expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Santo Tirso - Cidade de Alberto Festa – Glória dos anos 60 do Futebol do F. C.do Porto e da Seleção Jogou com Eusébio, Coluna, entre outros craques – E foi também Jogador do Tirsense, donde se aposentou depois


 Jorge Trabulo Marques - Jornalista e foto-jornalista
 


Alberto Festa, natural de Santo Tirso (21 de Julho de 1939), cidade onde nos cruzamos com ele, em Abril de 2014, anos, imagem bem diferente da prosperidade económica que lhe conhecemos, quando ali estudamos na Escola Agrícola 

No Porto, fez 114 jogos,  entre 1960 e 1968. Depois, ele voltou ao Tirsense, onde era natural  e jogou e foi treinador até 1972 quando se aposentou aos 33 anos. Festa fez 19 jogos pela Seleção Portuguesa.  E  foi o único jogador do Porto que participou na fase final da Copa do Mundo de 1966 - Pormenores mais à frente

Santo Tirso, é das mais belas e sardinhadas cidades do Douro Litoral e do Minho. Pertence ao distrito do Porto,  está localizada  a  25 Km da capital do Norte – Sede do município da  região  do  Ave, ocupa uma área   de 136,60 km, subdividido em 14 freguesias. Em 2011,  no seu perímetro  tinha uma população de 71.530 e 14 107 habitantes no seu perímetro urbano.  - Antes da era da globalização, chegou a ser um  próspero  centro da indústria têxtil.  Actualmente, as suas fábricas, são as silenciosa ruínas testemunhos  desses  tempos áureos.

O município é limitado a norte por Vila Nova de Famalicão e Guimarães, a nordeste por Vizela, a leste por Lousada, a sueste por Paços de Ferreira, a sul por Valongo, a sudoeste pela Maia e a oeste pela Trofa. Santo Tirso está localizado entre Braga, Guimarães, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Porto e dista de todas cerca de 30 km. De 978 até 1834, constituiu um couto cuja sede era o Mosteiro de Santo Tirso, possuindo propriedades por todo o Entre Douro e Minho.

De 1836 até 1998, o actual concelho da Trofa esteve integrado no de Santo Tirso, que era, por isso, um dos 20 mais populosos do país. A cidade de Santo Tirso foi o berço da industrialização do têxtil em Portugal. A fábrica de Fiação e Tecidos Rio Vizela, fundada em 1845, nas freguesias de Vila das Aves e São Tomé de Negrelos, foi a primeira unidade do ramo no país, tendo sido, também, a maior fábrica portuguesa da altura. Santo Tirso tem uma doçaria tradicional peculiar, uma vez que produz, na pastelaria Moura, os famosos Jesuítas. Além deste pastel, destacam-se igualmente os limonetes, produzidos nas diversas pastelarias da cidade http://jornal-renovacao.pt/2015/08/cidade-de-santo-tirso/




Alberto Festa, recordou-nos, num causal e agradável encontro, algumas das recordações da sua vida profissional de jogador de futebol, na posição de defesa, quer como jogador do Tirsense, onde começaria a sua carreira, quer como uma das antigas glórias do Futebol Clube do Porto e da Seleção Nacional, mas também como treinador, memórias de uma vida com 30 anos dedicados ao serviço do desporto. Representou o Futebol Clube Tirsense e o Futebol Clube do Porto. 

No princípio dos anos 60, o FC Porto tinha um grande problema para resolver: arranjar um substituto para Virgílio Mendes, o "Leão de Génova", que realizara 17 épocas no clube. A aposta foi num jovem que pontificava no Tirsense, de nome de guerra Festa. Rapidamente se provou que o posto de defesa-direito estava de novo bem preenchido. Vestiu a camisola azul e branca durante oito temporadas onde foi o defesa direito dos Dragões. No dia 16 de Setembro e 1964, foi um dos titulares da equipa dos Dragões que venceram o Olimpique de Lyon por 3-0 na 1ª mão da 1ª eliminatória da Taça dos Vencedores das Taças e que marcou o primeiro triunfo do F.C. Porto nas competições europeias. Em 1966 foi um dos três “Magriços” das Antas, juntamente com Américo e Custódio Pinto, que marcaram presença no Campeonato do Mundo de Futebol de Inglaterra. 

Em 1968 ainda fez parte do plantel que conquistou a Taça de Portugal depois da vitória do F.C. Porto sobre o V. Setúbal por 2-1 na Final do Jamor. Ganhou por seis vezes a Taça Associação de Futebol do Porto (1960/61, 1961/62, 1962/63, 1963/64, 1964/65 e 1965/66). Na temporada seguinte, Festa regressou ao F.C. Tirsense para competir durante mais duas épocas, até terminar a sua carreira no final da temporada de 1971 


Alcançou 19 internacionalizações. O único elemento do FC Porto que participou na fase final do Campeonato do Mundo de 1966 foi o defesa Festa. O grande momento da sua carreira foi, também, o ponto final da sua passagem pela selecção nacional. Assim o consideraram os responsáveis pela selecção nacional na campanha de qualificação para o Campeonato do Mundo de 1966, utilizando-o em cinco dos seis jogos dessa fase. [1] Durante o torneio final, Festa começou por não ser escolhido para o primeiro jogo, mas veio a ser utilizado no segundo perante a Bulgária, nas meias-finais com a Inglaterra e na partida que atribuiu o terceiro posto perante a União Soviética. Em conclusão, alternou no posto com o sportinguista João Morais, realizando cada um o mesmo número de encontros. Com a União Soviética tinha totalizado a 19.ª internacionalização. A 19 de Dezembro de 1966 foi agraciado com a Medalha de Prata da Ordem do Infante D. Henrique. Excertos extraídos de https://pt.wikipedia.org/wiki/Alberto... e de… http://estrelas-do-fcp.blogspot.pt/20...

Nenhum comentário: