expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Audição CGD –Filipe Pinhal - A teia de um grande manipulador nos offshor: Parlamento ouve um condenado a dois anos de prisão e à inibição no sector financeiro por 4 anos: ” Diz o espertalhaço: “Houve teia urdida” entre Sócrates, Teixeira dos Santos e Constâncio” – Srs Deputados: não conspurquem a vossa imagem com quem já a sujou.

Jorge Trabulo Marques - Jornalista - PARLAMENTO PORTUGUÊS OUVE UM CADASTRADO COM HONRAS DE BANQUEIRO HONRADO E CREDÍVEL - E  A MEDIA LIBERAL DÁ ECO AO SEU TROMBONE. 


Até onde vai a ligeireza  do parlamento português: darem credibilidade a quem foi condenado por ter manipulado milhões e é convidado   apresentar-se como  autoridade financeira a depor, tendo ele ficado inibido pela justiça de actividade no sector financeiro por um período de quatro anos.

Até onde vai a leviandade – Expresso Filipe Pinhal: “Houve teia urdida” entre Sócrates, Teixeira dos Santos e Constâncio  -  Berardo era quem mandava no BCP entre 2008 e 2012, na presidência de Santos Ferreira, segundo disse Filipe Pinhal aos deputados, que rejeitou ter levado o empresário a financiar-se na CGD

O antigo presidente do Banco Comercial Português (BCP), Filipe Pinhal, foi à comissão de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos para desmentir Joe Berardo. E repetiu acusações: contra Sócrates e contra Vítor Constâncio.


Houve uma teia urdida em vários pontos, que teve um diretório claro constituído por José Sócrates, Teixeira dos Santos e Vítor Constâncio, e depois vários operacionais, cada um a fazer o seu papel”. Filipe Pinhal falava na guerra de poder que houve no BCP em 2007, que acabou no ano seguinte com a entrada de Carlos Santos Ferreira, vindo do banco público, para a presidência, e com a angolana Sonangol a assumir o lugar de principal acionista. https://expresso.pt/economia/2019-06-11-Filipe-Pinhal-Houve-teia-urdida-entre-Socrates-Teixeira-dos-Santos-e-Constancio

MAS QUEM FORAM OUVIR NA AR DAS GOLPADAS NA CGD – UM TAL FILIPE PINHAL – MANIPULADOR-MOR NOS OFFSHORES DO BRANQUEAMENTO E FUGA DE MILHÕES DO BCP

PARA OS DESMEMORIADOS  - 02/05/2014 - Jardim, Pinhal e António Rodrigues condenados a dois anos de prisão com pena suspensa O Tribunal condenou Jardim, Pinhal e António Rodrigues a dois anos de prisão com pena suspensa, por manipulação de mercado. Christopher de Beck foi absolvido de todos os crimes.https://www.jornaldenegocios.pt/economia/justica/detalhe/jardim_pinhal_e_antonio_rodrigues_condenados_a_dois_anos_de_prisao_com_pena_suspensa

Mas, afinal, quem foram buscar para depor na audição da segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), um tal corrupto, ex-administrador do PCP, que o Tribunal, em 2014, condenou, com Jorge Jardim Gonçalves  e António Rodrigues a dois anos de prisão com pena suspensa mediante a entrega de compensações a instituições de caridade. No caso de Jardim Gonçalves, este terá de pagar 600 mil euros (menos 9,4 milhões de euros do que o valor pedido pelo Ministério Público) e, no de Filipe Pinhal e António Rodrigues, 300 mil euros cada (menos 2,7 milhões de euros). Os três ex-gestores ficam inibidos de actividade no sector financeiro por um período de quatro anos. Os juízes decretaram ainda que o acórdão terá de ser publicado no jornal económico de maior tiragem no país e no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).”

MESMO ASSIM, O TRIBUNAL FOI BRANDO PARA TÃO DESCARADOS COMILÕES

“Mas o tribunal deixou cair a tese do Ministério Público de que os arguidos montaram um plano, através das 17 offshores, para ocultar prejuízos de cerca de 490 milhões de euros, o que resultou na manipulação do valor das acções (em 2000, negociadas a 5,9 euros, e em 2002 a 1,5 euros). “
“O Ministério Público imputou aos quatro arguidos actos consistentes com dois ilícitos. Por um lado, a compra e venda de acções do BCP por offshores com recurso a financiamento concedido pelo banco, sendo que as sociedades pertenciam ao BCP e não a terceiro 


Pelo conjunto dos ilícitos que investigaram, as procuradoras pediram a condenação dos ex-gestores do BCP a uma pena de cadeia até cinco anos (ficou em dois) e ao pagamento de dez milhões de euros no caso do fundador e de três milhões de euros para os restantes. A juíza presidente esclareceu, logo no início, que a decisão do tribunal foi apoiada pela “maioria do colectivo”, deixando em aberto que um dos três juízes teria votado vencido. No final da leitura do acórdão, Anabela Morais informou que a juíza Helena Susano discordou da absolvição de Christopher de Beck [o tribunal considerou “não se poder provar que tivesse conhecimento da situação real das offshores”], bem como do facto de o tribunal não ter dado os arguidos como culpados do crime de divulgação de dados falsos ao mercado. 
– Ver noticia na íntegra em https://www.publico.pt/2014/05/02/economia/noticia/jardim-goncalves-condenado-a-dois-anos-de-prisao-com-pena-suspensa-1634372

OBVIAMENTE QUE NÃO SE PODE DAR CREDIBILIDADE A UM DOS ARTISTAS DE JOGOS FINANCEIROS SUJOS

O ex-governador do Banco de Portugal diz que o antigo administrador do BCP "é uma pessoa sem qualquer credibilidade". A reação surge após as declarações de Filipe Pinhal na comissão da Caixa.~
Vítor Constâncio admite processar Filipe Pinhal, na sequência das declarações do antigo administrador do BCP na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, esta terça-feira. Filipe Pinhal tinha acusado o ex-governador do Banco de Portugal de o ter “corrido”, a si e ao colega de administração Christopher de Beck, depois de os dois terem recusado conceder mais um crédito do BCP a Joe Berardo.

Segundo Pinhal, a recusa aconteceu em agosto de 2007, em plena guerra do poder no banco, e as denúncias contra a sua gestão entregues pelo comendador junto do Banco de Portugal aconteceram pouco tempo depois, tendo culminado com o afastamento do então presidente do BCP e de alguns membros da sua equipa. https://observador.pt/2019/06/12/vitor-constancio-admite-processar-filipe-pinhal/ O ex-administrador do BCP Filipe Pinhal disse que "de 2008 a 2012 o presidente do BCP" foi o empresário José Berardo, que tinha "poder de fogo extraordinário" no seio do banco.https://www.jn.pt/nacional/interior/filipe-pinhal-de-2008-a-2012-o-presidente-do-bcp-foi-o-senhor-berardo-11000721.html
A LATA DE UM DESCARADO GULOSO MANIPULADOR  ARMADO EM VITIMA - Ex-presidente do BCP lidera Reformados Indignados - O ex-presidente do Banco Comercial Português (BCP) Filipe Pinhal vai liderar o Movimento dos Reformados Indignados (MRI), a ser apresentado em Lisboa na próxima terça-feira, anunciou este sábado a organização. https://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/ex-presidente-do-bcp-lidera-reformados-indignados?v=cb
2 de Março de 2013 às 14:46
O antigo administrador e ex-presidente do BCP, Filipe Pinhal, atacou esta segunda-feira o ex-primeiro ministro José Sócrates, o antigo ministro das Finanças, a regulação e accionistas de peso do BCP. E afirmou que os dez mil milhões que valia o banco em 2007 "chegaram os gananciosos". https://www.cmjornal.pt/economia/detalhe/bcp-dez-mil-milhoes-cegam-os-gananciosos?ref=Mais%20Sobre_BlocoMaisSobre


Caso CGD. Sócrates acusa Filipe Pinhal de “velhaca maledicência” e nega interferência no BCP

O antigo primeiro-ministro assegura que "nunca" conversou ou orientou o empresário José Berardo em qualquer investimento, nomeadamente na tomada de uma posição qualificada no BCP.
O antigo primeiro-ministro José Sócrates acusou esta terça-feira o ex-administrador do BCP Filipe Pinhal de ter deixado no parlamento sugestões de “pura e velhaca maledicência”, contrapondo que “nunca” conversou ou orientou o empresário José Berardo em qualquer investimento.
“Nunca discuti, conversei ou orientei o senhor José Berardo em qualquer investimento. Nunca tive sequer conhecimento, fosse por quem fosse, da sua intenção de reforçar a sua posição acionista no Banco Comercial Português”, escreve José Sócrates numa nota enviada à agência Lu

NÃO ESQUECER - Presidente da APB assegura que os bancos portugueses estão com “balanços sólidos”. Após a reunião com a ministra das Finanças e o ministro da Economia, Faria de Oliveira diz que a banca “não concorda mas aceita” a nova contribuição que incide sobre o sector. 

Fernando Faria de Oliveira, um dos mais felizardos banqueiros, com salário milionário, que, aos 73 anos, já tinha idade para ir gozar a sua luxuosa reforma, pois não é, que, o antigo ministro do Governo de Cavaco Silva,  ex-Presidente da Caixa Geral de Depósitos,  que já então alegremente acumulava com as funções de Presidente  da Associação Portuguesa de Bancos, a defender que sejam  os clientes, que se servem do multibanco, a suportarem os custos, caso a máfia de Bruxelas imponha   uma redução nas taxas bancárias cobradas 
PRIORIDADE À SOLIDEZ DA BANCA Presidente da APB assegura que os bancos portugueses estão com “balanços sólidos”

01 Novembro 2013 "Faria de Oliveira, presidente da APB - Associação Portuguesa de Bancos assegurou, após reunião com membros do Governo, que os bancos portugueses estão “sólidos” e bem preparados para os testes de stress que vão decorrer no próximo ano" NEGÓCIOS

- ENTÃO HÁ SOLIDEZ OU PREJUÍZOS

Bancos ganham 15 mil milhões com dívida pública em 2012 ..

NÃO ESQUECER  - 

BPN : nossa ruina, que já vai em"A Caixa Geral de Depósitos vai de boa saúde" (claro com milhões sacados ao Estado) e o Faria de Oliveira não quer que a banca fature menos - Ouvido em Comissão Parlamentar, o ex-ministro de Cavaco Silva, não gostou que os socialistas propusessem uma redução das taxas da dívida. Diz ele que, se tal sucedesse, os clientes é que teriam que pagar juros mais elevados - Até onde ia o despudor de um banqueiro, que era simultaneamente presidente do banco público e presidente da Associação Portuguesa de bancos Faria de Oliveira acusa autoridades de "diabolizarem a banca ..
. 
 Banca usurária nunca deu nada a ninguém, é golpista e especulativa.  A Banca tira financiamento à economia para lucrar com o Estado Vai buscar milhões a 1% para cobrar 10% e 15%.  - Foi assim que atiraram com Portugal para os troicanos. 

Nenhum comentário: