expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Celebração do Equinócio do Outono 23-09 -2019 - às 08.00 horas - Aldeia de Chãs - Foz Côa - Evocando o poeta do Amor, a figura e obra de João de Deus - O seu legado poético e pedagógico, considerado à época o primeiro do seu tempo, e o proponente de um método de ensino da leitura, assente numa Cartilha Maternal por ele escrita - Cuja centenária herança perdura até aos nossos dias – O Presidente da Direção da Associação de Jardins-Escolas João de Deus, António de Deus Ramos Ponces de Carvalho. garantiu-nos a sua presença, bem como de outras personalidades da distinta instituição


Jorge Trabulo Marques - Coordenador 






O Equinócio de outono em 2019 verifica-se em Portugal a 23 de Setembro, exatamente às 08:50. Esta é a hora oficial para o início do outono. - 

Nós vamos saudá-lo às 08.00 horas no Templo Rupestre da Pedra da Cabeleira de Nª Srª - Desta vez, evovando o poeta João de Deus  - Lendo alguns dos seus belos poemas e prestando a nossa singela homenagem ao seu importante legado cultural - Através do Centenário Museu João de Deus e  da Associação de Jardins-Escolas João de Deus.


Em pleno coração de Lisboa reside uma das mais originais bibliotecas do país. Consagrada à educação e aprendizagem, é um dos ramos da vasta participação cívica e cultural de João de Deus. O legado do autor da "Cartilha Maternal" – Vamos recordar o poeta e o seu legado cultural e com a honrosa presença do director da Associação de Jardins-Escolas João de Deus (AJEJD), António Ponces de Carvalho

NASCER DO SOL NA PEDRA NO SANTUÁRIO RUPESTRE DA PEDRA DE Nª SRª DA  CABELEIRA, ASSINALA  A ENTRADA DO OUTONO 2019


O equinócio de outono é a designação que a astronomia atribui ao fenómeno natural que assinala o final do verão e a chegada da nova estação. É o instante preciso em que o sol cruza o plano do equador celeste, o que decorre em setembro no hemisfério norte e em março no hemisfério sul. https://www.calendarr.com/portugal/equinocio-de-outono/

Os equinócios ocorrem duas vezes por ano, na primavera e no outono, nas datas em que o dia e a noite têm igual duração. A partir daqui até ao início do outono, o comprimento do dia começa a ser cada vez maior e as noites mais curtas, devido ao Sol percorrer um arco mais longo e mais alto no céu todos os dias, atingindo uma altura máxima no início do Solstício de Verão. É exatamente o oposto no Hemisfério Sul, onde o dia 20 de março marca o início do Equinócio de Outono. http://oal.ul.pt/equinocio-da-primavera-2019/




VENHA PARTILHAR OS MAIS ESPLENDOROSOS MOMENTOS DE POESIA E DE ENCANTAMENTO  -

O enorme penedo está orientado no sentido nascente-poente e possui uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento, que é iluminada no seu eixo no momento em que o Sol se ergue no horizonte, proporcionando uma imagem invulgar

A observação do alinhamento solar decorre, entre as 08.00 e 08.30, no lugar de Quebradas-Tambores, num rochoso planalto sobre o Vale da Ribeira de Piscos, em cujo curso se situam alguns dos principais núcleos de gravuras rupestres classificados como Património da Humanidade. Oportunidade excelente para celebrar o primeiro dia da estação mais  desejada e florida do ano e principiar bem um santo dia. Num local agreste mas encantador - Longe do habitual bulício urbano, em perfeita comunhão com a Natureza e com os olhos postos numa das mais esplendorosas imagens solares


ESTA É OUTRA MARAVILHA EXISTENTE NAQUELA ÁREA – ALINHADA COM O PÔR-DO-SOL NO SOLSTÍCIO O VERÃO






VAMOS SAUDAR O PRIMEIRO DIA DO OUTONO RECORDANDO A BELA POESIA DE JOÃO DE DEUS - Com poemas extraídos livro CAMPO DE FLORES,  que a sua neta, amavelmente  me autografou e ofereceu   - E DO POETA MANUEL DANIEL, natural de Meda, concelho limítrofe  do termo desta aldeia - Atualmente invisual

Associação de Jardins-Escolas João de Deus, com sede em Lisboa e  fundada em 1882, sob o nome Associação de Escolas Móveis pelo Método João de Deus,  é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) dedicada à educação e à cultura cuja atividade se reparte pela ESE João de Deus e por 37 Jardins-Escolas distribuídos pelo país.
De recordar que, há dois anos e no âmbito da comemoração dos 100 anos do Museu João de Deus, a Associação de Jardins-Escola João de Deus foi distinguida pelo  Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa com a Ordem Honorífica de Instrução Pública.

EVENTOS QUE JÁ SE IMPUSERAM PELA SUA BELEZA E SINGULARIDADE
 As celebrações do solstício do Verão e do Equinócio da Primavera e do Outono, nos alinhamentos solares dos monumentos megalíticos dos Tambores, em Chãs de Vila Nova de Foz Côa - conhecidos pelo Stonhenge português e entre os mais belos que resistiram desde os mais recuasdos tempos da pré-história - dir-se-á que já entraram definitivamente no calendário dos eventos astronómicos anuais. As televisões já deram a conhecer o lugar, uma agência internacional já divulgou a imagem para todo o mundo


VENHA PARTILHAR OS MAIS ESPLENDOROSOS MOMENTOS DE POESIA E DE ENCANTAMENTO  -

O enorme penedo está orientado no sentido nascente-poente e possui uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento, que é iluminada no seu eixo no momento em que o Sol se ergue no horizonte, proporcionando uma imagem invulgar

A observação do alinhamento solar decorre, entre as 08.00 e 08.30, no lugar de Quebradas-Tambores, num rochoso planalto sobre o Vale da Ribeira de Piscos, em cujo curso se situam alguns dos principais núcleos de gravuras rupestres classificados como Património da Humanidade. Oportunidade excelente para celebrar o primeiro dia da estação mais  desejada e florida do ano e principiar bem um santo dia. Num local agreste mas encantador - Longe do habitual bulício urbano, em perfeita comunhão com a Natureza e com os olhos postos numa das mais esplendorosas imagens solares



O convite é dirigido não só  à população da aldeia e às gentes do concelho e redondezas, convidando-as evocar as festas dos ciclos da natureza dos seus antepassados, e fazendo com que as mesmas continuem a fazer parte do seu património cultural, como também a  todos aqueles que se interessem pelo estudo e pesquisa do passado longínquo da História do Homem e das particularidades desta região, cheia de um passado riquíssimo, contribuindo com o seu testemunho e partilhando num acontecimento de rara beleza e significado Apesar de ser dia de trabalho e estar-se em plena época das vindimas,  a organização está confiante de que os participantes e todos aqueles que aceitarem adiar por algumas horas os seus afazeres, poderão ali viver momentos de raro esplendor, alegria e misticismo, tal como, nos tempos idos, os seus antepassados, quando ali se reuniam para agradecerem às suas divindades os frutos que a terra


SANTUÁRIO RUPESTRE E OBSERVATÓRIO PRÉ-HISTÓRICO

Fica situado em Chãs, de Foz Côa e é conhecido por Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora  -  Faz parte dos alinhamentos sagrados, com a mesma orientação de muitas igrejas da antiguidade, ou,  se recuarmos ainda mais no tempo, como Stonheeng, na Bretanha, Inglaterra, bem como outros observatórios pré-históricos, existentes em várias partes do mundo. Muitos dos quais em perfeito alinhamento com os corpos celestes, especialmente  os Equinócios e os Solstícios.

É um local mágico e  dos poucos lugares da terra onde  a beleza e o esplendor solar se podem repetir à mesma hora e com a mesma imagem contemplativa de há vários milénios.  O que se espera venha  a ocorrer, se as condições atmosféricas o permitirem, durante os vários minutos em que a cripta do enorme penedo é atravessado pelos raios solares da manhã - dia 22 às 08.00 horas   - Entrada do Outono

Os investigadores, que mais se têm debruçado sobre o estudo da área e deste sítio, como Adriano Vasco Rodrigues, Sá Coixão e Moisés Espírito Santo, Albano Chaves, conferem-lhe significado e importância: admitem a possibilidade do imponente megálito ter sido cultuado por antigos povos que viviam da agricultura do vale sobranceiro e que escolheram o afloramento granítico que ali se ergue, como verdadeira fortaleza natural,  para seus abrigos e celebrarem os seus rituais

Alguns especialistas, ligados às ciências exotéricas, tal como Tom Graves, que se deslocou expressamente da  Austrália, defendem que estes centros de culto, que geralmente se apresentam  em  forma de círculo ou amuralhados, como é este,  são locais de cura, atravessados por  linhas ou energias geodésicas  especiais, que os saberes e a experiência de antigas civilização, que viviam em estreita ligação com a Natureza, escolheram para seu benefício próprio e  se dirigirem às suas divindades.

O enorme megálito,  orientado no sentido nascente-poente, possui uma gruta em forma de semi-arco, com cerca da 4,5 metros de comprimento, que é iluminada no centro, no momento em que o Sol nasce. Situa-se num dos pontos destacados de um impressionante afloramento granítico, conhecido por Tambores, numa vasta área de abundantes vestígios pré-históricos, entre os quais avulta o Castro do Curral da Pedra. Está dentro do perímetro do Parque Arqueológico do Vale do Côa e muito próximo de dois dos principais núcleos de gravuras paleolíticas: Ribeira dos Piscos e Quinta da Barca – Este no termo desta freguesia.      

A primeira referência ao Santuário Rupestre da Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora, foi feita por Adriano Vasco Rodrigues, no seu estudo publicado em 1982, sobre a História Remota de Meda., que o classificou como local de culto ou de sacrifícios.



Deus deu-me a graça de me revelar o maravilhoso segredo que esta e outras pedras guardavam, em 2001 e 2002, esquecido na poeira dos milénios  e a que me refiro noutro site – Além da Pedra do Solstício, alinhada com o pôr-do-sol no primeiro dia do Verão, existe também a  Pedra da Cabeleira de Nossa Senhora, que o povo da minha adeia, há muito conhece: o que desconhecia é que, além de santuário, era também um calendário solar pré-histórico   - A pedra fica situada no Maciço dos Tambores-Mancheia, no perímetro do Parque Arqueológico do Vale do Côa, arredores da aldeia de Chãs, concelho de Vila Nova de Foz Côa - Este enorme megálito com 4, 5 metros de altura e sensivelmente o mesmo de comprimento, é atravessado pelos raios solares do nascer do dia e está alinhado com os Equinócios da Primavera e do Outono  O fenómeno pode ser observado no próximo dia 23, instantes depois das oito  horas da manhã


VENTURA


O Sol na marcha luminosa voa
Lançando à terra majestoso olhar;
 Passa cantando quem o ar povoa,
E a praia abraça venturoso o mar.

No bosque o vento doce canto entoa,
Ouvem-se em coro as multidões cantar:
Que a um só triste o coração lhe doa,
 Que eu seja o único a sofrer, penar!

Por ti, saudade... de quem vai tão perto·
E a quem dos olhos e das mãos perdi
Neste tão ermo, lúgubre deserto!

Por ti, ventura ... que uma vez senti;
Por ti que às vezes a meu peito aperto
 E ... o peito aperto sem te ver a ti!

João de Deus – Do livro Campo de Flores


"João de Deus de Nogueira Ramos, nasceu no dia 8 de Março, em São Bartolomeu de Messines, faleceu em Lisboa, a 11 de janeiro de 1896, aos  65 anos - Poeta, Escritor e Pedagogo  - Mais conhecido por João de Deus, foi um eminente poeta lírico e pedagogo, considerado à época o primeiro do seu tempo, e o proponente de um método de ensino da leitura, assente numa Cartilha Maternal por ele escrita, que teve grande aceitação popular, sendo ainda utilizado. Gozou de extraordinária popularidade, foi quase um culto, sendo ainda em vida objecto das mais variadas homenagens. Foi considerado o poeta do amor e encontra-se sepultado no Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa.


João de Deus é recordado em Lisboa pelo Museu João de Deus e em São Bartolomeu de Messines por uma casa-museu e por um grupo escultórico. A modestíssima casa onde nasceu ostenta na sua fachada uma lápide alusiva.

Em 1930, aquando da comemoração do centenário do seu nascimento, foi-lhe erigida um estátua no Jardim da Estrela, em Lisboa.



Em 1966, o seu corpo fora solenemente trasladado do Mosteiro dos Jerónimos para o Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa, após o término da sua edificação. A cerimónia decorreu entre os dias 1 e 5 de dezembro, em conjunto com as de outras ilustres figuras portuguesas. - EXCERTOS . https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_de_Deus_de_Nogueira_Ramos


Neta de João de Deus, o autor da Cartilha Maternal (1876), e filha do pedagogo João de Deus Ramos, foi inscrita na toponímia de Lisboa a também educadora Maria da Luz Ponces de Carvalho, pelo Edital de 03/07/2008, no eixo pedonal entre as Malhas 19 e 20.1 do Plano de Urbanização do Alto do Lumiar que passou a ser um Jardim, com uma área de 0,37 ha, na então Freguesia da Charneca e hoje, de Santa Clara.
Maria da Luz de Deus Ramos Ponces de Carvalho (Lisboa/27.06.1918 – 08.12.1999/Lisboa), nascida alfacinha na freguesia de São Sebastião da Pedreira,  foi a principal continuadora da obra de seu avô e de seu pai, exercendo a partir de 1943 trabalho educativo nos Jardins-Escolas João de Deus e leccionando em simultâneo a disciplina de Educação Sensorial no Curso de Educadoras de Infância pelo Método João de Deus..https://toponimialisboa.wordpress.com/2015/10/12/o-jardim-da-neta-de-joao-de-deus/
HOJE SEUS OLHOS JÁ NÃO PODEM CONTEMPLAR A LUZ DO DIA  - ESTÁ COMPLETAMENTE CEGO  -  Os seus belos versos fazem parte das tradicionais celebrações evocativas nos Templos do Sol   - São indispensáveis.

MANUEL DANIEL –  UMA VIDA INTENSA E MULTIFACETADA – ADVOGADO, POETA, ESCRITOR, DRAMATURGO E O HOMEM AO SERVIÇO DA CAUSA PÚBLICA

 A sua vida tem sido pautada pela dedicação mas também pela descrição. Atualmente, debatendo-se com extrema slimitaçoes da sua vista, por via de ter ficado completamente cego, no entanto, pese tão dura limitação, nem por isso a verbe do poeta se esgota  e, dentro do que lhe é possível, com apoio amigo da família, lá vai compondo os seus versos e editando livros.  Em cujos poemas  perpassa o que de melhor têm a poesia portuguesa -  Domina com mestria os mais diversos géneros poéticos e neles se expressa, a par de um  profundo sentimento de religiosidade, o amor à terra, à natureza, aos espaços que lhe são queridos,  suas inquietações e interrogações, sobre a efemeridade da vida  e o destino do Homem - Em Manuel Pires Daniel, não há jogo de palavras mas palavas que vêm  do coração, que brotam  naturalmente, como água da  melhor fonte, que corre das entranhas  do xisto ou do granito da nossa terra.




Nenhum comentário: