfica con los almendros en flor – Diz o Jornal Raia Noticias  - De facto, todo este concelho, também conhecido pela terra quente, dadas as suas características com o clima mediterrâneo, goza de um privilégio especial  - Felizmente, tenho nestas terras as minhas sólidas raízes. 



Esta a noticia, de que tomamos a liberdade de  transcrever,  bem como editar  algumas das imagens: "Vila Nova de Foz Côa fecha seus festivais da flor da amêndoa e Património Mundial, agora em sua edição XXXVIII, com o desfile etnográfico, como é tradicional em que envolveu 60 carros / carros alegóricos e tempo decente da mais bela nascente nas encostas do Douro

Em um início da primavera, com mais de 20 graus, embora dias de final do inverno, que é quando a amêndoa e brilha com o esplendor da flor nas encostas do Douro e do Côa, Vila Nova de Foz Côa celebra suas festas das Amendoeiras em Flor e do Património Mundial - falamos do Alto Douro Vinhateiro e das gravuras rupestres da Côa.
O viajante, que veio de Los Arribes del Duero, especificamente Vilvestre, encontrou sol e calor, muito calor na viagem através do IP2. Passou o Gosto, também o Douro e começou a subir com muita tranquilidade e sem engarrafamentos. No topo das colinas encontra-se Vila Nova de Foz Côa num dos dias mais importantes devido ao seu ciclo festivo anual. A moradia, que abre o caminho para o Alto Douro Vinhateiro, é tomado por pessoas provenientes de todas as partes do país, e na Espanha, muitos espanhóis, que comem na Ruas e jardins, que podem, nos restaurantes das cidades. O viajante comeu peixes do rio com arroz e batatas e um mojo que lambe os dedos, bolo de amêndoa, café e um Porto de paladar requintado. Um menu servido por 'A Marisqueira', do amigo Filipe Fernandez. Embora desta vez fosse Edgar, seu filho. Depressa, cachis.

Vila Nova de Foz Côa celebra a Festa da Amendoeira em Flor e dois Patrimônios Mundiais, já na sua XXXVIII edição. É o fechamento. É a conclusão de três semanas cheio de atividades, feiras, exposições e concertos, actuações ... Em Portugal, como o concerto, não tanto verbena ... Neste último dia esperado, etnográfico ocupado e participativa é célebre alegoria. Mais de cinquenta carros alegóricos / carros desfilaram por toda a cidade.

Muitas videiras e muito vinho. Bom pão e melhor caminho. Muita imaginação e mais diversão. Este desfile é apreciado pelos habitantes locais. Milhares de pessoas tomam o centro de Vila Nova de frente para o sol caindo de justiça, porque, bem, é o mercado, sideshows e lojas abertas produtos regionais. O interessante é que existe para todos. É a aldeia transformada em cidade. Uma circunstância que, como o vice-presidente e organizador João Paulo Sousa Lucas Donas Botto, "até agosto de retornar a casa de campo para sua vida interior", sua cidade do rio de trabalho, as suas vinhas e olivais. A terra.
O viajante viveu uma tarde interessante e divertida. Interessante para todas aquelas pessoas que deixam suas aldeias e suas fazendas, suas vinícolas e seus vinhedos para participar da alegoria da cultura popular. Quase 60 carros, alguns com mais imaginação e elaboração que outros, mostraram a história, as tradições, os usos e costumes, o patrimônio material e também o imaterial. Como também a alegria com a qual os habitantes deste conselho participam. É uma festa, é humor, alegoria e coexistência.
Em uma tarde ensolarada e uma rua principal lotado, vimos muita diversão em um desfile que abriu a Banda Filarmónica de Freixo de Numão o seguinte, como a ordem alfabética de Portugal- -a Almendra. E assim, um desfile longo e barulhento. Foi a história viva desta terra ligada a dois rios.

Os aromas e sabores misturam-se com a deslumbrante paisagem que o concelho de Vila Nova de Foz Côa oferece. As montanhas e vales, nesta época do ano, estão vestidos com um manto branco e rosa, como se anunciassem a primavera. O povo de Foz Coa (outros ativos intangíveis), estão se preparando para receber milhares de turistas, fazendo com que, naturalmente, entrar em contato com os valores etnográficos e culturais desta região, sua história e provar uma tradição da essência da o povo Durian.

Sem dúvida, uma festa que abre o ciclo de primavera, flores e frutos de colheita e mostos de uvas e vinho ... e ancestralidad nessas cidades e aldeias do interior ... com o cantor de brinquedo e articiales incêndios, que são como flores no céu, há apenas a memória e a vida de todos os dias ... e o sempre saudado Douro / Douro. E de volta para a cidade de Lazaro de Tormes, a carrilano faz uma parada em Carviçais para desfrutar de um café em O Artur Buckshot -a transmontana- famosa com o amigo David Mantorras, o elegante FOTÓGRAFO Moncorvo, mas também a sua bondade. Certamente voltaremos a esta vila de ferro para seu concerto da Filarmônica. E eram oito horas quando o carrilano atravessou o Douro por Salto de Saucelle e as trevas começaram a engolir o cânion fluvial. No ambiente estava a melodia de alegria, convivência, participação e boa amizade, como é difícil alcançar esses dias, ai!
https://jornal-da-raia.noticiascyl.com/jornal-da-raia/2019/03/11/foz-coa-una
ttps://jornal-da-raia.noticiascyl.com/jornal-da-raia/2019/03/11/foz-coa-una-alegoria-etnografica-con-los-almendros-en-flor

Espanhóis vão recuperar troço ferroviário do Douro entre Fregeneda e Barca D’Alva  - A noticia, já tem 3 anos – Esperemos que não fique no rol das boas intenções – Em todo o caso, vale a pena aqui recordarmos o que foi acordado em11/02/2016  


O Conselho Provincial de Salamanca anunciou a intenção de recuperar o troço ferroviário entre Fregeneda e Vegateron com ligação a Barca D’Alva. A administração regional espanhola assumiu que o projeto conta, já, com o apoio do diretor regional de turismo de Castilla e León e terá como objectivo principal a exploração turística da linha férrea do Douro Internacional. “Este será um projecto com um enorme impacto para a província espanhola que extrema com os territórios trasnfronteiriços de Vila Nova de Foz-Côa e Figueira de Castelo Rodrigo”, revela Javier Iglesias. De acordo com a proposta orçamental https://alemdourodigital.blogs.sapo.pt/espanhois-vao-recuperar-troco-14912


Governo de Cavaco Silva encerrou linhas de comboio, entre as quais o troço do Pocinho que nos ligava a espanha, agravando a desertificaçao  do Portugal profundo - 

"A desertificação do interior, com a fuga dos mais novos para o litoral e os tradicionais destinos de emigração, o desinvestimento da tutela nas linhas e no material circulante e a ditadura contabilística precipitaram o fim do comboio de via estreita em grande parte das linhas secundárias do Douro, deixando muitas povoações ainda mais isoladas e abrindo caminho ao incremento da rodovia e das empresas de camionagem.
Ao abandono

É verdade que os troços encerrados não eram rentáveis, como não o são os metros de Lisboa ou do Porto, por exemplo. Mas, para muitas populações, o comboio era o único meio de ligação que tinham, e nem mesmo a abertura de novas estradas acabou totalmente com esse isolamento. O mais grave é que o encerramento das linhas deixou os carris a saque e inúmeras estações, algumas de grande beleza, ao abandono. -


Algumas estações passaram para a posse das autarquias, que as adaptaram a outros fins. Mas o grosso desse património continua abandonado e algum já não tem qualquer possibilidade de recuperação. Inúmeros apeadeiros e pequenas estações são hoje autênticos montes de escombros



No início desta década, o então presidente da Refer, Mário Frasquilho, ainda chegou a afirmar que a empresa estava a "pensar nas diversas alternativas possíveis para utilizar ao máximo o património, nomeadamente através do turismo". E até encomendou um estudo à Spidouro - Sociedade de Promoção do Investimento no Douro, extensivo ao troço desactivado da Linha do Douro e às linhas do Sabor, Corgo, Tua e Tâmega, com o sugestivo nome de "Relançamento dos Patrimónios Ferroviários". 

(...) O estudo foi feito, o comboio a vapor para turistas foi recuperado, mas nada mais avançou. Mesmo a Linha do Douro continua a ser servida pelos mesmos comboios de há 30 anos, apesar do aumento do turismo na região.~

Hoje, face à nova realidade rodoviária, não há ninguém de bom senso que reclame a reabertura dos troços de via estreita já encerrados. Mas já há unanimidade quanto à Linha do Douro. "Devia ser a via rápida do Douro. É a coluna vertebral da região. Está mesmo no coração do Douro e liga ao centro do Porto. Está a ver o que era ir do Pocinho ao Porto em duas, duas horas e meia?", diz Aires Ferreira, o presidente da Câmara de Torre de Moncorvo. 




Actualmente, os 172 quilómetros que separam o Pocinho de São Bento, no Porto, demoram três horas a percorrer de comboio. A viagem de carro demora menos 30 minutos. Mas o autarca - defensor igualmente da reactivação do troço entre o Pocinho e Barca de Alva - acha que não seria difícil reduzir o tempo do comboio, de modo a torná-lo competitivo. PÚBLICO . 
 https://www.publico.pt/2008/09/15/jornal/as-estradas-mataram-o-comboio-no-douro-276025


MEDIA LIBERAL FAZ NOVO CERCO AO FACEBOOK - “Nova Zelândia. Governo quer discutir com Facebook transmissão de vídeos em direto” –Fazem de um caso uma montanha - Bate certo quando as televisões liberais, transmitiram em direto a invasão do Iraque, “O choque de pavor” que o próprio Ronald Trump diz que foi o pior erro da História dos Estados Unidos


Jorge T Marques - Jornalista 

Dois criminosos unidos 
Qualquer ato terrorista seja de que forma for, é condenável   - Seja a provoca-lo, seja a combate-lo.  Quem é que já se esqueceu  das chuvas de bombas a caírem sobre a capital do Iraque,  que  as televisões, transmitiam em direto para todo o mundo?  - Quando George W. Bush surgiu nos ecrãs de televisão de canais em todo o mundo, já caíam bombas no Iraque. As primeiras, junto à fronteira com a Síria, logo depois, em Bagdad, numa chuva de bombas que horas depois saberíamos ter sido apelidada “choque e pavor”. (…) Hoje morre-se muito menos, mas nunca mais houve um dia sem mortes violentas. Entretanto, há mais gerações de iraquianos que só conhecem a guerra https://www.publico.pt/2018/03/20/mundo/noticia/15-anos-depois-do-choque-e-pavor-sobra-violencia-corrupcao-e-sectarismo-1807271


New Zealand Prime Minister Jacinda Ardern - I - Want to restrict freedom of expressing Facebook to millions because of a single terrorist - Ask Balair how were the live TV attacks in Iraq and Libya?  -NZ Prime Minister: 'Will Discuss Live Streaming With Facebook'



Prime Minister Jacinda Ardern plans to raise the issue of Facebook's live-streaming facility directly with the tech giant's leadership in the wake of the live-streamed killings of at least 50 Muslim worshippers in Christchurch.  https://www.newsroom.co.nz/2019/03/17/493289/ardern-targets-facebooks-live-streaming-tool

Diga-se o que se disser do atual Presidente mas a verdade é que ele tem feito o que, até agora, nenhum presidente americano fez: evitar uma guerra nuclear  na Coreia.  Trump dá ″a sua bênção″ às duas Coreias para alcançarem a paz  .

“Trump diz que “invadir Iraque e Afeganistão foi o pior erro da História dos EUA” – E para o anterior Presidente dos Estados Unidos, o crescimento do autodenominado Estado Islâmico foi motivado pela invasão do Iraque, em 2003: Não  é novidade que o autodenominado Estado Islâmico (Daesh) tem tido um crescimento significativo. A internet tornou-se uma ferramenta poderosa para o grupo extremista recrutar novos combatentes e tornar-se mais popular. Mas este crescimento tem outro motivo, pelo menos para Barack Obama: o combate à Al-Qaeda e a invasão do Iraque feita pelos norte-americanos, em 2003, decisão tomada pelo antigo Presidente George W. Bushdenada por George W. Bush.” https://expresso.pt/internacional/obama-culpa-george-w-bush-pelo-rapido-crescimento-do-estado-islamico=f915568

São milhões de utilizadores a usarem o Facebook, contrariamente à liberdade de expressão concedida pelo controlo absoluto da media liberal, que fabrica as noticias, conforme quer e lhe apetece. Não há dia algum, que os inimigos da liberdade de expressão, não se atirem, como caninos, ao Facebook.,

“A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, afirmou hoje que pretende discutir com a rede social Facebook a transmissão de vídeos em direto. É uma decisão que vem colocar as redes sociais no centro da discussão à volta do atentado de sexta-feira em duas mesquitas do país. Morreram 50 pessoas e o alegado autor transmitiu tudo ao vivo, durante 17 minutos, aparentemente através de uma câmara montada no seu capacete” – E quantos minutos as televisões não têm transmitido os bombardeamentos sobre populações indefesas: matando terroristas mas também os inocentes. . https://expresso.pt/internacional/2019-03-17-Nova-Zelandia.-Governo-quer-discutir-com-Facebook-transmissao-de-videos-em-direto

 Os maiores ataques às redes sociais, vêm justamente da media liberal, que  detesta a liberdade de expressão à escala global e quer manter o privilégio da manipulação e do  controlo absoluto das consciências – Não há dia algum em que não inventem ameaças às redes sociais e exijam o seu silenciamento – Refinada hipocrisia da imprensa do grande capital,  sendo ela a maior  manipuladora e fabriqueira  das noticias falsas e dos mais ferozes ataques ao pluralismo e à democracia. 


Associações de médicos galegos avisam que contratos de trabalho de 61.500 euros anuais implicam fazer muitas substituições e ter horários alargados. Junta da Galiza nao comenta.
 A recente oferta de trabalho para profissionais destas duas especialidades com a promessa de um salário anual de 61.500 euros brutos, no mínimo, como anunciado há dias pelo Servizo Galego de Saúde (Sergas) na imprensa nacional, fez soar as campainhas de alarme em Portugal, que continua a debater-se com a escassez de médicos de família.

Mas da Galiza chegam, entretanto, avisos de que esta oferta pode revelar-se menos atractiva do que parece à partida. Maria José Fernandez Dominguez, médica galega que trabalhou durante cinco anos em Portugal e que integra o conselho regional da associação galega de medicina de família e comunidade, explica que o que é oferecido aos portugueses é um novo contrato de trabalho delineado pelo “Serviço Galego de Saúde da Junta da Galiza” que foi “rejeitado pelas principais sociedades científicas de medicina geral e familiar” espanholas e pela ordem dos médicos local.
Este novo modelo de contrato surgiu para “dar resposta às reivindicações” das estruturas representativas dos médicos galegos que reclamam estabilidade para os profissionais precários que têm assegurado substituições de “dias ou de semanas” nos centros de saúde galegos, relata. Um problema que, em Dezembro, levou à demissão em bloco de “quase todos os directores dos centros de saúde de Vigo”, num contexto em que os médicos se queixam da “sobrecarga de utentes (40-50 ao dia)” e do “desrespeito progressivo” pelo seu trabalho, sintetiza. https://www.publico.pt/2019/03/11/sociedade/noticia/anuncio-61-500-euros-medicos-galiza-trabalho-escravo-1864180


  
 A LATA DOS GRANDES CONTROLADORES E MANIPULADORES “Fake News': Balsemão fala em ameaça global e defende código de conduta de jornalistas nas rede


O fundador do Expresso, Francisco Pinto Balsemão, considerou à Lusa que as 'fake news' são uma ameaça global e não apenas para os 'media' e defendeu um código de conduta para os jornalistas nas redes sociais.
Questionado sobre se as 'fake news' [notícias falsas] ameaçam os media, o presidente do Conselho de Administração da Impresa, afirmou: "Eu acho que não é apenas para o negócio da informação, a ameaça é muito mais global, a ameaça é para a sociedade onde vivemos e essa ameaça hoje em dia está organizada".  https://www.ojogo.pt/extra/lusa/interior/fake-news-balsemao-fala-em-ameaca-global-e-defende-codigo-de-conduta-de-jornalistas-nas-redes--10480920.html

AGORA, VEJA-SE QUEM FABRICA AS NOTICIAS FALSAS – PELA LINGUA DO MESMO JOGADOR


Grande parte das notícias "são rumores perigosíssimos"
Francisco Pinto Balsemão afirmou, quinta-feira, num jantar do Clube Português de Imprensa (CPI) que, actualmente, grande parte das notícias "são rumores perigosíssimos" "provenientes de pessoas que se acovardam".
presidente do grupo Impresa, que foi homenageado pelo CPI no ano em que comemora 30 anos de existência, acrescentou que as fontes jornalísticas cada vez mais "não gostam de dar a cara" e "inventam factos". Balsemão, que falava sobre o tema da comunicação social e o futuro de Portugal, sublinhou que os media estão "reféns do jornalisticamente correcto" e há que ser inovador nesse aspecto, sem nunca perder de vista as regras deontológicas. Antes do evento, Dinis de Abreu, presidente do Clube Português de Imprensa (CPI), uma entidade que ao longo da história atribui prémios de excelência na área do jornalismo, explicou que este encontro/jantar visou relançar o papel do Clube no debate de ideias no meio jornalístico.