expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

LISBOA - EM DIÁLOGO COM OS SEM-ABRIGO E SEM RACISMO - EM NOITE FRIA E CHUVOSA DE INVERNO, - A LIBERALIZAÇÃO DO ARRENDAMENTO URBANO AGRAVOU OS PROBLEMAS SOCIAIS - E a hipocrisia de certa caridade é um bom negócios para alguns espertos encherem os bolsos -


Jorge Trabulo Marques - Jornalista - Informação e análise  O racismo tem mais a ver com a condição social  de que com a cor da pele - Os ricos discriminam os pobres, sejam negros, brancos ou amarelos: Muitos dos principais dirigentes africanos, também não têm o menor respeito para com os cidadãos do seu pais . Eusébio era negro mas todo o mundo o admirava e até o idolatrava - É,  por via do culto do egoísmo, que cada vez o fosso entre ricos e pobres é cada vez maioFosso entre ricos e pobres está a aumentar, mas é menor na Europa ... -



VEJA O VIDEO MAIS À FRENTE 

 Em Lisboa e Porto, assim como no litoral algarvio, dificilmente se aluga um quatro por menos de 3OO euros mensais . Os grandes centros urbanos de Portugal, são aliciantes  para os turistas endinheirados, o maná dos possuidores dos  vistos Golden, para os milionários chineses, marajás  indianos, que são os  grandes senhores  dos principais negócios e ramos de atividade e  cada vez mais difícil para os portugueses e africanos que aqui residam ou  queiram arranjar algum emprego e alugar um quarto ou arrendar uma casa

EM ANGOLA SUCEDE A MESMA COISA CAPITAL ANGOLANA – ONDE A PRESENÇA ESTRANGEIRA É A GRANDE PRIVILEGIADA – O grosso da população é afastado para bairros periféricos  miseráveis. "Cidade feita por chineses em Luanda tem tudo, menos pessoas Há relvados, prédios, apartamentos, escolas, lojas e estradas. A única coisa que não há? Pessoas. Era suposto o complexo residencial Nova Cidade de Kilamba - a cerca de 30 quilómetros de Luanda - estar por esta altura cheio de habitantes. Mas até agora não passa de uma cidade-fantasma. https://www.publico.pt/2012/07/05/mundo/noticia/a-nova-cidade-de-kilamba-e-para-ja-uma-cidadefantasma-1553512

AVENIDA ALMIRANTE REIS – A MAIOR AVENIDA DE LISBOA – ESTÁ ENGALANADA COM BALÕES VERMELHOS CHINESES PARA COMEMORAR O ANO DO PORCO Qual o país ocidental que se dá  ao luxo de fazer o mesmo em Pequim? - "Com um calendário distinto do mundo ocidental, a China inicia nesta sexta-feira (1º) as celebrações de início do ano novo chinês que leva em consideração as fases da lua e a posição do sol.Ano do Porco: China inicia celebração de ano novo nesta sexta-feira 

O TÍTULO DESTA NOTÍCIA DEVIA SER LIDA AO CONTRÁRIO Mais de um terço dos imigrantes sente-se discriminado em Cabo Verde, onde a população estrangeira mais do que triplicou numa década, segundo dados apresentados hoje num seminário sobre integração social de imigrantes a nível local"

"Segundo o estudo, 35% dos imigrantes sentem-se discriminados, sendo que este sentimento é mais comum entre os provenientes da África Ocidental, por causa da compleição física, e entre os asiáticos, relacionado com a questão da língua


QUEM IMIGRA PARA Cabo Verde, dificilmente vai para trabalhos duros e vergar a mola  - Cabo verde é o pais dos PALOP com  mais população fora do que dentro - Aquele  com mais altas taxas de emigração — as estimativas apontam para um milhão na diáspora. 

O FENÓMENO PERVERSO DO LIBERALISMO  SELVAGEM 

A liberalização do arrendamento urbano, promovida por Assunção Cristas, veio agravar os problemas de habitação:  se um sem-abrigo, mesmo com uma reforma de 300 euros mais 50 de ajuda social, nem assim consegue ter meios para alugar um quarto agora imagine-se quais as dificuldades por que passa quem se confine a um modesto ordenado mínimo. «Lei dos despejos» de Cristas continua a agravar rendas 

OS LOBOS NÃO SE CONFORMAM COM AS NOVAS REGRAS DO REGIME DE ARRENDAMENTO URBANO  Guia das novas regras das rendas aprovadas no Parlament  -

Proprietários solicitam à Provedora de Justiça fiscalização da Constitucionalidade da Lei que suspende denúncia e oposição de contratos de arrendamento a inquilinos com mais de 65 anos https://www.alp.pt/comunicados/teste-comunicado/

DEVEM QUERER QUE ESTAS IMAGENS DE ÁFRICA SE VEJAM POR CÁ


Os esquecidos da Kinanga ou as promessas de realojamento por cumprir do Governo angolano  - Várias centenas de famílias vivem em condições muito precárias no bairro da Kinanga, um dos bairros mais pobres da capital angolana, enquanto aguardam o prometido realojamento no Zango.


"É muito preocupante porque há situações de violações sexuais e algumas senhoras estão a envolver-se sexualmente com os militares e também os militares estão a extorquir os pacatos cidadãos no sentido de proteger as suas habitações. Só que depois, passando alguns dias, essas casas são demolidas".
 https://www.dw.com/pt-002/os-esquecidos-da-kinanga-ou-as-promessas-de-realojamento-por-cumprir-do-governo-angolano/a-19545644


A RECUPERAÇÃO  DO BAIRRO DA "JAMAICA"   - ERAM BOAS NOTICIAS PELO NATAL   - Bairro da Jamaica: “Agora as amigas da minha filha podem vir a nossa casa. Antes tinham medo”



19 dez, 2018 - 13:27 • João Carlos Malta , Joana Bourgard (fotografia)


O maior bairro ilegal do país, localizado no Seixal, começa a desaparecer. Desde segunda-feira decorre o processo de realojamento de 64 famílias. Para quase 200 pessoas não vai ser só a morada a alterar-se. Será toda uma nova forma de viver que vão ter de aprender. Retrato de uma mudança que todos querem que não volte a criar um gueto.


(...)No total, são 64 famílias que vão ser realojadas em casas camarárias dispersas por todo o concelho. O "bairro maldito", há décadas associado a criminalidade, toxicodependência e pobreza, nasceu ilegal na década de 1990, e assim permaneceu. https://rr.sapo.pt/el/134678/bairro-da-jamaica-agora-as-amigas-da-minha-filha-podem-vir-a-nossa-casa-antes-tinham-medoA POBREZA NÃO TEM COR E O RACISMO É A FACE DA MESMA DESCRIMINAÇÃO SOCIAL  - Que o digam: a Karina, mãe grávida de 33 anos, de origem cabo-verdiana, nascida em Lisboa, o Victor de 73 anos e o Manuel, na casa dos sessenta – Na quarta-feira, à noite, fomos ouvir os seus desabafos.















Muitos de nós, que vivemos na rua, durante muitos anos, poucas pessoas, se importam connosco! Até nos viram a cara!  - De vez em quando há uma associação que traz duas sandes de fome e um iogurte: uma delas untada com manteiga e a outra com um fatia de fiambre, em que se vê o sol

Ajudamo-nos mutuamente uns aos outros: eu, há 15 anos atrás, ajudaram-me; hoje em dia tenho o meu apartamento Estou aqui a dar-lhe o meu apoio: continuam a ser os meus amigos e a minha família

A karina,de origem cabo-verdiana mas nascida em Portugal, tem 33 anos, é mãe de três filhos, que estão a cargo da avó, um dia foi espancada e quase a iam matando. 

O Victor foi toxicodependente, durante 15 anos, foi um sem-abrigo; chegou a estar preso, depois a reinserção social arranjou-lhe uma casa, em virtude de problemas de saúde - Precisa de continuar a tomar comprimidos está recuperado, desde há 22 anos. Tenho o meu espaço onde posso dormir e estar descansado e onde posso dar algum conforto àqueles que dormem na rua: estou a dar forças! Estou aqui a dar uma palavra de alento

O Manuel, 73 anos, há 11 anos que dorme na rua. Está reformado mas o dinheiro que recebe da reforma não lhe dá para pagar um quarto - Diz que há centenas de casas fechadas, de rendas económicas, mas que não são dadas aos sem-abrigo, porque hã muita gente a encher os bolsos à custa dos sem-abrigo.

Os albergues não tem condições: estão cheios de percevejos, de pulgas e de piolhos! Não têm condições nenhumas para o ser humano.

“Eu tenho entrada, seja em que albergue for, mas prefiro estar aqui de que num albergue! Porque, à minha pala, os que estão lã no albergue, ainda ganham dinheiro e não ganham tão pouco como isso





A HIPOCRISIA DISFARÇADA DO APOIO À CARIDADE POR INSTITUIÇÕES PRIVADAS 

Muitas das organizações privadas, a pretexto de prestarem apoios sociais, no fundo é mais um ardil Para sacarem grossos fundos comunitários ou dos próprios países. Tal como sucede com as ofertas de arroz asiático nos países africanos: oferecem uma fatia de pão para irem buscar um salpicão.

Pedem roupa usada para ajudar países de terceiro mundo. Mas dinheiro da venda não chega a África. Voluntários dizem que aprendem a pedir nas ruas


Estão no meio da rua, à saída do supermercado, frente a uma igreja ou ao lado de um ecoponto. São caixas enormes onde qualquer pessoa pode deixar roupa usada, que já não faz falta e ocupa as gavetas lá de casahttps://tvi24.iol.pt/sociedade/roupa-usada/roupa-suja-o-negocio-da-caridade

Imagem de televisão - 2012
Mas quem é que é capaz de pôr rédea na ganancia dos senhorios? - Com leis que estão literalmente ao seu lado  nos prazos e nas exorbitâncias de aumentos?-   "Tenho de aceitar um aumento de 300% da renda"?...03/12/2012 - 

DORMIR DEBAIXO PONTE NÃO É ASSIM TÃO MAU QUANTO ISSO....


A reforma do arrendamento e a liberalização gradual das rendas antigas dinamizou o mercado de arrendamento? - Bem pelo contrário?









Veio foi unicamente dinamizar o bolso dos insaciáveis proprietárias.


Sem dúvida, o maior ataque às famílias portuguesas por um governo de estrangeiristas - A maior parte dos seus membros nascidos   nas antigas colónias e com mentalidade colonial -  






De recordar que a  vice-presidente da bancada do CDS-PP Cecília Meireles concordou  com o corte de 600 milhões nas pensões que o Governo anunciou, argumentando que há um problema de sustentabilidade   - "Em relação às pensões, há uma questão de sustentabilidade que tem que ser resolvida e aquilo que está previsto no documento corresponde exactamente àquilo que o primeiro-ministro tinha falado já há um ano e que esperemos que seja possível chegar a um compromisso com o principal partido da oposição", declarou Cecília Meireles aos jornalistas, no parlamento.


A CRONOLOGIA DIABÓLICA DE UM GOVERNO DE MÁ MEMÓRIA QUE AGORA OS SEUS DEFENSORES PRETENDEM DISFARÇAR-prazo

COM LISBOA DESERTA E HABITADA PELOS RICOS - FOI ASSIM QUE A CRISTAS LOGROU BONS RESULTADOS EM LISBOA - Pressão do turismo gera "praga de despejos". Quem insiste em ficar, sofre várias formas de pressão dos senhorios. Resultado: pânico, depressão e baixas médicas. A Câmara de Lisboa pede revisão da lei das rendas.


Veja também:O direito à habitação não mora em Lisboa?

Carolina (nome fictício), 58 anos, vive na Mouraria desde que nasceu. Nos últimos meses, depois de o senhorio lhe dizer que tem que deixar a casa onde vive há mais de 20 anos, teve ataques de pânico, entrou em depressão, teve que pedir baixa na empresa onde trabalha.

António Melo, 71 anos, cresceu em Alfama. Em 2017, recebeu uma carta da empresa que comprou o prédio onde vive há 10 anos: o seu contrato de arrendamento não seria renovado. Tinha que sair até 31 de Maio de 2017. Ainda antes, começaram as obras profundas no prédio.http://rr.sapo.pt/artigo/103645/rendas-em-lisboa-antes-do-despejo-vem-o-bullying-imobiliario~

 TODO  O SOBERANO PODER NAS MÃOS DOS SENHORIOS

..A iniciativa parte do senhorio e o inquilino pode, ou não, apresentar uma contraproposta, servindo a média dos dois valores para fixar a nova renda ou a indemnização caso não haja acordo





SENHORIOS FICARAM COM A FACA E COM O QUEIJO NAS MÃOS - NOTICIAS PÓS A LIBERALIZAÇÃO DO ARRENDAMENTO URBANO

 "255 mil contratos de arrendamento anteriores a 1990 serão revistos. O aumento das rendas irá, assim, afetar cerca de um milhão de famílias. O «Diário Económico» faz notar que as rendas antigas deverão subir, na prática, a partir de março de 2013, se o senhorio enviar uma carta ao inquilino nesse sentido já em novembro e caso o segundo apresente uma contra-proposta dentro do prazo legal aceite pelo proprietário"TVI.

Nenhum comentário: