expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Arte Sacra Antiga – Fascinante imagem de Jesus Cristo, restaurada, em meados do século XIX, pelo pintor e restaurador inglês, George Morrill, - 1812-1865- uma referência na história do restauro, dotado de uma habilidade excecional tendo recuperado pinturas dos mais famosos artistas mundiais. - Destacado num dos estudos apresentado sobre os Restauradores de quadros britânicos, 1600-1950 – pelo M National Portrait Galler para o qual colaborou.


CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA DA ARTE  INGLESA E MUNDIAL - Jorge Trabulo Marques - Jornalista e investigador  - Revelação Inédita desta impressionante imagem de Cristo, a óleo sobre tela,  restaurada por George Morrill – Pois a matriz na moldura é da restauradora G. Morrill – Linear https://www.npg.org.uk/assets/files/pdf/research/artists_materials_14_Restorers.pdf


0,87 X 0,57
A reprodução desta antiquíssima, maravilhosa e beatífica  pintura de arte sacra, com a etérea imagem de Jesus Cristo, meia desnudada, envolvida por um manto branco, apontando os dedos ao coração, como que  a pairar divinamente nos céus em novelos de espessas névoas, foi restaurada em meados  do século XIX,  pela firma G. Morrill – Liner , ou seja pelo famoso  restaurador e pintor, George Morrill (1812-1865), que , segundo é  referido por estudiosos, trabalhou extensivamente para a National Gallery, 1858-97 - Este belo  quadro,  propriedade de  um colecionador português, poderá constituir-se como mais um excelente contributo artístico e documental para o aprofundamento do riquíssimo passado artístico, não apenas deste prestigiado restaurador e da sua firma, como, igualmente, para a  história de arte inglesa e mundial 


A autoria deste belíssimo quadro, que só os especialistas poderão desvendar, não está assinada, tal como grande parte de antigas obras de pintura,  admitindo-se, no entanto, que tenha sido executada por um grande pintor, pois, certamente, só assim poderia ter merecido o cuidadoso restauro do conceituado  e talentoso artista. - Pena, atualmente, devido à sua antiguidade, apresentar alguns sinais de degradação, na parte inferior do manto, com uns ligeiros rasgões na tela, além dos remendos que lhe foram colocados por detrás na altura do restauro.



Matriz  da  G. Morrill - Liner - inscrita na moldura

George Morrill, uma referência no restauro de obras antigas  - Destacado num dos estudos apresentado sobre os Restauradores de quadros britânicos, 1600-1950 – pelo M  National Portrait Gallery  - Um dos mais emblemáticos e fascinantes museus do mundo,  localizado em Londres, Inglaterra,, aberto pela primeira vez ao público em 1856, no qual podem ser admiradas milhares de fotografias, caricaturas, pinturas, desenhos e esculturas de reis, rainhas, poetas, músicos, artistas, pensadores, heróis e vilões de todos os períodos desde o fim do século XIV até aos dias atuais.

Veja de seguida alguns dados biográficos de  George Morrill (c.1812-1865) "um restaurador de imagens que trabalhou extensivamente para a Galeria Nacional, Galeria Nacional de Retratos, Coleções Reais e outros colecionadores de destaque”.  https://www.britishportraits.org.uk/queries/seeking-sitter-identity-portrait-of-an-actor-of-the-covent-garden-theatre-company-1811/ e observe, atentamente, a matriz   G. MORRILL LINER, embutida no alto da moldura, na qual também se podem observar os remendos colados na tela, sobre a qual, pelo que me pude aperceber,  terá feito o tratamento adequado para a sua restauração e preservação  - De referir que, a tela, do lado esquerdo e ao fundo, já apresenta alguns pequenos rasgões: mesmo assim, a  beleza do motivo religioso é extraordinariamente  belo digno de figurar nas coleções dos melhores museus.


A tela  escurecida pelo tempo  e a moldura  vistas de trás
"Restauradores de quadros britânicos, 1600-1950 – M "


Um recurso online, lançado em 2009, atualizado seletivamente duas vezes por ano. Última atualização em agosto de 2019. Contribuições são bem-vindas a Jacob Simon em volunteerjsimon@npg.org.uk .

E é justamente com este propósito que decidimos divulgar a obra e a matriz da firma restauradora e do seu principal obreiro.

 (…) George Morrill (c.1812-1865) assumiu o ramo de fotografia de Francis Leedham (qv) em 1857. Em uma conta datada de 1860, ele afirmou que era "por mais de 23 anos como capataz" em relação a Leedham (Jeannie Chapel, 'The Papers of Joseph Gillott (1799–1872)', apêndice online, p.7, Journal of the History of Collections , 2008, vol.20, pp.37-84). É evidente que as reivindicações feitas pela família Morrill de que seus negócios haviam sido fundados em 1827, como declarado em billheads posteriores (por exemplo, registros da National Portrait Gallery, Duplicatas de Contas, vol.8, p.101), se referem ao estabelecimento de Leedham. o negócio.
 

A família Morrill foi estudada por Lorne Campbell, a quem essa conta é devedora. George Morrill nasceu em 1812 em Trowbridge, Wiltshire, de acordo com registros do censo. Como ilustrador, descrito como filho de George Morrill, shearman, casou-se com Harriet King, filha de James King, shearman, em St. John the Evangelist, Westminster, em 15 de outubro de 1837, quando ambos residiam na 53 Wardour St (casamento). certificado, informações de Lorne Campbell). Ele pode ser encontrado nos registros do censo, em 1841 em Meards St, Soho, como ilustrador, com a esposa Harriet e em 1861, na 46 Poland St como ilustrador, com 49 anos, nascido em Trowbridge, com a esposa Harriet, com 43 anos, e filho William, pintor, 22 anos, para quem veja abaixo.
 

George Morrill morreu na 26 Poland St, Oxford St, em 15 de março de 1865. Seria "difícil substituí-lo", temia Ralph Wornum, detentor da Galeria Nacional (arquivo da National Gallery, NGA2 / 3/2/13). Em seu testamento, realizado em 19 de abril de 1859 e comprovado em 29 de abril de 1865, Morrill se descreveu como um pintor e deixou sua propriedade para sua esposa e filho (informações de Lorne Campbell). Seus executores eram seus amigos Francis Leedham e Richard Ambrose Mersh, Buckland, Portsea, cavalheiro. O testamento foi provado por Leedham, com efeitos abaixo de £ 300. Sua viúva, Harriet, viveu até 1892.
 

O marcador de gravura, Elijah Morrill (c.1820 / 3-1894), provavelmente era irmão ou primo de George Morrill. Nos registros do censo, ele foi registrado em 1851, 31 anos, aos 24 Arthur St, St. Giles-in-Fields, e em 1881, 61 anos, nascido em Trowbridge, Wiltshire, aos 113 Arthur St, Chelsea, sempre como pintor de quadros. . Ele morreu em 1894, com a idade de 71 anos, no distrito de Fulham.
 

Richard Redgrave, do Surveyor of the Queen's Pictures, usou Morrill para pintar parquet e forrar quadros (Millar, 1977, p.189), uma escolha que Oliver Millar descreveu como infeliz, já que muitas das imagens de Hampton Court foram tristemente achatadas (Millar 1991p.23 ) No entanto, a Virgem e o Menino de Paris Bordone, com dois doadores , teria sido refilmada por Morrill em 1862, com uma habilidade excepcional para o período (Shearman 1983, p.56). Em 1862-3, Morrill e Henry Merritt trataram o retrato triplo de John Lacy de John Michael Wright, reduzindo-o ao tamanho original, 1863 (veja Jenny Rose, 'Tratamento do ”retrato triplo de John Lacy” de John Michael Wright' , Boletim do Instituto Hamilton Kerr , no.4, 2013, pp.21-32). Em 1865, Morrill e Raffaelle Pinti (qv) trataram a oficina de Giulio Romano Mermaid, que alimentava seus filhotes (Shearman 1983, p.131).
 

'Morrill the liner', seguido por seu filho William (veja abaixo), trabalhou extensivamente para a National Gallery, 1858-97. Ele tratou São Vicente Ferrer, de Francesco del Cossa, e Madonna of the Meadow, de Giovanni Bellini, em 1859 e cercou a Londres de JMW Turner de Greenwich (Tate Gallery) em 1860 (arquivo da National Gallery, NGA2 / 3/4/50, NG 13/1/3) . Ele enfileirou e reduziu ao tamanho original Retrato de uma jovem mulher de Paris Bordone em 1861, que foi então limpo por Raffaelle Pinti (Penny 2008 p.46). Para Sir Charles Eastlake, pessoalmente, George Morrill produziu um berço para o painel da oficina Bouts, Virgin and Child, com os irmãos Peter e Paul , que leva seu selo, G MORRILL (Galeria Nacional, ver Campbell, 1998, p.67).
 

Na Wallace Collection, ele relançou dois trabalhos, ambos estampados na maca, G MORRILL / LINER, ou seja, Philippe Le Roy , de Van Dyck, e Cena do canal de Aert van der Neer, por Moonlight (Ingamells 1992, pp. 110, 230). Na Dulwich Picture Gallery, 'Morrell' relançou A Road, de Aelbert Cuyp, perto de um rio em 1864, quando a pintura foi limpa por Henry Merritt (Waterfield, 1995, p.52).
 

Em Highclere, ele "recuou com sucesso perfeito", Lady Elizabeth Herbert, de Joshua Reynolds, e seu filho (col. Particular, ver Mannings 2000, no.881), "tendo destacado a superfície pintada inteiramente da tela original, para a qual ela dificilmente era a menor. adesão ”(Leslie 1865 p.377). Seu selo pode ser encontrado em Karl Friedrich Abel, de Gainsborough (National Portrait Gallery, ver Ingamells 2004, p. 2) e no Dr. Isaac Shomberg, de Thomas Hudson, e Anne King (James Huntington Library and Art Gallery, de James Northcote, veja Asleson 2001 pp.206, 288).
 

No Museu Fitzwilliam, quatro fotos dos presentes de AA VanSittart de 1864 e 1876 têm o esticador de Morrill, incluindo a paisagem de Jan Wynants com mulher e cachorro e a visão de Jacob van Ruisdael sobre o Amstel , e outras duas exibem o carimbo do predecessor de Morrill, Francis Leedham (qv).
 

«G. Morrill realizou trabalhos de revestimento em Wherries de John Sell Cotman em Breydon Water (Tate) e Portrait of a Young Man (Museu do Castelo de Norwich), ambos estampados na barra da maca: G MORRILL LINER (informações de Rose Miller, maio de 2012, da conservação do museu registros). Morrill realizou trabalhos para Joseph Gillot, 1859-68 (Jeannie Chapel, 'Os Documentos de Joseph Gillott (1799–1872)', apêndice online, p.7, Journal of the History of Collections , 2008, vol.20, pp.37 -84). Morrill enfileirou o retrato de perfil de um jovem da escola francesa para William Russell ou o artista, GF Watts, c.1860, maca estampada: G. MORRILL / LINER (Galeria Nacional, ver Campbell 2014 p.746). Ele tratou John Wesley, de Nathaniel Hone (National Portrait Gallery), provavelmente para o negociante, Henry Graves, em 1861; a maca ostenta o carimbo impresso: G MORRILL - LINER (consulte o arquivo da National Portrait Gallery, RP 135). – Excertos de https://www.npg.org.uk/research/programmes/directory-of-british-picture-restorers/british-picture-restorers-1600-1950-m


 OUTRAS REFERÊNCIAS EM QUE É CITADO GEORGE MORRILL E EM QUE SURGE A MATRIZ DA SUA FIRMA

XIX C Viajantes em inglês Paisagem óleo sobre tela .. Circle of George Morland - 19th C Travelers in English Landscape oil on canvas.. Circle of George Morland

"Paisagem inglesa do século XIX com viajantes. Círculo de George MORLAND (1763-1804) Grande paisagem fina do século XIX com viajantes, óleo sobre tela. Excelente qualidade e exemplo inicial de pintura de paisagem inglesa. Muito parecido com os trabalhos de Morland. Framed.Measurements: 35 "x 20" emoldurado. Nota: a moldura data desta pintura, veja a história de G. Morrill abaixo e observe atentamente a imagem que tenho da moldura estampada na madeira ... G. 

O evento, que contou com a participação de mais de 200 pessoas, contou com a participação de mais de 200 pessoas, entre amigos e familiares. Na 3 Duck Lane, Wardour St, Londres 1857-1980, também na 26 Poland St, Oxford St 1865-1871, 5a Railway Place, Ladbroke Grove 1872, 78 Gresham Road NW10 1970. Forros, restauradores e limpadores de retratos. empresa especializada em trabalhos estruturais. Foi iniciado por Francis Leedham (qv) em 1827, passando para 3 Duck Lane em 1839, onde continuou até 1980, na propriedade de George Morrill de 1857, e depois nas mãos de seu filho William Morrill e netos. George Morrill (c.1812-1865) assumiu o ramo de fotografia de Francis Leedham (qv) em 1857. É evidente que as reivindicações feitas pela família Morrill de que seus negócios haviam sido fundados em 1827, como declarado em cartazes posteriores (por exemplo,



Os registros da National Portrait Gallery, Duplicates of Accounts, vol.8, p.101), referem-se ao estabelecimento dos negócios de Leedham. A família Morrill foi estudada por Lorne Campbell, a quem essa conta é devedora. George Morrill nasceu em cerca de 1812 em Trowbridge, Wiltshire, de acordo com registros do censo. Como ilustrador, descrito como filho de George Morrill, shearman, casou-se com Harriet King, filha de James King, shearman, em St. John the Evangelist, Westminster, em 15 de outubro de 1837, quando ambos residiam na 53 Wardour St (casamento). certificado, informações de Lorne Campbell). Talvez George Morrill tenha aprendido seu ofício como funcionário de Francis Leedham. Ele pode ser encontrado nos registros do censo, em 1841 em Meards St, Soho, como ilustrador, com a esposa Harriet e em 1861, na 46 Poland St como ilustrador, com 49 anos, nascido em Trowbridge, com a esposa Harriet, com 43 anos, e filho William, pintor, 22 anos, https://www.worthpoint.com/worthopedia/19th-travelers-english-landscape-oil-1837267369



Nenhum comentário: