expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 20 de abril de 2019

Joan Miró – 20-04-1893- Nasceu há 126 anos “o mestre da simplicidade e da alegria”- A única filha Maria Dolors Miró Juncosa, filmou em Portugal Colecionador – Em 2006 o BPN tinha cerca de 200 obras do pintor catalão Joan Miró – Desse lote, restam 85, adquiridas pelo Governo Português. Desconhece-se o destino das restantes



Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador -
Joan Miró i Ferrà (Barcelona, 20 de abril de 1893 — Palma de Maiorca, 25 de dezembro de 1983), escultor, pintor, gravurista e ceramista surrealista 


Joan Miró, morreu há 36 anos mas a sua figura continua como  uma lenda viva, ícone,   no mundo das artes plásticas, podendo dizer-se, que, "quanto mais o tempo passa, mais a sua arte se torna universal, transcendendo fronteiras e géneros. As suas obras vivem para além dos museus, nos muros de prestigiadas instituições, e a sua influência estende-se ao design, à arquitetura, e é visível nos locais mais inesperados.

FILHA DE JOAN MIRÓ RODOU FILMES EM PORTUGAL

María Dolors Miró Juncosa (1930-2004) -


Não se sabe se, o famoso artista Joan Mirõ,  terá estado em Portugal, mas, pelos menos, sabe-se que a filha, única e patrona, Maria Dolores Miró Juncosa,  veio aqui a realizar alguns filmes, nos anos 80 - O pintor João Neves, que participou  num desses filmes, como  figurante, recorda que ela gostava de sentar-se junto da câmara, exibindo grandes  charutos havaianos, fazendo gala que  lhe eram enviados expressamente por Fidel Castro  - No entanto, um dado é certo, em sua vida, referem os especialistas, que,  Miró, durante a vida, Miró foi um artista muito prolífero: - realizou mais de duas mil pinturas sobre tela, 200 esculturas, além de desenhos em papel e em outros materiais. Miró morreu em 1983, aos 90 anos, em Palma de Maiorca, na Espanha, ainda em atividade.  E é sabido que, só uma instituição bancária, o extinto BPN, adquiriu cerca de duas  centena de obras de Miró - Obviamente, que não terá sido o único caso, atendendo à fama do artista

 NO RESCALDO DO VENDAVAL  DO BPN - ALGUMAS OBRAS DE JOAN MIRÓ PROVAVELMENTE TERÃO LEVADO OS MAIS DIVERSOS CAMINHOS OU ACABADO POR SER VENDIDAS AO DESBARATO Pelos vistos, na “ história de um banco que acabou vendido por 40 milhões de euros a sócios do  BIC, entre os quais, Isabel dos santos, agora a contas com a justiça. E que, até 2018, já havia custado ao Estado, aos bolsos dos contribuintes portugueses,  5.000 milhões de euros,  parece que nem mesmo sequer o património artístico do extinto Banco Português de Negócios, foi devidamente valorizado e acautelado -

 
A POLÉMICA, AS CONTRADIÇÕES DA QUANTIDADE EM TORNO DE BURLAS E BURLÕES  Que oscilam de duzentas obras para menos de meia centena - 
Pelo que é possível depreender-se, na turbulência  do oportunismo e da ignorância, nem todas as obras terão ficado nos cofres do polémico BPN  - Mesmo nas noticias, há disparidade de informações 


É noticiado que, em 2006 o BPN tinha cerca de 200 obras do pintor catalão Joan Miró, parte delas adquiridas por 34 milhões de euros a Cazu Masa Katsuta, um investidor japonês que as havia adquirido, em 1990, em Nova Iorque, à galeria Pierre Matisse (do filho do pintor francês),

As obras de Miró que o Governo colocou à venda pertenciam a três off-shores da Sociedade Lusa de Negócios (SLN), que dominava o BPN, e que foram adquiridas com crédito do banco a dois investidores espanhóis, De La Cierva, e que terão "ganho milhões em comissões". https://www.publico.pt/2014/02/06/culturaipsilon/noticia/bpn-tinha-200-obras-de-miro-em-2006-1622561



Depois veio dizer-se que foram compradas 40 -  Que "o Ministério Público acusa ex-gestor do BPN de burla em negócio milionário

Em 2003, o BPN comprou 41 quadros do pintor e escultor espanhol  por 17 milhões de euros, só que os proprietários, de origem japonesa, apenas receberam 5,1 milhões de euros. Os restantes 11,9 milhões terão sido pagos como comissões a vários intermediários. https://observador.pt/2019/07/04/obras-de-miro-ministerio-publico-acusa-ex-gestor-do-bpn-de-burla-em-negocio-milionario/

Por último é noticiado que, afinal, são 85  que o BPN teria comprado e vendidas ao Estado, por António Costa https://observador.pt/2018/10/24/obras-de-miro-ficarao-expostas-na-fundacao-serralves-no-porto-durante-25-anos/  ,   que as cedeu  por um período de 25 anos à câmara do Porto, que acordou a sua permanência em Serralves durante o mesmo período.
Todavia, pergunta-se: Então que destino ou de que forma foi vendida a restante coleção? Tal como também foi noticiado, para encheram os bolsos de alguns oportunistas e especuladores  – Mas, também, ao ponto de algumas dessas obras  -   ou por ignorância,  irresponsabilidade ou por qualquer outro motivo- , acabarem por ser vendidas  no conjunto de recheios familiares  a preços irrisórios

Miró e uma das suas obras - Com o enigmático M 


M ENIGMÁTICO DE JOAN MIRÓ  EM ALGUMAS COMPOSIÇÕES ESTÉTICAS DAS SUAS OBRAS - É mero efeito estético,  ato instintivo ou ato simbólico ou intuito propositado da simbologia do seu nome? - Até porque, muitas das  suas criações não foram assinadas  

Duas supostas obras estiveram à venda por 1530$00

COLECIONADOR ADMITE TER, ENTRE OS SEUS QUADROS, DUAS SUPOSTAS OBRAS, DE JOAN MIRÓ - Não assinadas, tal como muitos dos seus quadros  - Adquiridos  num antiquário lisboeta- Que chegaram a estar à venda por 1530$00, tal como é mencionado no topo da moldura e que acabaram por ser entregues por uma importância ainda bem menor -  Estamos a recolher opiniões junto de artistas , estudiosos  e da Fundação.

Suposta Obra  de Miró, com o enigmático  M ao alto
Obra de Joan Miró - Autenticada
A suposta obra do lado esquerdo, bem como a  outra que aqui também se revela, foram compradas num antiquário de Lisboa -  Mero acaso de traços estéticos?   APARENTEMENTE INSPIRADOS NA ARQUITETURA DO SACRÁRIO E DO PÓRTICO DA  CATEDRAL DE PALMA DE MAIORCA No interior da qual o artista passava longas horas de meditação, tal como é descrito, de seguida, numa das passagens do estudo,  que tomo a liberdade de citar mais à frente

Semelhanças estilizadas ao altar-mor da Catedral de Maiorca 
Os dois quadros, a óleo, sobre tela, poderão ter sido pintados nos últimos anos da vida de Joan Miró: não estão assinados, num deles a grade está identificada  com a marca da empresa fabricante, que já lhe confirmou ser da sua empresa. - Em ambas existe um enigmático M que, aliás, também se encontra em obras identificadas.

Além de evidenciarem elementos estilísticos, parecidos com outras obras, em  ambos os quadros e ao centro de cada composição pictórica, surgem como estilizadas as torres da catedral de Palma de Maiorca - E, numa delas, como que traços do altar-mor e um M ao alto 

ATENTE-SE TAMBÉM NAS SEMELHANÇAS ESTÉTICAS DO M NOS   DOIS QUADROS SEGUINTES Um do lado esquerdo e outro do lado direito

Suposta obra de Miró com M do lado esquerdo

Obra de Miró com o enigmático M
De facto,  um pintor, com a sua nobreza de carácter e possuidor de tão  alto pendor artístico,  com tão estreito e profundo recolhimento religioso e poético, no interior de uma das mais belas basílicas de Espanha, dificilmente deixaria de dedicar, de entre a sua vasta e riquíssima produção pictórica, algumas das suas obras inspiradas na simbologia religiosa de tão magnifico e grandioso monumento

Obra de Miró - sugere uma torre
Pórtico da Catedral de Palma de Maiorca
“Como eu morava nas entradas de Palma, costumava passar horas olhando o mar. Em meu isolamento, a poesia e a música eram então, ambas para mim , da mais alta importância. Depois do almoço, todos os dias , eu ia à catedral para ouvir o ensaio do órgão. Ficava sentado no interior gótico, sonhando e evocando formas.

A luz propagava-se na escuridão pelos vitrais em uma chama laranja. A catedral estava sempre vazia nessas horas. A música do órgão e a luz espalhada pelos vitrais na penumbra sugeriam-me formas. Eu não vi praticamente ninguém durante aqueles meses . Mas eu me enriqueci consideravelmente  durante este período da solidão. Eu lia a todo o momento, João da Cruz, Teresa de Ávila, e da poesia  Mallarme, Rimbaud.  Era uma existência ascética, unicamente de trabalho" 

Joan Miró

"No final deste período de profunda concentração e isolamento consolida-se a mudança do processo de pesquisa e de elaboração artística de Miró, sintetizados pelo próprio artista nas seguintes etapas: (…) em primeiro lugar, a organização das formas, a sugestão habitualmente  partir do material; sem segundo  lugar, o enriquecimento da composição. Segundo Georges  Ribemont-Dessaignes, a música permitiu que Miró tomasse “consciência de uma liberdade mais completa do que aquela que podia oferecer o surrealismo.” -  Murilo José farias dalla costa  - universidade federal de santa Catarina  - Excerto de UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LITERATURA. Murilo José Farias Dalla Costa http://docplayer.com.br/1616850-Universidade-federal-de-santa-catarina-centro-de-comunicacao-e-expressao-programa-de-pos-graduacao-em-literatura-murilo-jose-farias-dalla-costa.html

Grade e tela do quadro  de suposto quadro de Miró
GRADE E TELA – É DE FABRICO ESPANHOL- “Nós não somos peritos em Joan Miró. A única coisa que podemos dizer é que a tela com o carimbo da Lienzos Levante é em efeito fabricada pela Lienzos 
Levante. Mas a Lienzos Levante não comercializou direitamente aos pintores. Esta referência de tela pode ter sido enviada a Maiorca nos anos 80 donde a Lienzos Levante tinha vários distribuidores. O Miró viveu na Maiorca no fim da sua vida (1983). E poderia ter comprado là. Mas não podemos saber mais.

POLÉMICA À VOLTA  DAS OBRAS DE MIRÓ - ESPÓLIO DO EXTINTO BPN 

Para aqueles que procuram um esquema de lavagem de dinheiro bom, você pode querer considerar se tornar um colecionador de arte. Certo, a arte parece agradável, mas é também um grande lugar para ricos estacionarem dinheiro. O mercado é relativamente estável e é muito fácil evitar o pagamento de impostos sobre a arte.
OBRAS DE JOAN MIRÓ – A POLÉMICA E A CONTRADIÇÕES DA QUANTIDADE EM TORNO DE BURLAS E BURLÕES –  Que oscilam de duzentas obras para meia centena



Em 2006 o BPN tinha cerca de 200 obras do pintor catalão Joan Miró, parte delas adquiridas por 34 milhões de euros a Cazu Masa Katsuta, um investidor japonês que as havia adquirido, em 1990, em Nova Iorque, à galeria Pierre Matisse (do filho do pintor francês), contou recentemente o actual presidente da Parvalorem, Francisco Nogueira Leite https://www.publico.pt/2014/02/06/culturaipsilon/noticia/bpn-tinha-200-obras-de-miro-em-2006-1622561




95 obras de arte do BPN "escondidas" à espera do Governo

03 de agosto de 2018 às 09:30 O acervo cultural proveniente do banco nacionalizado em 2008, do qual faziam parte os polémicos quadros de Miró, vale cerca de 5,4 milhões de euros. Só três quadros podem ser apreciados pelos contribuintes.



Num conjunto de 195 obras de arte com "um valor líquido de balanço de 3,5 milhões de euros" – e a que a Parvalorem atribui um preço de mercado de "aproximadamente 5,4 milhões de euros" – estão ainda na esfera do Estado. O destino deste espólio com trabalhos de 88 artistas portugueses, como Amadeo de Souza-Cardoso, Maria Helena Vieira da Silva ou Paula Rego, aguarda uma decisão por parte do Governo. https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/banca---financas/detalhe/195-obras-de-arte-do-bpn-escondidas-a-espera-do-governo


Colecção de quadros de Miró do BPN valem mais do dobro do que o BIC pagou pelo banco
 Segundo o jornal “Correio da Manhã”, a colecção de quadros do pintor Joan Miró detida pelo BPN foi avaliada em mais de 81,2 milhões de euros, enquanto o BIC pagará pelo banco 40 milhões. Entretanto, em resposta a perguntas do Bloco, o ministério das Finanças diz que o BPN está a custar 4.500 milhões de euros ao Estado, mas ainda não respondeu a segundo requerimento feito pelo partido.https://www.esquerda.net/artigo/colec%C3%A7%C3%A3o-de-quadros-de-mir%C3%B3-do-bpn-valem-mais-do-dobro-do-que-o-bic-pagou-pelo-banco



O Ministério Público acusou o ex-diretor-geral do departamento de private banking do Banco Português de Negócios (BPN) José Viamonte de Sousa de burla relacionada com obras de arte.

Em 2003, o antigo Banco Português de Negócios (CPN) comprou 41 quadros de Joan Miró por 17 milhões de euros, mas os vendedores das obras receberam apenas 5,1 milhões, com o restante valor a ser distribuído como comissões por várias pessoas.

Segundo a edição desta quinta-feira do jornal Público, este negócio deu agora origem a duas acusações do Ministério Público (MP), com um ex-responsável do banco e um dos intermediários do negócio a serem acusados de burla. https://zap.aeiou.pt/obras-miro-ex-gestor-do-bpn-acusado-266102


Obras de Miró do antigo BPN passam para o Estado ao valor de 54,4 milhões



Obras de Joan Miró foram transferidas para o Estado por 54,4 milhões de euros. Operação não envolveu dinheiro. Foi uma dação em pagamento que baixou dívida da empresa que gere a herança do BPN.



As obras do pintor Joan Miró, que faziam parte do universo do antigo Banco Português de Negócio (BPN), já passaram para a posse do Estado. A transação realizada no final do ano passado foi feita por 54,4 milhões de euros, a valorização decidida pelo Ministério da Cultura para as 75 obras do artista catalão. O preço teve por base uma avaliação proposta pela Direção-Geral de Património Cultural que teve
 Em Fevereiro de 2014: o País é confrontado com uma polémica “cultural”. O Governo de Passos Coelho, sob a batuta do Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, acordada com a leiloeira Christie’s a venda de várias obras de Joan Miró que faziam parte do acervo do antigo BPN.
As obras tinham sido expedidas para Londres, mas uma providência cautelar interposta pelo PS e uma decisão posterior da Procuradoria-Geral da República impedia o leilão. As obras regressam a Portugal e a luta entre quem quer vender, sob uma base de licitação de pouco mais de 35 milhões, e aqueles (artistas, partidos da esquerda e outros) que querem que o acervo permaneça no país intensifica-se. Em junho, a Christie's volta a anunciar novo leilão, mas é novamente obrigada a cancelá-lo.. http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/2016-10-10-Os-Miro-que-a-polemica-salvou
Setembro 2016 - GOVERNO DE ANTÓNIO COSTA ANUNCIA A COMPRA DAS OBRAS
 "Chegou ao fim uma das maiores disputas do mundo das artes internacional., Antônio Costa, anunciou que as 85 obras do artista espanhol Joan Miró que pertenciam ao Banco Português de Negócios e estão sob o poder do estado português desde a nacionalização da instituição, em 2008, permanecerão no país europeu. Mesmo que vendidas, o que somente acontecerá dentro de certas condições, as obras não poderão deixar Portugal. https://glamurama.uol.com.br/depois-de-polemica-85-obras-de-joan-miro-ficam-com-o-governo-portugues/


Joan Miró
Joan Miró i Ferrà, nasceu em Barcelona, em 20 de abril de 1893 — Palma de Maiorca, faleceu em 25 de dezembro de 1983 - Foi um consagrado escultor, pintor, gravurista e ceramista surrealista ..  "Este catalão costuma ser classificado entre os surrealistas, mas sua simplicidade e alegria parecem alheias àquela escola. Na verdade, Miró foi influenciado por várias correntes. Os cubistas, os dadaístas e os abstracionistas podem ser facilmente identificados em seus trabalhos".

 ERNET HEMINGWAY - GRANDE ADMIRADOR DE MIRÓ


"Quando conheci Miró", escreveu Ernest Hemingway em 1934, "ele tinha muito pouco dinheiro e muito pouco para comer, e trabalhava o dia inteiro todos os dias durante nove meses pintando um quadro muito grande e maravilhoso chamado The Farm ..."
...Como ele trabalhava tanto na pintura durante o dia, começou a praticar boxe à noite em uma academia local, como forma de relaxar. Entre seus parceiros de treino estava Hemingway. Miró, segundo a história, impressionou o escritor primeiro com seus socos e depois com sua pintura.
...Eu não trocaria por nenhuma foto do mundo", escreveu ele. "Tem tudo o que você sente sobre a Espanha quando está lá e tudo o que sente quando está fora e não pode ir para lá. Ninguém mais conseguiu pintar essas duas coisas opostas."
A atenção obsessiva de Miró a uma espécie de depósito pessoal de imagens, a alfarrobeira, os animais e insetos da Catalunha, suas pegadas no local em que caiu na terra, começa a encontrar sua expressão completa nesta pintura. "Para mim, um objeto está sempre vivo", observou mais tarde. "Um cigarro, uma caixa de fósforos contém uma vida secreta muito mais intensa que certos seres humanos ... vejo uma árvore, fico chocado como se fosse algo que respira ..."
"Depois que Miró pintou The Farm ", escreveu Hemingway, "e depois que James Joyce escreveu Ulisses, eles tinham o direito de esperar que as pessoas confiassem nas coisas que eles faziam, mesmo quando as pessoas não os entendiam." https://www.theguardian.com/artanddesign/2011/mar/20/joan-miro-life-ladder-escape-tate


DOIS BRASILEIROS E UM PORTUGUÊS,   TIVERAM PAPEL RELEVANTE NO ENVIO DAS EMBLEMÁTICAS "CONSTELAÇÕES" DE JOAN MIRÓ DE ESPANHA PARA OS EUA

Nos anos 40, os brasileiros, Paulo Duarte, este identificado como “delegado do Museu de   Arte Moderna em  Nova Iorque,  bem como o poeta brasileiro João Cabral de Melo Neto. amigo de Miró e o critico de arte portuguesa, Adriano de Gusmão, assumem um papel importantissimo na passagem  das suas famosas "constelações" de Espanha para Portugal e daqui para Filadélfia a fim   de serem  expostas  em Nova Yorque: ou seja,  uma remessa  composta por uma série de 23 pequenas pinturas sobre papel, iniciada por Joan Miró em 1939 em Varengeville-sur-Mer e concluída em 1941 entre Mallorca e Mont-Roig del Camp  e um conjunto de têmperas, cerâmicas e litografias  extraidas dessas mesmas obras.

."The true story of Joan Miró and his Constellations"  - A citação é descrita num estudo, em inglês,  sobre a Verdadeira   história de Joan Miró e suas Constelações – Onde se diz, entre outros pormenores,  que “Em outubro de 1943, a prestigiada revista cultural de Lisboa, Seara Nova publicou uma   entrevista com Paulo Duarte, identificado como “delegado do Museum de   Arte Moderna em  Nova Iorque ”,  feita por  Adriano de Gusmão.


Duarte é quem entra em contato com Prats (galerista) e Miró, sugerindo  a possibilidade de enviar  as "Constelações" para o MOMA, que  afirma representar. E quem se encarrega de assegurar o trasporte dessas obras por lisboa é justamente o português Adriano de Gusmão,  da Associação Portuguesa de Museologia, autor de "Inquérito Museológico em  Espanha "e outro em 1948 intitulado Artistic Spain. Travel Notes) The true story of Joan Miró and his Constellations | Miguel Orozco ,  que indica que ele fez viagens por Espanha em anos anteriores. Miró fala sobre Gusmão em sua carta a Duarte em 15 de maio 1944" .  The true story of Joan Miró and his Constellations 

(...) Apesar da alta qualidade de sua obra, Miró é bastante desigual. Algumas obras revelam grande espontaneidade, enquanto em outras se percebe extremo cuidado, e esse contraste também aparece em suas esculturas. Às vezes, o artista procurava mostrar a realidade de uma forma simplificada, quase infantil, simbólica, sem a complexidade e o mistério do surrealismo; outras vezes tomava caminho inverso.https://www.sul21.com.br/noticias/2013/04/120-anos-do-catalao-joan-miro-o-mestre-da-simplicidade-e-da-alegria/

Joan Miró viveu em Espanha e França, ganhou estatuto de lenda viva, mas rejeitava a opinião da crítica e do mercado da arte. Morreu há 35 anos.

“O pintor surrealista – que rejeitava qualquer corrente – era adorado nos EUA e nem se exilou do outro lado do Atlântico durante a II Guerra Mundial, como tantos artistas e intelectuais europeus. Em 1959, tinha recebido das mãos do presidente Eisenhower o Prémio Internacional Guggenheim, em reconhecimento pelos murais de cerâmica “Noite e Dia” criados no ano anterior para a sede da UNESCO, em Paris. Terá sido pioneiro junto dos americanos na disseminação de formas, técnicas e atitudes surrealistas e é hoje apontado como provável referência de Jackson Pollock ou Mark Rothko. Um génio do século XX, não se hesitaria dizer.https://observador.pt/especiais/miro-o-pintor-da-terra-e-das-estrelas-morreu-ha-35-anos/

Joan Miró (1883-1983) certa vez afirmou que seu trabalho consiste em “representar com imaginação o mundo das aparências”. Para ele, uma escultura poderia estar, perfeitamente, retratada através de uma gravura.  https://www.jornaldocomercio.com/site/noticia.php?codn=51634

 O  ARTISTA QUE SE IMPÔS PELO GÉNIO CRIATIVO, DESCRIÇÃO E DISCIPLINA E NÃO PELA EXTRAVAGÂNCIA -

"Miró não era uma glória nacional como Picasso, não tinha-se comportado de maneira escandalosa ou provocadora (como escandaloso e provocativo, os fascistas descobriram, por exemplo, o populismo e a personalidade gay de García Lorca )" -    - Contudo, é referido naquele estudo  que Miró se recusou a expor as suas obras em Madrid e   que teria sido um militante republicano e uma vítima de Franco que se não fosse forçado a exilar-se em Paris 

É também  sublinhado, nos textos da  Fundació Miró Mallorca, que a vida de Miró era regida pela discrição, ordem e total dedicação à criatividade, longe de qualquer tipo de extravagância. Isso contrasta com o forte aspecto imaginário, lúdico ou relacionado à mensagem de seu trabalho. O enorme legado que ele deixou é testemunha de seus trabalhos criativos. Como disse um dos seus biógrafos, Jacques Dupin, ele era um "poeta aplicado".


Por detrás de um grande homem, esteve também uma extremosa e dedicada esposa:  Também   é dito pela funação de Mirõ,  que , Pilar Juncosa Iglesias, esposa e benfeitora de Joan Miró, nasceu em Palma em 1904. exerceu uma influência discreta mas considerável sobre o artista. Nas próprias palavras de Miró: “Minha esposa Pilar é a companheira ideal para mim. Sem ela, eu seria uma órfã perdida neste mundo. Além do meu trabalho, não faço ideia de nada nem de como organizar as coisas. Ela é meu anjo da guarda. 
Portanto, eles eram um casal estável e unido, e isso ajudou a garantir duas vidas cuidadosamente equilibradas.
 https://miromallorca.com/en/foundation/joan-miro-and-pilar-juncosa/




Em Portugal, desde os tempos áureos do ouro vindo do Brasil, muitos dos nossos museus foram enriquecidos com valiosas obras de arte - e também alvo de saques, nomeadamente nas invasões francesas - A par de excelentes colecionadores privados , e, mesmo quem não fosse colecionador,  cultivava  o gosto por ostentar ou decorar a sua casa, com quadros de bons artistas, fossem portugueses ou estrangeiros  - Isso foi-me declarado por  João Hogan , além de me ter sido confirmado nas muitas entrevistas  que registei  de vários pintores portugueses, nomeadamente a década de 80 - Por exemplo, fui recebido em Casa de Carlos Botelho,  de Dorita Castelo Branco, Mário Cesariny,   sim, quer em sua casa, quer  no atelier  ou nas  exposições, com  entrevistas a varridíssimos pintores e escultores,  bem como pelos mais destacados colecionadores, como   Jorge de Melo e Cupertino de Miranda, entre outros, tendo constatado um especial gosto pelas artes plásticas,  tendência que tem vindo a diluir-se: pelo que, quem não tem fama, já dificilmente a conquista nos dias de hoje.

Quero que a minha obra seja um poema musicado por um pintor” Joan Miró foi amigo e admirador de Varèse, Cage ou Stockhausen, mas a influência crucial da música na sua obra nunca fora sublinhada. Miró & Music, que o neto do pintor apresentou em Serralves, preenche essa lacuna. Durante vinte anos, Joan Punyet Miró, neto do pintor catalão e administrador das fundações Miró em Barcelona, Palma de Maiorca e Mont-Roig, investigou as relações do seu avô com a música, catalogando e estudando a sua colecção de discos, percorrendo a sua correspondência, entrevistando compositores, maestros, coreógrafos e instrumentistas que trabalharam com o pintor. O resultado é o livro Miró & Music, que apresentou em Serralves, em https://www.publico.pt/2017/11/25/culturaipsilon/noticia/quero-que-a-minha-obra-seja-um-poema-musicado-por-um-pintor-1793858

27 DEZ 2004 Maria Dolors Miró Juncosa, patrona e única filha do pintor Joan Miró, morreu, em 26 de Dezembro, 2004, às dez horas da Policlínica de Palma de Mallorca, aos 74 anos por causa de um ataque cardíaco seis dias de ser cirurgicamente operada a  um quadril, segundo seu filho Joan Punyet Miró. "Foi um golpe muito brutal, nunca previmos essa possibilidade, foi muito fraco, não quero mais falar", acrescentou Joan.
~
(…) Dolors Miró foi discreta, pequeno e elegante, uma bela réplica do rosto feminino e do corpo de seu pai, que se reflete tanto as grandes retratos de fotógrafos. Ele nasceu em Barcelona em julho de 1930, nove meses após o casamento de seu pai, que se casou aos 36 anos com o maiorquino Dolors Juncosa, que morreu aos 91 anos em Janeiro de 1995. https://elpais.com/diario/2004/12/27/agenda/1104102007_850215.html




P

Nenhum comentário: